Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Porque tenho dores de cabeça tão fortes antes de ter o período?”

Young sad woman. | Stock Images Page | Everypixel

“Tenho 37 anos e há alguns anos que noto que um ou dois dias antes de ter o período sinto dores de cabeça fortíssimas, que às vezes se prolongam enquanto tenho a menstruação. Porque é que isto acontece?”

 

Joana, Faro

 

Cara leitora,

Estima-se que as enxaquecas que ocorrem antes ou durante a menstruação afetam uma ou duas em cada 20 mulheres, sendo mais frequentes em mulheres no final da década dos 30. Isto sucede porque parece existir uma relação entre os níveis de estrogénio e o aparecimento de enxaquecas. Esta hormona é produzida tanto por homens como por mulheres, mas no caso destas últimas a oscilação entre os níveis de estrogénio é muito maior, decrescendo no final da fase lútea do ciclo menstrual, que ocorre após a ovulação e antes do período menstrual. De acordo com estudos realizados, diminuir esta quebra nos valores de estrogénio produzido pode ajudar a atenuar a frequência das enxaquecas. Por outro lado, também há indicadores de que quando os níveis de estrogénio são artificialmente manipulados há maior tendência para ter enxaquecas. As prostaglandinas, compostos químicos semelhantes a hormonas que estão envolvidos na regulação do ciclo menstrual e no funcionamento do sistema nervoso, também podem ter uma certa ligação às enxaquecas pré-menstruais, já que, quando elas acontecem, os níveis de prostaglandinas no corpo estão no seu máximo, havendo também, muitas vezes, dores menstruais fortes. Assim, ao tomar medicação que iniba a produção de prostaglandinas é mais fácil reduzir a probabilidade de ter enxaquecas. Assim que seja possível, aconselhe-se com o seu médico para que ele possa prescrever-lhe o tratamento que é mais adequado ao seu caso.

“Cancro da mama e hereditariedade”

Triste infeliz mulher que chora com olhos de lágrimas | Foto Premium"A minha avó paterna teve cancro da mama e faleceu quando tinha 49 anos. Uma vez que eu tenho 45, receio vir a herdar também essa doença. É possível herdar pela parte masculina da família, ou o cancro da mama só pode ser herdado da família materna?”

 

Inês, Sesimbra

 

Cara leitora,

Existe de facto um certo risco de hereditariedade do cancro da mama, seja qual for o lado da família que sofreu essa doença. Ainda assim, a maior percentagem de casos de cancro da mama deriva de uma patologia genética que pode desenvolver-se conforme o estilo de vida e o processo normal de envelhecimento, havendo uma percentagem de casos que decorrem de herança genética da mutacao (BRCA1 ou BRC2) que pode vir tanto do lado da mãe como do pai. De um modo geral e muito resumido, o cancro da mama é causado por uma anormalidade genética que resulta na mutação de genes responsáveis por regular o crescimento das células no corpo e por mantê-las saudáveis. Geralmente as células substituem-se a si próprias mas, havendo uma anormalidade, isto pode não acontecer, o que faz com que as células se dividam de forma descontrolada. Quando isto sucede, as células produzem células semelhantes, que se juntam formando um tumor. Quando isto ocorre na mama, esta situação conduz muitas vezes a um cancro da mama. O cancro da mama pode afetar tanto mulheres como homens, embora seja mais frequente nas pessoas que nasceram do sexo feminino. O facto de uma pessoa da família ter desenvolvido esta doença não significa que outra a vá herdar, mas aumentam o risco, o facto de haver várias pessoas na família mais próxima que tiveram cancro da mama. Assim, aconselho a que, logo que seja possível fazê-lo com segurança, consulte o seu médico ginecologista, para que o seu caso possa ser devidamente acompanhado.

“Quero fazer sexo anal!”

“Vejo em filmes pornográficos e gostava muito de experimentar sexo anal, mas a minha namorada não quer, diz que é sujo e tem medo. Como a posso convencer? Há alguma maneira de lhe explicar que ela até pode gostar e de a levar a fazê-lo?

João, Lisboa

 

Caro leitor,

Não o posso ajudar a convencer a sua namorada, tem de ser o leitor a perceber se a relação que têm lhe permite experimentar uma prática sexual nova e se isso faz sentido para os dois. É importante fazer a sua namorada sentir-se respeitada na sua sexualidade, para que aprecie as vossas relações sexuais. O que se vê nos filmes pornográficos não é necessariamente o que as mulheres preferem nas relações sexuais.

