Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Masturbação: vá pelos seus dedos!

masturbation-4574-2121.jpg

 

Independentemente de ter um parceiro ou estar só, saber proporcionar prazer a si própria aumenta a sua autoestima, a confiança em si própria e, como lhe permite conhecer melhor o seu corpo, também faz com que tenha mais prazer quando está com um parceiro, pois ao saber exatamente que tipo de carícias a levam ao êxtase será mais fácil ensiná-lo a fazer o mesmo. Por outro lado, ao sentir-se mais autónoma e autoconfiante na sua expressão sexual isso torna-a naturalmente também mais sedutora. Assim, reserve algum do seu tempo a conhecer-se e a amar-se a si própria!

 

Em primeiro lugar, deve explorar bem o seu corpo, sem tabus nem receios. Para este momento tão íntimo procure um local confortável onde se sinta bem e saiba que não será interrompida. Pode por a tocar uma música que a deixe relaxada e a faça sentir-se bem. Ao contrário do que a educação que muitas das nossas avós e mães nos fez crer, não há nada de errado em observar, apalpar e sentir o seu próprio corpo – como quer que o seu parceiro o faça, se você sente vergonha de si?

 

Para ter prazer é imprescindível que se autorize a si própria a senti-lo, sem se autocensurar e sem se reprimir. Além da área genital, existe um sem-fim de outras zonas erógenas no seu corpo, que lhe provocam sensações de prazer quando são devidamente tocadas. Deixe que as suas mãos explorem a sua pele, seguindo ao sabor da vontade, detenha-se nos peitos, apalpe, aperte, desenhe círculos com a ponta dos dedos nas auréolas dos mamilos e sinta-os enrijecer, deslize pelo ventre, aperte as coxas, desça pelas pernas.

“Sexo anal sem dor…”

“Eu e o meu namorado, por várias vezes, já fizemos sexo anal e devo confessar que até gosto da experiência. O único inconveniente é que sinto algumas dores. Como devo contornar esta situação?

 

Alexandra, Lisboa

Cara Leitora,

Existem inúmeras formas de obter uma relação sexual mais prazerosa e menos dolorosa. Deve ter sempre em conta que sexo deve ser sinónimo de prazer e não de dor. 

Para que possa ter uma relação menos dolorosa, deve evitar estar tensa, pois desta forma facilitará a contração da musculatura tornando este ato mais difícil.

A região do ânus por ser rica em terminações nervosas e sensível às carícias torna-se, por excelência, uma zona que permite a excitação e obtenção plena de prazer.

De forma a diminuir as dores durante o sexo anal, deve apostar nos preliminares para que possa ser estimulada até à excitação e usar lubrificantes, pois o ânus não produz uma lubrificação natural tal como a vagina.

 

Não conseguir penetração

 

 

Tenho 31 anos, e nunca tive uma vida sexual muito activa. Mas a ultima relação sexual que tive foi com uma pessoa que amava muito, mas não consegui satisfazer o meu ex companheiro, não consegui ser penetrada, tenho bastantes dores, mas acho que é um problema psicológico meu porque não relaxo. Mas isso está-me a prejudicar bastante. É que agora estava  a começar um relacionamento e parece que tenho trauma de ter relações, envolvo-me bastante e tenho desejo de continuar mas de repente (parece que se passa algo) e paro e o meu companheiro não entende porque faço isso. Acho que é um problema que não consigo resolver.

Gostava que me ajudassem a suportar este problema e perguntar se devo procurar ajuda clínica ou psicológica.
Patrícia

 

Cara Patrícia,

 

 

O seu caso pode ser de uma perturbação sexual feminina, mas tal diagnóstico só pode ser feito numa consulta presencial e com avaliação fisiológica médica e sexológica. Existem duas perturbações sexuais femininas da dor: o vaginismo e a dispareunia. Estes problemas acontecem a muitas mulheres e não deve deixar de tentar viver a sua sexualidade por isto lhe acontecer, nem sentir-se culpada. Deve procurar ajuda especializada para esclarecer se as suas dificuldades são psicológicas ou fisiológicas e reflectir sobre um tratamento adequado.

