Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Dicas Sexuais

"Para criar um ambiente sedutor, acenda muitas velas, não uma ou duas - compre velas pequenas e acenda 50

em vez de acender as luzes."

 

 

 

(Sexo Ardente, Flic Everett)

 

“Nunca consegui ter um orgasmo…”

 

 “Já estou há três anos a morar com o meu o namorado e nunca consegui atingir o orgasmo. Será que tenho algum problema?”

 

Tânia, Faro

 

Cara leitora,

Atingir o orgasmo depende muito de mulher para mulher e das situações em que sente o prazer. A maioria das mulheres não atinge o orgasmo com a penetração, mas mais facilmente com masturbação, com sexo oral, com estimulação do clítoris… não valorize demasiado a questão de atingir ou não o orgasmo, pois a sua atenção irá desviar-se do prazer e não se entrega às sensações físicas, tirando menos satisfação daquilo que sente.

Como não sei se alguma vez terá sentido orgasmo é difícil responder-lhe, mas procure como gosta do prazer na masturbação sozinha, acaricie-se e à sua vagina – se a leitora souber do que gosta melhor poderá guiar o seu parceiro ou parceira nessa descoberta.

 

Dicas Sexuais

 "A posição da "união suspensa" é a mais complexa, o homem tem de levantar e suportar o peso da sua parceira, que põe as coxas à volta da cintura dele, agarrando-o à volta do pescoço."

 

(Segredos do Sexo, Michelle Pauli)

 
 
 

“Fiz sexo oral desprotegido”

 

 

“Fiz sexo oral a duas pessoas diferentes com um intervalo de mais ou menos 3 meses. Recentemente conheci outra pessoa onde e beijámo-nos longamente. Passado um dia ou dois desse beijo comecei a sentir uma espécie de dor de garganta. Vi-me ao espelho e notei do lado direito da garganta aquelas bolhas tipo garganta inflamada. Tenho tomado pastilhas para a dor de garganta mas não passa. Será que contraí alguma doença sexualmente transmissível?”

 

Eva, Lisboa

 

 

Cara leitora,

Através do beijo não lhe devem ter transmitido mais que uma constipação ou gripe, com uma certa inflamação. O sexo oral pode realmente transmitir algumas infecções sexualmente transmissíveis, pelo que deve ir a uma consulta de planeamento familiar ou ao seu médico assistente com alguma urgência clarificar e fazer um diagnóstico rigoroso e presencial.

Não adie esta questão de saúde, pois a falta de tratamento pode piorar em muito os sintomas de infecções.

Lembre-se que também no sexo oral o preservativo a pode proteger de contrair infecções sexualmente transmissíveis e pode utilizar os que têm sabores, para ser mais agradável para si.    

 


“Começámos a nossa vida sexual e estamos com medo!”

 

 “Eu e a minha namorada iniciámos a nossa vida sexual há pouco tempo e tivemos relações 3 vezes. Na penúltima aconteceu que, após fazermos amor, reparei que o preservativo se encontrava a meio do pénis, algo que me deixou assustado, embora não tenha ejaculado nele. A minha namorada acha que tem o período atrasado, ela nunca tomou a pílula e agora tem os seios com algumas dores e anda com dores nos rins há 2 dias. Ela nota que tem a barriga mais inchada como o habitual. Estamos bastante preocupados com este atraso menstrual dela… será que é normal este atraso? O que acha que poderá ser?

 

Josué, Almada

 

Caro leitor,

Não lhe posso garantir o que poderá ser esse atraso na menstruação. É aconselhável que vão juntos a uma consulta de planeamento familiar, onde possam escolher uma contracepção mais eficaz, que não apenas o preservativo, e onde esclareçam esta e outras dúvidas. O facto de o preservativo se ter deslocado durante a penetração pode significar que é demasiado grande (confirme que tipo está a usar) ou que perdeu ligeiramente a erecção, o que é perfeitamente normal.

