Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Sexo na gravidez!?”

 

 

“Estou grávida de 5 meses e desde que soubemos que eu estou grávida temos evitado fazer amor. O médico diz que não faz mal, mas nós temos receio.”
 
Teresa, Portimão
 
 
Cara Leitora,
 
Pelo que parece já tiveram um parecer médico que não colocou qualquer entrave às relações sexuais, por isso tranquilize-se. Se a gravidez estiver a decorrer dentro da normalidade não existe qualquer problema em ter relações sexuais. Obviamente, o acto sexual deve ser interrompido caso ocorram perdas de sangue, dores abdominais ou outros sintomas e aí devem solicitar de imediato a intervenção médica. Tanto o leitor como a sua esposa devem agir com tranquilidade e se as dúvidas persistirem não hesitem em conversar com o vosso médico assistente. O facto de estar grávida não quer dizer que não possa viver a sua sexualidade de forma plena e satisfatória.

 

Disfunção Erétil

De todos os problemas sexuais que os homens enfrentam, a disfunção erétil é a mais comum, e inclui vários problemas, desde a capacidade de manter a ereção por um curto período até conseguir obtê-la de todo. É muito normal que os homens passem por isto em algum período das suas vidas.

Uma das causas mais comuns da disfunção erétil é uma condição na qual embora o sangue aflua ao pénis da forma habitual durante a ereção, volta de novo para trás e o pénis fica flácido. Isto acontece devido ao sistema de bloqueio, que normalmente mantém o sangue dentro do pénis, deixar de funcionar convenientemente. Este problema pode ser ultrapassado utilizando um anel concebido medicamente que encaixa à volta da base do pénis.

Os problemas de ereção podem ter uma origem psicológica. Por exemplo, se estiver preocupado com o seu desempenho sexual, ou com sentimentos de inadequação, culpa, ou ressentimento, estes podem manifestar-se como uma incapacidade de ter ou manter a ereção. Esta forma pode ser muito fácil de diagnosticar porque será capaz de ter uma ereção por vezes, mas não com uma parceira. A terapia sexual é geralmente a melhor forma de tratamento deste problema.

 

 

“O que são esferas anais?”

 

“Tenho uma vida sexual ativa com o meu marido e ambos gostamos de dinamizar a relação e experimentar novidades, pelo que consultamos várias páginas da Internet relacionadas com o assunto. Encontrámos esferas anais e gostávamos de as experimentar, mas não sabemos exatamente de que se trata ou para que servem, será que pode esclarecer-nos?”

 

Teresa, Seixal

 

Cara leitora,

As esferas anais são um brinquedo sexual para mulheres e homens, que podem ser usados a sós ou na companhia do parceiro, sendo uteis para a iniciação ao sexo anal. Consistem em pequenas esferas feitas de um material macio como silicone ou plástico, que se assemelham a uma espécie de colar de pérolas já que estão unidas por um fio de nylon ou e outro material resistente. Enquanto algumas têm um toque mais macio, outras podem texturas. Inserem-se uma a uma no ânus, suavemente, podendo ser puxadas para fora pelo fio no momento do orgasmo, ou em qualquer outra altura. Podem ter tamanhos diferentes, devendo começar-se por usar esferas mais pequenas para ir então progressivamente aumentando de tamanho, pois para algumas pessoas as esferas maiores proporcionam uma maior excitação e intensidade de prazer, pois como o ânus tem muitas terminações nervosas o contato com as esferas pode provocar sensações muito intensas, tanto quando são introduzidas como no momento em que são retiradas. Tenham sempre em conta que o uso de lubrificante é muito importante no sexo anal, para evitar romper tecidos que são muito sensíveis. Como todos os brinquedos sexuais, deverá também ter os devidos cuidados de higiene e limpeza com as suas esferas anais.

 

“Gostaria de ver filmes pornográficos com o meu marido”

“Gostava de falar com o meu marido sobre filmes pornográficos pois excita-me imenso a ideia de os vermos juntos e, até, pormos em prática algumas cenas. Mas tenho medo que, ao visionarmos este tipo de filmes, se torne um hábito e afecte a nossa relação, ou que ele pense que já não me excita naturalmente, sem recorrer a fantasias. Como devo proceder?”

