Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Tema de Hoje: Relacionamentos

 “Estou apaixonada pela minha colega.”

 

“Sou casada há 16 anos, temos um filho e até há pouco tempo eu era feliz. Desde há uns meses veio uma colega nova para o meu trabalho, estamos frente a frente na secretária e comecei a sentir coisas que nunca tinha sentido… Sei que estou apaixonada por ela, adoro as nossas conversas, as risadas, a maneira como ela se veste e parece, ando ansiosa por voltar ao trabalho. Tenho medo de mim – o que posso fazer? Serei lésbica?”

 

Maria, Beja

 

Cara Leitora,

A sua certeza na paixão que está a sentir parece estar a indicar-lhe o seu caminho. É normal que sinta medo de descobrir uma nova dimensão da sua sexualidade, principalmente quando não esperava senti-la por uma pessoa do mesmo sexo, mas parece que sentir tais emoções está a deixá-la também feliz. Não se preocupe com o que é, com nomes e adjectivos sobre a sua orientação sexual. Vivemos numa sociedade muito heterossexista, ou seja, parte-se do princípio que toda a gente é heterossexual e tem relações com pessoas do sexo oposto, mas a realidade não é assim. Como ainda existe alguma discriminação e homofobia (sentimentos negativos face às pessoas lésbicas, gays, bissexuais) pode ser assustador passar pelo que está a passar agora. Mas não se culpabilize nem sinta mal – afinal de contas quem controla os seus sentimentos e por quem bate o coração?

Oiça o seu coração e expresse os seus sentimentos a alguém em quem confie (a sua colega? Uma amiga que a possa ajudar? Alguém que esteja numa relação com outra pessoa do mesmo sexo ou já tenha estado, pessoas de associações de lésbicas, gays ou bissexuais) de modo a perceber que decisões deve tomar neste momento da sua vida. Muitas pessoas mudam o rumo do seu casamento, pois este não as satisfaz toda a vida, não se deve culpabilizar por isso e tenha confiança que o seu filho preferirá vê-la feliz do que infeliz por causa dele. Boa sorte!

Tema de Hoje: Sexo Oral

 “O meu esposo quer fellatio”

 

“O meu esposo pede–me para fazer fellatio antes de termos relações sexuais, porque isso o excita imenso, eu até gostava de lhe fazer, se soubesse o que é…”

Ana, Guimarães

 

 

Cara leitora:

Realmente essa palavra pode parecer um pouco complicada!!! Fellatio é apenas o termo "técnico" para sexo oral. Ou seja, a estimulação do órgão genital (feminino ou masculino) com a boca. Esta é uma prática bastante comum entre casais, por isso o pedido do seu esposo é bastante normal. Muitos homens apreciam o sexo oral mais do que a penetração por ser bastante excitante, daí o seu marido pedir-lhe que o pratique. Agora que já sabe o que é pode satisfazê-lo sem problemas. 

Tema de Hoje: Fantasias

 “Só tenho prazer se ele for agressivo!”

 

“ Desde que eu e o meu namorado experimentarmos termos relações sexuais utilizando a violência não consigo deixar de desejar estar sempre a fazê-lo. Será normal?”

 

João Carlos, Porto

 

Caro Leitor,

As experiências sexuais variam de indivíduo para indivíduo, conforme os padrões culturais, estilos de vida e da própria maneira como se encara a vida.

Pequenos actos de violência com o objectivo de dar e receber prazer são perfeitamente normais na partilha da intimidade. Porém, o importante é saber distinguir aquilo que é normal do que se torna obsessivo e perigoso. Se considerar necessário, tente mudar a sua rotina sexual de modo a averiguar se a obtenção de prazer através da agressão é algo compulsivo, para que possa analisar o seu comportamento.

Se verificar da sua parte pouca receptividade em conhecer outras estratégias, talvez seja melhor procurar a ajuda de um técnico especializado para que possa orientá-la em outras formas saudáveis de obter prazer.

“Sinto dores durante a relação sexual. Será que é porque entrei na menopausa?”

 

“Nunca senti qualquer tipo de dor mais profunda desde que iniciei a minha vida sexual, mas agora que entrei na menopausa cada vez que eu e o meu marido temos relações sofro com dores.”

