Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Como diagnosticar a infertilidade masculina?”


 

“Tenho tentado engravidar e não consigo. Acho que o meu marido é estéril. Como posso ter a certeza disso, sem magoar os seus sentimentos?”

 

Paula, Abrantes

 

 


Cara Leitora,

 

Os problemas de fertilidade podem ser diagnosticados através de exames físicos, a análise do esperma e tendo em atenção a história clínica.

É importante refazer toda a história clínica do seu marido desde a puberdade até à idade actual, de modo a verificar infecções e doenças ocorridas e a medicação tomada.

O exame físico deve ter em conta o tamanho e a textura dos testículos com o objectivo de averiguar a sua capacidade de produzir correctamente esperma. Caso este exame não aponte quaisquer problemas, torna-se necessário realizar um teste que determine o número de esperma encontrado na ejaculação.

Se se comprovarem problemas, será necessário que um especialista verifique a formação do espermatozóide e a sua capacidade de movimentação.

De forma a fazer a avaliação da fertilidade é necessário que o homem ejacule para dentro de um frasco e essa amostra deve ser entregue num laboratório nas duas primeiras horas seguintes. Um outro teste possível de ser realizado é o exame pós-coito que é feito através da recolha de uma amostra de muco uterino logo após a ejaculação do homem. Este último teste tem como intuito verificar se o muco intra-uterino tem a consistência necessária para possibilitar a movimentação do esperma.

É importante pois, que o seu marido vá ao médico e efectue todos os exames necessários, sem pudor nem preconceito pois é o primeiro passo para realizar o vosso desejo de ter um filho. Converse com ele com calma e procure fazê-lo entender que, apesar de difícil, este tipo de diagnóstico é muito importante para a vossa felicidade futura.

 

 

Será que ele é sensível de mais?


“Eu sei que as mulheres costumam reclamar dos homens por estes não serem emocionalmente insensíveis, mas o meu problema é exactamente o oposto. O meu namorado é sensível demais! O que começou por ser algo atractivo está a tornar-se bastante aborrecido pois ele está sempre a choramingar e eu tenho de lhe fazer as vontades todas! O que devo fazer?”


Realmente isso pode ser bastante aborrecido. O homem ideal seria aquele que é capaz de expressar as suas emoções e de ouvir a sua parceira fazendo-a sentir-se amada e compreendida, sem nunca deixar de ser o homem da relação! No seu caso, parece que o seu namorado é bastante imaturo preocupando-se apenas com as suas necessidades, sem ter em consideração os seus sentimentos. O seu namorado está a utilizar esse tipo de comportamento como uma forma de a controlar, o que demonstra bastante insegurança e egoísmo da parte dele. Compreendo que no princípio ele a tenha atraído pela sua sensibilidade, pois era algo diferente. Infelizmente, por mais que a leitora tente, não o vai conseguir mudar pois existem problemas mais profundos que o fazem comportar-se dessa forma. Se quiser continuar nessa relação aconselho-a a procurar apoio profissional.

“Os meus filhos não a aceitam!”

 

“Separei-me há três anos e estou a reconstruir a minha vida com uma mulher que tem sido impecável comigo. Na verdade, quase namoramos às escondidas porque os meus filhos não aceitam que eu esteja com outra mulher que não seja a mãe deles. Fico triste, pois não quero perder nem o amor que encontrei nem o amor dos meus filhos.”
 
Paulo, Castelo Branco
 
Caro Leitor,
 
Nem sempre é fácil para os filhos aceitarem a separação dos pais e, muitas vezes, é bastante complicado para eles admitir que um dos progenitores é feliz sem aquela que era a família inicial. Neste caso, é importante que aja com a calma e a lucidez necessárias. Desta forma, é imprescindível que converse com eles para que percebam que o amor que tem para lhes dar é intocável e que o amor de pai é bem diferente do amor que um homem sente por uma mulher. Mostre-lhes que, actualmente, é comum existirem outros padrões familiares e que, com certeza, que é importante viver com o pai e com a mãe, mas também é fundamental ter o amor deles e crescer num ambiente de paz, compreensão e harmonia. Mostre-lhes que também tem direito à felicidade e que isso não coloca em causa o seu afecto e dedicação.
 

Cozinha de Sedução

 

Cozinhar e Seduzir são artes deliciosas que envolvem a cabeça, o corpo e o coração. Os bons amantes são inspirados pela paixão, tal como os grandes chefes de cozinha. A culinária de sedução, definida pela utilização de receitas de fácil preparação, permite que o cozinheiro passe menos tempo na cozinha e mais tempo envolvido no amor. Explorando comidas que puxam pela sensualidade, sabor, cheiro e toque, vai estimular o apetite sexual do seu parceiro. Através destes menus a experiência do jantar tornar-se-á numa orgia culinária. Escolha pratos que saciem mas que não enfartem. Escolha comidas que façam o seu parceiro desejar mais comida… ou sexo!

