Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Tema de Hoje: Sexualidade Conservadora

No que toca ao sexo tenho uma atitude aberta e de vale tudo, porém a minha companheira é mais conservadora. Desejo fazer sexo anal ao que ela não acede, porque diz que as dimensões do pénis são muito grandes para tal. Já lhe consegui fazer sexo oral, embora não ela não tenha gostado muito e disse que a minha língua causava infecções na vagina. Raramente consigo que ela me faça sexo oral a mim.
Será que há forma de convencer a minha mulher e ter uma visão do sexo mais aberta? E será que de facto a língua causa infecções na vagina?
Paulo
Caro Paulo,
Parece que o vosso casal tem problemas em explorar a sexualidade de um modo que agrade aos dois. Vão ter de conversar muito e ser criativos, para encontrarem actividades que não choquem a sua mulher e lhe dêem a si as experiencias novas que procura.
Comece por tentar sugerir coisas mais simples e vá complexificando ao longo do tempo: por exemplo, pode começar por sugerir massagens (que podem ser muito excitantes), banhos de imersão em conjunto, masturbação mútua, posições sexuais mais originais e só depois passar para práticas como o sexo oral recíproco ou sexo anal.
O sexo anal deve ser feito com alguns cuidados de higiene extra, que podem responder a esse receio de o pénis ser muito grande: usar lubrificante à base de água, estar bem relaxado (pelo que ter vontade de experimentar é essencial) para o ânus se adaptar, visto que não é tão elástico como uma vagina, e usar preservativo que não tenha sido previamente utilizado no sexo vaginal nem o vá ser para não levar bactérias de um para o outro.
A educação influencia muito o modo como vivemos a nossa sexualidade e a sua mulher claramente não sente a liberdade de experimentar e aproveitar o prazer, sem vergonhas e culpabilidades de o estar a fazer. Tem de ser paciente, comunicar muito (sem criar discussões que vos afastem) com argumentos da ciência - com efeito a língua não transmite infecções à vagina, a menos que tenha herpes labial ou outras condições, em que não deve tocar a pele de outra pessoa na fase contagiosa – tentado que com o tempo a sua mulher compreenda a importância desta dimensão sexual na sua vida e na vossa vida de casal. Não espere mudanças rápidas, mas acredite no potencial do vosso amor e no poder da imaginação!
Pode ajudar-vos terem consultas presenciais de sexologia, para esclarecer alguns mitos da sexualidade e planearem em conjunto actividades sexuais com a ajuda de um profissional. Nós estamos no Saldanha, em Lisboa e pode marcar consulta através do telefone 21 318 25 91.