Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Fico muito stressado quando tenho relações!

Tenho 17 anos e ultimamente tenho andado tão stressado que cada vez que tenho relações com a minha namorada fico com torcicolos, e não sei o que fazer.

 

Diogo, Carcavelos

 

Caro leitor,

A adolescência é uma etapa da vida cheia de incertezas e emoções nas quais todos os acontecimentos do dia a dia são vividos de forma bastante intensa, principalmente aquando se dá o inicio da vida sexual. Muitas pessoas sentem sintomas físicos quando estão sob stress, o que parece ser o seu caso, uma vez que cada vez que tem relações com a sua namorada fica tão tenso que fica até com torcicolos. A não ser que o leitor  pratique umas posições que
necessitem de grandes malabarismos, a causa do seu torcicolo é de facto ansiedade, por isso tente descontrair mais nos momentos de intimidade com a sua namorada. Uma forma de aliviar o stress é a prática de desporto, ou de um hobby, o leitor pode também experimentar fazer massagens quando estiver bastante stressado, o que vai ajudar com a tensão muscular que tem sentido no pescoço.

 

“Devo fazer terapia sexual?”

“Tenho 46 anos, sou
casado há 17, mas de há uns três anos para cá eu e a minha esposa deixámos de
nos dar bem a nível sexual. Embora tivéssemos recorrido ao apoio de um
Psicólogo, continuámos com o mesmo problema. Será que consultar um especialista
em sexualidade poderá ajudar?”

Tiago, Seixal

 

Caro leitor,

Sem dúvida que sim, um sexólogo credenciado tem a
formação e o treino necessários para saber lidar com qualquer tipo de problema
do foro sexual. Se tem tido dificuldades a nível sexual com a sua esposa,
definitivamente aconselho-o a procurar um especialista. Além disso, é bastante
importante que ambos sejam sinceros durante a terapia tanto um com o outro como
com o vosso terapeuta, e que ambos participem activamente na terapia indo às
sessões, fazendo os exercícios recomendados em casa e demonstrando empenho e
vontade de melhorar, pois apenas com o empenho de ambos verão resultados.

“Não sei ser fiel!”

“Sempre tive muitas mulheres e muitos relacionamentos, por vezes até em simultâneo. Agora acho que encontrei a mulher dos meus sonhos, mas não sei se conseguirei manter-me fiel a ela.”

 

Rui, Seixal

 

Caro Leitor,

o seu problema não está na dificuldade em conquistar as mulheres mas sim em manter-se fiel a apenas uma. Para si é muito complicado manter um compromisso e estar vinculado a uma pessoa, pois isso fá-lo sentir-se como se perdesse a sua independência e liberdade. Uma relação monógama requer uma maior intimidade e empenho, além de compromisso da sua parte para com a sua parceira, coisa que o leitor tem dificuldade em fazer. Porém, neste momento a situação com que se depara é outra. A sua relação está a solidificar-se e por esta razão sente-se ameaçado, pois não consegue limitar-se apenas a uma parceira. Reflicta um pouco, pois a sua tendência para a poligamia é provavelmente um mecanismo de defesa de modo a evitar a entrega emocional plena a uma só mulher e a um posterior desgosto. O seu comportamento poligâmico serve também para o proteger de rejeições e relações fracassadas. Assim, as várias relações que tem em simultâneo servem apenas para mascarar o insucesso de algumas relações, pois é mais fácil ter outra pessoa para apaziguar a situação do que se confrontar com o fracasso. Uma vez que está presentemente numa relação monógama e assim a quer manter, aconselho-o a procurar a ajuda de um especialista que o ajude a ultrapassar a sua dificuldade de se entregar física e emocionalmente a uma só pessoa.

