Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Vida de casal: não tenho vontade de fazer amor!

6783398-couple-wallpaper.jpg

 

A rotina é, sem dúvida, um dos maiores inimigos de qualquer relacionamento. Enquanto que nos primeiros tempos da paixão todo o tempo que passavam juntos parecia pouco e qualquer toque ou olhar desencadeava um incêndio que os levava para os braços um do outro, com o tempo e a habituação a excitação da novidade apaga-se. Se a isso juntarmos as exigências do dia a dia, as discussões a respeito de quem lava a louça ou vai buscar os filhos à escola e as pressões a que cada um dos dois é submetido no local de trabalho, é fácil de compreender porque é que a vida sexual se torna um problema silencioso para tantos casais.

 

Passamos mais tempo a trabalhar e a responder aos desafios e exigências profissionais do que a sós com quem amamos. Por outro lado, qualquer pessoa, por mais apaixonada que esteja, precisa de ter tempo para si e para sentir saudades do seu mais-que-tudo. Aquilo de que muitas vezes não nos damos conta, no entanto, é que ao afastarmo-nos no dia a dia isso cria um fosso também na nossa vida sexual, afastando-nos.

 

Por outro lado, é fundamental ter presente que se perder o contato com a sua própria sexualidade isso irá necessariamente afastá-la do seu par. Limitar-se a cumprir as suas obrigações enquanto mãe e profissional, esquecendo-se que também é mulher, com desejos e vontades, faz com que essa parte do seu ser e da sua vida vá ficando entorpecida. A partir daí, muitas mulheres deixam de sentir prazer na relação sexual, porque não se permitem desfrutar dela com relaxamento e descontração, passando a evitar o seu parceiro. A anorgasmia, uma disfunção de que já falámos, pode surgir então e impedir a mulher de ter orgasmos, ou dificultando-os. Como tal, isto faz com que a mulher ainda tenha maior tendência para evitar a relação sexual, pois sabe que não lhe será fácil chegar ao orgasmo, tornando o sexo algo penoso.

 

Mais vale prevenir…
A melhor forma de combater a falta de desejo no casal é aprender a evitá-la. Para tal, integre certos princípios na dinâmica da relação e faça deles hábitos saudáveis, para o bem da relação.

“Será normal só ter sexo uma vez por semana?”

“Tenho 34 anos e o meu marido tem 36, e estamos casados há 15 anos, e geralmente só temos relações sexuais 1 vez por semana. No início do nosso casamento fazíamos amor muito mais vezes, por isso preocupa-me que a paixão esteja a desaparecer. Será que é normal o que se passa connosco?”

 

Marta, Évora

 

Cara leitora,

A situação de casal que descreve é perfeitamente normal. A frequência com que os casais têm relações sexuais varia bastante, mas de qualquer modo é comum que a frequência diminua com o passar dos anos. Com a idade e com a convivência diária os casais não sentem tanta necessidade de ter relações tão frequentemente, por isso se o facto de ter relações com o seu marido uma vez por semana não é um problema para si nem para o seu marido (converse com ele para ter certeza), então não se alarme pois uma vez por semana não está nada fora da norma. Convém, no entanto, de vez em quando quebrar a rotina e surpreender o seu par, de forma a manter a chama da paixão sempre viva.

 

“Eu não me masturbo… mas ela sim!”

“Tenho 24 anos e devo ser o único homem à face da Terra que nunca se masturbou, algo que para mim não representa qualquer problema, mas que incomoda a minha namorada. Ela não compreende nem acha normal, pois masturba-se pelo menos duas vezes por dia e muitas vezes insiste que eu veja. Ela acha que o meu comportamento não é normal porque diz que todos os homens se masturbam. É verdade?”

 

Tiago, Braga

 

 

Caro leitor,

Há sempre inúmeros mitos no que à sexualidade diz respeito. Um deles é o mito que diz que todos os homens se masturbam, e que as mulheres não o fazem. De forma simples e direta, deixe-me dizer-lhe que tanto o leitor como a sua namorada são ambos absolutamente normais. A decisão de proporcionar prazer a si próprio através da estimulação direta cabe-lhe a si, e embora muitos homens e mulheres o façam – ou digam que o façam – não há de ser a única pessoa à face da Terra que não o faz. O facto de a sua namorada querer que você a veja enquanto ela se masturba também não é estranho, pois alguns casais gostam de o fazer como forma de aumentarem a intimidade a dois. Deve questionar-se, isso sim, se esta questão da masturbação não denota outros problemas entre os dois, falta de comunicação no casal ou posturas diferentes no que ao sexo diz respeito. Aquilo que realmente importa neste caso é que tenham a capacidade de ter um diálogo honesto e frontal acerca da satisfação que ambos retiram da vossa vida sexual, para que esta possa ser melhor. Quem sabe não experimenta praticar a masturbação mútua com a sua namorada e até gosta? O respeito mútuo e a aceitação são alicerces fundamentais para qualquer relação. 

