Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Sexualidade na adolencência

 

 

Para os pais que têm filhos numa fase de
grandes mudanças, como é a adolescência, há que deixar os tabus para trás e
abrir a mente. Em primeiro lugar, tenha em atenção que, embora não se deva
considerar a melhor amiga do seu filho ou da sua filha, é em si que eles devem
apoiar-se para esclarecer muitas das suas dúvidas, bem como resolver alguns
problemas. Se nunca se mostrar disponível para o diálogo, então será nos amigos
da mesma idade, que sabem tanto quanto eles sobre o assunto, que estes irão
procurar informação sobre sexo, ou outros assuntos, que pouco ou nada se sentem
à vontade para partilhar consigo.

Como muitos pais não se preparam para o
início da vida sexual dos seus filhos adolescentes, estes acabam por se colocar
em situações de risco, tais como: gravidez prematura, contacto com doenças
sexualmente transmissíveis ou experiências sexuais desagradáveis. E não falamos
apenas de países subdesenvolvidos! 

Tenha em conta que não é pelo facto de falar
com o seu filho sobre sexo que este iniciará a sua vida a este nível
levianamente. E para que isso não suceda explique-lhe que o sexo é algo bom e
natural, mas tem um momento certo para acontecer, que temos que estar
psicologicamente e fisicamente preparados. E se dúvidas houver, os
especialistas dizem que meninos e meninas devem receber o mesmo tipo de
orientações. Não podem existir preconceitos. O ideal é que seja o pai a
dialogar com os filhos e a mãe a esclarecer as filhas.

 

Devo aderir ao swing?

swingers-clubs.jpg

 

"Sempre fui feliz com a minha companheira, e sempre experimentamos, a nível sexual, tudo o que existia. Agora estou indeciso em aderir ao swing, talvez por desconhecimento ou receio, mas a verdade é que sinto uma forte curiosidade e a minha companheira partilha do mesmo interesse que eu, sendo que já abordámos este assunto por diversas vezes."

Alexandre - Odivelas 

 

Caro leitor,

O swinger encara a sexualidade desprovida de preconceitos, na qual há uma libertação de tabus e as fantasias ganham vida com outros casais, aceitando que o parceiro tenha relações sexuais com outras pessoas. Há efetivamente um envolvimento carnal e nunca sentimental. Os swingers encaram o casamento como um partilhar em pleno de uma vida a dois, valorizando a fidelidade emocional em detrimento da física. Por isso o que tem de perceber e discutir com a sua parceira é o que pretendem enquanto casal. A introdução desta nova prática sexual na vida do casal pode provocar profundas mudanças na forma de viver a vossa relação de casal e a vossa sexualidade. Procure, em conjunto com a sua parceira, ponderar os prós e os contras na adesão a esta prática, equacionando o que será melhor e mais proveitoso para ambos.

“Suspeito que estou a ser traída”

 

 

“De há uns meses para cá, o meu companheiro não quer ter relações sexuais comigo, anda a maior parte do tempo fora de casa e muitas noites nem volta, diz que está a trabalhar e a fazer serão, mas quando ligo para o emprego dele dizem-me sempre que ele não está. Será que estou a ser traída?”

 

Joana, Vila Nova de Gaia

 

 

 

Cara leitora,

 

sinto muito mas os sinais parecem ser claros... passar noites fora de casa e principalmente dizer que está a trabalhar mas nunca estar no escritório. Mantenha a calma, tente perceber o que se está a passar antes de tomar decisões precipitadas. Converse com o seu companheiro sem utilizar um tom acusativo, tente saber se existe alguma razão que faça sentido para que ele evite estar em casa, passar noites fora ou fazer amor consigo. Se continuar a ter suspeitas faça-lhe uma visita ao emprego e assim saberá se ele diz a verdade ou não. Tente resolver as coisas pelo melhor, boa sorte! 

 

 

 

A primeira vez!

young-teenage-girl.jpg

 

Iniciar a vida sexual é uma escolha individual. E essa decisão deve ser pensada e tomada com maturidade. A primeira relação sexual gera muitas dúvidas: Vai doer? Vai sangrar? É o momento certo? Não existe uma altura certa para estar preparado para iniciar a vida sexual. A primeira vez é sempre diferente de pessoa para pessoa.