           A comida sedutora faz-nos sentir mais enérgicos, promovendo uma sensação de bem-estar e aumento do vigor físico. Por coincidência, as comidas há muito consideradas afrodisíacas são aquelas que têm vibrações refrescantes, evocações visuais, aromas e nutrientes necessários para melhorar o desempenho sexual. Muitas pessoas se questionam se os afrodisíacos resultam mesmo. Nem todos estão cientificamente provados, mas lembre-se que a imaginação pode ir longe na arte da sedução, servindo estas comidas sensuais com um ambiente provocante leva qualquer amante ao êxtase. Para além disso, servir uma refeição sedutora com um forte sentido de humor e num ambiente de harmonia vai provocar a melhor recompensa. Seja curiosa e experimente coisas novas. Use uma venda de olhos, namore, vista-se, dispa-se, não vista nada… pois aparecer nua com a sobremesa faz com que tudo se mova na direcção certa. 

Por último, use a empatia quando cozinhar para o seu parceiro, seja sensível às suas preferências culinárias e alergias. Nada pode estragar mais o ambiente como ele dizer que “detesta ostras”, ou um caso de urticária!

 

 

“Como prevenir o cancro da próstata?”

 

Rodin

 

 

“Tenho 55 anos e o meu pai faleceu há alguns anos devido a um cancro na próstata, por isso gostaria de saber como se pode diagnosticar esta doença, e como posso evitá-la. ”
Luís, Braga
 
 
 
 
Caro leitor,
Para prevenir esta doença, é importante que, a partir dos quarenta e cinco anos, todos os homens consultem um médico e façam o exame do toque rectal, ou seja, um exame no qual o medico examina através do tacto o tamanho da próstata. Caso o médico encontre algo de anormal, é essencial que se faça uma ecografia transrectal com biopsia prostática. Através das partículas retiradas para a biopsia é possível a realização de um exame de análise de patologia, de modo a avaliar o estado do tumor, pois é necessário averiguar se o tumor está apenas restringido à próstata ou se alastrou para outros órgãos periféricos, tais como a bexiga, vesículas seminais ou recto. Os sintomas mais frequentes neste tipo de doença são a extrema dificuldade em urinar, pouca pressão ao urinar, sensação de não esvaziar a bexiga por completo após urinar e, em alguns casos, sangue na urina. Tal como em muitas doenças, a melhor forma de a evitar é a através da prevenção. Quanto mais cedo o cancro for diagnosticado melhores as probabilidades de cura.

Tema de Hoje: Relacionamentos

" Namoro há 4 anos, e gosto bastante do meu namorado, mas ele nunca fala em casamento. Acho estranho pois não seria de esperar que depois de 4 anos de namoro ele quisesse fazer vida comigo?"

Laura, Ponte de Lima

 

Cara leitora

Compreendo a sua frustração, mas acredite que isso não acontece só consigo, muitas mulheres se queixam do mesmo. O homem por natureza é um caçador, precisa saber que ainda pode caçar, mesmo que opte por não o fazer devido a estar numa relação, por isso o casamento é tão assustador para alguns homens. Para eles, casar significa deixar de caçar, ou seja, tomam consciência que nunca mais vão dormir com outra mulher, e não se sentem preparados para isso. Parece ser esse o caso do seu namorado, é obvio que ele não tem qualquer intenção de se casar tão cedo, pois se tivesse ele próprio puxaria o assunto. Avalie a relação e faça o que for melhor para si, caso procura alguém com quem partilhar a sua vida e iniciar uma família, parece-me que não está com a pessoa certa. Tenha uma conversa franca com ele e veja o que ele tem a dizer sobre o assunto!

Tema de Hoje: Fantasias

“Quando faço amor penso no meu colega”

 

“Não sei o que fazer porque muitas vezes, quando faço amor com o meu namorado, imagino que estou a fazê-lo com o meu colega da escola, que não me sai da cabeça. Sinto-me culpada, mas não consigo deixar de o fazer…”

Susana, Gondomar

 

Cara Leitora,

Procure não se sentir culpada, pois fantasiar não é nenhuma traição, utilize essa fantasia para revigorar a sua sexualidade. Porém, se isso se transformar num hábito, aí a questão já se torna mais complexa e, nesse caso, deve ponderar os seus verdadeiros sentimentos em relação ao seu namorado. Se não consegue parar de pensar no seu colega, o melhor é analisar se se apaixonou por ele ou se não passa de uma simples atracção. Desta forma, deve fazer uma avaliação clara e consciente sobre a sua vida afectiva e sobre tudo aquilo que deseja daqui para frente para que seja feliz e, também, para que não faça o seu namorado sofrer com as suas atitudes. Pondere bem sobre o verdadeiro significado dessas suas fantasias para que saiba as decisões que deve tomar.