Esta prática pode realmente ser dolorosa para a mulher, pelo que estar confiante e excitada, ao mesmo tempo que relaxada, é muito importante para que sinta algum prazer. Como é uma área genital menos flexível que a vagina há mais probabilidades de fazer fissuras ou feridas e devem ter cuidados para que tal não aconteça, pois aumenta as probabilidades de contrair infeções.

Há modos de tornar o sexo anal higiénico e confortável: usar preservativo e lubrificante à base de água, estar bem relaxada, para prevenir problemas no ânus, tentar a penetração depois de um bom período de excitação e se houver penetração vaginal deve ser com um preservativo diferente do utilizado para a penetração anal, nunca deve passar do ânus para a vagina com o mesmo preservativo. A vontade de ter novas experiências sexuais é saudável para um casal, por isso tente encontrar coisas que vos estimule aos dois: brinquedos eróticos, posições novas, novos lugares – espero que diversifique a sua vida sexual e partilhe o prazer com a sua namorada o melhor possível!

“Tenho vergonha de ejacular!”

“Tenho 15 anos e a minha primeira namorada, mas ao contrário da maior parte dos rapazes da minha idade eu gostava de me manter virgem, pois apesar de gostar da minha namorada sinto que isto não é sério e gostava de perder a virgindade com alguém mais especial. No entanto, quando eu e a minha namorada nos beijamos e entusiasmamos acabo geralmente por ejacular, algo que me envergonha. Comecei a masturbar-me quando era pequeno, porque não sabia exatamente o que estava a fazer, mas há pouco tempo tenho parado de fazê-lo porque me sinto envergonhado. Não sei o que fazer nem quero falar com o médico… pode ajudar-me?”

 

Marco, Santarém

 

 

Caro leitor,

A sua atitude relativamente ao sexo e ao envolvimento com a sua namorada é bastante adulta para a idade que tem, pois a pressa de crescer e a curiosidade em experimentar algo novo faz com que muitas vezes os jovens se envolvam sexualmente sem que haja um envolvimento emocional com a pessoa com quem se encontram. Contudo, as reações do organismo nem sempre acompanham a noção intelectual acerca daquilo que queremos em relação ao sexo, e respostas corporais como ereções, ejaculação, lubrificação vaginal e orgasmos são muitas vezes involuntários, pois o corpo reage de determinadas formas aos estímulos a que é sujeito. O que não é muito “normal” é a vergonha que sente em relação ao seu próprio corpo, levando-o por exemplo a evitar masturbar-se, quando é algo que faz parte da evolução normal e da exploração do próprio corpo e da sexualidade. Aliás, se se masturbar antes de ir ter com a sua namorada isso pode ajudá-lo a evitar ejacular quando está com ela, pois a tensão terá sido aliviada e você estará menos sensível. Deve procurar compreender as razões que o levam a sentir este bloqueio em relação à sua própria masturbação, pois não há nada de errado nesse comportamento, comum a qualquer jovem da sua idade.

 

“Amor sem desejo”

Free Photo | Sad couple holding hands“Sou casada há um ano, após 5 anos de namoro. Amo o meu marido e não tenho dúvidas quanto a isso, mas perdi o desejo sexual. Quando ele chega basta aproximar-se de mim para ficar excitado, mas eu não sinto o mesmo, apesar de sentir amor. Gostaria de saber se existe remédio estimulante que me possa ajudar.”

 

Sandra, Felgueiras

 

Cara leitora,

O desejo sexual pode ser muito diferente entre homens e mulheres: os primeiros têm-no mais espontaneamente, por estímulos visuais (vê-la de certa maneira que considera sensual, por exemplo) e as mulheres mais em resposta a qualquer coisa que lhes agrada (um gesto romântico, um jantar à luz das velas, um elogio muito esperado…). Não tem de se sentir mal consigo própria por não conseguir ter o mesmo desejo do seu marido – não há um nível “normal”, mas sim o que serve bem cada casal e vocês têm de comunicar bem os dois para encontrarem um compromisso que sirva o desejo de ambos, provavelmente menos do que o seu marido desejaria e mais do que a leitora realmente deseja.

Lembrem-se que ter relações sexuais não é apenas fazer penetração vaginal, podem explorar outras formas de se darem prazer um ao outro, como a masturbação, as carícias e massagens, sexo oral… Estas e outras formas podem ser alternativas a ter as relações vaginais e podem excitar-vos e satisfazer-vos. Pense se precisa de fazer alterações na sua vida e na sua relação para a deixarem com mais tempo para a sua sexualidade. Com efeito, se andar muito cansada, com muitas tarefas em casa e no trabalho, sem tempo de relaxamento, é difícil apetecer-lhe fazer amor espontaneamente e deve expressar as suas necessidades ao seu marido e pedir a sua ajuda.

