Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Masturbação, uma prática saudável

female-masturbation.jpg

 

Uma mulher consegue levar-se ao orgasmo em menos de 5 minutos. Para além de melhorar a vida sexual a dois pelo autoconhecimento que proporciona, a masturbação relaxa e ajuda a adormecer, aliviando o stress e desviando a mente das preocupações. Também é benéfica para aliviar as dores de cabeça, porque como descontrai diminui a tensão nervosa e favorece o fluxo sanguíneo.

 

Algumas receitas de prazer:

Expresso – deitada de barriga para cima, consiste em estimular diretamente o clítoris, da forma como reconhecidamente sabe que atinge o orgasmo com maior facilidade. É ideal para quando não consegue adormecer ou precisa de uma descontração rápida.

 

Conquistador – Se já sabe como chegar ao orgasmo em poucos minutos, experimente explorar outras partes do seu corpo, tais como a parte interior das coxas, o estômago, o peito. Acaricie-se e massaje-se com as mãos ou experimente utilizar um vibrador ou outro brinquedo erótico. É um momento para se desejar a si própria, sem pressas nem restrições.

 

Secreto – Contraia os músculos vaginais várias vezes com mais ou menos força, mudando de ritmo e intensidade, até chegar ao orgasmo. É muito excitante porque pode fazê-lo em qualquer sítio, sem que as pessoas à sua volta saibam o que está a fazer. Pode, ainda, utilizar um vibrador discreto, com comando à distância. É muito eficaz para despertar a sua libido e ajudá-la a libertar-se e a dar largas à imaginação, pois a ideia de se excitar em público pode ser extremamente excitante.

 

Aquático – Enquanto toma duche faça com que o jato de água incida diretamente sobre os seus lábios vaginais e o clítoris, brincando com os dedos e a pressão da água (atenção à temperatura da mesma!), o manípulo do chuveiro, a esponja do duche…

 

Despertador – Para começar o dia com mais energia e boa-disposição, masturbe-se logo que acorda… experimente concentrar-se mais na vagina, percorra os lábios vaginais com os dedos e acabe por introduzi-los, massajando o ponto G. Se estiver sozinha será uma forma de começar bem o dia, se estiver acompanhada o seu companheiro certamente apreciará vê-la sentir prazer e não resistirá a querer juntar-se a si…

 

Íntimo – Comece por acariciar a vulva e toque nas zonas mais sensíveis, nomeadamente aquelas que normalmente não toca, como cada uma das partes que compõem o clítoris, a vagina e o períneo. Use um lubrificante à base de água para que os seus dedos deslizem mais facilmente. Sinta as sensações que cada toque lhe provoca, detenha-se mais naquelas que lhe proporcionam maior prazer…

 

Selvagem – Amontoe algumas almofadas e deite-se sobre elas com as pernas abertas. Liberte a sua imaginação e movimente as ancas para cima e para baixo, como se estivesse em cima de um touro de rodeo, fazendo com que a sua zona genital roce com pressão sobre as almofadas. Liberte-se e deixe-se levar pelas sensações enquanto a sua mente dá asas às suas mais loucas fantasias.

 

Completo – Masturbe-se com calma, sem pressas, acariciando o clítoris e os lábios vaginais e, quando se sentir quase a ter um orgasmo, introduza um ou dois dedos na vagina, mantendo o dedo polegar em contacto com o clítoris, continuando a acariciá-lo, enquanto os outros dedos se movimentam dentro da vagina. Pode ainda movimentar as ancas para dar maior ritmo e aumentar a excitação.

 

Com adereços – Experimente acariciar a sua zona genital com outros objetos, nomeadamente penas, uma roupa de seda, uma toalha, etc… Descubra a sensação provocada por diferentes texturas e tipos de toque. Use também brinquedos sexuais como vibradores ou bolas vaginais. Ao usar objetos é fundamental assegurar uma boa higiene para evitar doenças e infeções. Deve utilizar, também, um bom lubrificante, para facilitar o contacto com esta parte tão sensível do seu corpo.

“Masturbo-me em público para me aliviar do stress.”

 

Sou casado e tenho 46 anos. Tenho uma boa vida, mas sempre me atraiu masturbar-me em público. Consegui controlar isto toda a vida, mas agora gosto de sair do trabalho e ir para lugares públicos arriscar ser visto, por exemplo, parques de estacionamento com movimento, saídas de supermercados, semáforos… Tenho vergonha de mim próprio e muito medo das consequências, mas o prazer e a descarga que isto me dá são muito fortes.”

