Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“As infecções urinárias transmitem-se através das relações sexuais?”

Tenho 42 anos e uma saúde bastante frágil, pelo que tenho uma forte tendência para apanhar infecções urinárias. Uma vez que sou solteira, não tenho um parceiro fixo. Gostava de saber se as infecções urinárias podem ser transmitidas através das relações sexuais.”

Sandra, Lisboa

 

Cara Leitora,

 Existem algumas infecções sexualmente transmissíveis que causam sintomas semelhantes aos das infecções urinárias, tais como a clamídia ou a gonorreia. Porém, as infecções do aparelho urinário e as bactérias que transporta não são consideradas Infecções Sexualmente Transmitidas, mas isto não invalida que estas infecções não estejam relacionadas com o acto sexual. Ou seja, as mulheres que têm uma vida sexual activa estão mais predispostas a estas infecções do que as não activas. Teorias defendem que as bactérias instaladas na zona vaginal sejam direccionadas para a bexiga através da uretra após a relação sexual vaginal. Desta forma, um dos meios de prevenção contra as infecções urinárias é urinar logo após o acto sexual para que possa expelir as bactérias do aparelho urinário. Advirto-a para a importância do devido acompanhamento médico para estes casos, ainda para mais quando é uma pessoa bastante permeável a estas situações.

 

Desvende a arte da masturbação

o-ORGASM-facebook.jpg

 


Existe um número infindável de técnicas que pode e deve usar enquanto se masturba. Acima de tudo, a regra básica é deixar-se levar pelas suas próprias sensações, com uma mente liberta de receios ou tabus.

 

Masturbação a dois

Praticar a masturbação a dois é uma das melhores formas de revitalizar a relação, aumentando a cumplicidade e estimulando a união. No entanto, pode ser difícil partilhar algo tão íntimo com outra pessoa. Libertar-se desse receio é também uma excitante forma de quebrar tabus e de se superar a si própria.

 

Para partilhar a masturbação com o seu par é importante entender o que lhe provoca o orgasmo. Muitas pessoas têm um estilo de masturbação desde a adolescência e mantêm-no. Não sendo necessariamente negativo, isso faz com que não descubram outras potencialidades. De um modo geral, a maior parte dos orgasmos são provocados através da pressão e da tensão provocadas na masturbação. No entanto, este tipo de orgasmos proporciona um nível de prazer consideravelmente baixo e também não é fácil de ser partilhado com o parceiro, porque se passa tudo a um nível muito interno, dependendo da tensão dos músculos e da pressão sobre a zona genital. Existem também orgasmos provocados pelo relaxamento ou uma variação combinada de todos os outros.

 

Masturbação por pressão

Muitas mulheres chegam ao orgasmo ao friccionarem o clítoris sobre qualquer objeto, seja o braço de um sofá, uma almofada, um boneco de peluche. Este tipo de masturbação dispensa o uso das mãos, sendo que algumas mulheres limitam-se a cruzar as pernas, fechando-as com força e massajando a região genital através da pressão por elas exercida. Colocar-se sobre uma almofada ou qualquer outro objeto que lhe ofereça esse tipo de pressão, sendo mais ou menos rígido, à frente do seu companheiro, mesmo vestida, pode ser extremamente provocador e excitante para ambos.

 

Masturbação por tensão

Ao conjugar a estimulação genital com alguma tensão muscular a libertação trazida pelo orgasmo é maior e este é mais intenso. Neste caso, os músculos das pernas e das nádegas contraem-se com força, apertando enquanto o resto do corpo se mantém rígido. Enquanto sustem a respiração, exerce maior pressão sobre o clítoris apertando os músculos, o que proporciona com relativa facilidade um orgasmo silencioso, que alivia a tensão numa rápida descarga. Este tipo de orgasmos pode acontecer mesmo enquanto se pratica ginástica, como por exemplo ao subir a uma corda, pois todo o corpo está em tensão. Embora estes orgasmos rápidos sejam dos mais comuns, devem ser vistos como a fast food – saciam a fome mas não alimentam plenamente.

 

Masturbação por relaxamento

Este tipo de masturbação é ideal para ser praticada a dois, até porque não é fácil relaxar completamente e estimular ao mesmo tempo a área genital. Assim, é essencial que se deixe pura e simplesmente descontrair, relaxando todos os músculos, como se fosse a Bela Adormecida, enquanto o seu par a masturba com a mão dele, deslizando suavemente os dedos pelos seus lábios vaginais, brincando com o seu clítoris. Deixe-se ir, simplesmente, sem pressas. Este tipo de contacto íntimo é extremamente erótico para ambos, estimulando a cumplicidade do casal.

