Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Posso ter relações sexuais com o meu marido sem prejudicar o meu bebé?”

Tenho 29 anos e estou grávida de 10 semanas. Gostaria de saber se posso ter relações sexuais, pois sinto imensa vontade e não consigo imaginar passar tantos meses sem ter sexo! É seguro para mim e para o bebé? Quais as posições mais indicadas?

Cátia, Vila Real

 

Cara leitora,

Se a sua gravidez está a decorrer dentro da normalidade, ou seja, se não está a ter quaisquer problemas de saúde que possam colocar em risco o feto, então não deve haver qualquer problema em ter relações sexuais com o seu marido. No entanto, recomendo que tenha relações sexuais de forma mais cuidadosa e sem grandes acrobacias, e que consulte o seu obstetra para ter a certeza que não há quaisquer objecções a que tenha uma vida sexual activa. Quanto a posições, por agora, pode ter relações sexuais na maioria das posições uma vez que a sua barriga não está ainda muito grande; quando a sua barriga começar a crescer, então deve ter mais cuidado e escolher posições que sejam mais confortáveis para si, tais como ficar deitada de lado. Se em qualquer altura sentir dores fortes páre imediatamente e consulte um médico se esse desconforto persistir durante algum tempo.

“Não consigo atingir o clímax!”

“Sou casada e tenho uma vida sexual activa, mas de há algum tempo para cá não consigo atingir o orgasmo e não entendo porquê!”

 

Marina – Nisa

 

Cara Leitora:

O facto de não conseguir atingir o orgasmo pode ter várias causas: andar mais cansada do que o habitual, estar a passar por um período de desequilíbrio emocional ou uma crise matrimonial, estar a fazer algum tratamento médico cuja medicação bloqueie os receptores de serotonina no cérebro (o que pode dificultar o orgasmo), ou simplesmente andar a pensar demais nesse problema. O facto de antes de começar a relação sexual pensar que pode não atingir o orgasmo já é meio caminho andado para que isso acabe por acontecer. Liberte-se de todo o stress e preocupações que a rodeiam, procure relaxar bastante, se puder goze um fim-de-semana romântico com o seu marido, e verá como o clímax acabará por chegar.

“O que é um 69?”

“O meu namorado quer variar as nossas actividades sexuais e quer praticar um 69. Eu acho que isso é tipo sexo oral, é verdade?”

 

 

Cara leitora:

Esse termo designa duas pessoas a fazerem sexo oral ao mesmo tempo uma à outra. Quando duas pessoas praticam esta actividade em ficam de cabeça para os pés um do outro, pode parecer o numero 69. Aproveite esta oportunidade de dar e receber prazer ao mesmo tempo.

 

Dicas Sexuais

 "Tente levar o seu amante ao orgasmo usando apenas a boca e a língua. Demore o mais possível afastado de áreas óbvias - vai notar que o toque da sua boca nos sítios menos prováveis excita o seu parceiro de forma inacreditável!"

 

(Segredos do Sexo, Michelle Pauli)

 

“Quais são as DST?”

 

Iniciei a minha vida sexual há pouco tempo, e apesar de utilizar preservativo estou preocupado. Gostava de saber exactamente quais são as Doenças Sexualmente Transmissíveis mais comuns, para além da SIDA.
Mário, Montemor-o-Novo
 
 
Caro Leitor,
Efectivamente a SIDA é a doença que mais é divulgada, no momento, como antes tinha sido a Sífilis. Quando diagnosticada e tratada em tempo útil, pode evitar-se o contágio de qualquer DST a outras pessoas, e consequentes problemas de saúde. Os sintomas de qualquer DST são, em alguns casos, difíceis de detectar, assim deverá ser efectuado sempre o rastreio ao nível da saúde sexual, mesmo se não evidenciar qualquer sintoma. Se por acaso pensar que foi infectado, o melhor será dirigir-se ao médico, pois não deverá deixar uma infecção destas por tratar, correndo o risco de originar mais problemas e complicações. As DST que se verificam com maior frequência são: o HIV, que conduz à SIDA; as Verrugas Genitais, pequenos e duros inchaços que aparecem junto aos órgãos genitais; o Herpes Genital, semelhante ao cieiro habitual da boca e dos lábios; a Gonorreia que, tanto em homens como em mulheres, poderá ser evidenciada por sensação de ardor ao urinar, só se trata com penicilina; a Sífilis a qual deverá ser detectada logo na fase inicial, pois poderá afectar a saúde de todo o organismo podendo mesmo levar à morte; a Clamídia ou Uretite não específica, na qual os sintomas são semelhantes aos da Gonorreia; a Tricomoníase que é causada por um parasita e que provoca infecções do tracto urinário; a Pediculose Púbica que é causada por piolhos, os quais provocam uma comichão intensa na zona púbica; a Vaginite que, geralmente, é causada por uma bactéria devido à falta de higiene adequada da mulher. Como tal, deverá estar atento a quaisquer sinais fora do normal, tanto em si como no seu parceiro, de modo a que sejam tratados na fase inicial. Claro está que a melhor técnica a adoptar será o sexo seguro, isto é, cada vez que tiver relações sexuais, o melhor caminho para a prevenção será o uso regular do preservativo.

“Quero fazer sexo anal!”

 

“Sempre tive o desejo de experimentar fazer sexo anal, mas tenho algum medo de o dizer à minha namorada pois acho que ela não vai aceitar muito bem esta ideia. Como devo abordar o assunto?”
 
