Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Quais os sintomas da SIDA?”

 

 
 
“Tenho 18 anos e oiço falar muito da SIDA, e por isso gostaria de saber quais os sintomas desta doença.”
Adriano, Alhandra
 
Caro Leitor,
 
A Síndroma de Imunodeficiência Adquirida (SIDA) é manifestado por uma série de sintomas clínicos que aparecem como consequência de fragilidade do sistema imunológico, deixando o indivíduo vulnerável a infecções que seriam de outra forma inofensivas. Desta forma, os sintomas da SIDA podem ser variados, dependendo do estado do sistema imunológico do indivíduo, bem como de há quanto tempo foi infectado. Pouco após a infecção pelo vírus, ou seja, quando o indivíduo se torna HIV positivo, pode apresentar sintomas semelhantes aos sintomas da gripe, podendo depois passar vários anos sem apresentar quaisquer sintomas. Num estado mais avançado da doença o individuo desenvolve SIDA, na qual pode apresentar sintomas como falta de energia, diarreia e perda de peso, bem como Sarcoma de Kaposi, um tipo de cancro.

“Ela tem vergonha de ficar nua à minha frente!”

 
“Não consigo perceber o motivo pelo qual a minha namorada não se sente à vontade para estar nua à minha frente. Será normal a reacção dela?”
 
Filomena, Mirandela
Cara Leitora,
 
O comportamento da sua namorada deve estar baseado em algo pessoal, por isso experimente ser sincera e directa e converse com ela a respeito desse assunto. Pergunte-lhe o porquê do seu comportamento pois só dessa forma a leitora a vai poder ajudar a ultrapassar esse problema. Talvez ela pense que tem uns quilinhos a mais ou se sinta pouco à vontade com a sua sexualidade, por isso a sua compreensão é imprescindível. Vá conversando com ela de forma a descobrir a melhor forma de conquistar a sua confiança. Comece por compor um ambiente romântico, relaxante e propício ao erotismo. Inicialmente, opte por um ambiente com pouca luz para que proporcione um pouco mais de à-vontade à sua namorada. Seja o mais meiga, atenciosa e dedicada possível, pois essa atitude, aliada a um ambiente excitante, poderá ser a solução para o seu problema.
 
 

“Os anti-depressivos interferem com o orgasmo?”

 
“Tenho estado a tomar anti-depressivos há já algum tempo e tenho notado que o meu desempenho sexual se alterou. Gostava de saber se os anti-depressivos diminuem a frequência dos orgasmos.”
 
Salomé, Porto
 
Cara Leitora,
 
Alguns anti-depressivos, bem como medicamentos para a redução da ansiedade, têm como efeito secundário a diminuição do interesse sexual e dificuldade em atingir o orgasmo. Medicamentos como o Prozac ou Zoloft são notórios neste âmbito. O anti-depressivo que está no Mercado e que tem tido menos efeitos secundários a nível sexual e o Welbutrim. É bem provável que pelo facto de estar a ser medicada com anti-depressivos o seu desempenho sexual tenha sido afectado. Converse com o seu médico a respeito do que tem sentido, e se achar necessário peça que lhe receite outro anti-depressivo que tenha menos efeitos secundários, ou que altere a dose da medicação que está a tomar.

Ejaculação Precoce

Tenho 26 anos e sou extremamente ansioso e nervoso. Tenho constantemente ejaculações precoces o que tem dificultado a minha actividade sexual.

Gostaria então de saber o que é aconselhável no meu caso. Gostaria que me indicasse onde poderei ser tratado, já que não conheço clínicas para o efeito. Sou do norte do país. 

Joaquim

Caro Joaquim,

 
Não se auto-diagnostique sem consultar um especialista – isso é muito duro para si mesmo e pode simplesmente ter dificuldades em manter a erecção tanto tempo como desejaria ou imagina ser necessário para uma relação sexual satisfatória.
 