 

Masturbação combinada

Usa os princípios subjacentes às três formas de obter prazer que foram anteriormente descritas. Assim, neste caso usa-se a tensão e o relaxamento em simultâneo com a estimulação direta do clítoris ou a penetração vaginal, usando os dedos ou um vibrador. Assim, deve contrair os músculos vaginais e libertá-los de seguida, repetindo algumas vezes. Use então um vibrador que deve introduzir devagar na vagina, enquanto continua a contrair e relaxar os músculos vaginais. Com os dedos estimule o clítoris (este tipo de masturbação pode e deve ser feita a dois), continuando a trabalhar os músculos vaginais, inspirando com força quando contrai e expirando profundamente quando liberta os músculos. Ao conjugar todos estes fatores obterá orgasmos mais intensos e mais profundos. Pode também fazer você a estimulação do clítoris enquanto o seu companheiro "se encarrega" da penetração vaginal, com os dedos ou um vibrador. Este tipo de masturbação cria o ambiente adequado para a relação sexual, pois proporciona à mulher orgasmos intensos e libertadores.

“O que são esferas anais?”

 

“Tenho uma vida sexual ativa com o meu marido e ambos gostamos de dinamizar a relação e experimentar novidades, pelo que consultamos várias páginas da Internet relacionadas com o assunto. Encontrámos esferas anais e gostávamos de as experimentar, mas não sabemos exatamente de que se trata ou para que servem, será que pode esclarecer-nos?”

 

Teresa, Seixal

 

Cara leitora,

As esferas anais são um brinquedo sexual para mulheres e homens, que podem ser usados a sós ou na companhia do parceiro, sendo uteis para a iniciação ao sexo anal. Consistem em pequenas esferas feitas de um material macio como silicone ou plástico, que se assemelham a uma espécie de colar de pérolas já que estão unidas por um fio de nylon ou e outro material resistente. Enquanto algumas têm um toque mais macio, outras podem texturas. Inserem-se uma a uma no ânus, suavemente, podendo ser puxadas para fora pelo fio no momento do orgasmo, ou em qualquer outra altura. Podem ter tamanhos diferentes, devendo começar-se por usar esferas mais pequenas para ir então progressivamente aumentando de tamanho, pois para algumas pessoas as esferas maiores proporcionam uma maior excitação e intensidade de prazer, pois como o ânus tem muitas terminações nervosas o contato com as esferas pode provocar sensações muito intensas, tanto quando são introduzidas como no momento em que são retiradas. Tenham sempre em conta que o uso de lubrificante é muito importante no sexo anal, para evitar romper tecidos que são muito sensíveis. Como todos os brinquedos sexuais, deverá também ter os devidos cuidados de higiene e limpeza com as suas esferas anais.

 

“Preciso de ajuda para ter orgasmos!”

“Tenho 22 anos e apesar de já ter iniciado a minha vida sexual, tenho dificuldades em conseguir atingir o orgasmo, pelo que gostava que me ajudasse nesse sentido. O que posso fazer para ter orgasmos mais facilmente enquanto estou a fazer amor com o meu namorado?”

 

Cátia, Caneças

 

Cara leitora,

O orgasmo é o ponto em que toda a tensão que o corpo vai acumulando é subitamente libertada sob a forma de uma série de contrações musculares involuntárias e que proporcionam prazer, e que se podem sentir na vagina, no útero e no reto. Pressionar e massajar o clítoris conduz a essa tensão e a inúmeras sensações de estremecimento e de preenchimento pélvico. Há muitas mulheres que têm dificuldade em alcançar o orgasmo, quer seja sozinhas quer com um parceiro. A vergonha em tocar o próprio corpo, a falta de conhecimento do mesmo e medos desconhecidos são apenas alguns dos fatores que dificultam esta libertação física, cuja componente psicológica é também muito importante. Os orgasmos podem ter intensidades diferentes, conforme a mulher, o momento, o tipo de estimulação, o parceiro, etc. Para conseguir ter um orgasmo mais facilmente, evite concentrar-se mais nos pensamentos do que nas sensações, pois é fácil distrair-se com ideias que a afastam do seu propósito, como por pensar se está a agir corretamente, pensar no que o parceiro pode estar a pensar ou se está impaciente, aborrecendo-se consigo mesma e desistindo dos estímulos que está a receber. Não deve também alimentar o receio de não conseguir ter um orgasmo ou de pedir mais do seu parceiro, pois dessa forma estará a criar uma pressão mental que tornará mais difícil a libertação. Os sentimentos de culpa a respeito do sexo, ou pensar que se devia concentrar mais no seu parceiro, são também prejudiciais, bem como querer acelerar o processo. Dê mais tempo a si própria e deixe-se apenas guiar pelas sensações e pelo seu próprio prazer, deixando-se ir, e verá como se tornará mais fácil. 

