Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Masturbação: vá pelos seus dedos!

masturbation-4574-2121.jpg

 

Independentemente de ter um parceiro ou estar só, saber proporcionar prazer a si própria aumenta a sua autoestima, a confiança em si própria e, como lhe permite conhecer melhor o seu corpo, também faz com que tenha mais prazer quando está com um parceiro, pois ao saber exatamente que tipo de carícias a levam ao êxtase será mais fácil ensiná-lo a fazer o mesmo. Por outro lado, ao sentir-se mais autónoma e autoconfiante na sua expressão sexual isso torna-a naturalmente também mais sedutora. Assim, reserve algum do seu tempo a conhecer-se e a amar-se a si própria!

 

Em primeiro lugar, deve explorar bem o seu corpo, sem tabus nem receios. Para este momento tão íntimo procure um local confortável onde se sinta bem e saiba que não será interrompida. Pode por a tocar uma música que a deixe relaxada e a faça sentir-se bem. Ao contrário do que a educação que muitas das nossas avós e mães nos fez crer, não há nada de errado em observar, apalpar e sentir o seu próprio corpo – como quer que o seu parceiro o faça, se você sente vergonha de si?

 

Para ter prazer é imprescindível que se autorize a si própria a senti-lo, sem se autocensurar e sem se reprimir. Além da área genital, existe um sem-fim de outras zonas erógenas no seu corpo, que lhe provocam sensações de prazer quando são devidamente tocadas. Deixe que as suas mãos explorem a sua pele, seguindo ao sabor da vontade, detenha-se nos peitos, apalpe, aperte, desenhe círculos com a ponta dos dedos nas auréolas dos mamilos e sinta-os enrijecer, deslize pelo ventre, aperte as coxas, desça pelas pernas.

Desejos Sexuais

 

Tenho um noivo de 54 anos e eu 28 ele diz que me ama muito e eu também, mas só temos  relações sexuais de 15 em 15 ou uma única vez ao mês. Quando fazemos amor ele fica louco, muito excitado e leva-me à loucura, ele adora o meu corpo e faz loucuras comigo, mas  tenho medo de casar e continuar a ter todo esse tempo para voltar a acontecer outra relação sexual. 
Será que é porque trabalhamos juntos? Ou porque é um homem muito preocupado com os negócios? Ou será que não é muito chegado ao sexo? Estou cheia de dúvidas…
 
Rute
 
Cara Rute,
 
O desejo sexual é uma parte da resposta sexual humana que tem um funcionamento bastante complexo. Pelo que descreve o seu parceiro não tem problemas de excitação nem de orgasmo (outras fases da resposta sexual), mas não tem o mesmo desejo que a Rute, ou seja, não lhe apetece tão frequentemente.
Todos os factores que refere podem influenciar o desejo: a idade mais avançada que a sua, as preocupações do trabalho, o facto de passarem o dia juntos…Apenas ele lhe poderá dizer se sempre foi assim.
Nestes casos costuma-se aconselhar os casais e encontrarem o meio termo da frequência ideal de ter relações sexuais – assim os dois podem ficar mais satisfeitos – sem que se force nenhum membro do casal. Pode tentar falar desta questão com o seu parceiro. Não há um número certo de quantas vezes se deve fazer amor por mês – cada casal deve encontrar o seu número ideal e que pode variar muito no tempo.
 
Por outro lado pode usar a sua imaginação e estimular o seu parceiro para que lhe apeteça mais vezes: prepare-lhe um banho de imersão, faça lhe uma massagem por todo o corpo, experimente brinquedos eróticos, pode mesmo fazer uma brincadeira erótica com ele durante o dia (em que trabalham juntos, pelo que percebi) para lhe criar suspense para a noite… O limite é a sua imaginação!
Em relação à decisão de casar ou não cabe-lhe a si a decisão, ninguém lhe poderá aconselhar qual o melhor caminho a seguir a não ser a Rute. Não se esqueça que a sexualidade é uma parte da relação, mas não o todo e a importância das relações sexuais depende de cada relacionamento.

Onde e como devo tocar-lhe?

 

 

Iniciei a minha vida sexual há pouco tempo e quando estou a fazer amor com o meu namorado fico nervosa porque não sei onde nem como devo tocar-lhe para o deixar mais excitado, pois sou inexperiente… pode ajudar-me? Onde é que os homens gostam de ser acariciados, e de que maneira?”

