Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Tamanho do pénis”

“Tenho 30 anos e sou um pouco complexado em relação ao meu pénis, pois acho que este é muito grande. A minha namorada já se queixou que lhe dói quando a penetro, e isso deixa-me ainda mais constrangido. Como posso fazer para não a aleijar?”

Filipe, Guarda

 

 

Caro Leitor,

O segredo para que a sua namorada não sinta dores durante a penetração é que ela esteja bem lubrificada e descontraída. Dediquem mais tempo aos preliminares e assegure-se que ela está completamente relaxada e excitada antes de a penetrar. O uso de lubrificantes pode também tornar a penetração mais fácil e menos dolorosa. Procurem novas posições, pois a profundidade da penetração varia de acordo com a posição escolhida. Mostre à sua namorada que se preocupa com o seu bem-estar e deixe que ela comande a acção, para evitar magoá-la.

“Posso transmitir Hepatite C?”

“Há uns anos atrás contraí Hepatite C através de uma transfusão de sangue e tenho algum receio de poder propaga-la ao meus namorado através do ato sexual. Que tipo de precauções podemos tomar? Também se pode transmitir através do sexo oral?”

 

Ana, Covilhã

 

Cara leitora,

 

O vírus da Hepatite C transmite-se sobretudo através do contacto com o sangue infetado de uma pessoa ou de produtos que tenham estado em contacto com ele, nomeadamente através da transfusão de sangue ou do transplante de órgãos ou da partilha de seringas não corretamente esterilizadas, ou também através de cortes e feridas. De entre os vírus da Hepatite, a Hepatite C é aquela que tem menor risco de contágio, principalmente no contexto de um relacionamento monogâmico de longa duração, sendo pouco provável que se possa transmitir via sexo oral. Usar preservativo ajuda a diminuir o risco de transmissão do vírus.

“Ele ejacula tarde!”

ejaculaç

 

Enquanto que eu atinjo o orgasmo bastante depressa, o meu marido demora bastante tempo a atingir o orgasmo. Será que estou a fazer alguma coisa errada?”

Inês, Évora

Cara Leitora,

Não se sinta preocupada pelo facto de o seu marido demorar mais tempo a ejacular do que você, pois certamente isso não está relacionado com nada que a leitora esteja a fazer. Cada pessoa demora o seu tempo até atingir o orgasmo e são raras as vezes que um casal consegue atingir o clímax simultaneamente. Existem factores que podem contribuir para que o homem demore mais tempo para ejacular, nomeadamente a toma de medicamentos para a depressão e ansiedade. Alguns destes medicamentos chegam a ser receitados a homens que sofrem de ejaculação precoce. Se o seu marido estiver sob o efeito de algum tipo de medicação, aconselhe-o a consultar o médico e a perguntar quais os efeitos que esses medicamentos podem ter na sua vida sexual. Se necessário, peça ao médico que lhe receite uma medicação diferente. 

Os antidepressivos acabam com o prazer?

seks.jpg

 

"Tenho 38 anos e embora a minha vida sexual sempre tenha sido boa noto algumas alterações ultimamente que me estão a deixar preocupada. Passei por uma depressão há pouco tempo e como ainda estou a tomar antidepressivos gostava de saber se são eles os responsáveis pela diminuição do prazer que sinto".

Cátia - Lisboa

 

Cara leitora,

Alguns antidepressivos, bem como medicamentos para a redução da ansiedade, têm como efeito secundário a diminuição do interesse sexual e dificuldade em atingir o orgasmo. Medicamentos como o Prozac ou Zoloft são notórios neste âmbito. O antidepressivo que está no mercado e que tem tido menos efeitos secundários a nível sexual e o Zoloft. É bem provável que pelo facto de estar a ser medicada com antidepressivos o seu desempenho sexual tenha sido afetado. Converse com o seu médico a respeito do que tem sentido, e se achar necessário peça que lhe receite outro antidepressivo que tenha menos efeitos secundários, ou que altere a dose da medicação que está a tomar.

“Para que serve um anel peniano?”

 


“Tenho 34 anos e uma vida sexual ativa. Já ouvi falar de um brinquedo sexual chamado anel peniano, gostava de saber para que serve e quais são os benefícios da sua utilização. Já tenho ido às sex shops mas tenho tido vergonha de pedir informações por não querer revelar ignorância, mas a verdade é que tenho bastante curiosidade e gostava de experimentar utilizá-lo. Pode esclarecer-me?”