 

A iniciação sexual, para a maioria das pessoas, é uma situação de ansiedade, acompanhada de excitação e medo. Ela pode representar o amor, mas pode, também, ser fonte de sentimentos de frustração e de desilusão. Ninguém esquece a primeira relação sexual, porque normalmente imaginamos uma coisa e criamos muitas expetativas de como vai ser esse momento, o que muitas vezes não corresponde à realidade.

 

Ser virgem significa nunca ter tido um contato sexual, para outros, significa nunca ter tido uma relação com penetração; outros ainda, atribuem o rompimento do hímen à perda da virgindade. Não existe portanto uma definição consensual do que é a virgindade.

O significado mais comum atribuído à virgindade tem a ver com a prática sexual, em que existe a penetração do pénis na vagina havendo o rompimento do hímen. Alguns hímenes rompem logo nas primeiras relações sexuais e provocam um sangramento, enquanto outros, por serem mais flexíveis, alargam e não sangram. Mas também se pode dar o caso de uma mulher não ter hímen, ter nascido sem ele

 

Mitos da virgindade

* O tampão não tira a virgindade;

* Quem se masturba não deixa de ser virgem, mesmo que a masturbação seja a dois;

* Se a rapariga/mulher não sangrar na primeira relação sexual não significa que ela não é virgem.   

 

A dor

Por outro lado, a primeira relação sexual não implica necessariamente dor. Os mitos acerca do rompimento do hímen, da penetração, são passados de boca em boca, de geração em geração. É claro que a precipitação, a falta de confiança, o medo e a ansiedade podem fazer com que os músculos da vagina fiquem mais contraídos e que não lubrifique tanto. Nestas circunstâncias, a relação sexual pode ser um pouco desconfortável. Quando um casal se sente preparado para ter uma relação sexual, quando sente que chegou o momento, quando dispõe de tempo, basta deixar crescer o desejo, relaxar e desfrutar da intimidade a dois. As carícias, os gestos ternos, as palavras ditas com carinho, afeto e cuidado podem ajudar a descontrair.   

 

A idade ideal

Não existe uma idade, uma hora ou um espaço indicado ou aconselhado. Para uma pessoa a idade certa pode ser uma, para a(o) outra pode ser diferente. Tudo depende dos sentimentos, do desejo, da segurança, do sentido de responsabilidade, da maturidade física e afetiva.

 

A sexualidade na asolescência

Para os pais que têm filhos numa fase de grandes mudanças, como é a adolescência, há que deixar os tabus para trás e abrir a mente. Em primeiro lugar, tenha em atenção que, embora não se deva considerar a melhor amiga do seu filho ou da sua filha, é em si que eles devem apoiar-se para esclarecer muitas das suas dúvidas, bem como resolver alguns problemas. Se nunca se mostrar disponível para o diálogo, então será nos amigos da mesma idade, que sabem tanto quanto eles sobre o assunto, que estes irão procurar informação sobre sexo, ou outros assuntos, que pouco ou nada se sentem à vontade para partilhar consigo.

 

Como muitos pais não se preparam para o início da vida sexual dos seus filhos adolescentes, estes acabam por se colocar em situações de risco, tais como: gravidez prematura, contacto com doenças sexualmente transmissíveis ou experiências sexuais desagradáveis. E não falamos apenas de países subdesenvolvidos! 

 

Tenha em conta que não é pelo facto de falar com o seu filho sobre sexo que este iniciará a sua vida a este nível levianamente. E para que isso não suceda explique-lhe que o sexo é algo bom e natural, mas tem um momento certo para acontecer, que temos que estar psicologicamente e fisicamente preparados. E se dúvidas houver, os especialistas dizem que meninos e meninas devem receber o mesmo tipo de orientações. Não podem existir preconceitos. O ideal é que seja o pai a dialogar com os filhos e a mãe a esclarecer as filhas.

 

O hímen é uma membrana de pele muito fina que existe um pouco depois da entrada da vagina. As suas características diferem de mulher para mulher em função do seu grau de elasticidade.

Menti ao meu marido e agora sinto-me culpada!

jogo-da-seducao.jpg

 

"Estou casada há dois anos e já falei com o meu marido a respeito de experiências sexuais passadas, mas sinto-me culpada pelo facto de não ter sido totalmente sincera e tenho medo que ele venha a descobrir. Como devo proceder?"

