Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Não tenho lubrificação suficiente!”

 

Tenho 43 anos e sempre tive uma vida sexual ativa e feliz. No entanto, ultimamente quando faço amor noto que fico menos lubrificada, o que me causa dores e mal-estar. Não entendo por que aconteceu esta mudança, mas está a provocar-me um grande desconforto e constrangimento.”

 

Mariana, Queluz

 

Cara Leitora,

Esta dificuldade poderá ser causada por uma infeção vaginal que provoca dores durante a penetração e a redução da lubrificação. Por outro lado, existem alguns medicamentos que têm como efeitos secundários a redução da lubrificação e do desejo sexual. Uma outra hipótese a ter em consideração é o facto de estar num período pré-menopausa, onde poderá ocorrer uma alteração dos níveis hormonais que poderão justificar essa tendência, principalmente a níveis irregulares de estrogénio. Porém, de forma a dissipar todas as suas dúvidas a este respeito, aconselho a que consulte o seu ginecologista para que juntos encontrem a solução para o seu problema de forma a recuperar a satisfação e plenitude sexual.

"Será impossível penetrar-me?"

 

“Eu e o meu namorado iniciámos recentemente a nossa vida sexual. O pior é que a minha vagina se contrai tanto que não conseguimos consumar o acto. Será impossível o meu namorado penetrar-me? É normal isto acontecer?”

 

Ana, Alcobaça

 

Cara Leitora,

Se ainda é virgem esta situação pode ser causada pela resistência do hímen, e nesse caso será necessária ajuda do médico ginecologista. Por outro lado, aquilo que está a sentir pode estar ligado a um problema de disfunção sexual, chamada vaginismo. Esta disfunção sexual feminina pode afectar tanto as mulheres virgens como as mulheres com alguma experiência sexual. Existem várias causas para este problema, quer sejam físicas quer psicológicas. Geralmente, o que se verifica são espasmos musculares involuntários da vagina que tornam a penetração dolorosa e, por consequência, a dor aumenta a ansiedade e pode levar a uma situação muito penosa, em termos emocionais para a mulher, impedindo por completo a penetração. Este problema pode surgir devido a uma grande variedade de razões. No entanto, a situação que descreve pode estar ainda relacionada com outro tipo de disfunção sexual chamado Dispareunia, que consiste na existência de um excessivo número de nervos sensitivos na entrada da vagina fazendo com que sinta muito mais dor na entrada da vagina do que as outras mulheres. A única forma de resolver esse problema é através de cirurgia. Também pode dar-se o caso de ter uma irritação das paredes da vagina devido a alergia a determinados produtos como sabonetes e tampões. Deve consultar um ginecologista especializado, pois esta condição deve ser tratada através de medicação ou intervenção cirúrgica. Evidentemente que todo este processo pode levar algum tempo, pelo que a compreensão e o apoio do seu namorado serão de extrema importância para a resolução deste problema.

 

“Não consigo ter prazer total!”

 

Tenho 32 anos e amo o meu marido, com quem vivo há 3 anos. O problema é que não consigo ter relações sexuais na sua plenitude, isto é, não consigo tolerar a penetração.

Penso que o problema não é frigidez, pois tenho prazer com o resto, mas não consinto que ele me penetre, pois magoa-me muito. Sei que o problema é meu e que isto não é normal, mas não sei a quem pedir ajuda, o mais indicado será ir ao ginecologista ou ao sexólogo? Ajude-me, este problema pode dar cabo da relação e eu não quero que isso aconteça!

 

Margarida, Sesimbra

 

Cara leitora,

Este problema sexual que descreve de não conseguir a penetração vaginal acontece a muitas mulheres e deve procurar tratamento com especialistas da área da sexologia para o tentar resolver. Sem muitos dados, eu colocaria as hipóteses de dispareunia ou de vaginismo – duas disfunções sexuais femininas. Deve também consultar um ginecologista para verificar se a dor não se deve a algum problema de natureza ginecológica.  

Diversifique as relações sexuais, explorem as massagens, as carícias, a masturbação mútua, o sexo oral, os brinquedos eróticos… Usem a vossa imaginação para reinventarem a vossa sexualidade sem limites e para não estar tão concentrada na penetração apenas!

Aconselho-a a explorar o seu corpo através da masturbação,  para que possa descobrir como gosta de ser tocada e o que lhe dá prazer, pois o primeiro passo para sentir prazer com um parceiro é ser capaz de o fazer sozinha.

Nas suas relações sexuais, deve tentar relaxar e entregar-se a carinhos e festas durante um tempo substancial (a lubrificação depende do prazer que sente antes de iniciar a penetração). Não vou definir-lhe um tempo limitado, mas sugiro-lhe um mínimo de meia hora, antes de tentarem a penetração ou sequer de pensarem nisso (podem até nem chegar a concretizá-la!).

Como o seu problema pode ser mais específico, seria desejável fazer uma consulta presencial de Sexologia, para fazer um diagnóstico diferencial.

