Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Existe uma química do amor?

1274898_214427302050564_438138518_o.jpg

"Ouvi dizer que existe uma química do amor? É verdade? E se for, quais são os compostos químicos (hormonas) que estão associados a este sentimento?"

 Tomás, Santarém

 

Caro leitor,

sim, de facto existe uma química do amor. O amor pode ser visto de várias perspetivas, e as hormonas desempenham nele um papel importante. Tal como outras coisas na química, a combinação certa de determinados elementos produz um bom resultado. O cérebro desempenha um papel essencial no amor, e o mesmo acontece com as hormonas dopamina, ocitocina e testosterona, que afetam o organismo nas diferentes fases de uma relação (atração, desejo, amor,…). Estas hormonas provocam atração sexual e prazer em estar com a pessoa amada, bem como sofrimento quando uma relação chega ao fim de forma abrupta.

Ritual de Atração

1269121_215753275251300_2112922176_o.jpg

 
Nem sempre a pessoa por quem caímos perdidamente apaixonadas corresponde da mesma forma e isso pode gerar uma sensação de frustração e de tristeza.

 

Esta magia é ideal para quem deseja atrair alguém especial. É fundamental que mantenha pensamentos positivos e alegres, e que aja conforme essa disposição positiva.

Vai precisar de:
• 2 cristais: 1 quartzo rosa e 1 quartzo azul
• Essência do amor
• 1 amuleto
• Pétalas de uma rosa
• 1 pedaço de papel e caneta
• Caixa pequena


No papel escreva o seu nome, a sua data de nascimento e da pessoa que gosta. Verta sobre o papel 7 gotas de essência, dobre em 4 partes e coloque dentro da caixa. Por cima do papel disponha as pétalas de rosa e os dois cristais. Feche a caixa e guarde-a num lugar especial, onde só você tem acesso. Traga o amuleto sempre consigo.


Pode fazer o ritual sempre que quiser encontrar o amor.

Será que a homossexualidade é uma doença?

o-BRYAN-FISCHER-HOMOSEXUALITY-facebook.jpg

 

"Tenho 19 anos, sou homossexual e tenho andado preocupado pois um amigo meu disse-me que a homossexualidade é uma doença mental. Será verdade?"

Timóteo, Algueirão

 

Caro leitor,

Durante muito tempo pensou-se que sim, mas em 1957 a Dra Evelyn Hooker realizou um estudo no qual testou psicologicamente um grupo de homens heterossexuais e um grupo de homens homossexuais e não encontrou qualquer diferença a nível psicológico entre os dois grupos. Dez anos mais tarde o Dr. Mark Freedman realizou um estudo idêntico no qual testou psicologicamente um grupo de mulheres heterossexuais e um grupo de mulheres lésbicas e também não encontrou qualquer diferença, a nível psicológico, entre os dois grupos. Estes dois estudos vieram demonstrar que a preferência sexual (homossexual ou lésbica) não está de forma alguma relacionada com a existência de uma doença mental. Como resultado destas investigações, em 1973 a Associação Americana de Psiquiatria deixou de considerar a homossexualidade como sendo uma doença mental, concluindo definitivamente não existir qualquer diferença entre homossexuais, lésbicas e heterossexuais a nível psicológico. Por isso não se preocupe, pois você é uma pessoa normal!

Os Mistérios da Masturbação Feminina

MASTUR~2.JPG

 

Entre elas costuma ser um assunto proibido, mas a verdade é que as mulheres também se masturbam, simplesmente não confessam.

 

Não é um assunto típico das suas conversas, tão natural entre quase todos os homens. A mulher masturba-se exatamente pelas mesmas razões que o homem: obter prazer!

 

Porém, enquanto o homem não se envergonha do ato e consegue até fazê-lo com "assistência", a mulher não quer ajuda para masturbar-se e prefere fazê-lo sozinha, sem "público".

 

Elas não costumam excitar-se a olhar para fotos ou vídeos, a hora da masturbação, para o sexo feminino, é uma viagem solitária, em que atingir o prazer de olhos fechados é uma das melhores técnicas.

 

É através da masturbação que pode descobrir as suas verdadeiras fontes de prazer e na hora do sexo com o parceiro tudo pode ser ainda melhor. Tocar-se ensina-lhe a perceber a força ou a suavidade necessária que precisa para atingir um orgasmo.

 

A masturbação feminina ainda é vista por muitos homens como algo negativo e, muitas vezes, eles até se sentem inseguros com esta situação, pensando que as suas parceiras têm fantasias com outros.

 

Contudo, a verdade é que este exercício é muito positivo para as mulheres, e ajuda a melhorar a intimidade do casal. Se ela não souber encontrar prazer em si, mais dificilmente será retribui-lo ao outro. A masturbação permite à mulher prestar mais atenção a si mesma e não esperar sempre que seja o companheiro a fazer algo para atingir o clímax.

 

Existem várias técnicas de masturbação feminina, sendo que a mais clássica é a estimulação do clítoris e da vagina. Para ajudá-la a obter prazer, use lubrificantes nesta hora, pois mais facilmente atingirá o orgasmo. Utilizar brinquedos sexuais, como por exemplo um vibrador, pode também tornar-se um dos métodos eficazes para obter prazer.

 

A masturbação feminina é também uma forma de procurar vencer a anorgasmia (dificuldade em atingir o orgasmo) e explorar o seu corpo é a melhor receita para conseguir ter com o seu marido ou namorado uma sexualidade plena.