Há também a possibilidade de fazer terapia de substituição hormonal, mas não é muito recomendável na sua idade (apenas mulheres que não desejam mais ter filhos e que estejam na menopausa). Há alguns tipos de gel lubrificantes que estimulam a circulação sanguínea na zona genital e ajudam a mulher a atingir o orgasmo. A utilização destes pode ajudar a aumentar o desejo sexual pois quanto mais orgasmos se tem mais se quer ter.

"A pílula afeta os orgasmos?"

Quer parar de tomar pílula? Aposte neste passo a passo - Go Outside 

"Vou começar a tomar a pílula e gostava que me esclarecesse a respeito de uma dúvida que tenho quanto à sua interferência nos orgasmos. Enquanto algumas amigas me dizem que torna os orgasmos mais fáceis, outras dizem-me que os dificulta. Afinal, quem tem razão?"

 

Susana, Loures

 

Cara leitora,

Os efeitos da pílula não são iguais para todas as pessoas, até porque variam de acordo com a pílula tomada. Assim, a divergência de opiniões que as suas amigas tem relaciona-se não só com o facto de serem pessoas diferentes como também, certamente, com a diferença entre as pílulas que tomam. As pílulas, sejam de que tipo forem, enganam o organismo fazendo-o "crer" que engravidou, para que desta forma não liberte um óvulo. Contudo, as respostas sexuais do nosso organismo estão fortemente ligadas aos nossos níveis hormonais e seja qual for a pílula tomada ela pode diminuir a libido em algumas mulheres. Contudo, tenha em conta que os orgasmos resultam da combinação de fatores físicos e psicológicos, e que poderá contornar os eventuais efeitos da pílula aumentando o tempo de preliminares ou estimulando manualmente o clítoris durante a relação sexual. Há mulheres que têm maiores dificuldades em atingir o orgasmo, mesmo sem tomarem a pílula. É essencial aprender aquilo que despoleta o seu prazer para que, mesmo tomando a pílula, não sofra com os seus eventuais efeitos nocivos.

"Sinto que estou a entrar na menopausa…"

"Tenho 49 anos e sinto que estou a entrar na menopausa, o meu período vem com cada vez menor frequência e tenho tido muitas alterações de humor, falta de ar e suores frios. O que posso fazer, como devo lidar com o meu corpo nesta fase da minha vida?"

Conceição, Palmela

 

Cara leitora,

A menopausa marca o fim da fertilidade da mulher e ocorre, geralmente, entre os 45 e os 55 anos de idade. Durante a fase de preparação para a menopausa – perimenopausa, os níveis de estrogénio oscilam e a ovulação torna-se inconstante. Nesta fase a mulher pode ter menstruação nalguns meses, seguindo-se de um período de ausência de vários meses. Devido às alterações hormonais que ocorrem durante a menopausa a mulher pode começar a experimentar variadíssimos sintomas, tais como afrontamentos e suores noturnos, ansiedade, irritabilidade, alterações de humor e tendência para a depressão, esquecimento, dificuldade de concentração, dores nas articulações, fadiga, secura da pele, cabelo, olhos e boca. A oscilação dos níveis das hormonas pode provocar também dificuldades físicas e emocionais durante as relações sexuais. Alguns métodos de autoajuda, bem como os Tratamentos de Substituição Hormonal, podem ajudar a restabelecer os níveis de estrogénio e aliviar os sintomas físicos. O Tratamento de Substituição Hormonal alivia os sintomas da menopausa, previne a atrofia genital e as mudanças ao nível do corpo. Pensa-se que este tratamento pode ajudar a proteger de doenças como o Cancro e a Osteoporose, mas, no entanto, há médicos que acreditam que este tipo de tratamento pode acelerar o desenvolvimento de quistos. Os Tratamentos de Substituição Hormonal podem ser prescritos em forma de comprimidos, adesivos e implantes. Os cremes de estrogénios podem ser aplicados na vulva e na vagina. A hormona Testosterona pode ser receitada para ajudar a recuperar a libido.

 

"Ela tem maior propensão para ser infiel?"  

I'm a Vegan Dominatrix. I only cage and torture consenting… | by Mistress B  | Tenderly

"A minha esposa tem uma personalidade muito aventureira em termos sexuais, o que me faz muitas vezes pensar se isso não representa uma maior propensão para me ser infiel. Apesar de a conhecer há dois anos, casámos recentemente e só depois do casamento é que ela me tem vindo a mostrar, a pouco e pouco, o quão aberta a novas experiências é. Por exemplo, apenas há pouco tempo me revelou que já participou em festas de sexo e que também tem uma queda fetichista para o sado-masoquismo, já tendo até tido algumas experiências. Tudo isto me deixa muito inseguro. Será que ela vai procurar noutro lado aquilo que eu não lhe puder dar?"