 

Carla, Coimbra

 

Cara Leitora,

Não há nada como experimentar! Se acha que o seu casamento necessita de uma reviravolta em termos sexuais, o visionamento de filmes pornográficos em conjunto pode ser estimulante para dar um novo alento e para implementar alternativas às relações sexuais que têm mantido. Ninguém é melhor do que a leitora para saber qual será a reacção do seu marido relativamente a este tipo de assunto. Se ele for uma pessoa muito reservada e que se reja por valores e conceitos tradicionais, será melhor ir com calma para ver de que modo poderá introduzir esta inovação nas vossas vidas. Ao visionar este tipo de filmes com o seu marido vai permitir que haja uma maior cumplicidade entre ambos e uma nova perspectiva do sexo. Esta prática pode oferecer a possibilidade de se sentirem excitados só pelo simples facto de observarem outras pessoas a terem relações sexuais, ou seja, serem voyeurs dentro dos limites da segurança, na privacidade do vosso lar. O simples visionamento pode provocar no seu marido uma estimulação diferente e uma relação sexual muito satisfatória. Em relação a si poderá verificar que a visualização deste material explicitamente erótico será um dos melhores e mais rápidos caminhos até ao orgasmo, facilitando o acto sexual.

O prazer dos afrodisíacos

Aphrodisiac-Foods-Cherries.jpg

 

Para assegurar a sobrevivência das nossas espécies, a questão do sexo e da comida são as necessidades básicas humanas. A procura da felicidade erótica, e a caça de substâncias que promovam isso, é uma área tão antiga como o aparecimento da civilização.

 

Mostrarei como identificar afrodisíacos que estão cientificamente provados e a conduzi-lo a criar deliciosas refeições afrodisíacas, rápidas, simples e fáceis, para que tenha muito tempo e energia para a sobremesa. Também incluímos comidas que são historicamente conceituados para melhorar o desempenho sexual, mas ainda não passaram pela rigorosa avaliação cientifica.

 

Cozinhar e comer é como fazer amor. Os mesmos cheiros e sensações, vista, sabor, ouvir e tocar – têm um papel importante na cozinha e no jogo da paixão. Só por cozinhar uma boa refeição, está a entrar num ato erótico. E mais, afrodisíacos e sexo são realmente bons para si. Muitos estudos científicos mostraram que o aumento da vida sexual e boas relações promovem o bem estar.

 

Desde o inicio dos tempos até hoje

Os afrodisíacos têm feito parte da existência humana e do regime humano desde o início dos tempos. Os caçadores africanos devoraram órgãos crus de leão. Os romanos preferiam pénis de lobo selvagem e sémen de crocodilo, e os egípcios, serpentes venenosas. Parar assegurar a virilidade na noite de núpcias, os noivos prussianos comiam testículos de boi, javali ou urso. Hoje, pénis de tigre ou chifres de rinoceronte ainda são considerados afrodisíacos na China. Os melhores amantes e os escritores mais apaixonados enfatizaram o poder dos afrodisíacos.

 

Qualquer refeição é uma ocasião para celebrar a sensualidade e brindar ao amor, romance, família, e vida. Boa comida servida numa cama de romance conduz à felicidade, saúde, longitude, amor, vida sexual satisfatória.

 

Desde o bolo de carne até ao bolo de queijo

Comida e sexo estão intimamente ligados aos nossos corpos e mentes. Mesmo a nossa linguagem associa comida e sexo. Basta considerar termos usados no jogo da atividade sexual – carne, bolo de queijo, pastel doce.

Há muitas razões pelas quais os afrodisíacos tem o poder de inflamar os nossos sentidos, a nossa imaginação, e aumenta a nossa libido. Os afrodisíacos funcionam em muitos níveis, e vários factores influenciam: químico, sensorial, emocional, romântico, social e factores energéticos.

