Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Menti ao meu marido e agora sinto-me culpada!

jogo-da-seducao.jpg

 

"Estou casada há dois anos e já falei com o meu marido a respeito de experiências sexuais passadas, mas sinto-me culpada pelo facto de não ter sido totalmente sincera e tenho medo que ele venha a descobrir. Como devo proceder?"

Maria - Sintra

 

Cara leitora,

Se decidir contar a verdade ao seu marido deve ter em conta que ele pode vir a ficar zangado e desiludido consigo devido ao facto de lhe ter mentido. Porém, e para que não carregue o fardo do sentimento de culpa, o melhor é esclarecer tudo, principalmente se existirem hipóteses de o seu marido poder descobrir toda a verdade sem ser por si. Com esta atitude terá a oportunidade de ser você a contar a verdade ao seu marido em vez de ele vir a descobrir através de terceiros, o que pode piorar a situação. Quando se decidir a falar com ele, explique-lhe as razões pelas quais omitiu o seu passado dizendo-lhe, também, o que sente por ele de modo que ele compreenda exatamente a sua posição. Prepare-se, pois é provável que ele fique desiludido e aborrecido, pois a confiança é um dos pilares básicos de uma relação, mas não há nada como a sinceridade para poder fortalecê-la.

“Levo muito tempo a atingir o orgasmo…”

“Tenho 25 anos e sempre levei mais de 20 minutos para conseguir atingir o orgasmo, o que parece aborrecer o meu namorado, será que está algo errado comigo? É comum as outras mulheres levarem assim tanto tempo para conseguirem chegar ao clímax?”

 

Maria, Braga

 

Cara leitora,

O que se passa consigo não é nada de anormal, pois na verdade a maioria das mulheres leva vinte minutos, e até mais, para atingir o orgasmo. Os orgasmos quase imediatos só acontecem, em grande parte dos casos, nos filmes. Por uma questão fisiológica, as mulheres necessitam naturalmente de mais tempo de estimulação e de concentração do que os homens para atingir o orgasmo, sendo talvez por isso que o seu namorado não compreende o que se passa consigo. Converse com ele, pois se a ama desejará certamente que você também tenha prazer, e como tal não devem apressar as coisas. No que diz respeito às mulheres e ao orgasmo feminino, embora cada caso seja um caso muitas vezes quaisquer distrações exteriores, como a televisão ligada, por exemplo, ou fatores emocionais tais como uma preocupação, aborrecimento, e até mesmo o cansaço, afetam a capacidade de se concentrar no seu próprio prazer, bem como o desejo sexual. Por isso, converse com o seu namorado com honestidade, para que ele possa compreender aquilo que a faz sentir confortável e para que juntosdescubram a melhor forma de sentirem prazer e desfrutarem da vossa vida sexual ao máximo.

Quero fazer amor com dois homens!

sexo-sexo-grupal-suruba-menage-a-trois-13203251278

 

 

"Tenho namorado e gosto muito dele, mas, de há uns tempos para cá, não consigo deixar de pensar em fazer amor com dois homens ao mesmo tempo. Sei que o meu namorado nunca iria concordar, mas não consigo deixar de pensar nesta minha fantasia…"

Vânia - Vila Nova de Gaia

 

Cara leitora,

Fantasiar sobre os mais variados cenários sexuais é perfeitamente normal, sendo esta sua fantasia comum a várias mulheres. O único problema é quando as fantasias começam a interferir na relação do casal, o que parece ser o seu caso, visto que não consegue deixar de pensar em fazer amor com dois homens ao mesmo tempo. As fantasias podem ser bastante divertidas, mas lembre-se que nem sempre devem ser passadas à prática pois podem ter repercussões bastante sérias não valendo a pena os problemas que podem vir a causar. Segundo disse, o seu namorado não iria concordar com essa prática, por isso, se gosta realmente dele, não tenha nenhuma atitude que possa prejudicar a vossa relação. Lembre-se que a realidade pode ser bastante diferente da fantasia!

Quero deixar o meu marido!

violenciadomesticafotomarcossantos006.jpg

 

"Depois de tantos anos de sofrimento e maus tratos cheguei à conclusão que quero deixar o meu marido, mas não sei como devo fazê-lo…"

Catarina - Olhão
 
 
Cara Leitora,
A violência doméstica é um sofrimento silencioso e que aos poucos vai massacrando a vítima quer física quer psicologicamente. Este problema abrange ambos os sexos e não escolhe condição social, nível cultural ou económico. Felizmente, aos poucos a sociedade tem vindo a ser alertada para a realidade da violência doméstica e todos os factos a si inerentes. Realmente se viveu todos estes anos infeliz já é tempo de dar o basta, e tomar uma decisão. Porém, pelo facto de o seu marido não ter um comportamento exemplar deve ter cuidado na forma como lhe vai contar a sua intenção. Tente ter o apoio de amigos e familiares no momento em que decidir dizer ao seu marido, pois estes podem protegê-la se o seu marido reagir mal à noticia. Lembre-se também que existem instituições de apoio à vítima de violência doméstica que a podem ajudar em tudo o que necessitar.

