Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Periodo fértil

Após o fim da minha menstruação, um dia depois, fiz amor com o meu namorado e não usámos preservativo. Gostaria de saber as hipóteses de estar grávida, já que li um artigo em que dizia que os espermatozóides sobrevivem 3 dias no corpo da mulher...e que poderá haver já um óvulo por fecundar nessa altura... eu sei que não é o período fértil e que a ovulação só se inicia 15 dias depois do inicio do período, mas fiquei na duvida, porque já li que as hipóteses são muito poucas ou quase nulas e também que há hipóteses...
Posso estar grávida? Eu não estou a tomar a pílula agora e por isso preocupo-me, mas vou voltar a tomar.
Soraia
 
Cara Soraia,
 
A probabilidade de estar grávida é pequena, mas existe. Deve começar o quanto antes a tomar a pílula para evitar esta preocupação constante, que a afasta de sentir o prazer das relações sexuais.
A ovulação surge 15 dias depois do primeiro dia de menstruação, em ciclos menstruais de 30 dias, o que pode não ser o seu caso. Os espermatozóides podem sobreviver dentro da mulher entre 3 a 5 dias, dependendo do homem, mas não é fácil saber tais pormenores sobre o seu namorado. Durante alguns meses, anote num pequeno calendário ou numa agenda o primeiro dia de cada ciclo para compreender melhor o seu caso particular. Veja neste site em que intervalo é o seu período fértil: www.sexualidades.com
Marque rapidamente uma consulta de planeamento familiar ou num ginecologista para fazer uma contracepção adequada e aproveitar as relações sexuais e a sua relação. Se até lá não tiver o período, sentir os seios sensíveis, o sono alterado e excessivo, enjoos ou ânsias de vomitar (os enjoos podem ocorrer não apenas de manhã mas o dia inteiro, e podem ser agravados pela ingestão de determinados alimentos), tonturas e dores de cabeça que apesar de serem menos comuns podem também acontecer e são normais, faça um teste de gravidez comprado numa farmácia.

Os mistérios da masturbação feminina

 

 

Entre elas costuma ser um assunto proibido, mas a verdade é que as mulheres também se masturbam, simplesmente não confessam. Não é um assunto típico das suas conversas, tão natural entre quase todos os homens. A mulher masturba-se exactamente pelas mesmas razões que o
homem: obter prazer! Porém, enquanto o homem não se envergonha do acto e consegue até fazê-lo com “assistência”, a mulher não quer ajuda para masturbar-se e prefere fazê-lo sozinha, sem “público”. Elas não costumam excitar-se a olhar para fotos ou vídeos, a hora da masturbação, para o sexo feminino, é uma viagem solitária, em que atingir o prazer de olhos fechados é
uma das melhores técnicas.

É através da masturbação que pode descobrir as suas verdadeiras fontes de prazer e na hora do sexo com o parceiro tudo pode ser ainda melhor. Tocar-se ensina-lhe a perceber a força ou a suavidade
necessária que precisa para atingir um orgasmo.

A masturbação feminina ainda é vista por muitos homens como algo negativo e, muitas vezes, eles até se sentem inseguros com esta situação, pensando que as suas parceiras têm fantasias com outros.
Contudo, a verdade é que este exercício é muito positivo para as mulheres, e ajuda a melhorar a intimidade do casal. Se ela não souber encontrar prazer em si, mais dificilmente será retribui-lo ao outro. A masturbação permite à mulher prestar mais atenção a si mesma e não esperar sempre que seja o companheiro a fazer algo para atingir o clímax.

Existem várias técnicas de masturbação feminina, sendo que a mais clássica é a estimulação do clitóris e da vagina.
Para ajudá-la a obter prazer, use lubrificantes nesta hora, pois mais facilmente atingirá o orgasmo. Utilizar brinquedos sexuais, como por exemplo um vibrador, pode também tornar-se um dos métodos eficazes para obter prazer.

A masturbação feminina é também uma forma de procurar vencer a anorgasmia (dificuldade em atingir o orgasmo) e explorar o seu corpo é a melhor receita para conseguir ter com o seu marido ou namorado uma sexualidade plena.

A minha mulher tem um desejo sexual insaciável

 

Estou casado há 10 anos e ultimamente a minha mulher tem tido um desejo sexual insaciável, e eu já não sei o que fazer. Será que esta tudo bem com ela?

Simão, Tavira,

 

Caro leitor,

 

A libido tanto dos homens como o das mulheres passam por várias alterações durante a vida de cada indivíduo, e pode ser afectada quer por factores internos como externos. Ou seja, pode ser afectado por factores internos tais como a como a medicação, gravidez, ou estados de doença, como por factores externos como situações do dia a dia ou estímulos visuais, auditivos ou gustativos. Tente ver o que mudou na vida da sua mulher nos últimos tempos de forma a identificar o porque desse interesse sexual mais elevado por parte dela. Entretanto vá aproveitando esse desejo desenfreado que ela sente por si.

