Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Desvende a arte da masturbação

o-ORGASM-facebook.jpg

 


Existe um número infindável de técnicas que pode e deve usar enquanto se masturba. Acima de tudo, a regra básica é deixar-se levar pelas suas próprias sensações, com uma mente liberta de receios ou tabus.

 

Masturbação a dois

Praticar a masturbação a dois é uma das melhores formas de revitalizar a relação, aumentando a cumplicidade e estimulando a união. No entanto, pode ser difícil partilhar algo tão íntimo com outra pessoa. Libertar-se desse receio é também uma excitante forma de quebrar tabus e de se superar a si própria.

 

Para partilhar a masturbação com o seu par é importante entender o que lhe provoca o orgasmo. Muitas pessoas têm um estilo de masturbação desde a adolescência e mantêm-no. Não sendo necessariamente negativo, isso faz com que não descubram outras potencialidades. De um modo geral, a maior parte dos orgasmos são provocados através da pressão e da tensão provocadas na masturbação. No entanto, este tipo de orgasmos proporciona um nível de prazer consideravelmente baixo e também não é fácil de ser partilhado com o parceiro, porque se passa tudo a um nível muito interno, dependendo da tensão dos músculos e da pressão sobre a zona genital. Existem também orgasmos provocados pelo relaxamento ou uma variação combinada de todos os outros.

 

Masturbação por pressão

Muitas mulheres chegam ao orgasmo ao friccionarem o clítoris sobre qualquer objeto, seja o braço de um sofá, uma almofada, um boneco de peluche. Este tipo de masturbação dispensa o uso das mãos, sendo que algumas mulheres limitam-se a cruzar as pernas, fechando-as com força e massajando a região genital através da pressão por elas exercida. Colocar-se sobre uma almofada ou qualquer outro objeto que lhe ofereça esse tipo de pressão, sendo mais ou menos rígido, à frente do seu companheiro, mesmo vestida, pode ser extremamente provocador e excitante para ambos.

 

Masturbação por tensão

Ao conjugar a estimulação genital com alguma tensão muscular a libertação trazida pelo orgasmo é maior e este é mais intenso. Neste caso, os músculos das pernas e das nádegas contraem-se com força, apertando enquanto o resto do corpo se mantém rígido. Enquanto sustem a respiração, exerce maior pressão sobre o clítoris apertando os músculos, o que proporciona com relativa facilidade um orgasmo silencioso, que alivia a tensão numa rápida descarga. Este tipo de orgasmos pode acontecer mesmo enquanto se pratica ginástica, como por exemplo ao subir a uma corda, pois todo o corpo está em tensão. Embora estes orgasmos rápidos sejam dos mais comuns, devem ser vistos como a fast food – saciam a fome mas não alimentam plenamente.

 

Masturbação por relaxamento

Este tipo de masturbação é ideal para ser praticada a dois, até porque não é fácil relaxar completamente e estimular ao mesmo tempo a área genital. Assim, é essencial que se deixe pura e simplesmente descontrair, relaxando todos os músculos, como se fosse a Bela Adormecida, enquanto o seu par a masturba com a mão dele, deslizando suavemente os dedos pelos seus lábios vaginais, brincando com o seu clítoris. Deixe-se ir, simplesmente, sem pressas. Este tipo de contacto íntimo é extremamente erótico para ambos, estimulando a cumplicidade do casal.

 

Masturbação combinada

Usa os princípios subjacentes às três formas de obter prazer que foram anteriormente descritas. Assim, neste caso usa-se a tensão e o relaxamento em simultâneo com a estimulação direta do clítoris ou a penetração vaginal, usando os dedos ou um vibrador. Assim, deve contrair os músculos vaginais e libertá-los de seguida, repetindo algumas vezes. Use então um vibrador que deve introduzir devagar na vagina, enquanto continua a contrair e relaxar os músculos vaginais. Com os dedos estimule o clítoris (este tipo de masturbação pode e deve ser feita a dois), continuando a trabalhar os músculos vaginais, inspirando com força quando contrai e expirando profundamente quando liberta os músculos. Ao conjugar todos estes fatores obterá orgasmos mais intensos e mais profundos. Pode também fazer você a estimulação do clítoris enquanto o seu companheiro "se encarrega" da penetração vaginal, com os dedos ou um vibrador. Este tipo de masturbação cria o ambiente adequado para a relação sexual, pois proporciona à mulher orgasmos intensos e libertadores.

