Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Masturbação feminina… um tabu?”

“Já há algum tempo que tenho uma questão para a qual ainda não encontrei resposta. Há muitos homens que colocam dúvidas sobre masturbação em sites e consultórios sexuais, mas as mulheres parecem mais tímidas a fazê-lo. Será que não se masturbam, ou não têm dúvidas sobre isso? Considero-me uma mulher descomplexada, gostava de saber se é normal o meu comportamento, porque às vezes parece que sou mais liberal que a maioria das mulheres!”

 

Tânia, Vila Franca
de Xira

 

Cara leitora,

A masturbação feminina é muito mais comum do que possa pensar, mas de acordo com estudos efectuados os homens continuam a superar as mulheres a esse nível em termos numéricos. Através de entrevistas e questionários aplicados na América (The Janus Report on Sexual Behavior (Samuel S. Janus and Cynthia L. Janus; John Wiley & Sons, Inc., 1993) a homens e mulheres entre os 18 e os 59 anos, os investigadores concluíram que 41,7% das mulheres e 63,3% dos homens declararam masturbar-se, 10% das mulheres e 25% dos homens afirmaram masturbar-se
diariamente ou várias vezes por semana. 38 % das mulheres e 55 % dos homens declararam masturbar-se com regularidade mensal a semanal. No entanto, e aplicando os resultados também à sociedade europeia, as diferenças de educação que os pais dão às filhas e aos filhos contribui para que ainda muitas mulheres agora em idade adulta considerem que “não fica bem” a uma mulher falar sobre a sua sexualidade e assumir que procura ter prazer mesmo sozinha. Embora hoje em dia a educação esteja a mudar, ainda existe a ideia passada às mulheres pelas famílias que devem ser sexualmente passivas e dependentes, assexuadas, ou que s seus genitais são algo que deve ser mantido como um tesouro secreto. A
masturbação feminina foi, até há não muito tempo, um tabu, mas hoje em dia felizmente cada vez mais mulheres começam a assumir a sua sexualidade, assim como a leitora. Não se preocupe por ser liberal, pois estar informada e manter-se actualizada é também uma maneira essencial de viver uma sexualidade saudável.