"Não me sinto atraída por ele"

417112_299319373464173_146195835443195_894384_2025

 

“Há uns meses conheci um rapaz bonito, simpático e atencioso e aos poucos fomo-nos envolvendo mais seriamente. Agora temos uma relação mais ou menos estável mas o problema é que ele não me excita sexualmente. Apesar de ele ser bastante atraente não sinto aquela química…”

Rute, Beja

 

Cara leitora,

Por mais que goste de estar ao lado do seu namorado e que aprecie a sua companhia, a falta de excitação e desejo sexual podem ser uma condicionante à vossa relação se não conseguir contornar esta situação. Existe uma chamada “química” entre as pessoas, que é causada pela libertação de feromonas, que são hormonas responsáveis pelo desencadeamento da atracção sexual, por vezes, quase “animal” entre pessoas. No seu caso, parece que apesar de gostar bastante do seu namorado e de o achar até bastante atraente, a leitora não sente desejo sexual ou atracção sexual por ele como sentiria por outras pessoas cujas feromonas a excitassem. Se gosta realmente dele como pessoa e gostaria de manter a vossa relação aconselho-a tentar usar a linguagem verbal e corporal para lhe indicar o que mais lhe agrada sexualmente, de forma a que o seu namorado a possa satisfazer sexualmente, e quem sabe, até acender a chama da paixão que tem estado até agora apagada.

 

A sexualidade na adolescência

canstockphoto1782340.jpg

 

Para os pais que têm filhos numa fase de grandes mudanças, como é a adolescência, há que deixar os tabus para trás e abrir a mente.

 

Em primeiro lugar, tenha em atenção que, embora não se deva considerar a melhor amiga do seu filho ou da sua filha, é em si que eles devem apoiar-se para esclarecer muitas das suas dúvidas, bem como resolver alguns problemas.

 

Se nunca se mostrar disponível para o diálogo, então será nos amigos da mesma idade, que sabem tanto quanto eles sobre o assunto, que estes irão procurar informação sobre sexo, ou outros assuntos, que pouco ou nada se sentem à vontade para partilhar consigo.

 

Como muitos pais não se preparam para o início da vida sexual dos seus filhos adolescentes, estes acabam por se colocar em situações de risco, tais como: gravidez prematura, contacto com doenças sexualmente transmissíveis ou experiências sexuais desagradáveis. E não falamos apenas de países subdesenvolvidos!

 

Tenha em conta que não é pelo facto de falar com o seu filho sobre sexo que este iniciará a sua vida a este nível levianamente. E para que isso não suceda explique-lhe que o sexo é algo bom e natural, mas tem um momento certo para acontecer, que temos que estar psicologicamente e fisicamente preparados.

 

E se dúvidas houver, os especialistas dizem que meninos e meninas devem receber o mesmo tipo de orientações. Não podem existir preconceitos. O ideal é que seja o pai a dialogar com os filhos e a mãe a esclarecer as filhas.

Dormi com uma prostituta

o-depoimento-de-uma-prostituta-de-luxo-31-86.jpg

 

"Estou muito preocupado, pois num destes dias para tentar combater esta fase de solidão pela qual estou a atravessar tive relações sexuais com uma prostituta. O maior problema é que não utilizámos qualquer forma de proteção… E agora?"

Víctor, Porto

 

Caro leitor,

Para que a sexualidade seja vivida de uma forma tranquila e despreocupada é essencial ter em mente a prevenção, isto é, a utilização de um método contracetivo adequado. Pela situação vivida, o uso do preservativo seria imprescindível, não só para evitar uma gravidez não desejada, bem como para a proteção de doenças sexualmente transmissíveis.

Neste caso é que deve aplicar o tradicional provérbio "mais vale prevenir do que remediar". Agora, de forma a clarificar todas as dúvidas o melhor será consultar o seu médico assistente para que possa realizar todos os exames médicos recomendados para a despistagem de doenças do foro sexual.

Tenha em mente que a proteção, actualmente, é crucial, principalmente, para a proteção das doenças transmissíveis pela via sexual.

Orgasmo sim, por favor!

canstockphoto5293360.jpg

 

 

Em primeiro lugar desejo, depois excitação e por fim orgasmo. Esta seria linha orientadora ideal para atingir aquilo que todas as mulheres desejam na cama: prazer.

 

Porém, 27% do sexo feminino português confessa que raramente atinge o clímax, contra 1% dos homens. O que pode estar por detrás desta grande diferença entre os dois sexos? A verdade é que sexo não é apenas penetração e, principalmente, para as mulheres é muito mais do que isso.

 

Ela precisa de estar lubrificada, para se sentir preparada para o coito. A mulher deixou de fingir, nos dias que correm exige mais do seu parceiro e ele, em princípio, também fará tudo para estar à altura de satisfazê-la. Infelizmente, a repressora educação que sempre foi passada ao sexo feminino, ainda domina algumas mentes e isso pode, muitas vezes, inibir ambos.

 

O que contribuiu, sem dúvida, para um orgasmo insatisfatório, principalmente da parte das mulheres que necessitam pelo menos de oito minutos para atingi-lo, contra três minutos que os homens podem levar a consegui-lo. Mas afinal é tudo uma questão de timing?

 

Pode ser, mas não só! Há que “acertar” ritmos, passar ao parceiro informação, pois os homens gostam de ser instruídos. Utilize alguma linguagem corporal, bem como frases provocantes que permitam ao seu companheiro entender aquilo que precisa. Mas antes disso, e para saber dar instruções necessita de conhecer o seu corpo.

 

Para si, também os preliminares são importantes, pois quanto mais longa a excitação, maior o clímax. Alugue filmes picantes, envie mensagens eróticas ao seu parceiro, durante o dia, faça algo com ele que vos provoque muita adrenalina. Na cama, evite a rotina, experimentem novas posições, descubram-se e se necessário utilizem brinquedos sexuais para se estimularem mutuamente.

 

Na verdade, a imaginação não tem limites! Entregue-se ao prazer!