Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Terei ejaculação precoce?

 
“Não sei se é por nervosismo, mas quando tenho relações com o meu namorado ejaculo muito rapidamente. Será que tenho ejaculação precoce?”
 
Gonçalo, Sintra
 
Caro Leitor,
A ejaculação precoce é a incapacidade que o indivíduo tem de controlar o acto de ejaculação. Este facto pode estar relacionado com a ansiedade, a baixa auto-estima, e o estado de tensão por querer corresponder às expectativas de uma performance sexual impressionante. Assim sendo, é importante que o leitor tente relaxar durante o acto sexual para que não tenha em mente a obrigação de ter um desempenho sexual extraordinário. Para que possa ultrapassar este problema, é importante que ambos respeitem o espaço de cada um e, essencialmente, vivam a sexualidade sem qualquer tipo de pressão. Experimentem a utilização de um produto retardante na cabeça do pénis. Este produto pode ser adquirido em sex shops e deve ser utilizado em pequenas quantidades, pois tem um efeito anestésico que diminui a sensibilidade do pénis fazendo com que o homem demore mais tempo a ejacular. Se esta técnica não funcionar, experimente utilizar a técnica "squeeze" a qual consiste em parar qualquer tipo de estimulação sexual e apertar a base do pénis com os dedos uma vez que o homem sinta que esta próximo da ejaculação.
 

Tema de hoje: Erecção e excitação

 

Cada vez que eu e o meu namorado vamos ter relações sexuais, ele chega ao momento e nunca consegue. Antes de colocarmos o preservativo ele está sempre erecto mas quando ponho o preservativo lá se vai a erecção...já é a terceira vez...será que não lhe dou excitação suficiente ou terá algum problema?
Geraldina
 
Cara Geraldina,
 
Não interprete as dificuldades do seu namorado como um defeito seu. A prova de que a Geraldina o excita muito é a de que ele tem erecção antes de tentarem a penetração. A ansiedade de lhe querer agradar e dar prazer, e outros factores que desconheço (medo de falhar, falta de experiência sexual, medo de uma gravidez indesejada, entre outras possibilidades) levam a que sinta ansiedade em vez de prazer, ao tentar a penetração e, como tal, entra num ciclo vicioso e perde a erecção.
Aconselhe-o a colocar o preservativo sozinho, fora das relações sexuais, na masturbação, para que se habitue a ele. Como a colocação requer algum cuidado pode ser isso que o está a inibir no momento da penetração e todos os homens precisam de prática. Não deixem de utilizar um método contraceptivo, pois a ansiedade não é amiga da excitação e do prazer, pelo que essa preocupação deve estar para trás das costas.
Tente acompanhá-lo a sair desse ciclo vicioso voltando à estimulação, não o deixando sozinho nem a parar de fazer amor por não terem conseguido a penetração, voltar a tentar sem o fazer sentir-se pressionado. Seja criativa no modo de lhe mostrar que a erecção não é o mais importante para o prazer que vocês podem tirar da sexualidade um do outro.

Sexo na Terceira Idade

“Sou o mais novo de um grupo de amigos e numa das nossas reuniões de final de tarde abordámos um assunto que me deixou bastante preocupado, o sexo na terceira idade. Ainda me encontro na casa dos 50 mas o que constatei, ao conversar com os meus amigos, é que a partir desta idade o desejo sexual deixa de existir. Gostaria e obter mais informações sobre este caso?”

Manuel, Tavira

 

Caro leitor,

Um grande número de homens e mulheres na casa dos 50 continuam a ter vidas sexuais bastante satisfatórias. É normal pensar-se que nas pessoas mais idosas já não nasce o desejo sexual, no entanto são eles próprios que vivem a sua vida sexual com culpa devido à educação que tiveram. Existe uma série de dúvidas em relação ao sexo na terceira idade. Por exemplo: Se podem ou não os idosos ter uma vida sexual activa? A resposta é SIM!

Na realidade os idosos não perdem o apetite sexual, apenas já não têm pressa. É claro que a frequência das relações sexuais diminui (pode perder-se alguma da capacidade técnica) mas o grau de satisfação pode ser o mesmo. Afinal, também aqui a experiência conta.

Caro leitor, a expressão “ Não há sexo na terceira idade “ está completamente errada! É um preconceito generalizado, de tal modo que os próprios protagonistas do envelhecimento vão acreditando nele, pondo de parte desejos e prazeres quando acaba o fito da reprodução, pois muita gente ainda atribui ao sexo a mera função reprodutora.

