Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Apaixonei-me pelo meu chefe.”


“Mudei recentemente de departamento e ao receber formação aproximei-me bastante do meu chefe e acabei por ficar apaixonado. Já tentei lutar por esse sentimento, mas acho que foi em vão. Já tentei demonstrar os meus sentimentos e apercebi-me de que ele optou pelo afastamento.”

Pedro, Viseu


Caro Leitor,

Em primeiro lugar, deve fazer um esforço para separar as fronteiras, isto é, apesar da forte atracção que sente pelo seu chefe, não deve esquecer o lugar que ele possui na hierarquia da empresa de modo a não misturar a vida afectiva com a profissional. Sem querer, o que pode acontecer é prejudicar a sua vida profissional devido a um descontrolo emocional. Como refere, já se insinuou, por isso, já tem dados para fazer uma pequena avaliação da sua investida, verificando que não foi muito feliz nesse aspecto. De qualquer das formas, fora do horário de trabalho tente falar com ele de modo a verificar quais as suas hipóteses, mas faça-o com a devida cautela e respeito, pois arrisca-se a perder o seu emprego, caso ele não tenha a mesma orientação sexual e não compreenda a sua intenção. Seja cauteloso!

 

“Discutimos todos os dias.”


“Sinceramente já não sei o que fazer, a minha esposa está sempre sem paciência e arranja sempre motivo para discutirmos. Já não sei o que fazer, mas tenho a certeza de que já não tenho paciência para isto.”

Filipe, Torres Novas

 


Caro Leitor,

Por vezes, por mais anos que passemos ao lado da pessoa que amamos, parece que os anos nunca serão suficientes para conhecermos o nosso parceiro. Se as relações fossem todas fáceis, as discussões e as incompatibilidades não fariam parte do dia-a-dia dos casais. Neste sentido, é importante que ambos adoptem um comportamento mais compreensivo e tolerante com o objectivo de evitar tantos conflitos que coloquem a relação na corda bamba. Quando a sua esposa se exalta, procure não responder de imediato, pois isso apenas servirá de rastilho para fazer surgir uma cena desagradável. Deixe-a falar tudo até ao fim e só no final faça-a entender o seu ponto de vista. Assim, quando os dois estiverem mais calmos, poderão resolver as vossas divergências, pois as discussões permanentemente não levarão a lado nenhum, senão na dissolução do casamento por saturação de tanta incompreensão. Não embarque nas discussões e tente, posteriormente, com calma chamar a sua esposa à razão.

“Fui infiel a dois meses do casamento…”


“Amo muito a minha namorada e daqui a poucas semanas iremos casar. Porém, há uns tempos atrás depois de uma discussão descabida encontrei-me com a minha ex-namorada e acabámos por dormir juntos. Gostava de contar tudo à minha namorada, mas temo a sua reacção…”


Bento, Penafiel


Caro Leitor,

O que aconteceu consigo foi fruto da impulsividade e de alguma imaturidade. Mas pelo que vejo os sentimentos que nutre pela sua namorada estão intactos, o leitor foi levado a cometer um delito pelo ambiente envolvente e por uma discussão que abalou a vossa relação. Uma vez que estão próximo da data do vosso casamento, aconselho-o a agir com prudência. Ao contar a verdade à sua namorada deve ter noção da gravidade das suas acções e estar preparado para sofrer as consequências que daí possam advir. Se decidir contar a verdade à sua namorada, mostre-lhe que para si o que aconteceu não teve qualquer significado e que optou por contar toda a verdad, pois não iria suportar iniciar uma nova etapa da sua vida (o casamento) com uma mentira a assombrar o vosso relacionamento. Esteja preparado, pois a primeira reacção da sua namorada poderá não ser tão pacífica, mas se ela o ama da mesma forma que o leitor a ama esteja certo que o amor acabará por vencer.

“Acho que ela tem outro…”


“A minha esposa há uns meses que anda completamente desinteressada pelo casamento. Nega sempre as minhas investidas sexuais e rejeita qualquer conversa mais sensual. Será que já não gosta de mim e tem outro?”