“Perco a erecção com facilidade…”

 

“A minha mulher não consegue engravidar e eu gostaria de saber se o motivo e que o depois de ejacular o meu pénis não fica erecto. “

 Vasco, Castelo Branco

 

Caro Leitor,

 Adopte uma postura mais tranquila, pois após a ejaculação é normalíssimo não continuar com o pénis erecto, uma vez que os homens têm uma fase após a ejaculação durante a qual não conseguem responder a estímulos sexuais. A esta fase dá-se o nome de período refractário. A duração deste período varia de homem para homem, porém será maior quanto mais idade o homem tiver.

 

O facto de a sua esposa não engravidar não está de forma alguma relacionado com a falta de erecção depois da ejaculação, pois uma vez que se dá a ejaculação, a erecção não é necessária para que a gravidez aconteça. Para que possam esclarecer qualquer dúvida, consultem um médico especializado, pois ele será a pessoa indicada para diagnosticar as causas dessa dificuldade em engravidar. Todavia, enquanto não consultam um médico, mantenham-se
descontraídos, porque a tensão em que ambos se encontram, causada pelo desejo de ser pais, pode ser uma das causas que dificultam a gravidez.  

“Não me apetece fazer sexo!”

“Sempre me dei bem com a minha esposa a nível sexual, mas desde que ela teve o nosso filho, há uns meses, já não tenho vontade de fazer amor com ela…”

António, Monte da Caparica

 

Caro leitor,

por melhor que seja a vida sexual de um casal, o nascimento de uma criança é sempre um período de desorganização a nível sexual. Alterações hormonais, depressão pós-parto ou cansaço são muitas vezes associados a diminuição de desejo, mas estas não são as únicas razões. Deixar de ter relações depois de ter um filho é bastante comum para vários casais. É perfeitamente seguro ter relações após o nascimento do bebé, desde que a mulher
se sinta fisicamente preparada para tal. Aconselho-o a tentar criar novos cenários e fantasias, passe uns dias fora com a sua esposa…isto irá ajudá-lo a
aumentar a libido.

“Gosto de fazer amor com o meu marido em praias, serei exibicionista?”


 

Quando vamos de férias eu e o meu marido gostamos de fazer amor na varanda dos hotéis em que ficamos, ou em praias desertas. Será que somos exibicionistas?

Ana, Sintra

 

Cara leitora,

Exibicionistas são indivíduos que sentem prazer em exibir os órgãos sexuais em público com o objectivo de perturbar ou chocar as pessoas que os estão a ver. Muitos exibicionistas exibem os órgãos sexuais em frente de escolas, parques ou lojas onde têm a certeza que vão ser vistos de forma a atingirem satisfação sexual. Parece-me que a leitora e o seu marido ficam excitados pela “possibilidade” de serem apanhados a ter relações e não pelo prazer de chocar outras pessoas ao ter relações em frente delas. Esse é um comportamento que têm apenas quando estão de ferias porque se sentem mais descontraídos e aventureiros. Assim sendo, o seu comportamento não pode ser diagnosticado de exibicionista nem pode ser considerado uma disfunção sexual, pois sentir prazer em fazer algo arriscado é bastante comum entre casais. Existem, no entanto, algumas coisas com que se devem preocupar como questões legais, pois se forem apanhados pela polícia ou alguém apresentar queixa, podem vir a ter problemas. Por isso, aconselho-os a só fazerem amor em lugares onde têm muito poucas hipóteses de serem apanhados.

 

 

“Custa-me penetrar a minha namorada em outras posições!”

  

 
“A minha namorada diz que lhe custa quando eu a tento penetrar noutras posições além da do missionário. Quando tentamos inovar ela diz que sente muitas dores durante a penetração.”
Tiago, Santarém
 
Caro Leitor,
Nem sempre a descoberta de novas posições sexuais se traduz em mais prazer para ambos os parceiros, pois algumas posições podem ser desconfortáveis, originando dores e mal-estar, o que parece ser o caso da sua namorada. Procurem experimentar posições novas, mas apenas depois da sua namorada estar bem lubrificada, desta forma ambos poderão aproveitar da melhor forma esse momento de entrega e partilha. Procurem ser cuidadosos nas posições que adoptam e se mesmo assim as dores persistirem não hesite em aconselhar a sua namorada a consultar um médico. Não percam essa vontade de continuar a dinamizar a vossa vida a dois.
 

