Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“O que se passa comigo?”

 

Há 2 anos namoro com um rapaz e há 8 meses tivemos relações sexuais pela primeira vez. Correu bem e com muita cautela, fui ao medico antes, receitou-me exames e orientou-me sobre as sensações que possivelmente iria ter... Eu já tomava anticoncepcional desde os meus 14 anos, porque a minha menstruação tem um fluxo muito forte. O meu namorado entretanto fez uma cirurgia e passamos mais de dezoito dias sem ter relações e quando o médico dele o permitiu de novo,  eu não sinto vontade nenhuma, nenhum desejo. Quando tentei forçar senti muitas dores e continuo a sentir e sinto que a minha vagina está com um odor diferente, com muito corrimento.

É normal eu sentir essa falta de interesse por ele? Gosto de beijar, abraçar, mas quando passa para a parte mais quente peço que pare e tenho vontade de chorar. Tenho medo que seja alguma infecção!”

Marta, Leiria

 

  

 

Cara leitora,

 

O seu caso apresenta tantas coisas que deve mesmo falar abertamente com o seu médico para melhor o esclarecer. O facto de fazer contracepção é positivo, para ficar descansada quanto a possíveis gravidezes indesejadas, mas não a protege de contrair infecções sexualmente transmissíveis e isso pode ainda preocupá-la.

 

Não sei como reagiu às suas primeiras relações sexuais, se gostou, se se sentiu confortável, como ficaram depois. Não sei a causa da cirurgia do seu namorado e se pode relacionar-se com a sua falta de desejo. Também não sei se a vossa relação sofreu alguma mudança nesses dias em que não tiveram relações. Qualquer um destes factores pode influenciar o seu desejo sexual e a sua vontade de ter sexo.

 

Reflicta um pouco, sozinha ou acompanhada, sobre o que poderá estar a ter impacto nos seus sentimentos em relação à sexualidade.

 

No que toca a dores, odores e corrimento tem mesmo de fazer um diagnóstico presencial com um médico, pois pode ter desenvolvido apenas algumas bactérias vaginais (a vagina como mucosa tem uma flora vaginal que pode desequilibrar-se e dar tais sintomas), como pode ter sido infectada com uma infecção sexualmente transmissível e estar a reagir negativamente ao sexo por lhe causar dores. 

 

 

“Há risco de gravidez sem penetração?”

 

Gostaria de saber se uma mulher tem muitas probabilidades de engravidar apenas com o contacto directo da vagina com o pénis, mesmo que não haja ejaculação nem penetração?”

 

Mariana, Vila Nova de Gaia

 

Cara leitora,

As probabilidades não são muito grandes de acontecer uma gravidez, apenas com o contacto genital, mas pode acontecer, se o homem tiver já libertado líquido pré-ejaculatório (a lubrificação que sai antes da ejaculação) e se o contacto entre os genitais for bastante directo, sem qualquer roupa nem protecção.

Lembre-se que mesmo que a gravidez não aconteça as infecções sexualmente transmissíveis podem ser transmitidas numa situação como a que descreve, pelo que a protecção com o preservativo é desejável. 

"O que é a Hipnose sexual?"

"Descobri em pesquisas feitas na Internet que existe uma prática chamada hipnose sexual, e que muitas pessoas a têm como uma espécie de fetiche. Pode explicar-me de que se trata? Como é que eu e o meu marido a podemos experimentar?"

 

Eduarda, Beja

Cara leitora,

A hipnose erótica utiliza as práticas da hipnose para fins sensuais ou sexuais. Ao contrário da hipnoterapia, que usa a hipnose num contexto terapêutico, para ajudar o paciente, a hipnose erótica visa estimular o prazer, sendo recreativa e não terapêutica. A hipnoterapia ou hipnose clínica pode, contudo, ser utilizada para tratar disfunções sexuais, por exemplo, com ótimos resultados. Esta técnica induz o paciente a uma espécie de estado de transe, relaxado, mais descontraído, mas no qual o livre arbítrio se mantém. Quando é levada a cabo por um terapeuta especializado é muito eficaz no tratamento, ajudando a eliminar hábitos nocivos e a vencer receios, entre outras coisas. A hipnose erótica, que nunca deve ser feita por alguém que não seja especializado e exige confiança total na pessoa com quem é feita, ajuda a libertar-se de inibições, sedo por isso apreciada por algumas pessoas. Através dela, a pessoa torna-se mais desinibida, aumenta a sua sensualidade e capacidade de sentir excitação, correspondendo ainda à fantasia de estar "submetido" à vontade do outro, num contexto de jogo de casal. Um terapeuta sexual pode acompanhar o vosso caso específico e avaliar se pode ou não fazê-lo com o seu marido. Em sites e fóruns de grupos associados a fetiches poderá, também, conhecer outros casais que pratiquem a hipnose erótica e que possam orientá-los. Lembre-se sempre que nunca nada deve ser feito contra a sua vontade.

“Sou virgem e a masturbação causa-me dores!”