Por enquanto podem explorar outras formas de ter relações sexuais, não só através da penetração… Explorem as massagens, as carícias, a masturbação mútua (pode começar sozinha para descobrir como gosta de ser tocada e o que lhe dá mais prazer), o sexo oral, os brinquedos eróticos… Usem a vossa imaginação para reinventarem a vossa sexualidade sem limites!

 

 

 

 

 

 

 

Leve o seu homem à loucura

bedcouple1.jpg

 

- Acorde-o com carícias na nuca, passando os dedos pelo seu cabelo.

- Despeça-se sempre dele antes de saírem de casa, com um beijo demorado que o faça lembrar-se de si durante todo o dia.

- Surpreenda-o no banho, fazendo-lhe companhia.

- Acaricie-o de forma carinhosa e em situações triviais do dia a dia, como enquanto ele está a conduzir, quando estão no cinema ou na fila do supermercado. Passe os dedos pelo braço dele, pelo peito ou pela orelha, mostrando o quanto gosta dele.

- Quando saem com outras pessoas troque olhares com ele enquanto estão afastados, reforçando a cumplicidade entre vós. Envie-lhe uma mensagem "malandra" para o telemóvel, convidando-o a encontrar-se consigo às escondidas na casa-de-banho ou nas traseiras do bar.

- Faça amor com ele antes de irem dormir, com preliminares carinhosos que vão gradualmente aumentando de intensidade. Comece como uma gatinha carinhosa e termine como uma leoa selvagem.

- Vejam filmes eróticos juntos de vez em quando.

- Faça amor com ele com sapatos de salto agulha e use os saltos para o acariciar.

Segredos do orgasmo

o-ORGASM-facebook.jpg

 

Não há receitas infalíveis para o prazer, pois cada pessoa segue um percurso único e pessoal. Dê largas à imaginação e liberte-se, experimente variar os toques, as pressões e o tipo de carícias e descubra o que lhe proporciona prazer e de que forma.

 

Algumas mulheres gostam mais de se masturbar com um vibrador, com a palma da mão, uma almofada… pode, ainda, experimentar massajar esta zona com água tépida quando está no chuveiro, masturbando-se no duche, para explorar novas formas de desfrutar do prazer.

 

 Quanto mais excitada estiver e quanto mais desejar o orgasmo mais forte ele será. De um modo geral, os orgasmos durante a masturbação são mais intensos do que com a penetração, porque com o pénis dentro da vagina esta não consegue contrair-se tanto nos espasmos de prazer.

Leve o seu homem à loucura

fazer amor.jpg

 

Sugestões íntimas

- Pegue na mão dele e conduza-a ao sítio certo, mostrando-lhe como gosta de ser tocada.

- Quando ele lhe estiver a fazer sexo oral, mova os seus quadris ao mesmo ritmo ou acaricie outras partes do seu corpo, isso incentiva-o a continuar.

- Quando ele estiver por cima de si abrace-o e, mesmo depois do orgasmo, deixem-se ficar abraçados.

 

Manutenção constante

Tal como as flores precisam de cuidados para não murcharem, para que o desejo não se apague é necessário que o estimule constantemente. Não precisa de o provocar todos os dias, mas assegure-se que não deixa a paixão morrer entre vós. Aproveite as oportunidades quotidianas para lhe relembrar o quanto ele mexe consigo. As surpresas inesperadas surtem os melhores resultados.

 

A não esquecer

- Acorde-o com carícias na nuca, passando os dedos pelo seu cabelo.

- Despeça-se sempre dele antes de saírem de casa, com um beijo demorado que o faça lembrar-se de si durante todo o dia.

- Surpreenda-o no banho, fazendo-lhe companhia.

- Acaricie-o de forma carinhosa e em situações triviais do dia a dia, como enquanto ele está a conduzir, quando estão no cinema ou na fila do supermercado. Passe os dedos pelo braço dele, pelo peito ou pela orelha, mostrando o quanto gosta dele.