 

Teresa, Espinho

Cara leitora,

A descoberta da sexualidade e a exploração do corpo da pessoa amada é uma experiência maravilhosa e cada momento é inesquecível. Acima de tudo, e para além de qualquer regra sugerida por outros, dedique-se a conhecer o corpo do seu namorado em particular, estando atenta a todos os seus movimentos e à reação que cada gesto suscita nele. A pele possui um elevadíssimo potencial erógeno, sendo capaz de provocar desejo e excitação. Experimente acariciar com a ponta dos dedos, com os lábios, com a língua, com os seus seios e com qualquer outra parte do seu corpo as mais variadas partes do corpo dele. Pergunte-lhe se gosta, se prefere de outra forma. Não seja demasiado insistente, mas esteja sempre atenta ao feedback dele, à sua respiração, aos estremecimentos do seu corpo. Experimente acaricia-lo com o seu cabelo, se tem cabelo comprido, e varie o tipo de toques, alternando entre roçar ligeiramente e agarrar com firmeza, por exemplo. 

“O que é o fisting?”

“Tenho 19 anos e quando estou com o meu grupo de amigos e a conversa vai parar ao sexo eles às vezes falam de uma coisa chamada “fisting”. Eu não sei o que é e sinto-me posta de parte, mas tenho vergonha de perguntar ou de confessar que não sei. Poder esclarecer-me?”

 

Catarina, Guimarães

 

Cara leitora,

É perfeitamente normal que não esteja a par dessa técnica, pois por ser um tanto “agressiva” fisicamente não é muito falada nem consta dos princípios básicos sobre sexualidade que se ensina nas escolas ou entre pais e filhos. Chama-se fisting ao ato de uma pessoa inserir a mão inteira dentro da vagina ou ânus da outra pessoa, e apesar de algumas pessoas considerarem que este ato lhes traz prazer, ele existe muito cuidado para não causar danos à saúde nem provocar dor. Para realizar esta prática é essencial que exista muita confiança e comunicação entre os parceiros, relaxamento, preparação e, naturalmente, um bom lubrificante. É sempre essencial haver preliminares que relaxem bem o corpo, pois se tal não acontecer poderá ser muito doloroso e pode até haver danificação dos tecidos, que são muito sensíveis nesta parte do corpo.

Inverter os papéis

shutterstock_135849461.jpg

 

Porque o amor é dar e receber, peça ao seu querido que retribua o mimo e lhe faça a si sexo oral de chorar por mais. Como? "esqueça-se" da revista aberta nesta página em cima da mesa e deixe que ele a veja quando estiver sozinho. Se não resultar, experimente sussurrar ao ouvido dele, com voz quente "quero sentir a tua língua em mim… agora!" ou, numa abordagem menos direta, diga-lhe que adora os beijos dele, e que gostava ainda mais de os sentir noutra parte do seu corpo. Se não se sente à vontade porque tem medo que o cheiro da sua vagina não seja atraente comece por lhe propor um banho demorado a dois.

 

Por ser uma região particularmente sensível, a mulher sente qualquer variação na pressão e no ritmo dos movimentos exercidos na área vaginal e em especial no clítoris. Assim, é essencial captar as sensações que a mulher está a sentir para saber se deve mudar o ritmo ou tocar noutro sítio. Se ela estiver a gostar, as coxas e a pélvis irão relaxar e "oferecer se ão" ainda mais. Se, pelo contrário, ela se sentir desconfortável, irá naturalmente retrair-se, afastando-se mesmo que sutilmente.

Estou a atravessar a menopausa e o sexo é doloroso

1394127412254.jpg

 

"Tenho 45 anos e estou casada há 20. A nossa vida sexual sempre foi satisfatória, mas desde que entrei na menopausa sinto menos apetite sexual, e quando tenho relações com o meu marido sofro muito com as dores. É normal?"

Teresa - Viana do Castelo

 

Cara leitora,

O que está a sentir é algo bastante comum. Durante a menopausa o seu corpo passa por várias alterações hormonais que podem causar redução do desejo sexual e da lubrificação vaginal, daí o motivo do seu desconforto. Sugiro-lhe que consulte o seu ginecologista para averiguar melhor o seu caso e ter a certeza de que tudo está bem a nível físico. Depois consulte um endocrinologista que seja especializado em questões relacionadas com a menopausa, pois hoje em dia existem vários tratamentos para reduzir os seus efeitos. Mas se se decidir por algum tratamento informe-se muito bem dos efeitos secundários da medicação antes de tomar qualquer decisão. Entretanto use lubrificante durante as relações sexuais para evitar o desconforto.