Maria - Sintra

 

Cara leitora,

Se decidir contar a verdade ao seu marido deve ter em conta que ele pode vir a ficar zangado e desiludido consigo devido ao facto de lhe ter mentido. Porém, e para que não carregue o fardo do sentimento de culpa, o melhor é esclarecer tudo, principalmente se existirem hipóteses de o seu marido poder descobrir toda a verdade sem ser por si. Com esta atitude terá a oportunidade de ser você a contar a verdade ao seu marido em vez de ele vir a descobrir através de terceiros, o que pode piorar a situação. Quando se decidir a falar com ele, explique-lhe as razões pelas quais omitiu o seu passado dizendo-lhe, também, o que sente por ele de modo que ele compreenda exatamente a sua posição. Prepare-se, pois é provável que ele fique desiludido e aborrecido, pois a confiança é um dos pilares básicos de uma relação, mas não há nada como a sinceridade para poder fortalecê-la.

“Levo muito tempo a atingir o orgasmo…”

“Tenho 25 anos e sempre levei mais de 20 minutos para conseguir atingir o orgasmo, o que parece aborrecer o meu namorado, será que está algo errado comigo? É comum as outras mulheres levarem assim tanto tempo para conseguirem chegar ao clímax?”

 

Maria, Braga

 

Cara leitora,

O que se passa consigo não é nada de anormal, pois na verdade a maioria das mulheres leva vinte minutos, e até mais, para atingir o orgasmo. Os orgasmos quase imediatos só acontecem, em grande parte dos casos, nos filmes. Por uma questão fisiológica, as mulheres necessitam naturalmente de mais tempo de estimulação e de concentração do que os homens para atingir o orgasmo, sendo talvez por isso que o seu namorado não compreende o que se passa consigo. Converse com ele, pois se a ama desejará certamente que você também tenha prazer, e como tal não devem apressar as coisas. No que diz respeito às mulheres e ao orgasmo feminino, embora cada caso seja um caso muitas vezes quaisquer distrações exteriores, como a televisão ligada, por exemplo, ou fatores emocionais tais como uma preocupação, aborrecimento, e até mesmo o cansaço, afetam a capacidade de se concentrar no seu próprio prazer, bem como o desejo sexual. Por isso, converse com o seu namorado com honestidade, para que ele possa compreender aquilo que a faz sentir confortável e para que juntosdescubram a melhor forma de sentirem prazer e desfrutarem da vossa vida sexual ao máximo.

Quero fazer amor com dois homens!

sexo-sexo-grupal-suruba-menage-a-trois-13203251278

 

 

"Tenho namorado e gosto muito dele, mas, de há uns tempos para cá, não consigo deixar de pensar em fazer amor com dois homens ao mesmo tempo. Sei que o meu namorado nunca iria concordar, mas não consigo deixar de pensar nesta minha fantasia…"

Vânia - Vila Nova de Gaia

 

Cara leitora,

Fantasiar sobre os mais variados cenários sexuais é perfeitamente normal, sendo esta sua fantasia comum a várias mulheres. O único problema é quando as fantasias começam a interferir na relação do casal, o que parece ser o seu caso, visto que não consegue deixar de pensar em fazer amor com dois homens ao mesmo tempo. As fantasias podem ser bastante divertidas, mas lembre-se que nem sempre devem ser passadas à prática pois podem ter repercussões bastante sérias não valendo a pena os problemas que podem vir a causar. Segundo disse, o seu namorado não iria concordar com essa prática, por isso, se gosta realmente dele, não tenha nenhuma atitude que possa prejudicar a vossa relação. Lembre-se que a realidade pode ser bastante diferente da fantasia!