Aconselho-o a viver com calma o seu dia a dia e a desfrutar o melhor que a vida nos oferece.

 

 

“Será que sou bissexual?”

 

 

“ (…) Sempre tive namorados, inclusivamente agora tenho uma relação com um rapaz que demonstra muito amor por mim, mas eu não tenho a certeza dos meus sentimentos. Estou preocupada
porque tenho reparado que quando estou com a minha melhor amiga fico imediatamente alterada?

Cristina, Alcobaça

Cara leitora,

Neste momento apresenta uma dualidade de sentimentos que a têm deixado muito apreensiva. Sempre teve um comportamento heterossexual e sentia-se bem dessa forma. Possivelmente, o que estará a acontecer consigo é que devido às dúvidas que apresenta sobre o que realmente sente pelo seu namorado, está insegura e a sua melhor amiga é uma das pessoas pelas quais tem uma especial
afeição, o que faz com que no seu coração exista uma mistura de sentimentos.
Aconselho-a a reflectir mais seriamente sobre as suas dúvidas em relação à sua orientação sexual. Caso não encontre qualquer resposta dentro de si que a ajude a resolver este dilema, o melhor será procurar apoio a nível psicológico, para a ajudar a definir a sua orientação sexual e a ensinar-lhe mecanismos que a auxiliem na forma como deve agir perante esta situação que tanto a preocupa.

 

Apetite sexual

 

Tenho 18 anos e já iniciei a minha vida sexual há algum tempo com o meu parceiro. O que se passa é que não tenho apetite sexual. Ele por vezes queixa-se, mas eu não tenho culpa de não me apetecer. Gostaria de saber se algo de errado se passa comigo, uma vez que ainda sou muito nova. Agradeço que a publicação desta mensagem seja feita sem qualquer nome identificativo.

 

 

Cara leitora,

é ainda bastante jovem e por isso está ainda numa fase de descoberta sexual. Aconselho que converse com o seu parceiro e que em conjunto explorem com mais calma e atenção todas as suas áreas erógenas. Dessa forma tanto a leitora como o seu namorado vão descobrir o que lhe dá prazer, o que vai ajudar a aumentar o seu desejo sexual. Aconselho também que a leitora experimente a masturbação em privado, e que depois partilhe com o seu namorado o que aprendeu.

Fantasias Sexuais

 

 

 

Há alguns anos atrás este assunto era um tabu na nossa sociedade. Não quer dizer que muitos homens e mulheres não tivessem inúmeras fantasias sexuais, mas na verdade, estes pensamentos
libidinosos eram considerados pecado e, na maior parte das vezes, jamais eram revelados e poucas vezes concretizados. Hoje em dia, a mente está mais aberta a estas situações e, a verdade é que, muitas vezes, a realização destas fantasias pode salvar casamentos, que desta forma conseguem fugir à rotina.

A fantasia sexual é descrita como um desejo que um determinado indivíduo tem, de fazer algo diferente do habitual a nível sexual, que só de imaginar lhe dá um enorme prazer. É claro que existem algumas fantasias que são condenáveis, porém outras podem tornar a nossa intimidade cada vez mais saudável. As fantasias sexuais mais comuns entre os homens revelam-se na vontade que estes têm de fazer amor com uma enfermeira, uma professora ou uma empregada doméstica. No caso das mulheres, elas fantasiam com homens de farda e também com um professor, por exemplo. Os ambientes onde se possa ter uma relação sexual com alguém, são também muito fantasiados, sendo
que locais perigosos, onde haja hipótese de se ser apanhado, são os mais usuais. Falamos, por exemplo, de elevadores, em piscinas ou dentro do carro.

Não se envergonhe de realizar as suas fantasias sexuais, desde que não se coloque em perigos reais e não prejudique ninguém.

Será que entrei na Andropausa?

“Tenho 58 anos e ultimamente tenho notado diferenças a nível emocional e sexual, e por isso me pergunto se estarei a entrar na andropausa?

 

José, Tavira

 

Caro Leitor,

 

Da mesma forma que a menopausa provoca alterações no corpo e no comportamento das mulheres, a andropausa manifesta-se nos homens provocando oscilações a nível físico e psicológico. Na andropausa, os homens podem observar mudanças a nível do desempenho sexual, bem como algumas alterações físicas e psicológicas. A andropausa define-se pela diminuição do nível de testosterona no homem, resultando no enfraquecimento do desejo sexual, bem como na dificuldade em manter a erecção. Outros sintomas que podem ser resultantes da andropausa são a diminuição do nível de energia física e a depressão. Convém referir que esta não é uma regra básica, pois cada homem é um caso. Porém, se achar necessário aconselho-o a dissipar as suas dúvidas junto de um especialista.

