Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“A menopausa mudou a minha vida!”

 

Desde que entrei na menopausa a minha vida alterou-se por completo. Sinto que já não sou a mesma pessoa, tanto física como psicologicamente. O meu marido não entende as minhas atitudes, o que tem gerado alguns conflitos na nossa relação, principalmente no que diz respeito à nossa vida sexual. O que se passa comigo?”

Guida, Mafra

Cara Leitora,

Antes de mais gostaria de salientar que nesta fase da vida da mulher existem dois estados: a menopausa e o climatério. A menopausa trata-se da última menstruação e o climatério é a fase em que a mulher passa do período fértil para o infértil, onde existe uma diminuição significativa da produção das hormonas sexuais. Nesta nova etapa da vida da mulher, os ovários deixam de funcionar, terminando, então, as menstruações. Esta redução a nível hormonal pode provocar algumas alterações físicas e psicológicas, por vezes condicionando a sua vida afetiva e social (que é o que está a passar-se consigo).

Esta fase tem um grande peso na vida das mulheres no que diz respeito à forma como se vive a sexualidade e na forma como evidenciam alguns comportamentos e atitudes. Neste sentido, deve ter uma conversa séria com o seu marido, lembrando-lhe que a leitora está a passar por uma fase de adaptação de um novo momento da sua vida e por esse motivo é importante que ele seja mais compreensivo de forma a evitarem conflitos desnecessários. 

“Não tenho lubrificação suficiente!”

 

Tenho 43 anos e sempre tive uma vida sexual ativa e feliz. No entanto, ultimamente quando faço amor noto que fico menos lubrificada, o que me causa dores e mal-estar. Não entendo por que aconteceu esta mudança, mas está a provocar-me um grande desconforto e constrangimento.”

 

Mariana, Queluz

 

Cara Leitora,

Esta dificuldade poderá ser causada por uma infeção vaginal que provoca dores durante a penetração e a redução da lubrificação. Por outro lado, existem alguns medicamentos que têm como efeitos secundários a redução da lubrificação e do desejo sexual. Uma outra hipótese a ter em consideração é o facto de estar num período pré-menopausa, onde poderá ocorrer uma alteração dos níveis hormonais que poderão justificar essa tendência, principalmente a níveis irregulares de estrogénio. Porém, de forma a dissipar todas as suas dúvidas a este respeito, aconselho a que consulte o seu ginecologista para que juntos encontrem a solução para o seu problema de forma a recuperar a satisfação e plenitude sexual.

Menopausa

menstrual-cycle-menopause.jpg

 

A menopausa marca o fim da fertilidade da mulher e ocorre, geralmente, entre os 45 e os 55 anos de idade. Durante a fase de preparação para a menopausa – perimenopausa, os níveis de estrogéneo oscilam e a ovulação torna-se inconstante. Nesta fase a mulher pode ter menstruação nalguns meses, seguindo-se de um período de ausência de vários meses. Devido às alterações hormonais que ocorrem durante a menopausa a mulher pode começar a experimentar variadíssimos sintomas, tais como afrontamentos e suores noturnos, ansiedade, irritabilidade, alterações de humor e tendência para a depressão, esquecimento, dificuldade de concentração, dores nas articulações, fadiga, secura da pele, cabelo, olhos e boca. A oscilação dos níveis das hormonas pode provocar também dificuldades físicas e emocionais durante as relações sexuais.

 

Alívio e tratamento

Alguns métodos de autoajuda, bem como os Tratamentos de Substituição Hormonal (TSH), podem ajudar a restabelecer os níveis de estrogéneo e aliviar os sintomas físicos.

O TSH alivia os sintomas da menopausa, previne a atrofia genital e as mudanças ao nível do corpo. Pensa-se que este tratamento pode ajudar a proteger de doenças como o cancro e a osteoporose, mas no entanto há médicos que acreditam que este tipo de tratamento pode acelerar o desenvolvimento de quistos. Os TSH podem ser prescritos em forma de comprimidos, adesivos e implantes. Os cremes de estrogéneos podem ser aplicados na vulva e na vagina. A hormona testosterona pode ser receitada para ajudar a recuperar a libido.

 

 Se a menopausa está a afetar a sua vida sexual, alguns dos métodos que se seguem podem ajudá-la:

 1 – Para ficar bem lubrificada, não ignore os preliminares e, caso seja necessário, use um bom lubrificante.