 

José Manuel, Vila Nova de Gaia

Caro Leitor,

A masturbação é um comportamento normal e que pode mesmo aliviar do stress em algumas situações. Do que conta o problema não é fazê-lo, mas os sítios e situações em que faz, pois as pessoas à sua volta não têm oportunidade de consentir vê-lo a mostrar a sua sexualidade. Saiba que é um crime e pode trazer-lhe complicações sérias, para além de que cada vez que o fizer ficará com mais sentimentos de culpa e, através da masturbação e do prazer que ele fisiologicamente lhe dá, aumenta a dificuldade de controlar o seu impulso e parar esses comportamentos por sua vontade.

Esse seu comportamento é chamado de exibicionismo e envolve a exposição dos seus genitais a estranhos, por vezes com a intenção clara de chocar ou surpreender o espectador – é considerado uma parafilia, ou seja, uma perturbação sexual e há tratamentos sexológicos para o ajudar a ultrapassar isso. Enquanto não os fizer, pode desde já masturbar-se na casa de banho do seu trabalho, antes de sair e sentirá uma satisfação, na sua privacidade e sem incomodar outros. Como é casado pode pedir igualmente ajuda à sua mulher, através do uso de fantasias nas vossas relações sexuais, em vez de recorrer a estranhos.

Procure ajuda com um especialista em sexologia, com ajuda verá que pode sentir-se melhor consigo mesmo e com a sua sexualidade, sem se colocar em perigo nem incomodar ninguém. 

Clítoris inchado

 

 

Tenho 17 anos e cada vez que eu e o meu namorado curtimos ele toca-me no clítoris, mas eu nunca atinjo o orgasmo, o problema é que passados alguns dias este ainda está inchado e dói-me. O que será que devo fazer?

 

Margarida, Alcácer do Sal

 

Cara leitora,

Quando as mulheres estão sexualmente excitadas dá-se um aumento da circulação sanguínea na zona genital, e algumas mulheres atingem o orgasmo e outras não. No seu caso, a leitora fica excitada mas acaba por não atingir o orgasmo, o que se deve à sua pouca idade e inexperiência sexual. Por isso não se preocupe pois uma vez que conheça melhor o seu corpo, vai ver que se tornará mais fácil sentir prazer sexual. Quanto ao inchaço do seu clítoris este deve ser devido a um excesso de estimulação por parte do seu namorado, por isso fale com ele para que a estimule de forma mais gentil e durante menos tempo. Experimente também utilizar um gel lubrificante durante a masturbação mutua, ou experimente guiar a mão do seu namorado, para que ele saiba onde e de que forma a deve tocar sem causar desconforto.

“Não consigo ter prazer…”

“Sempre gostei de praticar sexo, mas nunca consegui atingir o orgasmo, apesar de já ter tido vários parceiros. Será que o problema é meu? As minhas amigas já me disseram que poderei ser frígida...”

Sara, Carcavelos

 

Cara leitora:

A anorgasmia, ou ausência de orgasmo, é infelizmente bastante frequente nas mulheres. Essa situação deve-se, normalmente, a factores do foro  psicológico, como uma educação severa, crenças religiosas, ou ansiedade durante a relação sexual. Se essa for a questão…lembre-se que não há nada de mal no sexo. É algo que faz parte da vida de todos os seres, é tão natural como respirar. Comece por conhecer o seu próprio corpo, através da masturbação, para que depois possa ensinar ao seu companheiro quais as partes do corpo que são mais sensíveis. Se achar necessário, aconselho-a a marcar algumas sessões com um terapeuta sexual.

“Tenho mais prazer quando me masturbo!”

“Gosto muito do meu namorado e ele excita-me imenso, mas na hora H não funcionamos bem. Apesar de sentir prazer não consigo chegar ao orgasmo quando estou com ele, e a verdade é que tenho mais prazer quando me masturbo. O que posso fazer? Gosto dele mas queria ter uma relação sexual mais satisfatória!”

 

Ana Teresa, Mafra

 

Cara Leitora,

 

existe entre vocês uma certa falta de comunicação e de diálogo. Se consegue alcançar o clímax sozinha recorrendo à masturbação, isso quer dizer que consegue atingir o orgasmo se for bem estimulada. Neste ssaxualidade, o parceiro os seus pontos mais sensíveis e que servem como porta à satisfação. Não se iniba e mostre ao seu namorado os pontos que devem ser devidamente estimulados. Se não mostrar ao seu namorado onde, de facto, reside a sua sensibilidade, provavelmente terá que recorrer muito mais vezes à masturbação para atingir o prazer que deseja. Talvez esse problema possa ser resolvido rapidamente com uma pequena conversa, onde entendam que a sexualidade é algo em que é importante dar e receber e é imprescindível ter o conhecimento do corpo do parceiro. Esta envolvência e cumplicidade são importantes para o bem-estar sexual do casal.

