Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Levo muito tempo a atingir o orgasmo…”

“Tenho 25 anos e sempre levei mais de 20 minutos para conseguir atingir o orgasmo, o que parece aborrecer o meu namorado, será que está algo errado comigo? É comum as outras mulheres levarem assim tanto tempo para conseguirem chegar ao clímax?”

 

Maria, Braga

 

Cara leitora,

O que se passa consigo não é nada de anormal, pois na verdade a maioria das mulheres leva vinte minutos, e até mais, para atingir o orgasmo. Os orgasmos quase imediatos só acontecem, em grande parte dos casos, nos filmes. Por uma questão fisiológica, as mulheres necessitam naturalmente de mais tempo de estimulação e de concentração do que os homens para atingir o orgasmo, sendo talvez por isso que o seu namorado não compreende o que se passa consigo. Converse com ele, pois se a ama desejará certamente que você também tenha prazer, e como tal não devem apressar as coisas. No que diz respeito às mulheres e ao orgasmo feminino, embora cada caso seja um caso muitas vezes quaisquer distrações exteriores, como a televisão ligada, por exemplo, ou fatores emocionais tais como uma preocupação, aborrecimento, e até mesmo o cansaço, afetam a capacidade de se concentrar no seu próprio prazer, bem como o desejo sexual. Por isso, converse com o seu namorado com honestidade, para que ele possa compreender aquilo que a faz sentir confortável e para que juntosdescubram a melhor forma de sentirem prazer e desfrutarem da vossa vida sexual ao máximo.

Como atingir o orgasmo mais depressa?

De há alguns anos para cá tenho notado que levo cada vez mais tempo a atingir o orgasmo, havendo mesmo situações em ele não acontece. Acho isso estranho, pois nunca tive essa dificuldade antes. Será que vou perder a capacidade de ter orgasmos?”

Paulo, Vilamoura

Caro leitor,

essa situação acontece com mais frequência do que imagina. É normal que com o avançar da idade o homem comece a levar mais tempo a atingir o orgasmo, o que por vezes melhora a vida sexual do casal pois dá mais tempo à mulher para atingir o clímax. Essa situação é especialmente vantajosa para homens que sofram de ejaculação precoce, mas não tanto para homens que já naturalmente demorem algum tempo até atingir o orgasmo. Nesses casos o acréscimo de tempo natural da idade pode tornar-se um problema, o que parece ser o seu caso, fazendo com que em certas ocasiões o orgasmo chegue mesmo a não acontecer. Uma possível solução é aplicar um gel acelerador no pénis antes de iniciada a relação. Este gel vai aumentar o fluxo sanguíneo na área genital fazendo com que o homem fique mais sensível à estimulação, e atinja o orgasmo mais depressa. Em alguns casos a incapacidade em atingir o orgasmo, tanto no homem como na mulher, pode ser um efeito secundário de algum medicamento. Se achar que este pode ser o seu caso, consulte o seu médico e explore a possibilidade de ajustar a dose ou mudar de medicação.

 

“Eu não me masturbo… mas ela sim!”

“Tenho 24 anos e devo ser o único homem à face da Terra que nunca se masturbou, algo que para mim não representa qualquer problema, mas que incomoda a minha namorada. Ela não compreende nem acha normal, pois masturba-se pelo menos duas vezes por dia e muitas vezes insiste que eu veja. Ela acha que o meu comportamento não é normal porque diz que todos os homens se masturbam. É verdade?”

 

Tiago, Braga

 

 

Caro leitor,

Há sempre inúmeros mitos no que à sexualidade diz respeito. Um deles é o mito que diz que todos os homens se masturbam, e que as mulheres não o fazem. De forma simples e direta, deixe-me dizer-lhe que tanto o leitor como a sua namorada são ambos absolutamente normais. A decisão de proporcionar prazer a si próprio através da estimulação direta cabe-lhe a si, e embora muitos homens e mulheres o façam – ou digam que o façam – não há de ser a única pessoa à face da Terra que não o faz. O facto de a sua namorada querer que você a veja enquanto ela se masturba também não é estranho, pois alguns casais gostam de o fazer como forma de aumentarem a intimidade a dois. Deve questionar-se, isso sim, se esta questão da masturbação não denota outros problemas entre os dois, falta de comunicação no casal ou posturas diferentes no que ao sexo diz respeito. Aquilo que realmente importa neste caso é que tenham a capacidade de ter um diálogo honesto e frontal acerca da satisfação que ambos retiram da vossa vida sexual, para que esta possa ser melhor. Quem sabe não experimenta praticar a masturbação mútua com a sua namorada e até gosta? O respeito mútuo e a aceitação são alicerces fundamentais para qualquer relação. 

“Fazer sexo oral é normal?”