2- A uretra e a vagina podem ficar menos almofadadas após a menopausa e os movimentos durante o acto sexual podem provocar dor e irritação. Se tem tendência para sofrer infecções urinárias, esvazie a bexiga após o ato sexual.

3 – Pratique exercício, mantendo o seu corpo em forma. Coma alimentos que nutram a pele e o cabelo. Pode usar suplementos alimentares.

4 – A medicina alternativa, a homeopatia, a naturopatia e a medicina chinesa têm à disposição tratamentos para as mulheres na fase da menopausa.

5 – Não perca a auto-estima e cuide da sua imagem.

Sexualidade feminina

94192_Papel-de-Parede-Garota-Deitada--94192_1680x1

 

Orgasmo feminino

Algumas mulheres só conseguem atingir o orgasmo com a prática da masturbação. Estudos norte-americanos indicam que apenas 29% das mulheres atingem o clímax durante a relação sexual, mas 82% o atingem com a prática da masturbação.

 

Falta de desejo sexual

O desejo sexual hipoativo pode ser causado por vários fatores tais como o stress, cansaço, estados depressivos ou de ansiedade. Os medicamentos tomados para a depressão e estados de ansiedade podem também ser responsáveis pela redução do desejo sexual feminino. Há casos em que os baixos níveis de testosterona podem causar falta de desejo sexual nas mulheres. A terapia sexual para casais ajuda homens e mulheres a encontrar formas de obter prazer. O viagra é apenas recomendado para os homens com dificuldade erétil, e não produz qualquer efeito nas mulheres. O viacreme é uma substância que as mulheres podem usar para estimular os órgãos genitais, no entanto esta não garante a obtenção do orgasmo.

 

Anorgasmia

Esta carateriza-se pela dificuldade ou incapacidade para atingir o orgasmo, e é bastante comum entre as mulheres, mesmo em casos nos quais a mulher sente desejo sexual e não tem dificuldade em sentir-se fisicamente excitada. Esta situação pode causar bastante frustração tanto na mulher como no parceiro. É recomendável alterar a medicação caso a mulher esteja a tomar qualquer tipo de medicamentos, e recorrer à prática de masturbação por parte da mulher de forma a que esta se sinta mais em sintonia com o seu corpo.

 

Vaginismo

Condição na qual a vagina entra em espasmo muscular durante a penetração do pénis, tornando o ato sexual doloroso. Para atenuar esta situação pode usar-se medicação para tranquilizar a mulher durante o ato sexual de forma a ajudar a reduzir a tensão muscular. Existe também uma Técnica de Terapia Sexual, na qual a mulher é encorajada a introduzir, suavemente, "cilindros de treino" de tamanhos diferentes na vagina de forma gradual. Ao habituar-se à presença destes objetos, a mulher começa a aliviar a tensão que sentia anteriormente.

 

Dispareunia

Esta verifica-se quando a mulher sente dores bastante fortes durante a penetração, fazendo com que a relação sexual seja dolorosa e descomfortável. Muitas mulheres acabam por evitar ter relações devido à ansiedade antecipada da dor que vão sentir durante o coito. Existem investigadores norte-americanos que defendem a existência de um gene responsável pela manifestação deste problema em mulheres, mas é necessário que haja ainda mais investigação feita a este respeito. O tratamento deste problema pode passar por medicação ou por cirurgia.

 

Secura vaginal

A menopausa marca o fim da fertilidade da mulher e ocorre, geralmente, entre os 45 e os 55 anos de idade. Durante a fase de preparação para a menopausa – perimenopausa, os níveis de estrogéneo oscilam e a ovulação torna-se inconstante. Nesta fase a mulher pode ter menstruação nalguns meses, seguindo-se de um período de ausência de vários meses. Os baixos níveis de estrogéneo na fase da menopausa e pós-menopausa podem fazer com que os lábios vaginais e a vulva sofram um enrugamento e secura e, mesmo que a mulher esteja excitada, não se dê uma lubrificação adequada. Neste caso, a mulher deve usar um gel lubrificante antes da relação sexual. Alguns médicos recomendam o Tratamento de Substituição Hormonal através de um creme de estrogéneo, comprimidos, ou adesivos que podem ajudar a aliviar os efeitos da menopausa.