 

Santiago, Beja

 

Caro leitor,

Não deve ter vergonha de fazer perguntas a respeito do que ainda não sabe, pois os funcionários das sex shops, como de qualquer outro estabelecimento comercial, estão preparados para esclarecer os seus clientes a respeito dos produtos que têm à venda, sendo perfeitamente normal não saber para que serve este “brinquedo” sexual, assim como muitos outros que existem no mercado. O que importa é procurar aprender e inovar a sua vida sexual! O anel peniano é sobretudo utilizado para fazer com que o pénis ereto fique maior e mais duro, e para o manter assim durante mais tempo, atrasando e intensificando o orgasmo. Consiste num anel, como o nome indica, que se coloca à volta do pénis, e que constringe o fluxo sanguíneo, de tal modo que quando finalmente ejacula a sensação é muito mais intensa, porque levou mais tempo a chegar e porque o pénis tem mais sangue contido. Existem anéis penianos de metal ou de borracha, devendo escolher o tamanho certo que se adeque a si. Os anéis de metal podem provocar alergias ou aleijar o pénis, sendo que também existem anéis penianos ajustáveis, que são mais indicados para principiantes. Tenho em atenção que a ereção deve aumentar apenas ligeiramente, se o pénis fica muito apertado então não é esse o tamanho correto. 

“Sofro muito de cólicas menstruais…”

“Tenho 19 anos e desde sempre sofri muito com dores do período. É uma sensação horrível e já não sei o que fazer para que me possa sentir melhor. As cólicas que sinto são horríveis e muitas vezes falto às aulas por causa disso.”

 

Ana, Lisboa

 

Cara Leitora,

Infelizmente a menstruação nem sempre é um momento tranquilo para todas as mulheres, pois há aquelas que sofrem bastante com cólicas, tal como é o seu caso. A estas cólicas dá-se o nome de dismenorreia, e resultam da contracção acentuada das paredes musculares do estômago, intestinos, vesícula biliar, bexiga e útero. A dismenorreia pode ser primária (dores provocadas pela condição natural de estar menstruada) ou secundária (causadas por irregularidades do aparelho reprodutor). O mal-estar associado a estas dores pode ser combatido com o recurso a anticoncepcionais com base hormonal tais como a pilula Diane 35 que evitam a ovulação, bem como com o recurso a medicamentos anti-inflamatórios, ou tratamentos mais caseiros como sacos de água quente colocados na barriga. Desta forma não há necessidade de continuar a sofrer, por isso procure a ajuda de um ginecologista, pois este encaminhá-la-á para o melhor tratamento para o seu problema.

 

“Tenho dificuldade em ter ereções…”

 

Tenho 27 anos, e há alguns anos que tenho vindo a ter dificuldades em ter ereções. Não sofri nenhum acidente e não tomo medicação, mas a situação deixa-me muito preocupado e constrangido.”

 

Luís, Almada

 

Caro leitor,

De facto a situação que descreve pode causar bastante constrangimento e ansiedade num homem, o que pode ser a causa do seu problema. Nos homens a ansiedade afeta bastante a capacidade física do sangue em chegar ao pénis e manter-se nele o tempo suficiente para ter uma ereção. Outros fatores que afetam a qualidade das ereções são o tabaco, o álcool, haxixe, alguns remédios para a queda do cabelo, diabetes, problemas de coração, pressão arterial alta, o excesso de peso, falta de exercício físico regular (pelo menos 30 minutos 3 ou 4 vezes por semana), alimentação rica em gorduras, açucares e carbohidratos. Dessa forma, avalie o seu estilo de vida e veja se existem algumas alterações que possa fazer para melhorar a sua vida sexual. 

Chocolate: o rei dos afrodisíacos

Chocolate-City.jpg

 

O chocolate é considerado como o rei da comida em todo o mundo. Quimicamente, e culináriamente, o chocolate é um dos alimentos mais mágicos e tem sido considerado por muitos como a "comida dos deuses", já foi usado como dinheiro, valorizado na medicina e, acima de tudo, considerado como um poderoso afrodisíaco. Poucos alimentos além do chocolate são tão misteriosos e têm um efeito químico tão poderoso para o cérebro e corpo. Não só porque os químicos neuroativos do chocolate produzem uma sensação de bem estar, mas também porque a perfeita combinação do doce e da gordura encontradas no chocolate (um bombom de chocolate tem 50% de açúcar e 50% de gordura) estimulam os pontos de prazer e a produção de endorfinas no cérebro. Os hidratos de carbono encontrados num bombom de chocolate também aumentam os níveis de seratonina no cérebro, um químico que eleva e estabiliza o estado de humor.

 

Soufflé de chocolate com molho de framboesas

Molho de framboesa

Prepare este molho um dia antes de se comer a sobremesa.

- 1 Xícara de framboesas frescas

- ½ Xícara de açúcar

- 1 Colher de sopa de sumo de limão

- 1 Colher de sopa de cognac

- 1 Colher de sopa de fécula de batata

Misture as framboesas com açúcar e leve ao lume até começar a ferver. Passe as framboesas por um passador para remover as sementes. Ponha mais açúcar se precisar. Bata a fécula de batata com o sumo de limão e o cognac. Ponha a ferver o creme de framboesa e misture com o preparado de fécula e deixe cozinhar até ficar espesso. Deixe arrefecer e use-o em qualquer sobremesa, fruta ou qualquer parte do corpo. Mantém-se no frigorífico por duas semanas.


