Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Pode fazer-se sexo a mais?”

“Tenho uma questão que gostava que me esclarecesse. É possível fazer “sexo a mais”? Há limites para o desejo sexual, ou quando este é maior do que o considerado normal podemos falar de ninfomania? Esta é considerada uma doença? Eu e a minha namorada praticamos muito sexo, e basta passarmos um ou dois dias separados para parecer uma eternidade! Seremos normais?”

Carlos, Leiria

Caro leitor,

Não há limite que defina aquilo que é ou não “sexo a mais”. A cultura, a religião, os valores familiares e, sobretudo, as necessidades fisiológicas e as escolhas pessoais de cada pessoa contribuem para essa definição, que naturalmente é variável de pessoa para pessoa. Assim, não tem de considerar como uma coisa negativa o facto de ter sempre vontade de fazer sexo com a sua namorada, sendo até bastante saudável e salutar para a relação a existência desse desejo partilhado. Desde que a atividade sexual de ambos não interfira de forma negativa com a vossa saúde, nem vos faça por de parte as vossas obrigações a nível profissional, familiar, etc., e desde que continuem a manter bons hábitos alimentares e de sono, não há mal nenhum em ambos desfrutarem desse prazer. A ninfomania não é considerada uma doença, sendo geralmente este termo utilizado para definir o desejo insaciável e a necessidade incontrolável de ter relações sexuais, muitas vezes com parceiros diferentes. O sexo torna-se uma compulsão quando se torna na única prioridade, resultando na negligência de outras componentes importantes da vida, como o sono, o trabalho, a vida social. Nestas situações, em que a pessoa não consegue controlar o seu impulso sexual, sendo controlada por ele, a medicação pode ajudar, como noutros casos de obsessão.