                                                                 

Laura, Viana do Castelo

 

Cara leitora,

As dores que sente durante o acto sexual são muito comuns durante a fase da menopausa. É nesta altura que o seu corpo sofre transformações e alterações hormonais, o que causa as tais dores e também a redução de desejo sexual. O seu mal-estar deve-se à pouca lubrificação vaginal que advém dessas alterações. Aconselho-a a visitar o seu ginecologista para que tenha a certeza de que está tudo bem consigo a nível físico. Deverá depois consultar um endocrinologista especializado em questões relacionadas com a menopausa, dado que existem vários tratamentos que reduzem os seus efeitos. Contudo, se optar por algum tratamento, sugiro que se informe muito bem sobre os efeitos secundários antes da sua tomada de decisão. Entretanto, para evitar o mal-estar sentido nas relações sexuais, use um lubrificante.

“Sinto-me mal por ter escondido à minha namorada que a traí!”

 

“Tenho um relacionamento de 2 anos com a minha namorada, de quem gosto muito, mas há uns meses atrás traí-a com outra pessoa. Não significou nada para mim, e agora sinto-me culpado por lhe esconder isso. O que devo fazer?”

 André, Barcelos

 

 

Caro Leitor,

A decisão de contar à sua namorada esta que a traiu depende da forma como encara esta relação. Se acha que esta é a relação da sua vida, provavelmente o melhor será contar toda a verdade, tendo em conta que as reacções a uma mentira, especialmente deste tipo, nunca são agradáveis. Todavia, e para que não carregue o fardo do sentimento de culpa, o melhor é esclarecer tudo, pois existem hipóteses da sua namorada poder descobrir toda a verdade sem ser por si. Com esta atitude terá a oportunidade de perceber se os sentimentos que a sua namorada nutre por si são verdadeiros e sinceros e que o aceita com todas as suas qualidades e defeitos, incluindo tudo o que fez no passado. Quando se decidir a falar com ela, explique-lhe as razões pelas quais omitiu o que aconteceu e porque aconteceu dizendo-lhe, também, o que sente por ela para que ela compreenda exactamente a sua posição. Prepare-se pois é provável que ela fique desiludida e triste consigo.

 

“A SIDA é uma infecção sexualmente transmissível. Que outras infecções desse tipo existem?”

Tenho algumas dúvidas sobre as Infecções Sexualmente Transmissíveis, isto porque a que mais é divulgada é a SIDA. Quantas existem e quais são as que se manifestam com maior frequência?

 

Anabela, Barreiro

 

 

Cara leitora,

Efectivamente a SIDA é considerada a mais dominante de todas as IST (Infecções Sexualmente Transmissíveis) no momento, como antes tinha sido a Sífilis. Qualquer IST, quando diagnosticada e tratada em tempo útil, pode evitar o contágio a outras pessoas / parceiros, e consequentes problemas de saúde. Os sintomas das IST são, em alguns casos, difíceis de detectar e por esta razão deverá ser efectuado sempre o rastreio ao nível da saúde sexual, mesmo se não evidenciar qualquer sintoma. Se achar, por qualquer razão, que foi infectada, o melhor será dirigir-se ao médico, pois não deverá deixar uma infecção destas por tratar, correndo o risco de originar mais problemas e complicações. As IST que se verificam com maior frequência são: o HIV, que conduz à SIDA; as Verrugas Genitais, pequenos e duros inchaços que aparecem junto aos órgãos genitais; o Herpes Genital, semelhante ao cieiro habitual da boca e dos lábios; a Gonorreia que, tanto em homens como em mulheres, poderá ser evidenciada por sensação de ardor ao urinar, sendo unicamente tratada com penicilina; a Sífilis, a qual deverá ser detectada logo na fase inicial, pois poderá afectar a saúde de todo o organismo podendo até mesmo levar à morte; a Clamídia ou Uretite não específica, em que os sintomas são semelhantes aos da Gonorreia; a Tricomoníase, causada por um parasita e que provoca infecções do tracto urinário; a Pediculose Púbica que é causada por piolhos, os quais provocam uma comichão intensa na zona púbica; a Vaginite que, geralmente, é causada por uma bactéria devido à falta de higiene adequada da mulher. Como tal, deverá estar atenta a quaisquer sinais fora do normal, tanto em si como no seu parceiro, de modo a que sejam tratados na fase inicial. Claro está que a melhor técnica a adoptar será o sexo seguro, isto é, cada vez que tiver relações sexuais, o melhor caminho para a prevenção será o uso regular do preservativo.

“Já estou farta do vibrador!...”

 

“Tenho uma relação estável com outra mulher há já 4 anos. Procuramos sempre animar a nossa vida sexual e experimentar coisas novas, há uns meses comprámos um vibrador, que temos utilizado desde então. Acontece é que eu já estou farta e ela continua a insistir em usá-lo.”

