Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Brinquedos Sexuais - Cuidados a ter

 

Utilizar brinquedos sexuais no casal é uma boa forma de revitalizar a paixão e ir juntos comprá-los é uma boa maneira de criar mais confiança e despertar a curiosidade do prazer ainda não explorado.
Apesar disso, antes de se aventurar a descobrir todas as sexshops e lojas do género, deve recordar as quatro regras para uma compra excitante de brinquedos sexuais:
 
1. Assegure-se que não é alérgico/a a materiais sintéticos: o látex é um material comum nos brinquedos sexuais mas pode provocar reacções alérgicas. Os mais seguros são os de silicone, mas confirme que não têm tintas perfumadas, pois estas podem conter látex. Se notar alguma reacção alérgica ao utilizar um brinquedo, não o utilize mais e consulte um médico
 
2. Cuidado com os Ftalatos: são substâncias tóxicas que podem afectar gravemente o fígado e os rins. Mesmo proibidos há fabricantes que ainda os utilizam no plástico, por isso compre os seus brinquedos em lojas prestigiadas.
 
3. Certifique-se que os brinquedos sexuais não têm partes ásperas ou cortantes e tenha à mão lubrificante para manipular os brinquedos com cuidado.
 
4. Depois de cada utilização limpe-os sempre: a higiene é importante para uma utilização segura, principalmente se os vai partilhar com parceiros/as. Lave-os em água quente abundante e sabão anti-bacteriano. Se lavar vibradores ou produtos com pilhas, lembre-se de as retirar antes da lavagem.

Excitação e Resposta Sexual Humana

Tenho 16 anos e sou virgem, mas já falei com a minha namorada acerca de perder a virgindade com ela. O meu problema é que sempre que estou com a minha namorada a beijá-la o meu pénis entra em erecção. Não sei porque acontece isto, e agradecia que na sua resposta viesse uma explicação que eu consiga compreender.

 

Gustavo

Caro Gustavo,

 
Se está a pensar iniciar a vida sexual com a sua namorada, vão primeiro a uma consulta de planeamento familiar, que existem em muitos centros de saúde e são gratuitas para jovens, para planearem a utilização de um método contraceptivo adequado para que possam estar descansados.
A resposta sexual humana tem várias fases: desejo, excitação, planalto, orgasmo e resolução. Na fase da excitação, um dos acontecimentos que surge, no homem, é a erecção do pénis, acompanhado de aumento do ritmo respiratório e de tensão muscular e de lubrificação peniana; a pele do escroto fica mais grossa e firme e os testículos sobem. Na mulher, há um aumento das dimensões dos pequenos lábios, os grandes lábios ficam menos visíveis e a parte externa da vagina torna-se maior. O clítoris aumenta de volume e fica erecto e os seios aumentam e os mamilos enrijecem. Na fase seguinte, de planalto, estas mudanças fisiológicas intensificam-se. Na fase de orgasmo Há uma libertação da tensão sexual acumulada e sentem-se intensas sensações de prazer. Ao nível fisiológico o orgasmo é uma série de contracções: na mulher estas incidem na zona à volta da vagina (plataforma orgásmica) e podem ter lugar também no útero; no homem estas contracções começam ao nível das vesículas seminais e da próstata e progridem para o pénis ajudando a saída do sémen. No homem, o orgasmo coincide na maior parte das vezes com a ejaculação. Na fase de resolução, o retorno ao estado de repouso produz uma sensação de relaxamento em todo o corpo. Nesta fase existe uma diferença importante entre o homem e a mulher: o homem passa por um período de tempo variável chamado período refractário, durante o qual não tem possibilidade de responder sexualmente a qualquer estímulo. A mulher pode ter outros orgasmos.
Como vê, as erecções surgem-lhe porque está a ter prazer e a sentir-se excitado. Pode tê-las e perdê-las ao longo da estimulação, pois não precisam necessariamente de levar a orgasmos sempre que surgem. Entregue-se, com segurança, ao prazer com a sua namorada e descubra o que lhe dá mais prazer a ela, com calma e curiosidade!