Soufflé de Chocolate

- 150 gr. de chocolate de culinária

- 3 Gemas de ovos

- 3 Claras

- 1 Colher de sopa de margarina

- 1 Colher de sopa de farinha de trigo

- 2,5 dl de leite

- 4 Colheres de sopa de açúcar

- Açúcar em pó para polvilhar no fim

- Framboesas

Misture um pouco do leite com a farinha. Ferva o resto do leite com o açúcar. Derreta o chocolate em banho-maria, junte o leite morno e o leite com a farinha. Mexa tudo muito bem. Ponha em lume brando a preparação do chocolate e da farinha até engrossar e ferver. Retire do lume e ponha por cima a margarina em pedaços.

Num outro recipiente, bata as claras em castelo, de modo a que fiquem bem firmes. Junte as gemas ao creme de chocolate, misture bem e vá juntando as claras em castelo, misturando tudo muito bem, sem usar a batedeira.

Unte bem com margarina a forma de soufflé. Deite então na forma e ponha a cozer durante aproximadamente 30 minutos. No fim deite o molho de framboesa e polvilhe com o açúcar em pó.

Brincadeiras anais

o-COUPLE-SEX-facebook.jpg

 

Ao contrário dos homens, que fantasiam muito com o sexo anal, a maioria das mulheres tem um certo receio desta prática. O principal medo é de sentirem dor, o que é uma preocupação comum e justificável, já que o sexo anal pode causar algum desconforto. No entanto, seguindo algumas dicas é possível gostar, e muito, de sexo anal.

 

O ânus possui uma musculatura para expelir, e por isso com o medo e ansiedade os músculos vão contrair, o que por sua vez, pode causar a dor no sexo anal. Quando feita com cuidado e descontração dos músculos, a prática pode dar muito prazer a quem penetra, mas tambem para quem é penetrado. Existe uma rede bastante extensa de nervos que proporcionam bastante prazer e que podem ser estimulados internamente através da penetração anal, tanto no homem como na mulher.

 

A fantasia, o envolvimento e o toque simultâneo noutras áreas erógenas e no clitóris são capazes de dar ainda maior prazer e existem alguns truques que ajudam a diminuir o incómodo. Contudo, nem todas pessoas sentem prazer com o sexo anal e isso deve ser respeitado. Submeter-se porque é um fetiche do companheiro não é saudável para o casal.

 

A prática sexual só é boa se oferecer prazer aos dois. Assim, o mais importante é a mulher estar decidida a chegar a esse nível de envolvimento, livre de tensão, e, depois, contar com a ajuda do parceiro para ir com bastante calma e conseguir tirar o máximo prazer do sexo anal.

“Ejaculação retardada”

 

 “Namoro há 10 meses e o meu namorado tem ejaculação retardada. Ele contou-me que antes de mim nunca tinha sentido prazer com a parceira, comigo ele atinge o orgasmo, apesar de demorar. Sempre nos demos muito bem sexualmente e para mim a ejaculação retardada não é um não é um problema, mas eu sinto que isso o incomoda. Gostaria de saber como posso ajudá-lo.”

 

Mariana, Lisboa

 

Cara Leitora,

A ejaculação retardada é considerada uma perturbação sexual masculina da fase do orgasmo, que afecta menos de 3 por cento dos homens, mas causa-lhes bastante sofrimento, mesmo que para a parceira seja agradável ter relações sexuais longas. No entanto, para o homem, pode fazê-lo sentir-se frustrado com a sua sexualidade, a satisfação sexual e mesmo com outros aspectos da relação. Pode ser que o seu parceiro sinta estas coisas, mas também pode ser que tal não aconteça. Como uma pessoa com ejaculação retardada precisa de estimulação adicional e mais demorada para obter o orgasmo, os conselhos que lhe posso dar são de adicionar formas de estimular o seu orgasmo, não necessariamente pela penetração vaginal mas, por exemplo, depois desta. Pode deixá-lo masturbar-se a ele mesmo (progressivamente mais perto dele: consigo ao lado sem olhar, consigo ao lado a olhá-lo, consigo a tocar-lhe); até ele lhe permitir masturbá-lo, utilizando lubrificantes e perguntando-lhe como prefere que o faça. Procure brinquedos eróticos que a ajudem a aumentar a fricção peniana, para os utilizar depois de estar satisfeita sexualmente. Para além disto é importante que comunique com ele, que o descanse sobre a satisfação sexual que ele lhe dá e sobre o prazer que tira da relação com ele. Se ainda assim sentir que ele não está feliz com a vossa vida sexual, proponha-lhe procurar tratamento sexológico como casal.