- Quando saem com outras pessoas troque olhares com ele enquanto estão afastados, reforçando a cumplicidade entre vós. Envie-lhe uma mensagem “malandra” para o telemóvel, convidando-o a encontrar-se consigo às escondidas na casa-de-banho ou nas traseiras do bar.

- Faça amor com ele antes de irem dormir, com preliminares carinhosos que vão gradualmente aumentando de intensidade. Comece como uma gatinha carinhosa e termine como uma leoa selvagem.

- Vejam filmes eróticos juntos de vez em quando.

- Faça amor com ele com sapatos de salto agulha e use os saltos para o acariciar.

Sexo Baunilha ou com sabor extra forte?

o-sex-facebook.jpg

 

A designação "Sexo Baunilha", refere-se à relação sexual convencional, por oposição ao sexo praticado em relações de BDSM. A expressão deriva do inglês "vanilla sex", por analogia com o sabor de gelados: aqueles que têm medo de arriscar podem pedir baunilha, pois será sempre aquele sabor familiar, sem surpresas nem riscos. Há, contudo, muitas pessoas para quem "extra forte" nunca é picante demais.

 

Qualquer relação sexual beneficia do "amor" e dos gestos e momentos de puro carinho e troca de carícias com meiguice e cuidado. No entanto, a vida sexual de dois adultos pode, de vez em quando, precisar de alguns elementos mais picantes e de arrebatamentos de paixão para não cair na rotina, que leva à monotonia e, por consequência, ao arrefecimento e à apatia. Nem todas as pessoas gostam de gestos impetuosos ou de soltar a fera que há em si quando têm relações sexuais, e as relações BDSM (com e sem sexo) não são para toda a gente. É importante, antes de mais, ter bem claro que nunca deve ir além daquilo que realmente deseja fazer.

 

O prazer de magoar

O sadismo é uma das atividades do BDSM, e define o prazer em infligir dor no outro, retirando deleite e satisfação do facto de estar a fazer sofrer. Para descanso dos mais suscetíveis, saiba que assim como existem sádicos, há também masoquistas, pessoas que sentem real prazer na dor que lhes é causada. Enquanto que no domínio o dominador procura ter controlo sobre o submisso, no sadismo é na dor que assenta o foco de prazer. Esta dor não é, contudo, cruel: é uma dor apaixonada, na medida em que o que a provoca deseja que ela seja sentida com paixão, e o que a sofre deseja que ela seja infligida com paixão. A excitação é aqui retirada do facto de estar submetido à vontade do outro, no caso dos masoquistas, e de humilhar, fazer sofrer, no caso dos sádicos. O facto de dominar os sentidos do outro excita o que pratica o sadismo, que se sente estimulado pelo seu próprio poder. Este é um jogo de contornos extremos, em que pode haver limites negociáveis e outros indiscutíveis, por serem mais pesados.

 

Uma questão de confiança

Tenha sempre presente que a confiança é a pedra basilar que sustém este tipo de relação. Os praticantes de BDSM (Bondage e Disciplina, Dominação e Submissão, Sadismo e Masoquismo) regem-se por três princípios básicos: ser são, ser seguro e ser consensual. Como tal, existem códigos de conduta que são respeitados. Numa relação de sado-masoquismo, por exemplo, aquele que exerce o domínio apresenta ao que se submete a ele um contrato, onde todos os limites são definidos, assim como o tempo durante o qual o submisso está sob o domínio do seu dominador. A palavra de segurança, que tem de ser acordada entre os dois, é no caso do sado-masoquismo ainda mais importante, pois é ela que define até onde o sádico pode ir. Esta palavra deve ter um significado distanciado do ato praticado, como por exemplo "tangerina" ou "amarelo", pois neste contexto dizer "pára!" ou "não!" pode ser um incentivo a prosseguir…

Carícias e malícias: doces torturas

903685.jpg

 

Um objeto tão inofensivo quanto uma pluma pode tornar-se, se usado por uma mão maliciosa e certeira, num torturante objeto de forte carga erótica. Saiba como dar um uso diferente a objetos que usa no seu dia a dia, como a gravata, o lenço de seda e uma pluma ou pena.