 

 

Acho que tenho Herpes Genital!

Tenho 34 anos e sou solteiro. Na semana passada tive umas feridas no pénis que nunca tinha tido, não sei se se trata de herpes genital, pois tive relações sexuais com um rapaz pela primeira vez e não utilizei preservativo.

 

Nuno, Lisboa

 

Caro leitor,

O Herpes genital é altamente contagioso, especialmente se houver a prática sexual sem a utilização do preservativo. A pessoa que tem herpes genital não deve ter relações sexuais quando tem feridas no pénis ou na vagina, mesmo com preservativo, pois existe sempre o risco de contagiar o parceiro. Por isso, se acha que existe a possibilidade de ter contraído essa infecção, consulte o seu médico para que possa receber tratamento, no entanto tenha em conta que apesar de haver tratamento para os sintomas, não existe cura, por isso há que ser muito cuidadoso de futuro para evitar o contágio de outros parceiros. Peça ao seu médico que lhe receite um comprimido que existe agora no mercado que, quando tomado uma vez por mês, ou quando sente que vai ter uma maior incidência da doença, evita o aparecimento de sintomas o que faz com que a vivência com a infecção seja mais fácil.

Ele tem o pénis muito grande e magoa-me!

o-TAILLE-PENIS-facebook.jpg

 
"Tenho 25 anos e comecei a namorar com um rapaz, mas ele tem um pénis muito grande, o que me causa dores durante o ato sexual. Não sei o que fazer, pois gosto muito dele."
Soraia - Vilamoura

 

Cara leitora,

Os casais que eu conheço que estão na mesma situação que a sua acabam por utilizar um gel lubrificante durante o ato sexual, bem como tentarem posições diferentes, que não magoem tanto. Pode também pedir para ele ter cuidado durante a penetração, e colocar a mão à volta do pénis para que este não a penetre de forma tão profunda. Converse com ele e experimentem algumas alternativas para ajudar a vossa relação, seguramente que com amor encontrarão formas de ajustarem a anatomia de um à do outro.

 

Leve o seu homem à loucura

bedcouple1.jpg

 

- Acorde-o com carícias na nuca, passando os dedos pelo seu cabelo.

- Despeça-se sempre dele antes de saírem de casa, com um beijo demorado que o faça lembrar-se de si durante todo o dia.

- Surpreenda-o no banho, fazendo-lhe companhia.

- Acaricie-o de forma carinhosa e em situações triviais do dia a dia, como enquanto ele está a conduzir, quando estão no cinema ou na fila do supermercado. Passe os dedos pelo braço dele, pelo peito ou pela orelha, mostrando o quanto gosta dele.

- Quando saem com outras pessoas troque olhares com ele enquanto estão afastados, reforçando a cumplicidade entre vós. Envie-lhe uma mensagem "malandra" para o telemóvel, convidando-o a encontrar-se consigo às escondidas na casa-de-banho ou nas traseiras do bar.

- Faça amor com ele antes de irem dormir, com preliminares carinhosos que vão gradualmente aumentando de intensidade. Comece como uma gatinha carinhosa e termine como uma leoa selvagem.

- Vejam filmes eróticos juntos de vez em quando.

- Faça amor com ele com sapatos de salto agulha e use os saltos para o acariciar.

Sexo Baunilha ou com sabor extra forte?

o-sex-facebook.jpg

 

A designação "Sexo Baunilha", refere-se à relação sexual convencional, por oposição ao sexo praticado em relações de BDSM. A expressão deriva do inglês "vanilla sex", por analogia com o sabor de gelados: aqueles que têm medo de arriscar podem pedir baunilha, pois será sempre aquele sabor familiar, sem surpresas nem riscos. Há, contudo, muitas pessoas para quem "extra forte" nunca é picante demais.

 

Qualquer relação sexual beneficia do "amor" e dos gestos e momentos de puro carinho e troca de carícias com meiguice e cuidado. No entanto, a vida sexual de dois adultos pode, de vez em quando, precisar de alguns elementos mais picantes e de arrebatamentos de paixão para não cair na rotina, que leva à monotonia e, por consequência, ao arrefecimento e à apatia. Nem todas as pessoas gostam de gestos impetuosos ou de soltar a fera que há em si quando têm relações sexuais, e as relações BDSM (com e sem sexo) não são para toda a gente. É importante, antes de mais, ter bem claro que nunca deve ir além daquilo que realmente deseja fazer.