Sou bastante ciumenta!

Mulher-Triste.jpg

 

"Namoro há um ano e meio com um rapaz de quem gosto bastante. Sei que está tudo bem entre nós, mas como vivemos longe um do outro, os meus ciúmes saltam à vista."

Carla - Leixões

 

Cara leitora,

Se apesar da distância realmente sente que está tudo bem entre vós, então deve aprender a ser mais controlada, de modo a impedir que o ciúme estrague uma relação que parece estar equilibrada. Tente ser mais moderada, pois essa forma de distorcer a realidade, mesmo que seja sem querer, pode prejudicar a relação a ponto de levá-la à rutura. Um pouco de ciúme apimenta a relação, mas tudo o que é demais enjoa, e ninguém gosta de estar com alguém que seja muito ciumento. Por mais que lhe custe, tente mostrar ao seu namorado que a distância não é motivo para causar a desunião entre o casal. Lembro-a de que o ciúme não ajuda a salvaguardar nenhuma relação e que pode mesmo ajudar a afastar a pessoa que se ama.

Vida de casal: não tenho vontade de fazer amor!

6783398-couple-wallpaper.jpg

 

A rotina é, sem dúvida, um dos maiores inimigos de qualquer relacionamento. Enquanto que nos primeiros tempos da paixão todo o tempo que passavam juntos parecia pouco e qualquer toque ou olhar desencadeava um incêndio que os levava para os braços um do outro, com o tempo e a habituação a excitação da novidade apaga-se. Se a isso juntarmos as exigências do dia a dia, as discussões a respeito de quem lava a louça ou vai buscar os filhos à escola e as pressões a que cada um dos dois é submetido no local de trabalho, é fácil de compreender porque é que a vida sexual se torna um problema silencioso para tantos casais.

 

Passamos mais tempo a trabalhar e a responder aos desafios e exigências profissionais do que a sós com quem amamos. Por outro lado, qualquer pessoa, por mais apaixonada que esteja, precisa de ter tempo para si e para sentir saudades do seu mais-que-tudo. Aquilo de que muitas vezes não nos damos conta, no entanto, é que ao afastarmo-nos no dia a dia isso cria um fosso também na nossa vida sexual, afastando-nos.

 

Por outro lado, é fundamental ter presente que se perder o contato com a sua própria sexualidade isso irá necessariamente afastá-la do seu par. Limitar-se a cumprir as suas obrigações enquanto mãe e profissional, esquecendo-se que também é mulher, com desejos e vontades, faz com que essa parte do seu ser e da sua vida vá ficando entorpecida. A partir daí, muitas mulheres deixam de sentir prazer na relação sexual, porque não se permitem desfrutar dela com relaxamento e descontração, passando a evitar o seu parceiro. A anorgasmia, uma disfunção de que já falámos, pode surgir então e impedir a mulher de ter orgasmos, ou dificultando-os. Como tal, isto faz com que a mulher ainda tenha maior tendência para evitar a relação sexual, pois sabe que não lhe será fácil chegar ao orgasmo, tornando o sexo algo penoso.

 

Mais vale prevenir…
A melhor forma de combater a falta de desejo no casal é aprender a evitá-la. Para tal, integre certos princípios na dinâmica da relação e faça deles hábitos saudáveis, para o bem da relação.

Quero fazer amor com dois homens!

sexo-sexo-grupal-suruba-menage-a-trois-13203251278

 

 

"Tenho namorado e gosto muito dele, mas, de há uns tempos para cá, não consigo deixar de pensar em fazer amor com dois homens ao mesmo tempo. Sei que o meu namorado nunca iria concordar, mas não consigo deixar de pensar nesta minha fantasia…"

Vânia - Vila Nova de Gaia

 

Cara leitora,

Fantasiar sobre os mais variados cenários sexuais é perfeitamente normal, sendo esta sua fantasia comum a várias mulheres. O único problema é quando as fantasias começam a interferir na relação do casal, o que parece ser o seu caso, visto que não consegue deixar de pensar em fazer amor com dois homens ao mesmo tempo. As fantasias podem ser bastante divertidas, mas lembre-se que nem sempre devem ser passadas à prática pois podem ter repercussões bastante sérias não valendo a pena os problemas que podem vir a causar. Segundo disse, o seu namorado não iria concordar com essa prática, por isso, se gosta realmente dele, não tenha nenhuma atitude que possa prejudicar a vossa relação. Lembre-se que a realidade pode ser bastante diferente da fantasia!