 

Na obra 'As Cinquenta Sombras de Grey', Christian Grey usa a sua gravata para prender os pulsos de Anastasia, deixando-a a arder de desejo e ansiedade em relação ao que ele lhe vai fazer a seguir.

 

De facto, quando um homem chega a casa e cumprimenta a sua parceira com um demorado beijo na boca, se ao mesmo tempo desapertar a gravata que teve vestida durante todo o dia e, com um gesto firme, a usar para imobilizar os pulsos da parceira, facilmente despertará nela arrepios de prazer.

 

O facto de combinar um acessório de vestuário que esteve à vista de todos com um ato tão secreto e privado entre o casal pode ser poderosamente estimulante. Não tem, de todo, de ser o homem a prender a mulher. Ela própria pode sub-repticiamente tirar-lhe a gravata e usá-la para atar os pulsos dele atrás das suas costas, por exemplo. Pode, também, usar um lenço de seda que ela própria tenha posto durante o dia para lhe prender as mãos ou, em alternativa, para vendá-lo. O toque da seda ou do cetim evoca cenários luxuriosos, sensuais e estimulantes, deslizando suavemente sobre a pele.

 

Estando ele vendado e/ou amarrado, experimente utilizar um divertido objeto que lhe provocará sensações inesquecíveis: a pluma. Embora possa adquirir plumas específicas para este efeito na sex-shop, pode também usar uma pena suave que tenha em casa. Use-a deslizando pelo corpo, tocando-o muito subtilmente. Alterne entre os ombros, desça e suba as costas se ele estiver voltado, os braços, o peito, a barriga, a parte exterior e interior das coxas, as pernas, o pescoço… até chegar à região genital. Faça algumas cócegas mas não abuse demasiado, pois o objetivo do jogo é provocar excitação. Use a pluma como se fosse um pincel, dando pinceladas longas e arrastadas por certas partes do corpo, depois alternando com toques rápidos com a ponta da pluma. Desenhe círculos, oitos, linhas verticais e horizontais. Escreva, desenhando a letra a letra com movimentos da pluma uma palavra no corpo dele, e obrigue-o a adivinhar qual é. A pluma é um excelente acessório para usar nos preliminares. Quando a excitação estiver ao rubro, pode passar a outras brincadeiras, como o sexo oral, a masturbação ou o coito.

Será prejudicial para o casamento não ter relações frequentemente?

s_2099865b.jpg

 

"Dei por mim a pensar se será prejudicial, para o meu casamento, não ter relações sexuais com frequência. A nossa vida mudou nos últimos anos, temos vindo a ter cada vez menos vezes relações sexuais, e tenho receio que isto possa ter repercussões negativas e acabe por ditar o fim do nosso casamento. É possível que assim seja?"

Mário, Santo Tirso

 

Caro Leitor,

As pessoas têm tendência a diminuir a frequência das relações sexuais com o avançar do tempo. No início de uma relação, existem maiores probabilidades de terem relações sexuais mais vezes do que com o passar dos anos. No entanto, desde que estabeleçam um padrão de frequência dessas mesmas relações e que ambos concordem, não existe preocupação para tal. Não se preocupe tanto com o aspeto sexual da vossa relação, pois apesar de ser importante, não é o principal fator determinante do sucesso de uma relação. A longevidade de uma relação depende de muitos fatores, nomeadamente da qualidade do relacionamento durante o dia a dia, dos interesses que possuem em comum, dos filhos, da intensidade com que cada um investe na relação, seja esta de que forma for e, evidentemente, se gostam um do outro. A frequência das relações sexuais depende de inúmeros fatores e os estudos efetuados neste sentido revelam que a passagem do tempo provoca um declínio natural no ritmo das relações. Existem ações que poderão, de certa forma, colmatar esta falta, como gestos de carinho e ternura, beijos e elogios que demonstrem o verdadeiro afeto que nutrem um pelo outro.