Sangrei depois do sexo anal

anal-sex-for-lovers.jpg

 

"Eu e o meu marido costumamos fazer sexo anal, mas da última vez notei que depois havia sangue no pénis dele, embora não tivéssemos detetado qualquer ferida. No entanto, no dia seguinte senti dores internas mas não consegui detetar o local exato onde estão. É normal isto acontecer com o sexo anal, ou devo ir ao médico?"

Cátia - Faro

 

Cara leitora,

Não é frequente haver danos sérios causados pelo sexo anal, mas se houve perda de sangue e se tem dores deve sem dúvida consultar o seu médico. O sangue que referiu pode ser resultante de uma hemorroida, que consiste numa veia inchada na região anal. As hemorroidas podem libertar sangue, mas não causam normalmente as dores internas que descreve. Pode, também, ter uma fissura anal, que pode ser bastante dolorosa e que demora a cicatrizar pois encontra-se numa região muito delicada. Um problema menos frequente mas mais grave consiste num buraco ou perfuração do cólon, que requer uma cirurgia para ser reparado. É indispensável que consulte o médico para que possa saber exatamente de que se trata e começar a ter o tratamento adequado. Não pratique sexo anal enquanto não estiver completamente restabelecida e, quando voltar a fazê-lo, assegure-se que tomas as medidas necessárias de precaução. O seu parceiro deve penetrá-la de forma lenta e com suavidade, sem forçar o ânus, e devem usar bastante lubrificante. Se ele introduzir dedos no seu ânus deve garantir que as unhas estão curtas e limpas. Devem parar sempre que sentir dor ou desconforto, deve respirar profundamente e então retomar. A respiração ajuda o esfíncter a relaxar, evitando a dor causada pela tensão. Se estiver deitada de barriga para baixo quando o seu marido a penetra será também mais fácil e menos doloroso, visto que existe menos pressão anal.

Não atinjo o orgasmo!

orgasmo-femminile.jpg

 

"Quando tenho relações sexuais com o meu namorado fico muito excitada, mas não consigo atingir o clímax; no entanto, quando estou sozinha consigo atingi-lo. Esta situação trará algum problema à minha saúde?"

Rute – Portimão

 

Cara leitora,

Já pensou que a inibição referente ao seu namorado poderá estar a interferir com a dificuldade em atingir o clímax? Uma mulher pode ficar muito excitada e não atingir orgasmo, sem que isto traga problemas de saúde. O que acontece é que sente uma sensação de tensão ou congestão dos órgãos genitais, que pode ser incómoda, devido ao afluxo de sangue que é maior nessa região. Quando o orgasmo não é atingido, essa congestão pode levar algum tempo a desvanecer-se embora não traga nenhum tipo de problema de saúde. Poderá, eventualmente, sentir-se frustrada, devido à dificuldade em atingir o orgasmo estando mesmo muito excitada. Relativamente ao seu namorado, provavelmente, o que sente é vergonha e preocupação das reacções que possa demonstrar quando atingir o clímax. Não tenha medo do possível descontrolo, já que numa relação sexual ambos têm de aprender a demonstrar e a aceitar os comportamentos e os efeitos dos atos sexuais. Talvez uma conversa com o seu namorado sobre esta situação possa ajudar bastante no seu caso pois, possivelmente, ele poderá ter outro tipo de receios que ainda não tenha tido abertura para falar, também, por medo da sua reacção. Troquem informações sobre estes aspetos que podem, evidentemente, ser ultrapassados e estarem a declinar a vossa relação sexual sem razão.

Orgasmos sem ejaculação?

couple-make-love.jpg

 

"Gostava de saber como é que o sexo tântrico funciona exatamente… Ouvi dizer que leva a um orgasmo muito intenso, sem ejaculação, mas gostava de saber mais pormenores… Como é que isso é possível?"

 Cláudio - Setúbal

 

Caro leitor,

As tradições religiosas tântricas encontram-se no hinduísmo e no budismo e veneram as divindades relacionadas com a energia sexual cósmica. O yoga tântrico defende a ideia de que uma "veia" enorme sobe desta a parte do fundo da espinha, onde repousa a kundalini, ou poder, até à mente, o pico mais elevado, simbolizado pelo lótus. No tantra, a maior fonte de energia que existe no universo advém das relações sexuais ritualizadas e o orgasmo é considerado uma experiência cósmica e divina. A prática tântrica chamada "karezza" envolve uma relação prolongada, sem ejaculação. Para tal, as posturas são trabalhadas, a meditação, o controlo da respiração e a pressão dos dedos são usadas como forma de perpetuar o clímax sem chegar à ejaculação. Estes orgasmos sem ejaculação trazem muito prazer e permitem que a relação sexual continue. Requer, no entanto, preparação e conhecimento da técnica. Fisiologicamente isto é possível porque o clímax e a ejaculação implicam duas funções distintas e, embora aconteçam em simultâneo, o orgasmo não precisa da ejaculação para ser considerado como tal.