Preservativo Feminino

Tenho uma alergia ao látex aos preservativos, que já me deixou cheia de comichões várias vezes. Assim, tenho sempre de ser eu a comprar os preservativos quando quero ter sexo, mas já estou habituada. Agora gostava de saber mais sobre os preservativos femininos. Onde os posso comprar? Vale a pena experimentar? Que diferenças têm dos outros?
 
Joana
 
Cara Joana,
 
Os preservativos femininos são tão eficazes como os masculinos na prevenção da gravidez indesejada e de transmissão de infecções sexualmente transmissíveis e dão maior controlo à mulher sobre a sua sexualidade. Infelizmente actualmente não são vendidos nas farmácias portuguesas, pois quando o foram as vendas não foram lucrativas. No entanto, a Alta Coordenação para a Infecção do VIH/SIDA, um órgão governamental, está empenhada em os divulgar. Pode ver os seus contactos em www.sida.pt e pedir mais informações ou mesmo alguns preservativos gratuitos para experimentar. Pode também procurar a venda na internet ou em Espanha, por exemplo.
Os preservativos femininos são feitos em poliuretano e têm dois anéis, um interno e outro externo. Devem ser colocados apertando com os dedos o anel interior e pondo-o o mais profundo possível dentro da vagina, no colo do útero. Uma grande vantagem em relação ao preservativo masculino é poder ser colocado antes da relação sexual começar (sem necessitar de erecção) e poder ser retirado algum tempo depois, sem haver problema de derrame de sémen para dentro da vagina. Como são maiores protegem também uma área maior vaginal e podem ser colocados durante, ou antes, dos preliminares para prevenir qualquer contacto genital. Infelizmente são mais caros que os masculinos e, por isso, a aceitação generalizada pelas pessoas para as suas relações sexuais tem sido difícil.
Aconselho-a a experimentar e a explicar ao parceiro de que se trata, sem vergonhas nem embaraços – vai ver que a sensibilidade é a mesma e pode resolver o seu problema de alergia ao látex.

Dores na relação sexual

Há uns 4 meses atrás comecei a vida sexual com a minha namorada. Ela era virgem e por mais que eu tenha tido cuidado para a deixar tranquila e excitada, a primeira penetração doeu um pouco (diz ela), mas passou. Comecei a trabalhar melhor nos preliminares, fiz sexo oral -  ela tinha um pouco de receio, mas percebia que gostava muito, sem contar que devido à saliva e à excitação com o sexo oral, a vagina ficava super lubrificada, o que facilita bastante a penetração. No entanto, o problema é que de há uns tempos para cá, quando vamos começar a penetração ela sente muita dor no início da penetração, até eu penetrar meu pénis por completo, depois a dor passa. Depois da relação ela sente um ardor intenso, principalmente na hora de urinar, e percebi que tem prurido. Tenho medo que seja alguma infecção - quais são as possíveis bactérias que causam isso?
 
César 
 
Caro César,
 
O prurido é um sintoma vaginal de infecções bacterianas, virais, de infecções sexualmente transmissíveis, da menopausa (pela diminuição de estrogéneos), ou de determinados hábitos, como usar roupa interior de materiais sintéticos, usar roupa/calças muito justas, fazer uma alimentação desadequada, tomar antibióticos… Como só um médico geral ou ginecologista poderá fazer um diagnóstico adequado, devem marcar ou ir a uma consulta com urgência, principalmente se o que descreve dura há mais de uma semana.
 
Até lá utilizem preservativo, pois podem reinfectar-se um ao outro e aconselhe a sua namorada a beber água antes de ter relações sexuais e urinar logo depois desta, fazendo a sua higiene. O César deve igualmente limpar quaisquer gotas do pénis depois de urinar, pois as que ficam na glande propiciam o prurido na sua namorada, com a fricção da penetração sexual. Façam o tratamento recomendado e Boa sorte!

Pág. 2/2