 

Quando tento masturbar-me tenho muitas dores e não consigo atingir o orgasmo, e por isso aos 24 anos sou ainda virgem. Será que alguma vez vou ser capaz de ter relações sexuais sem dor?”

 

Marco, Almada

Caro leitor,

Por vezes, homens que não são circuncidados têm problemas durante as relações sexuais e masturbação devido à pele que cobre a cabeça do pénis não retrair completamente durante o coito e a masturbação, o que pode ser bastante doloroso. Dessa forma, uma questão importante é se o leitor foi circuncidado ou não, ou seja, se o leitor tem a pele que cobre a cabeça do pénis intacta ou se esta foi removida quando o leitor era bebé. Se o leitor não é circuncidado, experimente tentar retrair a pele da cabeça do pénis e veja se isso lhe causa dores. Se for esse o seu caso, o leitor pode necessitar de fazer uma cirurgia rápida na qual essa pele é cortada, permitindo que a cabeça do pénis fique exposta. Essa cirurgia é bastante simples de efetuar e não acarreta quaisquer riscos. No entanto, consulte um médico pois apenas este lhe poderá dar um diagnóstico mais preciso.

 

“A menopausa mudou a minha vida!”

 

Desde que entrei na menopausa a minha vida alterou-se por completo. Sinto que já não sou a mesma pessoa, tanto física como psicologicamente. O meu marido não entende as minhas atitudes, o que tem gerado alguns conflitos na nossa relação, principalmente no que diz respeito à nossa vida sexual. O que se passa comigo?”

Guida, Mafra

Cara Leitora,

Antes de mais gostaria de salientar que nesta fase da vida da mulher existem dois estados: a menopausa e o climatério. A menopausa trata-se da última menstruação e o climatério é a fase em que a mulher passa do período fértil para o infértil, onde existe uma diminuição significativa da produção das hormonas sexuais. Nesta nova etapa da vida da mulher, os ovários deixam de funcionar, terminando, então, as menstruações. Esta redução a nível hormonal pode provocar algumas alterações físicas e psicológicas, por vezes condicionando a sua vida afetiva e social (que é o que está a passar-se consigo).

Esta fase tem um grande peso na vida das mulheres no que diz respeito à forma como se vive a sexualidade e na forma como evidenciam alguns comportamentos e atitudes. Neste sentido, deve ter uma conversa séria com o seu marido, lembrando-lhe que a leitora está a passar por uma fase de adaptação de um novo momento da sua vida e por esse motivo é importante que ele seja mais compreensivo de forma a evitarem conflitos desnecessários. 

“A quimioterapia tira o desejo sexual?”

Infelizmente foi-me recentemente diagnosticado um cancro na próstata e por isso comecei a fazer quimioterapia. Gostaria de saber se existe alguma relação entre este tratamento e a perda de desejo sexual.”

Paulo, Porto

 

Caro Leitor,

Alguns estudos têm demonstrado que este tipo de tratamento a que tem sido submetido, quimioterapia, de facto interfere no desempenho sexual, tanto de homens como de mulheres porque, para além de ter repercussões ao nível físico, também deixa sequelas psicológicas, provocando alterações ao nível da autoestima, do grau de sociabilidade e da imagem corporal. Por outro lado, alguns homens sofrem imenso com os efeitos secundários do tratamento, sentindo-se cansados e maldispostos, o que dificulta a ereção e diminui, naturalmente, a vontade de ter relações sexuais.

Assim sendo, é normal que o seu desejo sexual tenha diminuído, pois esta doença provoca oscilações físicas, psicológicas e emocionais. Nem sempre é fácil deparar-se com este tipo de situação, uma vez que para muitos homens a sua masculinidade e virilidade é provada pelo bom desempenho sexual e quando isso não acontece o nível de frustração é elevada. Aconselhe-o a viver com naturalidade e encare estas dificuldades como situações normais no decorrer no tratamento e das consequências inerentes a ele.

Será que ele pode ter cancro nos testículos?

 

O meu namorado tem 37 anos de idade e o seu testículo direito está inchado e dói-lhe imenso quando lhe toco, e não sei porquê. Será que ele tem um problema grave como cancro testicular?

Liliana, Linda-a-Velha

 

Cara leitora,

De facto os sintomas que descreve são geralmente sinónimo de algum problema a nível testicular, mas não significa obrigatoriamente que se trate de cancro testicular. É importante que o seu namorado marque uma consulta com o um médico de forma a que este lhe possa fazer um exame físico detalhado. Geralmente o cancro testicular manifesta-se através de um inchaço dos testículos, na maioria das vezes não acompanhado de dor. Este tipo de cancro é relativamente raro, mas vale sempre a pena avaliar a causa da dor. Pode dar-se o caso de o seu namorado ter feito uma lesão do testículo resultante de pancada ou alguma atividade física, por isso é importante que ele consulte o seu médico para que este lhe possa indicar o diagnóstico e tratamento mais indicados para o caso dele.