Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Os nervos aumentam as dores?”


 

“Tenho 21 anos e iniciei há um mês a minha vida sexual, infelizmente até agora só senti dores durante a penetração, e mesmo quando eu e o meu namorado tentamos aumentar os preliminares não sinto qualquer tipo de prazer, tudo é uma impressão incomodativa e desconfortável. Será que estou a confundir o que sinto, não estarei descontraída o suficiente para me abstrair de tudo à minha volta? A minha médica, amigas e a própria mãe dizem-me que só preciso de me acalmar e que isto é mais nervos que outra coisa. Como ultrapassar este problema?”

 

 

Rita, Cascais

 

Cara leitora,

Parece que o seu problema se relaciona realmente com os nervos que sente durante o acto sexual, que fazem com que não consiga sentir prazer. Embora já tenha consultado uma médica aconselho que o faça novamente se as dores continuarem, pois pode dar-se o caso de ter alguma infecção que pode causar desconforto durante a penetração. Se verificar que não é esse o caso, experimente utilizar um gel lubrificante durante o acto sexual, pois este faz com que sinta maior prazer durante a penetração. Tente também pedir ao seu namorado que a penetre aos poucos e de forma gentil, ou seja, sem colocar o pénis todo na vagina de uma vez e, à medida que ele for introduzindo o pénis, procure controlar a profundidade e velocidade da penetração, ao mesmo tempo que contrai e relaxa os músculos da vagina durante este exercício. Desta forma vai sentir maior controlo durante a penetração e vai acabar por descontrair e por sua vez sentir mais prazer.

“Faz mal ter relações sexuais na gravidez?”


 

“Tenho 31 anos e sou muito feliz com o meu marido. Sempre quisemos ter um filho e há um mês descobri que estou grávida. Deixei de ter sexo com o meu marido, porque tenho medo que as relações sexuais prejudiquem o bebé ou a gravidez. Estou a fazer bem?”

 

Susana, Mafra

 

Cara leitora:

Ter relações sexuais em si não prejudica a gravidez, mas é necessário ter alguns cuidados e evitar determinadas posições que a farão sentir desconfortável, dado que o seu corpo irá sofrer alterações. Fale abertamente com o seu marido sobre o que lhe agrada, e descubram juntos as posições mais confortáveis para fazer amor. Sabia que algumas mulheres sentem maior desejo sexual durante a gravidez, porque o acréscimo de hormonas provoca um aumento da libido? Não faça nada que a incomode, sendo também aconselhável consultar o seu obstetra se alguma coisa a fizer sentir desconfortável durante as relações sexuais.

Tema de hoje: Problemas Sexuais Femininos

 

Tenho 32 anos e mantenho uma relação há 4 anos que estimo muito. O problema é que não consigo ter relações sexuais na sua plenitude, isto é, não consigo a penetração.