“Já estou farta do vibrador!...”

 

 “Tenho uma relação estável com outra mulher há já 4 anos. Procuramos sempre animar a nossa vida sexual e experimentar coisas novas, há uns meses comprámos um vibrador, que temos utilizado desde então. Acontece é que eu já estou farta e ela continua a insistir em usá-lo.”
Soraia
 
 
Cara Leitora,
O uso de objectos que proporcionem maior diversão nos momentos de intimidade e diminuição da rotina são sempre saudáveis. Actualmente, é bastante normal que casais tanto homossexuais como heterossexuais visitem sex-shops à procura de novas formas para dinamizar a vida sexual e fugir à rotina. Todavia, não tem de consentir no uso de objectos ou em brincadeiras com as quais não está de acordo. Não é legítimo que a sua companheira exija a sua participação em práticas sexuais que não são do seu agrado, por isso, converse com ela e mostre-lhe que a vossa sexualidade apenas resulta se ambas concordarem e tiverem motivação para participar nas aventuras eróticas. O sentido de obrigatoriedade fará com que a leitora, progressivamente, vá perdendo a vontade de estar intimamente com ela. Mostre-lhe que prefere partir à descoberta de outras coisas e que nesse sentido a vossa performance sexual apenas beneficiará com isso, principalmente se estiverem ambas empenhadas.
 

“Ele queixa-se que não lhe faço sexo oral!”

 

“Namoro há 6 meses e o meu namorado queixa-se que eu não lhe faço sexo oral. Será que o tenho de fazer apesar de não gostar?...”

Natália, Guimarães

 

Cara leitora:

Claro que não tem de fazer nada com o qual não se sinta confortável. No entanto se sexo oral é algo assim tão importante para o seu namorado pode tentar identificar o que é que não gosta no acto em si…pois existem várias maneiras de tornar o sexo oral mais agradável. Por exemplo, se for uma questão de higiene peça ao seu namorado que tome um banho antes de terem relações, se o problema for o gosto experimente usar lubrificantes com sabores, ou se tiver medo de engolir o sémen use um preservativo. No entanto, se não gosta mesmo de fazer sexo oral, e não encontra forma de o tornar mais agradável, não o faça contrariada. Explique ao seu namorado que não gosta de o fazer e tente descobrir outro tipo de preliminares que ele goste.

 

Tema de hoje: adolescência

 

“Tenho 16 anos e costumo partilhar com as minhas amigas tudo o que me acontece. Num destes dias falámos sobre a nossa primeira vez, todas elas comentaram que já tinham tido relações, mas eu menti por vergonha, pois a verdade é que ainda sou virgem. Tenho medo, pois os meus pais estão sempre a dizer que sou muito nova e que ter relações na minha idade é perigoso. Isso é realmente verdade?”
 
Sara, Beja
 
Cara Leitora,
A sua questão é um dos temas mais sensíveis na vida de uma adolescente. Para que possa dar esse passo tão importante é necessário que se questione se está preparada para tal e para enfrentar todas as mudanças que daí poderão surgir.
A preocupação dos seus pais é legítima, procure compreendê-los. Não faça nada na sua vida, seja no âmbito da sexualidade ou noutro, só para agradar ou ser aceite pelo grupo. Se cometer o erro de fazê-lo está a provar antes de mais a si própria que é imatura, o que é a prova mais do que evidente de que não está preparada para o fazer!
Lembre-se que existem alguns riscos, tais como as doenças sexualmente transmissíveis, a gravidez e as mudanças psicológicas e físicas, e tenha em conta as precauções devidas para os minimizar. É importante saber que não se deve sentir pressionada a fazer algo que não deseja, dê o primeiro passo apenas quando se sentir preparada e considerar que é o momento certo e a pessoa com quem deseja partilhar essa etapa tão importante da sua vida.