Masturbação: vá pelos seus dedos!

masturbation-4574-2121.jpg

 

Independentemente de ter um parceiro ou estar só, saber proporcionar prazer a si própria aumenta a sua autoestima, a confiança em si própria e, como lhe permite conhecer melhor o seu corpo, também faz com que tenha mais prazer quando está com um parceiro, pois ao saber exatamente que tipo de carícias a levam ao êxtase será mais fácil ensiná-lo a fazer o mesmo. Por outro lado, ao sentir-se mais autónoma e autoconfiante na sua expressão sexual isso torna-a naturalmente também mais sedutora. Assim, reserve algum do seu tempo a conhecer-se e a amar-se a si própria!

 

Em primeiro lugar, deve explorar bem o seu corpo, sem tabus nem receios. Para este momento tão íntimo procure um local confortável onde se sinta bem e saiba que não será interrompida. Pode por a tocar uma música que a deixe relaxada e a faça sentir-se bem. Ao contrário do que a educação que muitas das nossas avós e mães nos fez crer, não há nada de errado em observar, apalpar e sentir o seu próprio corpo – como quer que o seu parceiro o faça, se você sente vergonha de si?

 

Para ter prazer é imprescindível que se autorize a si própria a senti-lo, sem se autocensurar e sem se reprimir. Além da área genital, existe um sem-fim de outras zonas erógenas no seu corpo, que lhe provocam sensações de prazer quando são devidamente tocadas. Deixe que as suas mãos explorem a sua pele, seguindo ao sabor da vontade, detenha-se nos peitos, apalpe, aperte, desenhe círculos com a ponta dos dedos nas auréolas dos mamilos e sinta-os enrijecer, deslize pelo ventre, aperte as coxas, desça pelas pernas.

Clítoris inchado

 

 

Tenho 17 anos e cada vez que eu e o meu namorado curtimos ele toca-me no clítoris, mas eu nunca atinjo o orgasmo, o problema é que passados alguns dias este ainda está inchado e dói-me. O que será que devo fazer?

 

Margarida, Alcácer do Sal

 

Cara leitora,

Quando as mulheres estão sexualmente excitadas dá-se um aumento da circulação sanguínea na zona genital, e algumas mulheres atingem o orgasmo e outras não. No seu caso, a leitora fica excitada mas acaba por não atingir o orgasmo, o que se deve à sua pouca idade e inexperiência sexual. Por isso não se preocupe pois uma vez que conheça melhor o seu corpo, vai ver que se tornará mais fácil sentir prazer sexual. Quanto ao inchaço do seu clítoris este deve ser devido a um excesso de estimulação por parte do seu namorado, por isso fale com ele para que a estimule de forma mais gentil e durante menos tempo. Experimente também utilizar um gel lubrificante durante a masturbação mutua, ou experimente guiar a mão do seu namorado, para que ele saiba onde e de que forma a deve tocar sem causar desconforto.

“Tenho mais prazer quando me masturbo!”

“Gosto muito do meu namorado e ele excita-me imenso, mas na hora H não funcionamos bem. Apesar de sentir prazer não consigo chegar ao orgasmo quando estou com ele, e a verdade é que tenho mais prazer quando me masturbo. O que posso fazer? Gosto dele mas queria ter uma relação sexual mais satisfatória!”