“Tenho uma namorada que é mais experiente sexualmente do que eu e todas as vezes que estamos juntos ela pede-me para fazermos sexo oral antes do coito, mas isso não me agrada. Porque será que ela faz esse pedido?”

 

Carlos, Castelo Banco

 

Caro leitor,

A grande maioria das mulheres atinge o orgasmo através da estimulação clitorial que pode ser feita através de estimulação oral ou manual. Uma vez que a sua namorada é mais experiente sexualmente do que o leitor, ela deve ter-se apercebido que essa é a única forma de ela atingir o orgasmo e por isso ela lhe pede para praticarem sexo oral antes do coito de forma a que ela atinja o orgasmo antes da penetração. Se essa prática não lhe agrada, aconselho-o a conversar com a sua namorada e a sugerir outras práticas sexuais que permitam que a sua namorada atinja o orgasmo, tais como a estimulação manual. No entanto a prática de sexo oral é algo perfeitamente normal e não acarreta quaisquer problemas de saúde, mas é importante que esta decorra de forma prazerosa para ambos. Agora cabe-lhe a si decidir se quer continuar a partilhar esse tipo de experiências com a sua companheira, mas deve levar em consideração que numa relação é importante que haja um diálogo aberto e franco para que tudo corra da melhor maneira.

Ela tem namorado e mesmo assim anda comigo

Sinto-me atraído por uma colega de trabalho e sou correspondido. Numa ocasião trocámos algumas palavras e ela propôs-me encontrarmo-nos de vez em quando, mas não me sinto confortável porque ela tem namorado. Será que devo contar ao namorado dela que ela se fez a mim?”

Simão, Lisboa

Caro Leitor,

Apesar de essa ser uma situação desconfortável e claramente incorreta, o leitor não deve contar nada ao namorado da sua colega de trabalho, pois ele não vai acreditar em si e vai acabar por ficar do lado dela. Ela vai dizer que é tudo mentira e que foi o leitor que se fez a ela, o que vai apenas causar problemas para o seu lado. Uma vez que trabalha com ela, tente evitar conflitos, pois qualquer coisa que faça pode acabar por criar problemas para si o que pode ser bastante desagradável.

Sexo oral

 

O Clítoris é talvez o ponto mais sensível no corpo da mulher. Quando um homem aprende a preencher a sua amante desta forma é provável que a sua satisfação aumente tanto como a dela.
A chave para tirar completo proveito da sensibilidade do clítoris dela é o uso controlado da língua, lábios, dentes e dedos. A mulher sentirá imediatamente as mais pequenas mudanças de pressão, velocidade, movimento e direcção.
Qualquer que seja a técnica com que se inicie, convém sentir a reacção da mulher – incluindo a resposta do clítoris – o que ela gosta e o que não gosta. Por exemplo, durante o sexo oral, se uma mulher gosta do que o parceiro está a fazer, a sua pélvis e coxas relaxarão e ela oferecer-se-à mais à sua boca. Se ela sentir desconforto – provavelmente de pressão a mais – ela recuará ou tentará empurrar a sua cabeça para trás. Neste caso, o homem deverá suavizar o toque. Se o clítoris dela aumentar, é porque gosta do que lhe está a fazer. Se ela se retrair é porque não gosta.
 
É importante o homem praticar nos seus próprios dedos para experimentar as diferentes técnicas. Deve usar os lábios e, por vezes, os dentes (suavemente!) para segurar o dedo de forma que fique firme enquanto a língua lhe toca. Logo que a pressão crescente dos seus lábios e dentes provoque uma sensação na ponta do dedo, pode fazer o mesmo no clítoris dela. Se a mulher preferir pouca ou nenhuma pressão dos lábios e dentes, o homem deve experimentar tocar com a língua no dedo sem pressão adicional dos lábios e dentes.
 
Os movimentos da sua boca e lábios podem ser em círculos, em oito, em toques para cima e para baixo, para a esquerda e para a direita… A ajuda dos dedos pode ser preciosa para abrir os lábios e melhor chegar ao clítoris, para massajar a região púbica, para penetrar a vagina (à entrada é onde há mais terminações nervosas), para estimular o ânus.
 
Baseado no livro de Kim Cattrall e Mark Levinson, "Satisfação – A Arte do Orgasmo Feminino", ASA Editores, 2007
 

Ele é pouco experiente…

Raving-couple1.jpg

 

"Tenho 30 anos e namoro com um rapaz 5 anos mais novo do que eu. Há pouco tempo iniciámos a vida sexual, no entanto ele é pouco experiente e não consegue dar-me total satisfação. O que devo fazer nesta situação?"