Apaixonei-me pela namorada do meu melhor amigo!

free-wallpaper-22.jpg

 

"Tenho 30 anos e desde sempre repudiei as traições. Porém, há cerca de 6 meses percebi que estou apaixonado pela namorada do meu melhor amigo. Não soube como lidar com a situação, ela sente o mesmo por mim mas não quer terminar com o namorado por causa da família de ambos, e por isso temos mantido um caso em segredo já há algum tempo. Odeio-me pelo que estou a fazer, mas não consigo evitá-lo. Não sei o que fazer!"

João - Lisboa

 

Caro leitor,

Sem saber como viu-se numa situação que sempre reprovou, isto é, acabou por se envolver com a namorada do seu melhor amigo e agora não sabe o que fazer. Porém, agora vê-se sem muitas alternativas, pois sente-se incomodado com a situação gerada, mas, também, não consegue deixá-la pelo facto de estar apaixonado. Apesar de estar a viver uma situação complicada cabe-lhe a si refletir no que deseja para a sua vida daqui a frente, visto que a pessoa que ama não pretende deixar o seu amigo para ficar consigo. Pense na sua felicidade e veja se vale a pena estar a investir numa relação em que vai estar sempre em segundo plano.

“Eu não me masturbo… mas ela sim!”

“Tenho 24 anos e devo ser o único homem à face da Terra que nunca se masturbou, algo que para mim não representa qualquer problema, mas que incomoda a minha namorada. Ela não compreende nem acha normal, pois masturba-se pelo menos duas vezes por dia e muitas vezes insiste que eu veja. Ela acha que o meu comportamento não é normal porque diz que todos os homens se masturbam. É verdade?”

 

Tiago, Braga

 

 

Caro leitor,

Há sempre inúmeros mitos no que à sexualidade diz respeito. Um deles é o mito que diz que todos os homens se masturbam, e que as mulheres não o fazem. De forma simples e direta, deixe-me dizer-lhe que tanto o leitor como a sua namorada são ambos absolutamente normais. A decisão de proporcionar prazer a si próprio através da estimulação direta cabe-lhe a si, e embora muitos homens e mulheres o façam – ou digam que o façam – não há de ser a única pessoa à face da Terra que não o faz. O facto de a sua namorada querer que você a veja enquanto ela se masturba também não é estranho, pois alguns casais gostam de o fazer como forma de aumentarem a intimidade a dois. Deve questionar-se, isso sim, se esta questão da masturbação não denota outros problemas entre os dois, falta de comunicação no casal ou posturas diferentes no que ao sexo diz respeito. Aquilo que realmente importa neste caso é que tenham a capacidade de ter um diálogo honesto e frontal acerca da satisfação que ambos retiram da vossa vida sexual, para que esta possa ser melhor. Quem sabe não experimenta praticar a masturbação mútua com a sua namorada e até gosta? O respeito mútuo e a aceitação são alicerces fundamentais para qualquer relação. 

“Não consigo ter prazer total!”

 

Tenho 32 anos e amo o meu marido, com quem vivo há 3 anos. O problema é que não consigo ter relações sexuais na sua plenitude, isto é, não consigo tolerar a penetração.

Penso que o problema não é frigidez, pois tenho prazer com o resto, mas não consinto que ele me penetre, pois magoa-me muito. Sei que o problema é meu e que isto não é normal, mas não sei a quem pedir ajuda, o mais indicado será ir ao ginecologista ou ao sexólogo? Ajude-me, este problema pode dar cabo da relação e eu não quero que isso aconteça!

 

Margarida, Sesimbra

 

Cara leitora,

Este problema sexual que descreve de não conseguir a penetração vaginal acontece a muitas mulheres e deve procurar tratamento com especialistas da área da sexologia para o tentar resolver. Sem muitos dados, eu colocaria as hipóteses de dispareunia ou de vaginismo – duas disfunções sexuais femininas. Deve também consultar um ginecologista para verificar se a dor não se deve a algum problema de natureza ginecológica.  