 

Ana Teresa, Mafra

 

Cara Leitora,

 

existe entre vocês uma certa falta de comunicação e de diálogo. Se consegue alcançar o clímax sozinha recorrendo à masturbação, isso quer dizer que consegue atingir o orgasmo se for bem estimulada. Neste ssaxualidade, o parceiro os seus pontos mais sensíveis e que servem como porta à satisfação. Não se iniba e mostre ao seu namorado os pontos que devem ser devidamente estimulados. Se não mostrar ao seu namorado onde, de facto, reside a sua sensibilidade, provavelmente terá que recorrer muito mais vezes à masturbação para atingir o prazer que deseja. Talvez esse problema possa ser resolvido rapidamente com uma pequena conversa, onde entendam que a sexualidade é algo em que é importante dar e receber e é imprescindível ter o conhecimento do corpo do parceiro. Esta envolvência e cumplicidade são importantes para o bem-estar sexual do casal.

“Será que atingi o orgasmo?”

“Tenho 19 anos e iniciei recentemente a minha atividade sexual. Gosto bastante de fazer amor com o meu namorado mas não tenho certeza se alguma vez atingi um orgasmo com ele! Como posso saber?”

Catarina, Queluz

 

 

Cara Leitora,

Cada pessoa é um caso e por isso cada mulher pode atingir o orgasmo de forma diferente. No entanto, para que possa compreender melhor, o orgasmo é um conjunto de contrações que têm início na zona pélvica e que se alastram por todo o corpo. Estas contrações são acompanhadas de sensações extremamente agradáveis e intensas que duram alguns segundos e que transmitem uma sensação de prazer e satisfação. Porém, os orgasmos não são sempre iguais, pois uns são mais intensos que outros.

É natural que a leitora esteja um pouco confusa devido ao facto de ter iniciado há pouco tempo a sua vida sexual, deste modo aconselho-a a que, juntamente com o seu namorado, explorem os vossos corpos e descubram as novas sensações que o sexo vos pode proporcionar. Procure não tornar um momento tão especial numa obsessão, isso poderá afetar a vossa relação. Mantenha-se descontraída e dê asas à imaginação. Ainda é jovem e tem uma vida toda pela frente para fazer descobertas surpreendentes sobre a forma de como receber e dar prazer. 

Não quero que ele ejacule na minha boca!

Embora eu goste de fazer sexo oral ao meu namorado não gosto nada que ele ejacule na minha boca, pois acho desagradável e desconfortável. Há alguma forma de impedir que isso aconteça, sem ter de parar? Como posso prever que ele vai ejacular?

Cláudia, Odivelas

 

 

Cara leitora,

 

Uma vez que não há duas pessoas iguais, a comunicação é o meio mais eficaz para poder evitar algo que lhe desagrada. Não há um tempo definido para um homem ejacular, nem procedimentos a seguir quando se faz sexo oral, e a expressão do prazer varia de pessoa para pessoa. Assim, a melhor forma de antecipar a ejaculação do seu parceiro consiste em prestar atenção aos sinais que ele emite, aprendendo a reconhecer aquilo que precede a ejaculação dele e que poderá identificar através da forma de expressão dele, única e diferente dos outros. Podem, também, estabelecer um código de palavras que ele diz quando está prestes a ejacular. A relação sexual deve sempre trazer prazer aos dois, por isso fale abertamente com ele e esclareça que embora goste de lhe fazer sexo oral não gosta de engolir o sémen, algo que ele aceitará pois também é do seu interesse que você sinta prazer. É importante definirem uma forma de ele a avisar, e também estar atenta à linguagem corporal dele e aprender a interpretá-la, pois o tempo de ejaculação de um homem também varia consoante o seu nível de stress, fadiga, excitação, entre outros.

 

 

“Sexo anal sem dor…”

“Eu e o meu namorado, por várias vezes, já fizemos sexo anal e devo confessar que até gosto da experiência. O único inconveniente é que sinto algumas dores. Como devo contornar esta situação?

 

Alexandra, Lisboa

Cara Leitora,

Existem inúmeras formas de obter uma relação sexual mais prazerosa e menos dolorosa. Deve ter sempre em conta que sexo deve ser sinónimo de prazer e não de dor. 

Para que possa ter uma relação menos dolorosa, deve evitar estar tensa, pois desta forma facilitará a contração da musculatura tornando este ato mais difícil.

A região do ânus por ser rica em terminações nervosas e sensível às carícias torna-se, por excelência, uma zona que permite a excitação e obtenção plena de prazer.

De forma a diminuir as dores durante o sexo anal, deve apostar nos preliminares para que possa ser estimulada até à excitação e usar lubrificantes, pois o ânus não produz uma lubrificação natural tal como a vagina.