 

 

Periodo fértil

Após o fim da minha menstruação, um dia depois, fiz amor com o meu namorado e não usámos preservativo. Gostaria de saber as hipóteses de estar grávida, já que li um artigo em que dizia que os espermatozóides sobrevivem 3 dias no corpo da mulher...e que poderá haver já um óvulo por fecundar nessa altura... eu sei que não é o período fértil e que a ovulação só se inicia 15 dias depois do inicio do período, mas fiquei na duvida, porque já li que as hipóteses são muito poucas ou quase nulas e também que há hipóteses...
Posso estar grávida? Eu não estou a tomar a pílula agora e por isso preocupo-me, mas vou voltar a tomar.
Soraia
Cara Soraia,
A probabilidade de estar grávida é pequena, mas existe. Deve começar o quanto antes a tomar a pílula para evitar esta preocupação constante, que a afasta de sentir o prazer das relações sexuais.
A ovulação surge 15 dias depois do primeiro dia de menstruação, em ciclos menstruais de 30 dias, o que pode não ser o seu caso. Os espermatozóides podem sobreviver dentro da mulher entre 3 a 5 dias, dependendo do homem, mas não é fácil saber tais pormenores sobre o seu namorado. Durante alguns meses, anote num pequeno calendário ou numa agenda o primeiro dia de cada ciclo para compreender melhor o seu caso particular. Veja neste site em que intervalo é o seu período fértil: www.sexualidades.com
Marque rapidamente uma consulta de planeamento familiar ou num ginecologista para fazer uma contracepção adequada e aproveitar as relações sexuais e a sua relação. Se até lá não tiver o período, sentir os seios sensíveis, o sono alterado e excessivo, enjoos ou ânsias de vomitar (os enjoos podem ocorrer não apenas de manhã mas o dia inteiro, e podem ser agravados pela ingestão de determinados alimentos), tonturas e dores de cabeça que apesar de serem menos comuns podem também acontecer e são normais, faça um teste de gravidez comprado numa farmácia.

“Posso engolir o sémen?”

 

 

“O meu namorado adora quando lhe faço sexo oral e gostava que eu engolisse o esperma quando ele atinge o clímax. Será que é seguro fazer-lhe essa vontade?”

 

Cláudia, Santo Tirso

 

Cara leitora,

não existe nenhuma contra-indicação para essa prática. Algumas mulheres gostam de o fazer, mas outras não se sentem à vontade para tal, ou não gostam do sabor do esperma. Fale com o seu namorado e faça-o entender que você poderá recusar, se isto lhe causar algum tipo de incómodo. Tentem os dois chegar a um consenso e desfrutem do sexo de forma desinibida.

 

 

Afectos entre Crianças e Adultos

 

A prof. Helena Juergens no Programa Essência de Ana Marques

 

Conhecemos o amor e o carinho logo cedo nas relações entre crianças e adultos, nas relações de vinculação entre pais/cuidadores e bebés, o que prepara a nossa sexualidade futura.

Infelizmente,  existem casos em que os adultos traem o desenvolvimento da criança e abusam do poder que têm sobre ela, que não pode saber ainda o que é o consentimento em sexualidade e relações sexuais, com abusos sexuais ou pedofilia.

 

A Pedofilia é uma parafilia, cujo foco parafílico implica a actividade sexual com crianças na pré-puberdade, sendo que o sujeito com pedofilia tem de ter pelo menos 16 anos ou ser 5 anos mais velho que a criança. A atracção pode ser pelo sexo feminino ou masculino, ou por ambos, sendo que as vítimas femininas são mais frequentes.

As pessoas com pedofilia agem sob estes seus impulsos e atracções, mas tal pode constituir vários comportamentos: desde despir a criança e observá-la, exibir-se a masturbar-se perante a criança, tocar na criança e acariciá-la, até realizar fellatio e cunnilingus e penetração vaginal ou anal, com os dedos, objectos ou com o pénis.

A pedofilia é egossintónica, ou seja, o pedófilo com fantasias, impulsos ou comportamentos não sente mal-estar significativo consigo mesmo. Outras pessoas que sentem as mesmas atracções ou impulsos, mas não agem sob eles, não têm comportamentos pedófilos nem padrões de excitação pedófilos não devem ser consideradas pedófilas, embora possa beneficiar de tratamento.

As pedofilia é crime e deve ser denunciada às autoridade competentes, tal como receber tratamento especializado sexológico, quer para as vítimas, os perpetradores ou para os cuidadores da criança.