O seguimento ginecológico das mulheres com vida sexual activa é essencial e o acompanhamento do casal pode melhorar em muito as vossas actividades sexuais e o prazer que podem tirar delas em segurança.

Em Portugal, muitos centros de saúde têm estas consultas gratuitas, anónimas e têm métodos contraceptivos acessíveis para todos. Reflictam com os técnicos de saúde da equipa quais são melhores para vocês utilizarem: adesivos, implante, anel vaginal…sem esquecer que o preservativo é o único que protege igualmente das infecções sexualmente transmissíveis e das gravidezes indesejadas, pelo que dá segurança dupla.

Por fim, não se esqueçam que ter atrasos na menstruação pode ser normal e não se estar grávida pode ser apenas uma fase mais ansiosa ou sinal de outras situações ginecológicas. Uma consulta presencial irá esclarecer melhor estas questões.

 

“Tomo a pílula mas tenho medo de estar grávida!”

 

 

“Tive relações sem preservativo, e embora tome a pílula estou com receio, pois tenho o peito e a barriga inchada, mas neste momento estou com o período, só que pouco e acastanhado. Será que estou grávida?”

 
Ana Paula, Sacavém

 

Cara leitora,

É possível estar grávida e ter menstruação, ou seja, ter perdas de sangue que são confundidas com menstruação: 25% das mulheres grávidas tem o que se pode chamar de “sangramento de implantação”, e muitas delas confundem esse corrimento sanguíneo com a menstruação, e por isso não descobrem que estão grávidas até vários meses após a fecundação.

No entanto, como refere ter usado a pílula, mesmo que tenha sido na semana de pausa, a eficácia contraceptiva é grande, superior a 95%, portanto não se deve preocupar. Se quiser tirar as dúvidas, dado que ter o peito e a barriga inchados (o que são igualmente sintomas de menstruação apenas e, em alguns casos, de gravidez).

Lembre-se que utilizar a pílula e o preservativo (a contracepção dupla), para além de ser mais eficaz em relação a gravidezes indesejadas protege-a igualmente das infecções sexualmente transmissíveis.

“Tenho 18 anos e perco a erecção!”

 

 

Tenho 18 anos, e estou a tentar começar uma vida sexualmente activa com a minha namorada. O problema é que perco completamente a erecção durante os preliminares, não conseguindo recuperá-la. Tentámos por duas vezes, e eu perdi sempre a erecção. O que posso fazer?

Francisco, Tomar

 

Caro leitor,

Dada a sua idade, acredito que a causa destas dificuldades tenham causas psicológicas – o leitor parece ter entrado num ciclo vicioso, depois de uma experiência que correu mal, começou a sentir ansiedade de antecipação e a ficar preocupado com isso, o que influencia muito as relações sexuais seguintes, de modo negativo. É muito normal que a primeira vez que tente fique preocupado se vai conseguir, se vai agradar à sua namorada, só o nervosismo de ser a primeira é suficiente para que surjam dificuldades. Mas não diga que não consegue recuperar a erecção, pois se a estimulação continuar e mantiver um espírito positivo, dizendo a si mesmo que é normal perder-se uma erecção, outras se seguirão certamente.

Provavelmente, quando chega a hora de tentar a penetração, o seu corpo e mente estão num modo que não é sexual mas ansiogénico, mergulhados em preocupações e a sentir muito menos o prazer. É muito importante que perceba este ciclo vicioso e o consiga cortar: relaxe, não desista de ter relações sexuais só porque perdeu aquela erecção, pois se continuar a estimulação outras se seguirão certamente; ganhe confiança com a sua parceira sexual, para que ela seja paciente e o faça se sinta à vontade; treine a colocação e utilização do preservativo na masturbação; experimente comprar anéis penianos numa sex-shop, que o podem ajudar ligeiramente a aguentar o afluxo de sangue no pénis…

Se estas sugestões não resolverem o problema recorra a consulta de planeamento familiar ou de sexologia, para que não sofra o efeito de bola de neve e veja este problema aumentar e instalar-se na sua vida sexual. 