Diversifique as relações sexuais, explorem as massagens, as carícias, a masturbação mútua, o sexo oral, os brinquedos eróticos… Usem a vossa imaginação para reinventarem a vossa sexualidade sem limites e para não estar tão concentrada na penetração apenas!

Aconselho-a a explorar o seu corpo através da masturbação,  para que possa descobrir como gosta de ser tocada e o que lhe dá prazer, pois o primeiro passo para sentir prazer com um parceiro é ser capaz de o fazer sozinha.

Nas suas relações sexuais, deve tentar relaxar e entregar-se a carinhos e festas durante um tempo substancial (a lubrificação depende do prazer que sente antes de iniciar a penetração). Não vou definir-lhe um tempo limitado, mas sugiro-lhe um mínimo de meia hora, antes de tentarem a penetração ou sequer de pensarem nisso (podem até nem chegar a concretizá-la!).

Como o seu problema pode ser mais específico, seria desejável fazer uma consulta presencial de Sexologia, para fazer um diagnóstico diferencial.

Tenho o fetiche de ser amarrada…

 

Tenho 29 anos e um dos meus fetiches é ser amarrada pelo meu namorado enquanto fazemos amor. No entanto, tenho vergonha de o dizer ao meu namorado, pois não sei o que ele vai pensar…”

 

Cláudia, Porto

 

Cara Leitora,

A sua fantasia não é nada fora do comum, por isso, a melhor forma de fazer com que o seu namorado realize a sua fantasia é falar com ele de forma directa. Ter fantasias sexuais e realizá-las com o parceiro pode ser bastante excitante e rejuvenescedor para a relação. Por isso, não tenha receio, pois converse com o seu namorado, aproveite para lhe perguntar se ele tem algumas fantasia que ele queira realizar, e se elas forem do seu agrado, ofereça-se para as realizar. Um relacionamento sexual saudável é composto de uma combinação de dar e receber prazer, aposte nisso.

“Acho que estou grávida”

“Iniciei um relacionamento há pouco tempo e, apesar de ser uma relação pouco estável, tivemos relações sexuais, sem proteção. Estou com receio pois ainda não me veio o período. Será que estou grávida?”

      Cristina, Palmela

Cara leitora,

Segundo os especialistas basta um espermatozoide para fertilizar um óvulo. A fertilização pode ocorrer entre poucos minutos e algumas horas ou mesmo dias após a deposição do sémen no aparelho reprodutivo da mulher, pois o sémen consegue sobreviver no aparelho reprodutivo da mulher cerca de dois dias e a fecundação do óvulo e a formação de um novo ser ocorrem naturalmente (sem a interferência do homem). Apesar da probabilidade de um único espermatozoide atingir um óvulo ser quase nula, não deve nunca ser descartada. As probabilidades de uma mulher engravidar aquando da não utilização de contracetivos, vai depender grandemente da fertilidade de cada mulher e da fase do ciclo menstrual em que ela se encontra. Em todo o caso, mesmo que não sinta quaisquer alterações a nível físico aconselho-a a ir ao seu médico de família para ter certeza de que não está grávida. 

“Sou amante de uma mulher casada”

 

“Apaixonei-me por uma colega de trabalho e envolvi-me com ela, apesar de saber que ela é casada. Agora não consigo esquecê-la nem terminar com a relação e tenho imensos ciúmes quando ela volta para casa para junto do marido.

Jorge, Cacém

Caro leitor,

 

Viver dividido, constantemente, entre a espada e a parede é difícil. Na verdade gostaria de ter a pessoa que ama inteiramente ao lado, sem ter que partilhá-la com mais ninguém. Porém, é bom que tenha a consciência de que se já tentou mostrar que a desejava ao seu lado de uma forma permanente e ela não mostrou grande interesse em deixar a família para partilhar a vida consigo, será bastante difícil não ficar para segundo plano. Desta forma, cabe-lhe a si refletir no que deseja para a sua vida daqui para a frente, visto que a pessoa que ama não pretende deixar a vida familiar. Pense na sua felicidade e veja se vale a pena estar a investir numa relação em que vai estar sempre em segundo plano. Contudo, aconselho-o a abrir o seu coração mais uma vez e deixe-lhe bem claro que a sua realização passa pelo facto de tê-la ao seu lado e partilharem o mesmo lar.