Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Todos os universitários fazem sexo?”

“Sou um estudante universitário e por vezes tenho a sensação de que sou o único que não tem relações sexuais, ainda por cima continuo a ser virgem. Será que os outros também não fazem sexo, embora apregoem que sim?”

 

Pedro, Braga

 

Caro leitor, 

Ainda que fosse o único rapaz virgem da sua universidade isso não faria de si um a pessoa com um comportamento “anormal”, ou diferente dos outros. No que  à sexualidade diz respeito, fazer aquilo com que se sente bem é a regra principal. Se não está ainda confortável com a ideia de iniciar a sua vida sexual, é porque ainda não chegou o momento de o fazer, e independentemente da experiência que os seus colegas tenham você não tem de os imitar apenas para “não ficar para trás”. A percepção que os alunos universitários têm da vida sexual dos seus colegas nem sempre corresponde à realidade, pois nesta fase da vida a necessidade de afirmação e de impressionar os outros pode fazer com que muitas vezes as pessoas apregoem mais experiência do que efectivamente têm, tanto para causar impacto como para disfarçar e esconder as próprias inseguranças que, acredite, até os seus colegas que se dizem mais experientes também têm. Por outro lado, o meio universitário propicia um tipo de contacto que pode não ir à consumação do acto sexual, um colega seu pode dizer-lhe que passou a noite após uma festa com uma rapariga sem que tenham necessariamente tido relações sexuais. Dentro destas existem também variáveis, por vezes as carícias podem chegar ao sexo oral mas não ir além disso, outras vezes podem ficar-se por alguns beijos mais escaldantes. Assim, “passar a noite com alguém” não implica necessariamente uma vasta experiência sexual, por isso não se deixe impressionar por aquilo que lhe contam, siga o seu percurso académico normal e, quando encontrar uma rapariga com quem sinta vontade de ir mais longe, deixe que aconteça de forma natural.