 

O fator químico

Existem dezenas de comidas, as quais têm se verificado que aumentam a atividade sexual e o nosso apetite sexual e capacidade. Ao contrário do Viagra, estes estimulantes naturais e reforços físicos não têm efeitos negativos como dores de cabeça, diarreia, infeções urinárias. Existem muitas comidas de que falaremos que funcionam como o Viagra, reforçam os níveis da molécula de óxido nítrico, que regulam as ereções.

 

O fator sensorial

Comer é uma atividade íntima, sensual e sensorial que pode estimular os nossos apetites sexuais se as comidas certas estão bem preparadas e consumidas. As comidas lembram-nos o sexo por causa do seu sabor, textura, ou aparência: marisco salgado, por exemplo, sabe e cheira como os fluidos sexuais. Já para não dizer que é rica em nutrientes que ajuda a aumentar os níveis hormonais e melhorar a função sexual.

 

O fator emocional

Preparar a comida para cada um, é um meio de dar e receber amor. Como quando se faz amor, quando alguém cozinha para si, você sente-se alimentada, e quando você cozinha para alguém, você alimenta e cuida dele. As emoções manifestadas por uma boa refeição e por um bom sexo são as mesmas. Sentimo-nos quentes, nutridos, bem cuidados, protegidos, valorizados, e emocionalmente seguros. Noutras palavras "amada"! "O caminho para o coração do homem, é através do estômago" pode ser um mito, mas é verdade.

Memorias, emoções, e os sentidos estão interligados. Em muitas alturas os factores emocionais e sensoriais interagem uns com os outros para provocarem reacções extraordinárias. O aroma sensorial da comida pode evocar poder emocional e aumentar as respostas sexuais.

 

O fator romântico

Tentações são a sua receita para aumentar a criatividade na sua vida, estimular o sexo, e induzir a terem tempo um para o outro. Explore o nosso livro e descobrirá que fazer uma refeição romântica, uma ou duas vezes por semana é a chama necessária para o melhor sexo e para aumentar a intimidade. Combinando um tempo e um encontro por semana com o seu parceiro, você assegurará um bom tempo juntos. É excitante, antecipar essa data e divertido pensar como e com quais afrodisíacos vocês se seduziram um ao outro.

“Não consigo ter prazer…”

“Sempre gostei de praticar sexo, mas nunca consegui atingir o orgasmo, apesar de já ter tido vários parceiros. Será que o problema é meu? As minhas amigas já me disseram que poderei ser frígida...”

Sara, Carcavelos

 

Cara leitora:

A anorgasmia, ou ausência de orgasmo, é infelizmente bastante frequente nas mulheres. Essa situação deve-se, normalmente, a factores do foro  psicológico, como uma educação severa, crenças religiosas, ou ansiedade durante a relação sexual. Se essa for a questão…lembre-se que não há nada de mal no sexo. É algo que faz parte da vida de todos os seres, é tão natural como respirar. Comece por conhecer o seu próprio corpo, através da masturbação, para que depois possa ensinar ao seu companheiro quais as partes do corpo que são mais sensíveis. Se achar necessário, aconselho-a a marcar algumas sessões com um terapeuta sexual.

“Tenho mais prazer quando me masturbo!”

“Gosto muito do meu namorado e ele excita-me imenso, mas na hora H não funcionamos bem. Apesar de sentir prazer não consigo chegar ao orgasmo quando estou com ele, e a verdade é que tenho mais prazer quando me masturbo. O que posso fazer? Gosto dele mas queria ter uma relação sexual mais satisfatória!”

 

Ana Teresa, Mafra

 

Cara Leitora,

 

existe entre vocês uma certa falta de comunicação e de diálogo. Se consegue alcançar o clímax sozinha recorrendo à masturbação, isso quer dizer que consegue atingir o orgasmo se for bem estimulada. Neste ssaxualidade, o parceiro os seus pontos mais sensíveis e que servem como porta à satisfação. Não se iniba e mostre ao seu namorado os pontos que devem ser devidamente estimulados. Se não mostrar ao seu namorado onde, de facto, reside a sua sensibilidade, provavelmente terá que recorrer muito mais vezes à masturbação para atingir o prazer que deseja. Talvez esse problema possa ser resolvido rapidamente com uma pequena conversa, onde entendam que a sexualidade é algo em que é importante dar e receber e é imprescindível ter o conhecimento do corpo do parceiro. Esta envolvência e cumplicidade são importantes para o bem-estar sexual do casal.