João, Massamá

 

Caro leitor,

A comunicação sincera e frontal entre o casal é a melhor garantia que pode ter a respeito do futuro da sua relação. Face a tudo aquilo que a sua esposa lhe tem vindo a revelar, é natural que se sinta inseguro, mas deve ter em conta que o facto de ela estar a partilhar consigo algo que já fez parte do seu passado demonstra que gostava de poder experienciar esse tipo de vivência consigo também, ou que pelo menos não pretende escondê-las de si. Não deve fazer nada com que não se sinta confortável, porém pode e deve abrir o seu coração e revelar à sua esposa as suas inseguranças. Se ela o ama seguramente que compreenderá e que poderá até "ensiná-lo" e iniciá-lo em algum tipo de experiências do seu agrado, descobrindo até possivelmente um novo estímulo sexual para a vossa vida a dois. O facto de uma pessoa gostar de experimentar novas situações não tem nada a ver com a infidelidade, pois desde que a pessoa sinta dentro de si a vontade de se comprometer não é por ter tido um passado mais aventureiro que irá trair um parceiro que ama.

 

"Sinto ardor quando não usamos preservativo…"

Sad woman having problems in bed with her boyfriend. - Lighthouse Health  Group

 

"Há uns meses atrás, depois de muito pensarmos sobre isso, eu e o meu noivo decidimos deixar de usar preservativo nas nossas relações sexuais, usando apenas a pílula como método contraceptivo, pois temos plena confiança um no outro. Acontece que desde então tenho sentido ardor muitas vezes, passado alguns minutos de ele ter ejaculado dentro da minha vagina. Serei alérgica ao sémen? Isto nem sempre acontece, talvez tenha a ver com o meu ciclo menstrual, é possível?"

 

Ana, Coimbra

 

Cara leitora,

Existem inúmeras causas possíveis para o desconforto e o ardor que sente. Entre elas pode estar a alergia ao sémen, mas também a vaginite, uma alteração química na sua vagina ou até mesmo fricção causada por lubrificação insuficiente. Se os sintomas se mantiverem é imprescindível que consulte o seu médico para que possa fazer o devido acompanhamento e tratamento da situação. A inflamação da vagina, um tipo de vaginite, é a causa mais provável para esse ardor, pois as bactérias e os fungos que se desenvolvem na vagina podem alterar os níveis de pH do organismo e provocar distúrbios que se refletem na forma de infeções e doenças, manifestando-se muitas vezes através de ardor, comichão e vermelhidão na parte exterior dos órgãos. O facto de só sentir ardor quando o seu noivo ejacula dentro de si pode dever-se a que o sémen seja o elemento que altera os componentes químicos da sua vagina. Uma baixa resistência imunológica, a toma da pílula ou de antibióticos, cortes ou feridas, ou irritação vaginal, são outros fatores que também o podem despoletar.

 

“Nunca acordei com uma ereção…”

Cara estranho e envergonhado desvia o olhar, fazendo beicinho indeciso |  Foto Grátis“Ao contrário do que tantas vezes se ouve falar, nunca acordei com uma ereção matinal e gostava de saber se é normal ou se isso pode indicar algum problema de saúde.”

Ricardo, Benavente

 

Caro leitor,

As ereções matinais são tecnicamente referidas como ereções noturnas interrompidas, ou ereções penianas noturnas, e podem acontecer 3 a 5 vezes por noite. Ocorrem geralmente durante a fase REM do sono (do inglês “Rapid eye movement”), que é aquela em que se têm sonhos mais vívidos, e duram aproximadamente 30 minutos. No caso de homens com mais de 60 anos, elas podem ocorrer fora da fase de sono REM. Estas ereções podem ser causadas por inúmeros fatores, sendo a teoria mais comum a de que a bexiga cheia pode estimular o plexo sacral, uma parte do sistema nervoso, o que conduz a uma ereção. Por outro lado, nesta fase do sono há maior tendência para sonhar, e os sonhos eróticos potenciam a ereção. Para além disso, os níveis de testosterona estão mais elevados de manhã e isso aumenta a predisposição sexual. Ter ereções noturnas é normal e indica, em geral, que o pénis está a funcionar de forma saudável. A total ausência de ereções noturnas pode ser indicativa de problemas de saúde, tais como diabetes ou depressão, mas não tem de ser necessariamente esse o caso. Convém esclarecer melhor a sua situação específica através de uma consulta presencial com um médico especialista.