“O meu clítoris é enorme!”

 

Tenho um clítoris fora do normal. Já me observei com um espelho e acho que é maior do que o normal. Quando me excito parece que cresce e tenho medo de experimentar ter relações com alguém e assustar a pessoa. O que posso fazer?”

 

Sara, Lagos

Cara Leitora,

 

O que descreve pede uma avaliação médica cuidada. Marque uma consulta com um ginecologista ou no seu médico de família, para ser observada por profissionais que lhe dirão se tem razões para tal preocupação. Pode ser que as suas expectativas estejam a influenciar a sua imagem mental do clítoris e esteja a sentir preocupações sem razões para tal. Há pessoas que apresentam pequenas diferenças da média, mas tal não tem necessariamente de influenciar negativamente a sua sexualidade e a sua relação com alguém no futuro. Se o médico lhe confirmar as suas suspeitas, pode avisar a pessoa antes de ter a relação sexual, para não ser surpreendida, e verá que é um pormenor físico sem importância. No entanto, mesmo que o seu médico confirme que o seu clítoris é maior do que o normal, não decida fazer uma cirurgia “estética” ao clítoris apenas para reduzir o seu tamanho, pois isso pode ter consequências devastadoras na sua sexualidade, ou seja, pode perder toda a sensibilidade no clítoris e não vir a ser capaz de atingir o orgasmo.

Na fase da excitação feminina é normal os grandes e pequenos lábios alterarem o seu tamanho e o clítoris ficar ereto – pode ser apenas isso que observou em si mesma, para além da lubrificação vaginal. 

Estou a atravessar a menopausa e o sexo é doloroso

1394127412254.jpg

 

"Tenho 45 anos e estou casada há 20. A nossa vida sexual sempre foi satisfatória, mas desde que entrei na menopausa sinto menos apetite sexual, e quando tenho relações com o meu marido sofro muito com as dores. É normal?"

Teresa - Viana do Castelo

 

Cara leitora,

O que está a sentir é algo bastante comum. Durante a menopausa o seu corpo passa por várias alterações hormonais que podem causar redução do desejo sexual e da lubrificação vaginal, daí o motivo do seu desconforto. Sugiro-lhe que consulte o seu ginecologista para averiguar melhor o seu caso e ter a certeza de que tudo está bem a nível físico. Depois consulte um endocrinologista que seja especializado em questões relacionadas com a menopausa, pois hoje em dia existem vários tratamentos para reduzir os seus efeitos. Mas se se decidir por algum tratamento informe-se muito bem dos efeitos secundários da medicação antes de tomar qualquer decisão. Entretanto use lubrificante durante as relações sexuais para evitar o desconforto.

O meu clítoris é enorme!

misterios-del-clitoris.jpg

 

"Tenho um clítoris fora do normal. Já me observei com um espelho e acho que é maior do que o normal. Quando me excito parece que cresce e tenho medo de experimentar ter relações com alguém e assustar a pessoa. O que posso fazer?"

Sara - Lagos

 

Cara leitora,

O que descreve pede uma avaliação médica cuidada. Marque uma consulta com um ginecologista ou no seu médico de família, para ser observada por profissionais que lhe dirão se tem razões para tal preocupação. Pode ser que as suas expetativas estejam a influenciar a sua imagem mental do clítoris e esteja a sentir preocupações sem razões para tal. Há pessoas que apresentam pequenas diferenças da média, mas tal não tem necessariamente de influenciar negativamente a sua sexualidade e a sua relação com alguém no futuro. Se o médico lhe confirmar as suas suspeitas, pode avisar a pessoa antes de ter a relação sexual para não ser surpreendida, e verá que é um pormenor físico sem importância. No entanto mesmo que o seu médico confirme que o seu clítoris é maior do que o normal, não decida fazer uma cirurgia "estética" ao clítoris apenas para reduzir o seu tamanho, pois isso pode ter consequências devastadoras na sua sexualidade, ou seja, pode perder sensibilidade no clítoris e vir a não ser capaz de atingir o orgasmo. Na fase da excitação feminina é normal os grandes e pequenos lábios alterarem o seu tamanho e o clítoris ficar ereto – pode ser apenas isso que observou em si mesma, para além da lubrificação vaginal que associamos à excitação.

O período está atrasado 10 dias, estarei grávida?

pregnancy-massage.jpg

 

"A minha menstruação está atrasada 10 dias. Fiz um teste de gravidez com mais ou menos quatro dias de falta de menstruação e deu negativo, o que me deixou um pouco triste. Quantos dias devo esperar mais para o repetir? Será que pode ser psicológico, devido à minha grande vontade de engravidar?"