“Encontrei um vibrador na casa da minha namorada…”

“Tenho 24 anos e namoro há 3 com uma rapariga que amo. Temos um relacionamento feliz a todos os níveis e sempre achei que a nossa relação sexual era muito boa, pelo que fiquei muito surpreendido quando, na semana passada, encontrei um vibrador no quarto dela. Será que eu não a satisfaço sexualmente?”

 

Manuel, Espinho

 

Caro leitor,

A resposta para a questão que colocou varia de mulher para mulher, e por essa razão é fundamental que fale com a sua namorada de forma frontal e honesta, evitando criar mal-entendidos e dúvidas que podem não ter razão de existir. Existem mulheres que gostam de se masturbar com um vibrador mesmo quando estão totalmente satisfeitas com os seus parceiros ou parceiras, sendo que tal não significa que não se sintam plenamente bem com a pessoa com quem estão. A masturbação é uma forma de expressão sexual que não substitui, mas antes complementa, o relacionamento sexual entre dois parceiros. Converse abertamente com a sua parceira acerca do assunto e veja o que ela lhe diz, podem inclusivamente começar a utilizar o vibrador quando estão juntos, descobrindo uma nova dimensão na vossa relação sexual.

“Eu não me masturbo… mas ela sim!”

“Tenho 24 anos e devo ser o único homem à face da Terra que nunca se masturbou, algo que para mim não representa qualquer problema, mas que incomoda a minha namorada. Ela não compreende nem acha normal, pois masturba-se pelo menos duas vezes por dia e muitas vezes insiste que eu veja. Ela acha que o meu comportamento não é normal porque diz que todos os homens se masturbam. É verdade?”

 

Tiago, Braga

 

 

Caro leitor,

Há sempre inúmeros mitos no que à sexualidade diz respeito. Um deles é o mito que diz que todos os homens se masturbam, e que as mulheres não o fazem. De forma simples e direta, deixe-me dizer-lhe que tanto o leitor como a sua namorada são ambos absolutamente normais. A decisão de proporcionar prazer a si próprio através da estimulação direta cabe-lhe a si, e embora muitos homens e mulheres o façam – ou digam que o façam – não há de ser a única pessoa à face da Terra que não o faz. O facto de a sua namorada querer que você a veja enquanto ela se masturba também não é estranho, pois alguns casais gostam de o fazer como forma de aumentarem a intimidade a dois. Deve questionar-se, isso sim, se esta questão da masturbação não denota outros problemas entre os dois, falta de comunicação no casal ou posturas diferentes no que ao sexo diz respeito. Aquilo que realmente importa neste caso é que tenham a capacidade de ter um diálogo honesto e frontal acerca da satisfação que ambos retiram da vossa vida sexual, para que esta possa ser melhor. Quem sabe não experimenta praticar a masturbação mútua com a sua namorada e até gosta? O respeito mútuo e a aceitação são alicerces fundamentais para qualquer relação. 

“Demoro muito a ejacular…”

 

Tenho 28 anos e demoro muito tempo a ejacular. Gostaria de saber se é normal, acontece apenas de vez em quando, mas é preocupante pois ainda sou muito novo para ter problemas de ejaculação! Sinto-me constrangido pois às vezes a minha namorada perde a lubrificação com a minha demora.”

 

Cláudio, Porto

 

Caro leitor,

O tempo da ejaculação depende de homem para homem e da pessoa com quem está a ter relações sexuais – o que é lento e demorado para uns pode ser curto e rápido para outros. Saiba que uma relação sexual, desde o momento da penetração até à ejaculação e sem contar com os preliminares, dura para a maioria dos casais de 3 a 13 minutos. Conversas públicas muitas vezes criam-nos expectativas irrealistas e podem deixar-nos insatisfeitos com situações perfeitamente normais.

Existe uma perturbação sexual chamada ejaculação retardada, em que o homem sente bastantes dificuldades em ejacular, mas tal deve ser diagnosticado em consultas presenciais e por especialistas em sexologia. Algumas causas desta perturbação podem ser medicamentos que esteja a tomar (como por exemplo alguns anti-depressivos), por isso se for esse o seu caso, consulte o seu médico e explorem a possibilidade de alterar a medicação ou a sua dose. Procurem experimentar novas formas de viver a relação sexual: juntar lubrificante (há de vários tipos, que aumentam a circulação sanguínea, líquidos, pomadas, com diferentes aromas…), ter o orgasmo com masturbação em vez da penetração vaginal, sexo oral, e mesmo a utilização de um vibrador para ajudar a estimular e atingir o orgasmo mais rapidamente - falem um com o outro sobre questões que vos preocupem e possam interferir com o prazer de estarem juntos.