Rapidinhas

Fotolia_67774782_Subscription_Monthly_M.jpg

 

Sexo oral para a mulher

Porque o amor é dar e receber, peça ao seu parceiro que ofereça um mimo especial. Uma dica: "esqueça-se" da revista aberta nesta página em cima da mesa e deixe que ele a veja quando estiver sozinho. Se não resultar, experimente sussurrar-lhe ao ouvido, com voz quente "quero sentir a tua língua em mim… agora!" ou, numa abordagem menos direta, diga-lhe que adora os beijos dele, e que gostava ainda mais de os sentir noutra parte do seu corpo. Oriente-o e partam à descoberta deste momento tão íntimo e que vos irá dar tanto prazer.

 

Para a levar ao sétimo céu…

* Faça-lhe cunnilingus, é a técnica utilizada nas mulheres. O homem deve começar por acariciar e beijar o corpo a partir da boca e no sentido descendente, ou estando deitado por baixo da mulher e começando por beijar, lamber e cheirar as suas pernas e interior das coxas, usando as mãos para acariciar o exterior das coxas.

* Movimente as mãos ao longo da virilha e acaricie gentilmente os pelos púbicos. As coxas começarão a abrir-se ainda mais com a excitação, revelando os lábios interiores e exteriores da vagina.

* Afaste os grandes lábios e descubra o clítoris, mova suavemente a língua para a frente e para trás, para dentro e à volta da área. Chupe a ponta do clítoris delicadamente.

* Insira um dedo dentro da vagina, depois lubrificando a área do clítoris com saliva, continue a lamber. Varie a velocidade.

 

Beijo à "francesa"

Peça ao seu mais-que-tudo que repita "em baixo" exatamente o mesmo que faz com a sua boca…

"Gelado do amor"

Peça-lhe que imagine que está a comer um cornetto e que a sua língua reproduza os mesmos movimentos de quando está a lamber o fundo do cone de bolacha…

Espasmos de prazer

Quer seja ao lamber, quer seja ao chupar, as diferenças de intensidade e de ritmo provocam espasmos de prazer.

Quente e frio

Soprar ar quente, afastar-se da entrada da vagina e soprar ar frio.

Intenso

Com a língua, entra e sai da vagina ou da parte interior dos lábios, "penetrando-a".

Não consigo despir-me à frente de nenhum homem

978713_99024837.jpg

 

"Tenho 27 anos e não consigo despir-me à frente de nenhum homem. Cada vez que tenho relações tem de estar tudo às escuras, pois não me sinto à vontade. Porque será?”

Joana - Ilha Formosa

 

Cara leitora,

Hoje em dia com os ideais de beleza "inatingíveis" transmitidos pela comunicação social, cada vez mais surgem problemas de imagem corporal entre jovens. Parece-me que o seu comportamento se deve ao facto da leitora ter uma baixa autoestima corporal, ou seja, o seu corpo não corresponde ao seu ideal de beleza, fazendo com que a leitora o ache feio e por isso não se sinta à vontade para o mostrar. Tente compreender que o corpo de uma mulher normal é diferente do de uma top model, por isso experimente apreciar o seu corpo sentindo-se primeiro confortável ao despir-se para si mesma, só depois comece a mostrar o seu corpo ao seu parceiro. Comece por usar uma roupa interior com a qual se sinta confortável e sedutora, depois coloque algumas velas no quarto e vá gradualmente aumentando a luminosidade à medida que se sente mais confiante. Depois verá que com o tempo se sentirá muito mais à vontade.

“Tenho 14 anos e não tenho peito!”

“Tenho 14 anos e não me sinto nada confortável com o meu corpo, pois continuo sem ter peito, enquanto todas as minhas amigas já usam soutien e algumas têm o peito mesmo bastante pronunciado. O que se passa de errado comigo? Também ainda não tenho a menstruação, e gostava de saber se há algo que possa fazer para acelerar esse processo.”

Luísa, Évora

Cara leitora,

De fato a única coisa que pode fazer é ter experiência e esperar, pois o desenvolvimento do corpo não acontece na mesma altura para todas as raparigas e rapazes, e embora geralmente a primeira menstruação e o crescimento do peito surjam entre os 12, 13 anos, há raparigas que só passam por essa transformação mais tarde, sendo que até aos 16 anos não tem motivos para considerar essa demora preocupante. Pode perguntar à sua mãe e tias como se processou esta alteração na adolescência delas, pois há boas probabilidade de herdar o mesmo tipo de desenvolvimento. Não deixe que a falta de peito diminua a sua auto-estima, desfrute de cada fase do seu crescimento e invista na sua beleza de outras formas. A seu tempo verá que tudo vai ao seu devido lugar.