Seja realista na sua apreciação do tempo de ejaculação: uma relação sexual de penetração não dura tanto como se diz. Um estudo recente (da equipa de Eric Corty da Universidade de Penn State, que saiu no Journal of Sexual Medicine) refere que uma relação sexual ideal dura entre 3 e 13 minutos. Claro que se se sente insatisfeito com o tempo que dura a sua ejaculação, tem razões para procurar ajuda.
Se é uma pessoa ansiosa por natureza, tente abstrair-se de problemas, relaxar, não partir logo para a penetração mas demorar-se nas carícias, em sentir o corpo da outra pessoa e o prazer e satisfação que lhe pode oferecer, em descobrir as suas zonas erógenas preferidas…
Experimente um produto retardante em pomada, que pode ser comprado numa sex-shop, para colocar na glande e fazê-lo perder um pouco a sensibilidade peniana. Pode também colocar um preservativo e tentar a masturbação com ele, antes de o colocar na relação sexual (pode inibi-lo e assim tem tempo de treinar sozinho até se sentir à vontade).
Se estas sugestões não funcionarem, tente a técnica dos terapeutas sexuais – o squeeze – que consiste em parar a estimulação sexual e apertar a base ou freio do pénis com três dedos (polegar, indicador e dedo médio) antes da ejaculação e por 3 a 4 segundos, o que parará a ejaculação e causara uma redução da erecção. Continue a estimulação e excitação mútua para voltar a recuperar a erecção. Esta técnica deve ser repetida 3 vezes ate permitir a ejaculação. E normal que nas primeiras vezes não seja bem sucedido em conseguir parar a estimulação antes de ejacular, mas deve continuar a tentar. Demora em média 3 semanas, fazendo o exercício 3 ou 4 vezes por dia até que se notem os resultados. Esta técnica pode parecer difícil de executar, pelo que a ajuda de um técnico especializado em sexologia pode ser útil. Não deve ter medo de recuperar a erecção, como refere, pois esse medo em antecipação é que o deve estar a impedir de a recuperar. É ter tranquilidade e não ser observador da sua relação, mas estar presente a sentir todo o prazer possível. Pode ainda masturbar-se até atingir o orgasmo e a ejaculação umas horas antes da relação sexual (ou na própria relação sexual), para que na próxima penetração o tempo desta seja mais duradouro.
 
Apesar destas sugestões úteis, penso que deveria consultar um especialista, que lhe esclareça esta questão e lhe dê um apoio presencial, pois pode prevenir que este problema continue e o faça sentir-se cada vez pior consigo próprio e nas suas relações sexuais. Não tenha vergonha, a ejaculação precoce ou prematura é muito frequente em homens de muitas idades e tem tratamento. As nossas consultas em Lisboa, no Saldanha, podem ser marcadas em 21 318 25 91. Recomendamos a terapeuta sexual Mónica Rodrigues, no Porto, em 22 338 9697, na Rua Gonçalo Cristóvão, nº 23-3º andar. Ainda em Viseu e em Coimbra tem consultas de sexologia nos Hospitais públicos, que pode procurar e esperar que seja chamado. Boa sorte!

Consulta de planeamento familiar

Eu e a minha namorada iniciámos a nossa vida sexual há pouco tempo e tivemos relações 3 vezes. Na penúltima aconteceu que, após fazermos amor, reparei que o preservativo se encontrava a meio do pénis, algo que me deixou assustado, embora não tenha ejaculado nele. Fui masturbar-me e vim-me normalmente. A minha namorada acha que tem o período atrasado, ela nunca tomou a pílula e agora tem os seios com algumas dores e anda com dores nos rins há 2. Ela nota que tem a barriga mais inchada como o habitual. Estamos bastante preocupados com este atraso menstrual dela… será que é normal este atraso? o que acha que poderá ser?
José 
 
Caro José,
Não lhe posso garantir o que poderá ser esse atraso na menstruação. É aconselhável que vão juntos a uma consulta de planeamento familiar, onde possam escolher uma contracepção mais eficaz, que não apenas o preservativo, e onde esclareçam esta ou outra dúvida. O facto de o preservativo se ter deslocado durante a penetração pode significar que é demasiado grande (confirme que tipo está a usar) ou que perdeu ligeiramente a erecção, o que é perfeitamente normal.
O seguimento ginecológico das mulheres com vida sexual activa é essencial e o acompanhamento do casal pode melhorar em muito as vossas actividades sexuais e o prazer em segurança que podem tirar delas.
Em Portugal, muitos centros de saúde têm estas consultas gratuitas, anónimas e têm métodos contraceptivos acessíveis para todos. Reflictam com os técnicos de saúde da equipa quais são melhores para vocês utilizarem: adesivos, implante, anel vaginal…sem esquecer que o preservativo é o único que protege igualmente das infecções sexualmente transmissíveis e das gravidezes indesejadas, pelo que dá segurança dupla.
Por fim, não se esqueçam que ter atrasos na menstruação pode ser normal e não se estar grávida, pode ser apenas uma fase mais ansiosa ou sinal de outras situações ginecológicas. Um médico e uma consulta podem esclarecer melhor estas questões.