Ricardo, Vila Franca de Xira
 
Caro Leitor,
 O sexo anal é um tabu para a grande parte das mulheres. Deve falar sobre esse assunto de forma cuidadosa sem que a sua namorada se sinta obrigada a concordar. Exponha-lhe a sua fantasia dando sempre a entender que não ficará magoado se ela lho negar, mesmo que até fique um pouco desapontado. Assegure-lhe que não a forçará a nada e que se decidirem fazê-lo, parará se ela assim o pedir. Caso a sua namorada concorde com a prática, não se esqueça do lubrificante, que é fundamental nesta situação!
 
 

“A vasectomia vai prejudicar o meu desempenho sexual?”

 

“Tenho 45 anos e o meu médico aconselhou-me a fazer uma vasectomia. Eu e a minha esposa temos algum receio de que a pílula falhe e não evite uma gravidez, pois com esta idade seria uma gravidez de risco. Também não queremos que ela seja sujeita a uma intervenção cirúrgica mais dolorosa e penosa. Será que depois de fazer uma vasectomia não conseguirei ter o mesmo desempenho como actualmente?”

 

Ricardo, Bragança

 

 

 

Caro Leitor

 

 

A vasectomia é uma pequena cirurgia para a esterilidade planeada, não significa impotência. A vasectomia é, na realidade, uma pequena cirurgia, que demora cerca de 20 a 30 minutos e é feita com anestesia local, para que não haja dor. Na cirurgia executam-se dois pequenos cortes no escroto de forma a cortar o canal, conhecido como canal deferente, de cada um dos lados e atar as extremidades. Muitos indivíduos do sexo masculino optam por este tipo de cirurgia para que a parceira não seja submetida a uma cirurgia muito maior e muito mais séria, chamada esterilização feminina.

Isto significa que, embora os espermatozóides continuem a ser produzidos nos testículos, já não conseguem percorrer o caminho até ao pénis. No entanto, não se verifica nenhuma alteração no desempenho sexual, nem tão pouco a perda do desejo sexual.

Qualquer indivíduo que seja submetido a uma vasectomia continua a ter ejaculação, tal como antes e inclusivamente, o sémen parece exactamente igual.

Tema de hoje: ejaculação

Tenho um namoro recente e como ainda não tive a minha primeira relação, fazemos apenas nas "preliminares". No entanto, tenho uma dúvida: ele não colocou o pénis na minha vagina, mas colocou-o na entrada, forçou a entrada mas não mas não ocorreu penetração. Preciso de saber se o líquido que sai antes da ejaculação também pode causar gravidez mesmo sem penetração de facto? Ele não chegou a ejacular e eu estava no meu primeiro dia fértil, por isso tenho muito receio.
Kadhi
 
 
 
 
 
 
Cara Kadhi,
 
O líquido que antecede a ejaculação já tem alguns espermatozóides presentes e o contacto genital desprotegido pode levar a gravidezes indesejadas e à transmissão de infecções sexualmente transmissíveis. Como as probabilidades são menores do que numa relação sexual penetrativa não lhe posso dar uma resposta clara e definitiva. Se a sua menstruação se atrasar faça um teste de gravidez e confirme.
Considere ir a uma consulta de planeamento familiar para iniciar uma contracepção eficaz, pois a sexualidade é para ser vivida com prazer e poucas preocupações.

“O meu marido tem um pénis pequeno”

 

 

“Estou casada há 5 anos e sempre achei
que o meu marido tinha um pénis pequeno. Apesar de não termos problemas a nível
sexual eu gostaria de saber se existe alguma forma de aumentar o tamanho do
pénis?”

Sara, Portimão

 

 

Cara leitora,

O tamanho do pénis
varia de homem para homem, mas geralmente essas variações não são muito grandes
e a grande maioria dos homem tem um pénis cujo tamanho permite a satisfação da
parceira. Existem no entanto alguns casos excepcionais nos quais o pénis é
extremamente grande ou extremamente pequeno, o que provavelmente não é o caso
do seu marido, pois quando digo pequeno estou a referir-me a alguns
centímetros. Existem de facto formas de aumentar o pénis tal como a cirurgia,
coisa que não recomendo a ninguém, pois a cirurgia apenas permite um aumento de
mais ou menos 1 centímetro, o que não justifica o seu custo, as dores durante a
recuperação e o risco de perda da sensibilidade no pénis. Existe outra forma de
aumentar o tamanho do pénis; a utilização de um género de prótese de extensão
que cobre o pénis da mesma forma que o preservativo. Esta manga é feita de
silicone e tem por objectivo aumentar o tamanho do pénis. A utilização desta
prótese pode parecer um pouco estranha para si, mas é a única forma de aumentar
o tamanho do pénis do seu marido sem ele ter de recorrer a cirurgia. Se quiser
converse com o seu marido e veja se ele está disposto a experimentar este
produto. De qualquer forma se a leitora não tem problemas de nível sexual com o
seu marido, significa que o tamanho do pénis não constitui um impasse para o
vosso prazer.

 

Posso ser infértil?

Há relativamente 6 meses, em consulta ginecológica de rotina, através de ecografia endovaginal, o meu médico descobriu um quisto no útero, disse que não seria nada de grave, mas fica sempre algum receio, principalmente no que diz respeito a saber se poderá influenciar uma gravidez ou não. Há algum tempo que não tomo a pílula. Mas não engravido. Será que o facto de não tomar a pílula pode agravar o quisto? Posso ser infértil?

 

Cátia Dias

 

Cara Cátia,

 

A existência de quistos pode sempre causar problemas na concepção, tanto ao nível da implantação do embrião no útero como em permitir que os espermatozóides cheguem ao óvulo. Uma vez que tem tentado engravidar sem sucesso, aconselho que consulte novamente um médico, talvez um médico diferente para que possa ter uma segunda opinião.

Boa Sorte!