Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Não atinjo o orgasmo!

orgasmo-femminile.jpg

 

"Quando tenho relações sexuais com o meu namorado fico muito excitada, mas não consigo atingir o clímax; no entanto, quando estou sozinha consigo atingi-lo. Esta situação trará algum problema à minha saúde?"

Rute – Portimão

 

Cara leitora,

Já pensou que a inibição referente ao seu namorado poderá estar a interferir com a dificuldade em atingir o clímax? Uma mulher pode ficar muito excitada e não atingir orgasmo, sem que isto traga problemas de saúde. O que acontece é que sente uma sensação de tensão ou congestão dos órgãos genitais, que pode ser incómoda, devido ao afluxo de sangue que é maior nessa região. Quando o orgasmo não é atingido, essa congestão pode levar algum tempo a desvanecer-se embora não traga nenhum tipo de problema de saúde. Poderá, eventualmente, sentir-se frustrada, devido à dificuldade em atingir o orgasmo estando mesmo muito excitada. Relativamente ao seu namorado, provavelmente, o que sente é vergonha e preocupação das reacções que possa demonstrar quando atingir o clímax. Não tenha medo do possível descontrolo, já que numa relação sexual ambos têm de aprender a demonstrar e a aceitar os comportamentos e os efeitos dos atos sexuais. Talvez uma conversa com o seu namorado sobre esta situação possa ajudar bastante no seu caso pois, possivelmente, ele poderá ter outro tipo de receios que ainda não tenha tido abertura para falar, também, por medo da sua reacção. Troquem informações sobre estes aspetos que podem, evidentemente, ser ultrapassados e estarem a declinar a vossa relação sexual sem razão.

Sexualidade feminina

94192_Papel-de-Parede-Garota-Deitada--94192_1680x1

 

Orgasmo feminino

Algumas mulheres só conseguem atingir o orgasmo com a prática da masturbação. Estudos norte-americanos indicam que apenas 29% das mulheres atingem o clímax durante a relação sexual, mas 82% o atingem com a prática da masturbação.

 

Falta de desejo sexual

O desejo sexual hipoativo pode ser causado por vários fatores tais como o stress, cansaço, estados depressivos ou de ansiedade. Os medicamentos tomados para a depressão e estados de ansiedade podem também ser responsáveis pela redução do desejo sexual feminino. Há casos em que os baixos níveis de testosterona podem causar falta de desejo sexual nas mulheres. A terapia sexual para casais ajuda homens e mulheres a encontrar formas de obter prazer. O viagra é apenas recomendado para os homens com dificuldade erétil, e não produz qualquer efeito nas mulheres. O viacreme é uma substância que as mulheres podem usar para estimular os órgãos genitais, no entanto esta não garante a obtenção do orgasmo.

 

Anorgasmia

Esta carateriza-se pela dificuldade ou incapacidade para atingir o orgasmo, e é bastante comum entre as mulheres, mesmo em casos nos quais a mulher sente desejo sexual e não tem dificuldade em sentir-se fisicamente excitada. Esta situação pode causar bastante frustração tanto na mulher como no parceiro. É recomendável alterar a medicação caso a mulher esteja a tomar qualquer tipo de medicamentos, e recorrer à prática de masturbação por parte da mulher de forma a que esta se sinta mais em sintonia com o seu corpo.

 

Vaginismo

Condição na qual a vagina entra em espasmo muscular durante a penetração do pénis, tornando o ato sexual doloroso. Para atenuar esta situação pode usar-se medicação para tranquilizar a mulher durante o ato sexual de forma a ajudar a reduzir a tensão muscular. Existe também uma Técnica de Terapia Sexual, na qual a mulher é encorajada a introduzir, suavemente, "cilindros de treino" de tamanhos diferentes na vagina de forma gradual. Ao habituar-se à presença destes objetos, a mulher começa a aliviar a tensão que sentia anteriormente.

 

Dispareunia

Esta verifica-se quando a mulher sente dores bastante fortes durante a penetração, fazendo com que a relação sexual seja dolorosa e descomfortável. Muitas mulheres acabam por evitar ter relações devido à ansiedade antecipada da dor que vão sentir durante o coito. Existem investigadores norte-americanos que defendem a existência de um gene responsável pela manifestação deste problema em mulheres, mas é necessário que haja ainda mais investigação feita a este respeito. O tratamento deste problema pode passar por medicação ou por cirurgia.

 

Secura vaginal

A menopausa marca o fim da fertilidade da mulher e ocorre, geralmente, entre os 45 e os 55 anos de idade. Durante a fase de preparação para a menopausa – perimenopausa, os níveis de estrogéneo oscilam e a ovulação torna-se inconstante. Nesta fase a mulher pode ter menstruação nalguns meses, seguindo-se de um período de ausência de vários meses. Os baixos níveis de estrogéneo na fase da menopausa e pós-menopausa podem fazer com que os lábios vaginais e a vulva sofram um enrugamento e secura e, mesmo que a mulher esteja excitada, não se dê uma lubrificação adequada. Neste caso, a mulher deve usar um gel lubrificante antes da relação sexual. Alguns médicos recomendam o Tratamento de Substituição Hormonal através de um creme de estrogéneo, comprimidos, ou adesivos que podem ajudar a aliviar os efeitos da menopausa.

Circuncisão ou não, eis a questão?

circuncision-barcelona.jpg

Mesmo nos tempos que correm ainda existem muitas mulheres que não percebem o que realmente é a circuncisão masculina, não entendendo também por que razão deve ser realizada nos homens.

 

Na realidade, a circuncisão nada mais é do que uma intervenção cirúrgica que permite remover o prepúcio, ou seja, a pele que cobre a glande do pénis.

 

A tradição de fazer esta intervenção nos homens é já muito antiga, mas na verdade pode prevenir alguns problemas nos órgãos genitais, como infecções urinárias, inflamações no pénis, etc e corrige ainda a fimose (incapacidade que um homem tem de expor a sua glande), reduz o risco de doenças sexualmente transmissíveis, pois permite uma higiene mais cuidada.

 

A circuncisão pode ser realizada durante a infância ou já numa fase adulta, e aí tudo depende das queixas que o indivíduo tenha.

 

Se já colocou, muitas vezes, a questão de tentar perceber se um homem é ou não circuncisado basta reparar se o seu pénis, quando não está erecto, possui a pele (prepúcio) que cobre a glande deste órgão. Neste caso, não terá feito a intervenção, caso contrário, a pele não cobre a glande do pénis, é porque foi circuncisado em algum momento da sua vida.