“Não consigo ter prazer total!”

 

Tenho 32 anos e amo o meu marido, com quem vivo há 3 anos. O problema é que não consigo ter relações sexuais na sua plenitude, isto é, não consigo tolerar a penetração.

Penso que o problema não é frigidez, pois tenho prazer com o resto, mas não consinto que ele me penetre, pois magoa-me muito. Sei que o problema é meu e que isto não é normal, mas não sei a quem pedir ajuda, o mais indicado será ir ao ginecologista ou ao sexólogo? Ajude-me, este problema pode dar cabo da relação e eu não quero que isso aconteça!

 

Margarida, Sesimbra

 

Cara leitora,

Este problema sexual que descreve de não conseguir a penetração vaginal acontece a muitas mulheres e deve procurar tratamento com especialistas da área da sexologia para o tentar resolver. Sem muitos dados, eu colocaria as hipóteses de dispareunia ou de vaginismo – duas disfunções sexuais femininas. Deve também consultar um ginecologista para verificar se a dor não se deve a algum problema de natureza ginecológica.  

Diversifique as relações sexuais, explorem as massagens, as carícias, a masturbação mútua, o sexo oral, os brinquedos eróticos… Usem a vossa imaginação para reinventarem a vossa sexualidade sem limites e para não estar tão concentrada na penetração apenas!

Aconselho-a a explorar o seu corpo através da masturbação,  para que possa descobrir como gosta de ser tocada e o que lhe dá prazer, pois o primeiro passo para sentir prazer com um parceiro é ser capaz de o fazer sozinha.

Nas suas relações sexuais, deve tentar relaxar e entregar-se a carinhos e festas durante um tempo substancial (a lubrificação depende do prazer que sente antes de iniciar a penetração). Não vou definir-lhe um tempo limitado, mas sugiro-lhe um mínimo de meia hora, antes de tentarem a penetração ou sequer de pensarem nisso (podem até nem chegar a concretizá-la!).

Como o seu problema pode ser mais específico, seria desejável fazer uma consulta presencial de Sexologia, para fazer um diagnóstico diferencial.

Ela não me conseguiu excitar!

Tenho 17 anos e tive a minha primeira experiência sexual há pouco tempo. Foi com uma profissional do sexo, só que não foi tão bom como eu esperava. 

Da primeira vez que fui masturbei-me antes, por conselhos de amigos. Ela fez-me sexo oral, até aí tudo bem. Só que quando coloquei o meu pénis na vagina dela perdi a ereção. Depois ela masturbou-me, mas não consegui recuperar. Voltei passado dois dias, sem me masturbar, ela  fez-me sexo oral de novo, eu estava excitado, penetrei-a um pouco, mas o meu pénis amoleceu de novo.  Não consigo entender, masturbo-me todos os dias, e quando vou praticar sexo não consigo!!?? Qual é o meu problema? Será que é por culpa dos remédios que eu tomo (antidepressivo e calmante).

 

Mário, Beja 

 

Caro leitor,

 

As dificuldades de ereção que sentiu podem dever-se a muitos fatores, mas o mais importante é que perceba que não se deve preocupar tanto com a sua performance e penetração, pois essa atitude negativa em relação a si mesmo prejudica-o, leva-o a sentir ansiedade no momento e mesmo em antecipação do momento.
Saiba que a masturbação não se relaciona com o seu caso, pode fazê-lo e deve até fazê-lo, com pensamentos e fantasias positivas para si.
Analisemos os fatores que refere, que podem ainda ter outros a reforçá-los: toma medicamentos do foro psiquiátrico que sem dúvida influenciam a resposta sexual; tentou a relação sexual num contexto de pouca intimidade (a profissional do sexo) e, como tal, pode ter ficado mais nervoso com isso, embora em alguns homens as dificuldades surjam, por exemplo, quando estão apaixonados e querem muito satisfazer a parceira; voltou à mesma situação sexual mais com o objetivo de se “testar” a si próprio do que procurar ter prazer, o que diminui muito a sua capacidade de se excitar…
Eu não diria que o seu problema é disfunção eréctil, mas sim dificuldades de ereção. Contudo, se a sua ansiedade continuar a interferir na sua capacidade eréctil deve procurar um técnico de saúde, de preferência sexólogo, para que esta dificuldade não se transforme num problema sexual instalado na sua sexualidade. Procure o tratamento se perceber que não consegue relaxar por si e entregar-se ao prazer sem preocupações.