Mário, Albufeira

 

Caro Leitor,

Antes de mais é importante não confundir a falta de interesse sexual com adultério. É importante que reflicta acerca deste aspecto para que não faça nada do qual se arrependa mais tarde. Já pensou falar abertamente com a sua esposa? Ela até poderá andar saturada com a sua vida profissional e isso poderá estar a influenciar negativamente a vida afectiva. Aja com prudência e seja mais tolerante. Adopte uma postura mais observadora e compreensiva para que não coloque em risco o seu casamento. Não receie enfrentar os problemas, procure conversar ponderadamente com a sua esposa e mostre-se o amigo com o qual ela pode contar sempre e em qualquer circunstância. Essas desconfianças apenas trarão consequências nefastas para o casal. Pense bem antes de agir.

“Sinto-me atraída por uma colega de escola…”


“Ouvi dizer que é normal durante a adolescência a atracção entre pessoas do mesmo sexo, mas será que isso passa com a idade?”

 

Sónia, Odivelas


Cara Leitora,

A passagem da infância para a fase da adolescência é marcada pela descoberta da sexualidade e, muitas vezes, é aí que começam a surgir certas dúvidas no que diz respeito à orientação sexual.

Durante a adolescência para além das transformações físicas ocorrem também transformações emocionais definindo novos papéis sociais e a identidade sexual. Por vezes, a definição da homossexualidade começa apenas como mera curiosidade do funcionamento do corpo e dos afectos de uma pessoa do mesmo sexo. Sendo a adolescência uma fase fortemente marcada pela dúvida e insegurança os desejos que aí ocorrem não são necessariamente os que se vinculam na idade adulta.

Sentir-se atraída por alguém do mesmo sexo tende a ser algo comum e com maior receptividade social. Como referi anteriormente, nem sempre os sentimentos da adolescência são aqueles que nos acompanham para a vida adulta. Neste sentido, aja com prudência.

Dicas sexuais

" Se não obtiver resposta do seu par, pergunte simplesmente: "Estás a gostar ou queres que páre?" Se não estiver a gostar deverá dizer "Está a ser só uma distracção", e saberão ambos que não está a agradar."

 

 

(Sexo Ardente, Flic Everett)

Dicas Sexuais

Para estimular o seu parceiro/a durante a sua ausência deixe uma t-shirt usada debaixo da almofada do seu parceiro/a,

 

ele/a irá sentir o seu cheiro e estará ardente de paixão quando você voltar.

 

Dicas sexuais

O amor é como um espirro, não se deve conter.

Mas usa sempre o preservativo para não seres apanhado na curva...

 

Quem avisa, amigo é!

 

Mais vale prevenir que remediar.

 

“Quer dar a volta ao Kamasutra!”


“O meu marido desde sempre teve o espírito muito aberto para novas experiências sexuais. No dia dos namorados ofereci-lhe o Kamasutra e surpreendentemente ele quer experimentar todas as posições. Eu estou cansada disso e muitas das posições são extremamente desconfortáveis.”

Inês, Sintra

 

Cara Leitora,

À primeira vista esta iniciativa do seu marido poderia ter sido uma forma positiva para melhorar a vossa sexualidade e para quebrar a rotina do dia-a-dia, mas ao que parece ele não soube dosear esta vontade e agora parece algo obsessivo.

Com a correria do dia-a-dia, muitos são os casais que procuram novas formas para contrariar a monotonia instalada nas relações. Experimentar as posições do Kamasutra até pode ser uma experiência inovadora e divertida, mas também é preciso ter em conta que nem todas as posições são fáceis de executar, o que pode causar um certo desconforto e mau estar.

No que toca ao seu desconforto em executar essas posições estranhas e ao facto de não suportar essa tendência sistemática para executá-las, tente falar com o seu marido e mostrar-lhe que podem continuar a inovar a vossa sexualidade, mas explorando situações que tragam prazer a ambos. Lembre-o que tudo o que é demais cansa!

Pág. 1/5