 Simone - Faro

 

Cara leitora,

Para que possa resolver esta questão sugiro que, numa fase inicial, opte por falar com o seu namorado e, de uma forma delicada, lhe dê a entender que necessitam de conhecer melhor a sexualidade de cada um para que possam proporcionar momentos de prazer e satisfação um ao outro. Experimente sugerir o jogo de descoberta do corpo, no qual cada parceiro estimula o corpo do outro parceiro ao mesmo tempo que este explica como gosta de ser tocado. Desta forma podem conhecer os pontos sensíveis de cada um e esta poderá ser uma excelente maneira de ultrapassar o obstáculo que tem enfrentado. Toda esta aprendizagem é benéfica para ambos e, assim, podem ter mais prazer sexual com o avançar do tempo.

Tema de hoje: masturbação

(Desenho de Rodin)

 

Gostaria que me desse uma informação que já há muito me atormenta. Tenho 23 anos e na maior parte das vezes que o meu parceiro sexual me estimula o clítoris, após alguns minutos sinto dor chegando mesmo a deixar de sentir prazer. Será que existe algum motivo? Será uma reacção normal?
Susana
Cara Susana,
Pela informação que me dá penso que pode estar a sentir uma reacção normal à estimulação que o seu namorado lhe faz. O clítoris é um órgão sensível e que é essencial no prazer feminino, mas não há uma maneira certa de o estimular, nem todas as mulheres gostam de lhe tocar da mesma maneira. A estimulação pode ser feita segundo certos movimentos (vertical, horizontal, circular), pode ser acompanhada ou não de penetração vaginal (com os dedos, a língua, o pénis, ou mesmo brinquedos eróticos), a um certo ritmo (mais ou menos lento, mais ou menos repetitivo) e as variações destes devem respeitar a sua vontade e excitação momentânea. Pode acontecer que perca a lubrificação natural a dada altura, o que pode levar a alguma dor. Pode ter lubrificante adicional para estas situações, de preferência à base de água para que seja compatível com o preservativo, caso o utilizem.
Encontre uma forma de exprimir ao seu namorado como gosta de ser estimulada: pode falar-lhe sobre isto ao ouvido, mostrando-lhe como gosta que ele faça e em que momentos lhe magoa, ou oriente-o com as suas mãos, corpo e sons de prazer. Todos os casais têm de aprender a dar e a receber prazer um do outro – e a comunicação é essencial para esta aprendizagem.
Se ainda assim continuar a sentir desconforto ou dor com a estimulação, procure ajuda sexológica especializada ou falar com o seu ginecologista.

Tema de hoje: Orgasmos

Estou namorando há quatro meses, e apesar de sentir sensações maravilhosas quando estou com ele não consigo ter um orgasmos...aliás acho que só tive uma vez há muito tempo...mas é muito gostoso ter relações sexuais e sinto que chego muito perto do orgasmo...mas ele colocou uma pressão em mim que não consigo lidar, a obrigação de gozar, que se não conseguir me fazer ter um orgasmo vai me deixar, porque acha que o problema é com ele...que eu devia ter normalmente com outros...preciso de ajuda, até já pensei em aprender a fingir um orgasmo.
Cara leitora,
Apesar de se falar muito dos orgasmos da mulher, a verdade é que há um grupo de mulheres que não sente orgasmos, apesar de gostar de ter relações sexuais. Não posso afirmar se este será o seu caso, mas é positivo ler que gosta de ter relações sexuais e que se sente muito excitada – é por isso que a sexualidade e as relações valem a pena e nos dão satisfação, independentemente do final e dos orgasmos.
Saiba que a maioria das mulheres não atinge o orgasmo através da penetração vaginal. A estimulação oral e manual do clítoris são outras maneiras que pode experimentar para ver se consegue atingir o orgasmo. Tente descobrir sozinha, na masturbação, se consegue sentir orgasmos e depois tente mostrar ao seu parceiro ou partilhe com ele, com calma e algum jogo erótico o que gostava que ele lhe fizesse.
Muitas vezes o que acontece é o casal ter dificuldades em exprimir o que dá mais prazer aos dois e cada pessoa varia muito, mesmo ao longo da vida. A pressão que refere sentir não ajuda a atingir o orgasmo, mas sim fá-la ficar mais nervosa e a sentir menos o prazer. Tem de falar disto com ele, para que o vosso prazer não saia prejudicado. Não me parece que fingir seja uma boa solução, pois se ele vier a descobrir vai sentir-se traído e pode até afastar-se ainda mais de si. A comunicação sincera e a abertura sobre o que sente são melhores opções de resolução da dificuldade que está a sentir.
Tente não estar preocupada com isso durante as relações sexuais e deixar-se levar a sentir o prazer delas… A intimidade e as sensações físicas são mais importantes do que a satisfação final que pode tirar do sexo. Se pensa que este facto a está a prejudicar muito na relação, então procure ajuda especializada da sexologia, para mais conselhos úteis para descobrir a sua sexualidade.