Não lhe apetece fazer sexo!

 

 

Amo muito a minha esposa e sempre nos demos muito bem a nível sexual, mas desde que ela teve o nosso filho, há 6 meses, já não tem vontade de fazer amor comigo…”

Luis, Lisboa

 

Caro leitor,

O nascimento de uma criança é sempre um período de adaptacao tanto a nível do relacionamento como a nivel sexual. Deixar de ter relações depois de ter um filho é bastante comum para vários casais. Alterações hormonais, depressão pós-parto ou cansaço são muitas vezes associados a diminuição de desejo, mas estas não são as únicas razões. É perfeitamente seguro ter relações após o nascimento do bebé, desde que a mulher se sinta psicologicamente e fisicamente preparada para tal. Aconselho-o a tentar aliviar algum do trabalho da sua esposa com o bebe, arranjem uma ama, ou alguem de familia que tome conta do bebe para que voces possam passar tempo juntos, criem novos cenários e fantasias, passe uns dias fora sozinhos, e isto irá ajudar o vosso relacionamento.

 

“Levo muito tempo a atingir o orgasmo…”

“Tenho 25 anos e sempre levei mais de 20 minutos para conseguir atingir o orgasmo, o que parece aborrecer o meu namorado, será que está algo errado comigo? É comum as outras mulheres levarem assim tanto tempo para conseguirem chegar ao clímax?”

 

Maria, Braga

 

Cara leitora,

O que se passa consigo não é nada de anormal, pois na verdade a maioria das mulheres leva vinte minutos, e até mais, para atingir o orgasmo. Os orgasmos quase imediatos só acontecem, em grande parte dos casos, nos filmes. Por uma questão fisiológica, as mulheres necessitam naturalmente de mais tempo de estimulação e de concentração do que os homens para atingir o orgasmo, sendo talvez por isso que o seu namorado não compreende o que se passa consigo. Converse com ele, pois se a ama desejará certamente que você também tenha prazer, e como tal não devem apressar as coisas. No que diz respeito às mulheres e ao orgasmo feminino, embora cada caso seja um caso muitas vezes quaisquer distrações exteriores, como a televisão ligada, por exemplo, ou fatores emocionais tais como uma preocupação, aborrecimento, e até mesmo o cansaço, afetam a capacidade de se concentrar no seu próprio prazer, bem como o desejo sexual. Por isso, converse com o seu namorado com honestidade, para que ele possa compreender aquilo que a faz sentir confortável e para que juntosdescubram a melhor forma de sentirem prazer e desfrutarem da vossa vida sexual ao máximo.

“Será que atingi o orgasmo?”

“Tenho 19 anos e iniciei recentemente a minha atividade sexual. Gosto bastante de fazer amor com o meu namorado mas não tenho certeza se alguma vez atingi um orgasmo com ele! Como posso saber?”

Catarina, Queluz

 

 

Cara Leitora,

Cada pessoa é um caso e por isso cada mulher pode atingir o orgasmo de forma diferente. No entanto, para que possa compreender melhor, o orgasmo é um conjunto de contrações que têm início na zona pélvica e que se alastram por todo o corpo. Estas contrações são acompanhadas de sensações extremamente agradáveis e intensas que duram alguns segundos e que transmitem uma sensação de prazer e satisfação. Porém, os orgasmos não são sempre iguais, pois uns são mais intensos que outros.

É natural que a leitora esteja um pouco confusa devido ao facto de ter iniciado há pouco tempo a sua vida sexual, deste modo aconselho-a a que, juntamente com o seu namorado, explorem os vossos corpos e descubram as novas sensações que o sexo vos pode proporcionar. Procure não tornar um momento tão especial numa obsessão, isso poderá afetar a vossa relação. Mantenha-se descontraída e dê asas à imaginação. Ainda é jovem e tem uma vida toda pela frente para fazer descobertas surpreendentes sobre a forma de como receber e dar prazer.