Mitos e realidades da menopausa e da andropausa

sintomas-menopausa.jpg

 

Com a falta da menstruação nas mulheres de meia idade, torna-se real a chegada da menopausa para o sexo feminino. Mas no caso dos homens, a andropausa é também uma realidade?

 

Na verdade, enquanto que a menopausa feminina chegará, um dia, mais tarde ou mais cedo, para todas as mulheres, no caso do sexo masculino, a andropausa pode ou não verificar-se, pois esta nada mais é do que a diminuição de androgénios, que provocam no homem mais velho a diminuição dos níveis de testosterona, um enfraquecimento muscular e uma diminuição da actividade sexual. No entanto, nem todos os homens são iguais e, portanto, o seu organismo reage de forma diferente às mudanças da idade.

 

Hoje em dia, há ainda a possibilidade de reposição no organismo dos níveis de testosterona, o que permite ao sexo masculino aumentar a sua qualidade de vida sexual até mais tarde.

 

Relacionados com a menopausa feminina existem também muitos mitos que precisam ser desmistificados, bem como esclarecer as verdadeiras situações às quais as mulheres poderão estar sujeitas.

 

Por exemplo:

- Na menopausa a mulher pode sentir afrontamento? Verdade.

Há ondas de calor que podem acontecer no organismo da mulher, a qualquer hora do dia, , que nada mais são do que sintomas vasomotores.

- Só a partir dos 50 anos é que a mulher entra na menopausa? Mentira.

Normalmente, uma mulher entra na menopausa entre os 45 e os 50 anos. Porém, cerca de dois antes, a mulher pode começar a sentir alguns sintomas.

- A pele da mulher pode sofrer algumas alterações? Verdade.

Devido à redução da hormona feminina, estrógenio, há também uma diminuição de colagéno. A pele fica mais fina e há inevitavelmente um aumento das rugas na pele.

- A mulher pode engordar quando decide fazer medicação para reposição hormonal? Por vezes.

Mesmo sem uso de medicação de reposição hormonal, a mulher pode sofrer um aumento de peso, ainda durante a pré-menopausa.

Duas relações

Tenho 39 anos sou casada há 20 anos só conheço meu marido na cama, mas há 3 meses comecei a relacionar-me com outro homem, não  relações sexuais com ele por não ter coragem, mas ele excita-me muito. Os actos sexuais com o meu marido aumentaram algumas vezes e são bem prazeirosos, mas desde há um mês tenho sentido leves dores na virilha, pequenas cólicas e estou constantemente excitada. O que podem ser estas sensações que estou sentindo?
Rosário
Cara Rosário,
Parece que a possibilidade de traição lhe trouxe um novo fôlego à relação com o seu marido – tal acontece em bastantes relações estáveis e de longa duração. Como aumentou a frequência das relações na sua vida sexual as dores na virilha podem ser do exercício físico associado. As cólicas e excitação podem ser do seu nervosismo e das emoções de estar a viver esta experiência de estar entre duas relações muito diferentes – uma de compromisso e outra pontual, que pode ser sentida como mais apaixonante, visto que não se conhecem bem e não têm a intimidade de uma relação estável.
A sensação de excitação pode ser também devida à sua idade e à aproximação da menopausa, mas tal terá de ser melhor investigado por um médico.

“Desde que entrei na menopausa que comecei a sentir dores…”

“Nunca senti
qualquer tipo de dor mais profunda desde que iniciei a minha vida sexual, mas
agora que entrei na menopausa cada vez que eu e o meu marido temos relações
sofro com dores. É normal isto acontecer? Será que tenho um problema mais
grave?”

                                                                 

Susana, Viseu

 

Cara leitora,

As dores que sente durante o
acto sexual são muito comuns durante a fase da menopausa. É nesta
altura que o seu corpo sofre transformações
e alterações hormonais, o que causa as tais dores e também a redução de
desejo sexual. O seu mal-estar deve-se à pouca lubrificação vaginal que advém
dessas alterações. Aconselho-a a visitar o seu ginecologista para que tenha a
certeza de que está tudo bem consigo a nível físico. Deverá depois consultar um
endocrinologista especializado em questões relacionadas com a menopausa, dado
que existem vários tratamentos que reduzem os seus efeitos. Contudo, se optar
por algum tratamento, sugiro que se informe muito bem sobre os efeitos
secundários antes da sua tomada de decisão. Entretanto, para evitar o mal-estar
sentido nas relações sexuais, aconselho que use um bom lubrificante, que poderá
adquirir numa farmácia.