Antonieta - Pinhal Novo

 

Cara leitora,

Uma vez que a sua menstruada está atrasada 10 dias é bem provável que esteja grávida. Algumas mulheres, apesar de estarem grávidas têm um teste de gravidez negativo nos primeiros dias de falta do período, por isso aconselho que faça outro teste de gravidez de urina com a primeira urina da manhã, se este continuar a dar negativo, faça um teste de gravidez de sangue, ou consulte um ginecologista para averiguar o que se passa.

 

Desmistifique a pílula do dia seguinte

Afinal-existe-um-horário-ideal-para-tomar-o-anti

 

Muito se tem falado sobre a pílula do dia seguinte, mas há muitas pessoas que ainda não perceberam exatamente como funciona, quando deve ser usado e em que circunstâncias. Este é um método anticoncepcional que liberta altas doses de hormonas, que atrasam a ovulação e podem evitar uma gravidez não desejada.

 

Quando não usa nenhum outro método anticoncepcional, numa relação sexual esporádica, com penetração, mesmo o seu parceiro não ejaculando, pode tomar a pílula do dia seguinte, mesmo cinco dias após essa relação sexual sem proteção.

 

Esta pílula deve ser encarada como um "comprimido" de emergência e não como um método anticoncepcional permanente, até porque inibindo ou atrasando a ovulação constantemente (que é esse na realidade o seu efeito) terá no futuro mais probabilidade de engravidar, pois a sua menstruação estará constantemente desregulada. A sua eficácia é praticamente imediata e 24 horas após a sua ingestão, o seu organismo já absorveu todos os seus efeitos.

 

Se a pílula do dia seguinte funcionar na perfeição, a sua menstruação chegará na data marcada, no entanto, mesmo não sendo regra geral, poderá haver um pequeno sangramento alguns dias antes. Se a sua menstruação atrasar mais do que dez dias, é aconselhável procurar um ginecologista e certificar-se que não está grávida.

“O ginecologista pode descobrir que já não sou virgem?”

 

“Tenho 17 anos e perdi a virgindade há pouco tempo. Desde que comecei a ter a menstruação, aos 14 anos, que vou pelo menos uma vez por ano ao ginecologista. Tenho uma consulta brevemente e tenho vergonha de dizer que já não sou virgem, principalmente porque a minha mãe vai sempre comigo. Se eu não disser ele pode descobrir que iniciei a minha vida sexual?
Carla, Castelo Branco
 
 
Cara Leitora,
 Não tenha receio em ir à consulta de ginecologia, pois existe uma convenção associada ao sigilo médico. Assim, o seu ginecologista não deve divulgar nenhum tipo de informação sem o seu consentimento. Também não vejo qualquer razão para que sinta vergonha em não ser virgem. A perda da virgindade é um processo natural, por isso esteja tranquila e vá à sua consulta normalmente. Primeiro porque o seu médico lida frequentemente com este tipo de situações e segundo não deve colocar em risco o seu bem-estar por estar acanhada. Existem de facto vantagens em o seu médico saber que a leitora é sexualmente activa. Dessa forma, pode informá-la a respeito das diferentes formas de contracepção, e pode também realizar testes de rastreio para detectar doenças transmitidas sexualmente, coisa que todas as pessoas que são sexualmente activas deviam fazer. Quanto ao facto do ginecologista poder perceber se já não é virgem, entenda que o seu médico não esta lá para a julgar, mas sim para assegurar que tudo está bem com a sua saúde, por isso é até bom para si que ele esteja a par do facto de que a leitora é sexualmente activa. Se preferir não contar ao seu médico, durante o exame ginecológico, o médico pode verificar se o seu hímen rompeu ou não, porém, o seu hímen pode ser um hímen complacente (ser tão elástico que não se rompa com a penetração). Neste caso, não há forma de se saber se é virgem ou não. Não receie ir à consulta, é apenas para o seu bem.
 

Tema de hoje: virgindade

Bettina Rheims

 

Olá! Tenho 17 anos e comecei a ter relações sexuais aos 15, mas nunca contei nada à minha mae. Agora tive coragem de lhe contar que perdi a virgindade, só que lhe disse que foi há 2 meses atrás, pois fiquei com medo do que fosse pensar sobre mim, agora ela quer que eu vá ao ginecologista, mas tenho medo que ele descubra quando perdi a virgindade! Será que ele/ela consegue descobrir quando perdi a virgindade??
Por favor ajudem-me..
É de felicitar a coragem que teve em partilhar com a sua mãe que iniciou a sua vida sexual, e para ser sincera a sua mãe não deve estar muito procupada com “quando” você iniciou a sua vida sexual, mas apenas com o facto de que você é sexualmente activa e, por isso, quer que o faça de forma segura e saudável, e daí ela insistir numa consulta de Ginecologia. Por isso vá à consulta e não se preocupe, pois não existe nenhuma forma de o seu ginecologista descobrir quando iniciou a sua vida sexual. Uma vez que tem sido sexualmente activa durante os últimos dois anos é defiitivamente aconselhável que consulte um ginecologista e que faça todos os testes de rotina, bem como que inicie alguma forma de contracepção.