 

O prazer de magoar

O sadismo é uma das atividades do BDSM, e define o prazer em infligir dor no outro, retirando deleite e satisfação do facto de estar a fazer sofrer. Para descanso dos mais suscetíveis, saiba que assim como existem sádicos, há também masoquistas, pessoas que sentem real prazer na dor que lhes é causada. Enquanto que no domínio o dominador procura ter controlo sobre o submisso, no sadismo é na dor que assenta o foco de prazer. Esta dor não é, contudo, cruel: é uma dor apaixonada, na medida em que o que a provoca deseja que ela seja sentida com paixão, e o que a sofre deseja que ela seja infligida com paixão. A excitação é aqui retirada do facto de estar submetido à vontade do outro, no caso dos masoquistas, e de humilhar, fazer sofrer, no caso dos sádicos. O facto de dominar os sentidos do outro excita o que pratica o sadismo, que se sente estimulado pelo seu próprio poder. Este é um jogo de contornos extremos, em que pode haver limites negociáveis e outros indiscutíveis, por serem mais pesados.

 

Uma questão de confiança

Tenha sempre presente que a confiança é a pedra basilar que sustém este tipo de relação. Os praticantes de BDSM (Bondage e Disciplina, Dominação e Submissão, Sadismo e Masoquismo) regem-se por três princípios básicos: ser são, ser seguro e ser consensual. Como tal, existem códigos de conduta que são respeitados. Numa relação de sado-masoquismo, por exemplo, aquele que exerce o domínio apresenta ao que se submete a ele um contrato, onde todos os limites são definidos, assim como o tempo durante o qual o submisso está sob o domínio do seu dominador. A palavra de segurança, que tem de ser acordada entre os dois, é no caso do sado-masoquismo ainda mais importante, pois é ela que define até onde o sádico pode ir. Esta palavra deve ter um significado distanciado do ato praticado, como por exemplo "tangerina" ou "amarelo", pois neste contexto dizer "pára!" ou "não!" pode ser um incentivo a prosseguir…

“Fico excitado quando ela me beija!”

“Tenho 16 anos e já me aconteceu várias vezes ficar molhado quando a minha namorada me beija. Será normal?”

 

Luís, Viseu

Caro Leitor,

Não se preocupe pois essa reacção é bastante normal, principalmente entre jovens. O que se passa consigo é uma reacção dos seus órgãos genitais às carícias da sua namorada. O facto de ficar molhado é porque tem uma erecção e acaba por ejacular. Esteja tranquilo, pois esta é uma reacção
perfeitamente normal do seu corpo por isso viva a sua sexualidade de uma forma tranquila e responsável.

“Sexo seguro entre mulheres”

“Tenho 21 aos e sou bissexual. Gostaria de saber se a prática de sexo entre mulheres é mais segura do que entre homens, ou homens e mulheres?”

Joana, Porto

Cara leitora,

Realmente a percentagem de mulheres que tem relações sexuais exclusivamente com outras mulheres que contraíram o vírus da SIDA é mais reduzida do que qualquer outro grupo. No entanto, as lésbicas podem contrair infecções sexualmente transmitidas da mesma forma que homens homossexuais ou indivíduos heterossexuais, devido à troca de fluidos e da utilização de vibradores e outros brinquedos sexuais. Por isso, a prática de sexo seguro é recomendada até entre mulheres pois só dessa forma uma pessoa se pode proteger.

 

“Como diagnosticar a infertilidade masculina?”

 

 

“Tenho tentado engravidar e não consigo. Acho que o meu marido é estéril. Como posso ter a certeza disso, sem magoar os seus sentimentos?”

 

Paula, Abrantes

 

 

 

Cara Leitora,

 

Os problemas de fertilidade podem ser diagnosticados através de exames físicos, a análise do esperma e tendo em atenção a história clínica.

É importante refazer toda a história clínica do seu marido desde a puberdade até à idade actual, de modo a verificar infecções e doenças ocorridas e a medicação tomada.

O exame físico deve ter em conta o tamanho e a textura dos testículos com o objectivo de averiguar a sua capacidade de produzir correctamente esperma. Caso este exame não aponte quaisquer problemas, torna-se necessário realizar um teste que determine o número de esperma encontrado na ejaculação.

Se se comprovarem problemas, será necessário que um especialista verifique a formação do espermatozóide e a sua capacidade de movimentação.

De forma a fazer a avaliação da fertilidade é necessário que o homem ejacule para dentro de um frasco e essa amostra deve ser entregue num laboratório nas duas primeiras horas seguintes. Um outro teste possível de ser realizado é o exame pós-coito que é feito através da recolha de uma amostra de muco uterino logo após a ejaculação do homem. Este último teste tem como intuito verificar se o muco intra-uterino tem a consistência necessária para possibilitar a movimentação do esperma.

É importante pois, que o seu marido vá ao médico e efectue todos os exames necessários, sem pudor nem preconceito pois é o primeiro passo para realizar o vosso desejo de ter um filho. Converse com ele com calma e procure fazê-lo entender que, apesar de difícil, este tipo de diagnóstico é muito importante para a vossa felicidade futura.