Quero deixar o meu marido!

violenciadomesticafotomarcossantos006.jpg

 

"Depois de tantos anos de sofrimento e maus tratos cheguei à conclusão que quero deixar o meu marido, mas não sei como devo fazê-lo…"

Catarina - Olhão
 
 
Cara Leitora,
A violência doméstica é um sofrimento silencioso e que aos poucos vai massacrando a vítima quer física quer psicologicamente. Este problema abrange ambos os sexos e não escolhe condição social, nível cultural ou económico. Felizmente, aos poucos a sociedade tem vindo a ser alertada para a realidade da violência doméstica e todos os factos a si inerentes. Realmente se viveu todos estes anos infeliz já é tempo de dar o basta, e tomar uma decisão. Porém, pelo facto de o seu marido não ter um comportamento exemplar deve ter cuidado na forma como lhe vai contar a sua intenção. Tente ter o apoio de amigos e familiares no momento em que decidir dizer ao seu marido, pois estes podem protegê-la se o seu marido reagir mal à noticia. Lembre-se também que existem instituições de apoio à vítima de violência doméstica que a podem ajudar em tudo o que necessitar.

Sangrei depois do sexo anal

anal-sex-for-lovers.jpg

 

"Eu e o meu marido costumamos fazer sexo anal, mas da última vez notei que depois havia sangue no pénis dele, embora não tivéssemos detetado qualquer ferida. No entanto, no dia seguinte senti dores internas mas não consegui detetar o local exato onde estão. É normal isto acontecer com o sexo anal, ou devo ir ao médico?"

Cátia - Faro

 

Cara leitora,

Não é frequente haver danos sérios causados pelo sexo anal, mas se houve perda de sangue e se tem dores deve sem dúvida consultar o seu médico. O sangue que referiu pode ser resultante de uma hemorroida, que consiste numa veia inchada na região anal. As hemorroidas podem libertar sangue, mas não causam normalmente as dores internas que descreve. Pode, também, ter uma fissura anal, que pode ser bastante dolorosa e que demora a cicatrizar pois encontra-se numa região muito delicada. Um problema menos frequente mas mais grave consiste num buraco ou perfuração do cólon, que requer uma cirurgia para ser reparado. É indispensável que consulte o médico para que possa saber exatamente de que se trata e começar a ter o tratamento adequado. Não pratique sexo anal enquanto não estiver completamente restabelecida e, quando voltar a fazê-lo, assegure-se que tomas as medidas necessárias de precaução. O seu parceiro deve penetrá-la de forma lenta e com suavidade, sem forçar o ânus, e devem usar bastante lubrificante. Se ele introduzir dedos no seu ânus deve garantir que as unhas estão curtas e limpas. Devem parar sempre que sentir dor ou desconforto, deve respirar profundamente e então retomar. A respiração ajuda o esfíncter a relaxar, evitando a dor causada pela tensão. Se estiver deitada de barriga para baixo quando o seu marido a penetra será também mais fácil e menos doloroso, visto que existe menos pressão anal.

Não atinjo o orgasmo!

orgasmo-femminile.jpg

 

"Quando tenho relações sexuais com o meu namorado fico muito excitada, mas não consigo atingir o clímax; no entanto, quando estou sozinha consigo atingi-lo. Esta situação trará algum problema à minha saúde?"

Rute – Portimão

 

Cara leitora,

Já pensou que a inibição referente ao seu namorado poderá estar a interferir com a dificuldade em atingir o clímax? Uma mulher pode ficar muito excitada e não atingir orgasmo, sem que isto traga problemas de saúde. O que acontece é que sente uma sensação de tensão ou congestão dos órgãos genitais, que pode ser incómoda, devido ao afluxo de sangue que é maior nessa região. Quando o orgasmo não é atingido, essa congestão pode levar algum tempo a desvanecer-se embora não traga nenhum tipo de problema de saúde. Poderá, eventualmente, sentir-se frustrada, devido à dificuldade em atingir o orgasmo estando mesmo muito excitada. Relativamente ao seu namorado, provavelmente, o que sente é vergonha e preocupação das reacções que possa demonstrar quando atingir o clímax. Não tenha medo do possível descontrolo, já que numa relação sexual ambos têm de aprender a demonstrar e a aceitar os comportamentos e os efeitos dos atos sexuais. Talvez uma conversa com o seu namorado sobre esta situação possa ajudar bastante no seu caso pois, possivelmente, ele poderá ter outro tipo de receios que ainda não tenha tido abertura para falar, também, por medo da sua reacção. Troquem informações sobre estes aspetos que podem, evidentemente, ser ultrapassados e estarem a declinar a vossa relação sexual sem razão.