“Ele não faz amor comigo!”

“Tenho 45 anos e o meu marido 50. Há 5 anos que me esforço para seduzir o meu marido para fazer amor, mas ele esquiva-se sempre. Portanto, há 5 anos que sofro com esta rejeição, e já não sei o que fazer. Que me aconselha e o que tem para me dizer?

Susana, Guimaraes

 

Cara leitora,

De facto algo se passa, pois esse não é o comportamento “típico” de um homem de 50 anos. Algumas questões que deve colocar são as seguintes: houve alguma mudança na vossa relação há 5 anos atrás? Algum problema de saúde ou deficiência? Infidelidade? Problemas conjugais? Abuso de bebida ou drogas? Alguma medicação nova? Depressão? Algum stress na vossa vida? Todos estes fatores podem influenciar o desejo sexual de um indivíduo. Sem saber mais a respeito do seu marido e da sua relação é difícil determinar a causa do comportamento do seu marido. Uma vez que a leitora gostaria de compreender o porquê da sua situação aconselho que tenha uma conversa franca com o seu marido e que tente descobrir o que está por detrás do seu comportamento. Se achar apropriado, consulte um psicólogo de casais para que este vos possa ajudar a comunicar melhor, pois apenas assim vão melhorar a situação.

 

Massagem Erótica

shiatsu.jpg

 

O tato é uma forma de comunicação simples e eloquente – terapêutica, confortante e essencial. As massagens eróticas são íntimas e relaxantes e são capazes de despertar novas sensações nos casais. Esta prática sensual é uma forma de transmitir a paixão através do tato, estimulando zonas erógenas que dão prazer e estimulam os sentidos para o ato sexual.

 

A massagem pode ser usada por diversas razões: para reduzir o stress, para reduzir as dores ou libertar a tensão, para melhorar a circulação, etc. Tudo isto pode afectar positivamente a sua vida sexual. Muitos casais gostam de praticar a massagem erótica como um aquecimento para o ato sexual em si, outros gostam de a praticar no fim de um encontro sexual. Qualquer que seja a sua preferência, pode beneficiar da massagem erótica para apreciar o toque suave das mãos do seu parceiro e elevar o prazer.

 

A Massagem erótica não tem regras

Prepare o ambiente com a temperatura adequada, velas aromáticas, música calma e relaxante e, para quem gostar, incenso. Desligue os telemóveis e verifique que não será interrompida. A melhor massagem erótica é aquela que é idealizada pelo casal, por isso a massagem erótica não tem regras.

 

Esta prática serve também como um ingrediente a mais para sair da rotina sexual. Os movimentos devem ser livres e feitos em conjunto com uma estimulação mais íntima, nas regiões de maior sensibilidade de cada um. O importante mesmo neste caso em que a massagem é feita pelo casal é soltar a imaginação, utilizar o toque dos cabelos, dos seios, experimentar as várias texturas do corpo e de tecidos como a seda.

 

Exemplo de uma massagem erótica para fazer ao seu companheiro:

1- Com o seu companheiro deitado, aplique óleo de amêndoas doces ou outro óleo mais afrodisiaco no corpo dele e espalhe.

2- Com o seu companheiro deitado de barriga para baixo, faça movimentos circulares rápidos mas de intensidade média por toda a extensão do corpo, incluindo pernas, braços, costas e nádegas.

3 – De seguida, pressione a região do cóccix com os polegares, deslizando do centro da cervical para fora. Suba com o mesmo movimento até às omoplatas, contornando-as.

4 – Faça o mesmo movimento partindo da nuca para a região da clavícula.

5 –Utilize a ponta dos dedos, para além de outras partes do corpo para toques leves. Beijos e abraços também facilitam o relaxamento.

6 – Com ele deitado de frente, comece por massajar o rosto e a cabeça. Pressione o polegar a partir do centro da testa, deslizando no contorno das sobrancelhas até à base do maxilar, unindo as mãos novamente no queixo. Repita o movimento, partindo do orifício lacrimal.

7 – Estimule a região do peito e do abdómen com movimentos circulares. Mantenha a mesma movimentação na região das pernas, principalmente na parte interna das coxas e no músculo da panturrilha.

8 – Nos pés, faça movimentos de sobe e desce com os dedos da mão entrelaçados aos dedos do pé do parceiro e utilizando a palma da mão para massajar também a sola do pé.

9 – Repita todos os movimentos aleatoriamente. Estes movimentos também podem ser aplicados na massagem erótica na mulher.