"Não sei como abordar o tema da sexualidade com a minha filha”

 

“Há 2 anos fiquei viúvo e só com a minha filha que actualmente tem 12 anos. Há um assunto que me deixa deveras preocupado, pois ela um dia vai começar a namorar e iniciar a sua vida sexual. Gostaria de falar com ela acerca deste assunto, mas não sei como fazê-lo. Será apropriado fala com ela sobre sexo?”

 

Luís, Castelo Branco

 

Caro leitor,

Pela pergunta que me colocou vejo que é um excelente pai, pois tem a perfeita noção de que a sua filha está a transformar-se numa mulher. É bastante importante que os jovens sejam bem orientados na fase da adolescência e que sintam que têm alguém com quem podem conversar e a quem podem colocar dúvidas quando estas começam a surgir. Sentir-se pouco à vontade para falar sobre sexo com a sua filha é normal, por isso seja o mais natural possível quando resolver abordar esta assunto com a sua filha. A forma como falar com a sua filha vai determinar o quão confortável ela se vai sentir em fazer-lhe perguntas. O mercado está inundado de livros sobre educação sexual na adolescência, aconselho-o a comprar um para a sua filha, pois é fundamental que ela receba a informação correcta no que diz respeito a contracepção e doenças transmitidas sexualmente. Converse com ela, explique-lhe que as alterações que ela está a sentir no seu corpo são normais e que é natural que ela sinta curiosidade sobre sexualidade, pois isso faz parte do desenvolvimento de qualquer jovem.

Caso não esteja à vontade para falar do assunto com a sua filha, peça a alguém da sua confiança que o faça. Lembre-se que é fundamental que ela tenha uma orientação adequada nesta fase tão importante do desenvolvimento.

 

“A minha família recusa conhecer a minha namorada”

“Sou estudante em Coimbra e namoro uma rapariga Ucraniana há 6 meses. A minha família não a quer conhecer devido à nacionalidade dela. Não sei o que fazer nesta situação, gosto muito da minha namorada, mas a minha família também é muito importante para mim. Como devo agir?”

 

Carlos, Bragança

 

Caro leitor,

É normal que se sinta dividido entre a sua namorada de quem gosta bastante e a sua família, e esta não é uma situação fácil. É triste o facto da sua família não aceitar o seu namoro apenas devido a ela ser Ucraniana sem sequer ter hipótese de a conhecer. Converse com a sua família e faça-os ver que a sua namorada é uma pessoa com muitas qualidades, e é a pessoa de quem o leitor gosta. Enquanto não a conhecerem, não podem formar uma opinião acerca dela. O ideal seria eles ficarem felizes por si e aceitarem a pessoa que o leitor escolhe como companheira. Se continuarem a não aceitar a sua namorada mesmo depois de a conhecer, então terá de avaliar a situação tendo em mente as consequências de uma decisão qualquer que ela seja. 

 

 

“Já não me sinto atraente”

 

 

“Descobri há pouco tempo que sofro da tiróide o que fez com que eu tenha aumentado de peso repentinamente. Desde aí que me sinto muito pouco atraente e por isso perdi a confiança em mim. ”

 António, Porto

 

Caro Leitor,

Uma vez que o leitor identificou a origem do seu problema, ou seja, um problema de tiróide, é importante que siga todas as indicações do seu médico. Geralmente os problemas de tiróide podem ser tratados com medicação, por isso continue o tratamento indicado pelo seu médico e não tenha receio de conversar com ele, se achar que o tratamento não está a ter o resultado desejado. É também importante que não se deixe abater, pois assim que a medicação começar a fazer efeito, o aumento de peso que sofreu tende a diminuir, por isso não perca a esperança e concentre as suas energias na sua recuperação. 

Pág. 1/4