 

“Quais são os sintomas da menopausa?”

“Gostaria de ser esclarecida sobre os sintomas apresentados pela mulher ao chegar à menopausa, dado que estou perto de a atingir.”

Teresa, Amadora

Cara leitora,

Há uma clara diferença entre a menopausa, ou seja, a última menstruação, e o climatério. Este é o processo no qual a mulher passa do período fértil para o infértil, e onde existe uma diminuição significativa da produção das hormonas sexuais. Nesta sua nova etapa, os ovários deixam de funcionar, o que leva à quebra das menstruações. Esta redução de hormonas pode provocar algumas alterações físicas e psicológicas, condicionando por vezes a sua vida afectiva e social. Os sintomas mais comuns apresentados são as sensações de calor súbito que causam algum desconforto, alterações urogenitais causadas pela falta de estrogénio, novas formas de encarar a sexualidade (falta de desejo), variações súbitas de humor (ansiedade, depressão, fadiga, insónia, falta de memória), problemas ósseos e doenças cardiovasculares. De qualquer modo, para que a qualidade de vida das mulheres aumente já está disponível a realização de tratamentos hormonais que têm como objectivo repor os níveis de estrogénio. Este tipo de tratamento nunca deve ser feito sem supervisão médica e deve ser contínuo, pois a sua paragem pode trazer consequências prejudiciais para o funcionamento do organismo.

“Encontrei o meu namorado a masturbar-se no sofá!”



“Tenho uma vida sexual feliz e até há uns dias pensava que o meu namorado também sentia o mesmo, mas dei de caras com ele a masturbar-se no sofá. Será que não gosta da nossa vida sexual?”

 

Patrícia, Castro Marim

Cara leitora,

 

Deve encarar o acto de masturbação como algo perfeitamente natural e não como um acto imoral ou indecente. Também não deve duvidar da sua feminilidade pelo facto do seu namorado se masturbar, não encarando esta situação como algo que não corre bem no vosso relacionamento ou
no seu desempenho sexual. A masturbação é uma forma de auto-satisfação, onde a pessoa já conhece as zonas do corpo que devem ser melhor estimuladas para a obtenção do clímax. Se não se sente à vontade com a situação do seu namorado procure falar com ele de modo a esclarecer o que se passa. Porém, tenha consciência que não deve exigir que o seu namorado não se masturbe. Este é um acto pessoal e íntimo. Todavia, é extremamente importante que utilizem o diálogo para não influenciar negativamente a vossa relação. Seja compreensiva e tente não repreender e julgar o seu namorado.

 

“O que é o priapismo?”

“Aqui há tempos vi escrita numa revista a palavra priapismo, e percebi que se tratava de uma
disfunção do pénis. Intrigou-me, mas já questionei os meus amigos e eles também
nunca tinham ouvido falar. De que se trata? Qualquer pessoa pode sofrer com
essa doença?”

Luís, Covilhã

Caro
leitor,

De um modo geral, o priapismo consiste numa erecção prolongada e dolorosa, que pode durar desde várias horas até alguns dias. Ao contrário do que se possa pensar, este estado não está associado a pensamentos ou a desejo sexual, ainda que a palavra derive etimologicamente do nome do deus grego da fertilidade masculina, Priapo. No processo normal de erecção o sangue segue até ao pénis e, geralmente após um orgasmo, “desce” do pénis sem que tal cause desconforto ou dor. Quando existe um problema de priapismo, o sangue não consegue “sair” do pénis como deveria, porque tem pouco espaço para circular dentro do pénis, estagnando e perdendo oxigénio. Embora o priapismo possa acontecer sem que haja uma razão evidente para tal, existem alguns tratamentos que podem potenciar essa doença. A injecção directa no pénis, usada para tratar a disfunção eréctil, pode induzir
ao priapismo, especialmente se for injectado mais do que um medicamento. Alguns anti-depressivos também podem induzir ao priapismo, o mesmo acontecendo com doenças do sangue, como anemia, leucemia, embora tal seja sempre variável de pessoa para pessoa, e nem sempre aconteça. O priapismo pode levar à impotência se não for tratado a tempo. Alguns homens optam por tratar o priapismo através de medicamentação a ajude a contrair os vasos sanguíneos, para diminuir a
quantidade de sangue no pénis. Existe, também, a possibilidade de realizar uma cirurgia, mas todos estes tratamentos são avaliados pelo médico em função do caso específico.