Sónia, Macedo de Cavaleiros

 

Cara Leitora,

O uso de objectos que proporcionem maior diversão nos momentos de intimidade e diminuição da rotina são sempre saudáveis. Actualmente, é bastante normal que casais tanto homossexuais como heterossexuais visitem sex-shops à procura de novas formas para dinamizar a vida sexual e fugir à rotina. Todavia, não tem de consentir no uso de objectos ou em brincadeiras com as quais não está de acordo. Não é legítimo que a sua companheira exija a sua participação em práticas sexuais que não são do seu agrado, por isso, converse com ela e mostre-lhe que a vossa sexualidade apenas resulta se ambas concordarem e tiverem motivação para participar nas aventuras eróticas. O sentido de obrigatoriedade fará com que a leitora, progressivamente, vá perdendo a vontade de estar intimamente com ela. Mostre-lhe que prefere partir à descoberta de outras coisas e que nesse sentido a vossa performance sexual apenas beneficiará com isso, principalmente se estiverem ambas empenhadas. 

“A masturbação causa-me dores!”

 

“Muitas vezes, ao masturbar-me, sinto muitas dores, principalmente quando fricciono o clítoris. É normal?”

 

Carolina, Setúbal

 


Cara leitora,

Os órgãos sexuais são bastante delicados e quando tocados de forma excessiva ou incorrecta podem causar dor. Por isso, o que o seu corpo lhe está a dizer é que deve mudar a forma, a frequência ou intensidade com que se masturba. É importante que conheça melhor o seu corpo para que não tenha que recorrer à fricção do clítoris com tanta força, o que tanto a magoa e que tanto desconforto traz. Comece da estaca zero e explore as zonas que são mais sensíveis ao toque e que lhe proporcionam a excitação e a produção de lubrificação necessárias para facilitar o acto sexual, quer seja através da masturbação ou não. Experimente utilizar um lubrificante durante a masturbação, pois este diminui a fricção. Porém, caso continue a sentir dores, recomendo que procure um ginecologista e lhe apresente os seus problemas. Desta forma, será mais fácil dissipar as suas dúvidas.

“Os homens têm um ponto G?”

 

“Uma amiga minha disse-me que também existe um “ponto G” masculino, e isso deixou-me muito curiosa, pois adorava surpreender o meu namorado! Onde fica? Como devo estimulá-lo?”

Luísa, Massamá

 

Cara leitora,

De facto existe um ponto no corpo masculino que quando estimulado pode causar bastante prazer, este ponto é a próstata, que está localizada na entrada do ânus. Esta zona pode ser o equivalente do Ponto G nas mulheres e, quando estimulada, pode provocar sensações muito intensas. A maioria dos homens, e também mulheres, não está familiarizada com esse facto, e por isso não incluem a estimulação da próstata como parte da sua actividade sexual. A próstata pode ser estimulada através da introdução gentil de um dedo no ânus. Muitos homens têm medo de experimentar esta prática por recearem que as suas parceiras pensem que são homossexuais, o que é completamente errado. Aconselho-a a surpreender o seu namorado utilizando um lubrificante para ajudar a penetração. Se verificar que ele realmente sente prazer através dessa prática, liberte-se de tabus e experimente este pequeno segredo!

“Sou louco por strippers!”

 

“Tenho 22 anos e há uns meses os meus amigos desafiaram-me a assistir a um espectáculo de striptease. Desde então não consigo parar de pensar na forma como aquelas mulheres dançavam, e masturbo-me várias vezes ao dia a pensar nelas. Serei tarado?”

João, Almada

 

Caro leitor,

O seu comportamento é perfeitamente normal, por isso esteja descansado quanto às atitudes que tem vindo a ter. Ao contrário do que durante muito tempo se pensou, a masturbação não é um acto perverso, obsceno ou indecente. A masturbação é algo inerente à sexualidade humana e deve ser aceite com naturalidade, tal como as fantasias que a estimulam. Quanto ao facto de gostar de striptease não há qualquer problema, pois a grande maioria dos homens partilha do mesmo gosto, caso contrário não existiriam casas de striptease. A mente humana e as suas fantasias são o mais forte afrodisíaco alguma vez inventado, pois na nossa mente podemos realizar todas as nossas fantasias sem receios ou limites. O que pode estar a deixá-lo apreensivo é a frequência com que as fantasias sobre mulheres a fazer stiptease têm surgido na sua mente e a quantidade de vezes que se tem masturbado ao pensar nisso. Se verificar que esse comportamento se torna incontrolável, tornando-se constrangedor e incomodativo, procure um especialista na área da sexologia para que este possa aconselhá-lo sobre a melhor forma de ultrapassar esta questão.

Pág. 1/5