“Quais são os sintomas da menopausa?”

“Gostaria de ser esclarecida sobre os sintomas apresentados pela mulher ao chegar à menopausa, dado que estou perto de a atingir.”

Teresa, Amadora

Cara leitora,

Há uma clara diferença entre a menopausa, ou seja, a última menstruação, e o climatério. Este é o processo no qual a mulher passa do período fértil para o infértil, e onde existe uma diminuição significativa da produção das hormonas sexuais. Nesta sua nova etapa, os ovários deixam de funcionar, o que leva à quebra das menstruações. Esta redução de hormonas pode provocar algumas alterações físicas e psicológicas, condicionando por vezes a sua vida afectiva e social. Os sintomas mais comuns apresentados são as sensações de calor súbito que causam algum desconforto, alterações urogenitais causadas pela falta de estrogénio, novas formas de encarar a sexualidade (falta de desejo), variações súbitas de humor (ansiedade, depressão, fadiga, insónia, falta de memória), problemas ósseos e doenças cardiovasculares. De qualquer modo, para que a qualidade de vida das mulheres aumente já está disponível a realização de tratamentos hormonais que têm como objectivo repor os níveis de estrogénio. Este tipo de tratamento nunca deve ser feito sem supervisão médica e deve ser contínuo, pois a sua paragem pode trazer consequências prejudiciais para o funcionamento do organismo.

Menopausa

“Quero-me sentir mais sexy nesta fase de pós-menopausa”

 

Tenho 55 anos e já estou na pós-menopausa, gostava de algumas ideias de como fazer para me sentir mais atraente e como me manter sexualmente activa?

Teresa, Alcoitão

 

Cara Leitora,

A menopausa é uma fase na vida da mulher na qual sofre alterações corporais, nomeadamente ao nível dos órgãos reprodutivos. Apesar da menopausa ter alguns sintomas por vezes desagradáveis, a fase de pós-menopausa pode trazer benefícios para a sua sexualidade. Muitas mulheres sentem-se mais livres para viver a sua sexualidade de forma mais desinibida, uma vez que não têm de se preocupar com uma gravidez indesejada. É nesta fase que muitas mulheres se libertam de preconceitos e inibições que lhes foram incutidas e passam a apreciar mais os momentos de intimidade com o parceiro. Tente manter-se activa e ter uma alimentação cuidada, de modo a evitar alguns problemas de saúde e inove a sua relação sexual fazendo surpresas ao seu companheiro. 

“A minha mulher entrou na menopausa”

 


 

“A minha mulher está na Menopausa e ouvimos falar de terapia de substituição hormonal. Gostava de saber mais a respeito dessa terapia uma vez que não sei muito sobre o assunto.”

 

Gonçalo, Bragança

 


Caro Leitor,

 

Todas as mulheres, mais tarde ou mais cedo, chegam a uma fase de desenvolvimento, no qual os ovários deixam de produzir as hormonas Progesterona e Estrogénio, ao qual se chama Menopausa. Existem vários sintomas que são mais ou menos evidentes e que podem mesmo provocar alguns problemas de saúde, tais como a redução de densidade óssea. A terapia de substituição consiste exactamente na substituição das hormonas que os ovários deixaram de produzir. Claro está, que cada pessoa é diferente, logo a quantidade de hormonas deve variar de pessoa para pessoa, devido à forma como actuam no organismo, ou seja, uma determinada dosagem é benéfica a uma determinada mulher mas poderá ser prejudicial a outra. Assim deverá dirigir-se ao seu médico para que, em conjunto, possam experimentar os diferentes tipos e dosagens de Estrogénios, a fim de conseguirem chegar à dosagem que melhor se adequa ao organismo da sua mulher. Existem, no entanto, algumas mulheres que não podem fazer a terapêutica de substituição devido a problemas de saúde, por isso aconselhe a sua mulher a consultar um médico que a possa elucidar a respeito dos riscos associados a esta forma de terapia.