Apaixonei-me pela namorada do meu melhor amigo!

free-wallpaper-22.jpg

 

"Tenho 30 anos e desde sempre repudiei as traições. Porém, há cerca de 6 meses percebi que estou apaixonado pela namorada do meu melhor amigo. Não soube como lidar com a situação, ela sente o mesmo por mim mas não quer terminar com o namorado por causa da família de ambos, e por isso temos mantido um caso em segredo já há algum tempo. Odeio-me pelo que estou a fazer, mas não consigo evitá-lo. Não sei o que fazer!"

João - Lisboa

 

Caro leitor,

Sem saber como viu-se numa situação que sempre reprovou, isto é, acabou por se envolver com a namorada do seu melhor amigo e agora não sabe o que fazer. Porém, agora vê-se sem muitas alternativas, pois sente-se incomodado com a situação gerada, mas, também, não consegue deixá-la pelo facto de estar apaixonado. Apesar de estar a viver uma situação complicada cabe-lhe a si refletir no que deseja para a sua vida daqui a frente, visto que a pessoa que ama não pretende deixar o seu amigo para ficar consigo. Pense na sua felicidade e veja se vale a pena estar a investir numa relação em que vai estar sempre em segundo plano.

A Menopausa

bodychanges2.jpg

 

Com o aparecimento da menopausa, que acontece entre os 45 e os 55 anos, a mulher deixa de ser fértil. A perimenopausa é a fase que a precede, e nela o corpo da mulher começa a sofrer transformações tais como a oscilação dos níveis de estrogéneo e a irregularidade da ovulação, que faz com que a menstruação deixe de aparecer em alguns meses. As alterações hormonais que caraterizam este período refletem-se em diversos sintomas físicos, tais como afrontamentos e suores nocturnos, fadiga, dores nas articulações, e secura da pele, cabelo, olhos e boca. Por outro lado, há mulheres que também experimentam alterações de humor, que provocam ansiedade, irritabilidade, e tendência para a depressão. O esquecimento e a dificuldade de concentração são também caraterísticos. É possível que devido à oscilação dos níveis hormonais a mulher também sinta dificuldades físicas e emocionais durante as relações sexuais.

 

Vida de casal: não tenho vontade de fazer amor!

6783398-couple-wallpaper.jpg

 

A rotina é, sem dúvida, um dos maiores inimigos de qualquer relacionamento. Enquanto que nos primeiros tempos da paixão todo o tempo que passavam juntos parecia pouco e qualquer toque ou olhar desencadeava um incêndio que os levava para os braços um do outro, com o tempo e a habituação a excitação da novidade apaga-se. Se a isso juntarmos as exigências do dia a dia, as discussões a respeito de quem lava a louça ou vai buscar os filhos à escola e as pressões a que cada um dos dois é submetido no local de trabalho, é fácil de compreender porque é que a vida sexual se torna um problema silencioso para tantos casais.

 

Passamos mais tempo a trabalhar e a responder aos desafios e exigências profissionais do que a sós com quem amamos. Por outro lado, qualquer pessoa, por mais apaixonada que esteja, precisa de ter tempo para si e para sentir saudades do seu mais-que-tudo. Aquilo de que muitas vezes não nos damos conta, no entanto, é que ao afastarmo-nos no dia a dia isso cria um fosso também na nossa vida sexual, afastando-nos.

 

Por outro lado, é fundamental ter presente que se perder o contato com a sua própria sexualidade isso irá necessariamente afastá-la do seu par. Limitar-se a cumprir as suas obrigações enquanto mãe e profissional, esquecendo-se que também é mulher, com desejos e vontades, faz com que essa parte do seu ser e da sua vida vá ficando entorpecida. A partir daí, muitas mulheres deixam de sentir prazer na relação sexual, porque não se permitem desfrutar dela com relaxamento e descontração, passando a evitar o seu parceiro. A anorgasmia, uma disfunção de que já falámos, pode surgir então e impedir a mulher de ter orgasmos, ou dificultando-os. Como tal, isto faz com que a mulher ainda tenha maior tendência para evitar a relação sexual, pois sabe que não lhe será fácil chegar ao orgasmo, tornando o sexo algo penoso.

 

Mais vale prevenir…
A melhor forma de combater a falta de desejo no casal é aprender a evitá-la. Para tal, integre certos princípios na dinâmica da relação e faça deles hábitos saudáveis, para o bem da relação.