Penso que o problema não é frigidez, pois tenho prazer com o resto, mas não consinto que ele me penetre, pois magoa-me muito. Sei que o problema é meu e que isto não é normal, mas não sei a quem pedir ajuda, o mais indicado será ir ao ginecologista ou ao sexólogo? Ajude-me por favor, é que este problema pode dar cabo da relação e isso eu não quero!
Rosa
Cara Rosa,
Este problema sexual que descreve de não conseguir a penetração vaginal acontece a muitas mulheres e deve procurar tratamento com especialistas da área da sexologia para o tentar resolver. Sem muitos dados, eu colocaria as hipóteses de dispareunia ou de vaginismo – duas disfunções sexuais femininas. Deve também consultar um ginecologista para verificar se a dor não se deve a algum problema de natureza ginecológica.
Por enquanto podem explorar outras formas de ter relações sexuais, não só através da penetração… Explorem as massagens, as carícias, a masturbação mútua, o sexo oral, os brinquedos eróticos… Usem a vossa imaginação para reinventarem a vossa sexualidade sem limites e para não estar tão concentrada na penetração apenas!
Aconselho-a a explorar o seu corpo através da masturbação,  para que possa descobrir como gosta de ser tocada e o que lhe dá prazer, pois o primeiro passo para sentir prazer com um parceiro é ser capaz de o fazer sozinha.
Nas suas relações sexuais, deve tentar relaxar e entregar-se a carinhos e festas durante um tempo substancial (a lubrificação depende do prazer que sente antes de iniciar a penetração). Não vou definir-lhe um tempo limitado, mas sugiro-lhe um mínimo de meia hora, antes de tentarem a penetração ou sequer de pensarem nisso (podem até nem chegar a concretizá-la!).
Experimente pedir ao seu namorado que a penetre aos poucos e de forma gentil, ou seja, sem colocar o pénis todo na vagina de uma vez, e à medida que ele for introduzindo o pénis a Maria deve controlar a profundidade e a velocidade da penetração, deve também contrair e relaxar os músculos da vagina durante este exercício. Desta forma irá sentir mais controle durante a penetração e vai acabar por descontrair e por sua vez sentir mais prazer.
Como o seu problema pode ser mais específico da esfera sexológica, seria desejável fazer uma consulta presencial, para fazer um diagnóstico diferencial.
As nossas instalações ficam próximas do Saldanha, em Lisboa e as consultas podem ser marcadas pelo telefone 21 318 25 91.

“Porque é que o meu marido se masturba?”


 

“Sou casada e tenho uma relação sexual satisfatória com o meu marido. No entanto, sinto-me apreensiva porque há uns dias surpreendi-o a masturbar-se. Não consigo entender porque é que ele se masturba. Será que já não me deseja? Ele diz que é para se livrar do stress do dia-a-dia, mas nunca ouvi falar nisso. O que já ouvi falar é que libertamos a tensão sexual, mas ele diz que não é isso. Gostaria que me ajudasse a compreender o que se passa com ele.”

 

Lídia, Setúbal



 

Cara leitora,

A masturbação é uma actividade de busca de prazer com o próprio corpo e órgãos genitais, que pode ser feita solitariamente ou numa relação sexual. O prazer que o seu marido sente ao fazê-lo sozinho não significa que não goste de si, não goste da vossa relação ou que precise de mais qualquer coisa sexualmente. Há efectivamente pessoas que utilizam a masturbação para aliviar o stress (quanto mais nervosas mais o fazem) e, se isso não significar falta de controlo, inadequação dos sítios e situações onde o fazem, ou seja, se não houver um carácter compulsivo no comportamento, não há problema nem é disfuncional. Apenas pode chocar se não souber que é possível e se moralmente não gostar da ideia de masturbação. Como reagiu negativamente ao perceber que ele o fazia na sua ausência, ele sentiu-se pressionado a dizer que não sentia prazer. Pode ser que o sinta ou não, mas tal não põe em causa o que sente por si e as relações sexuais que tem consigo.

Não se afaste do seu marido nem o trate mal por ter descoberto isto. Tente falar e compreender melhor e abertamente como ele se sente consigo e com a vossa relação e fique descansada que a masturbação não deve interferir no vosso amor. Pode pensar se lhe apetece apimentar a vossa relação e ser a leitora a masturbá-lo – informe-se em livros, em sites da internet ou entre amigas sobre como fazê-lo e como tratar o pénis, para o surpreender e lhe mostrar que a masturbação feita por si pode ser um estímulo de prazer intenso!

 

 

 

Tema de hoje: virgindade

Fiz agora 20 anos e sou virgem. Eu e meu namorado já tentamos várias vezes a penetração vaginal, mas não obtivemos sucesso. Estou segura que é com ele que eu quero perder a minha virgindade. Mas tenho muito medo da dor, chega a ser estranho de tanto medo que eu tenho. Cada vez mais acho que as dores são mais psicológicas que físicas...O que posso fazer?
Amália
Cara Amália,
Através de email é-me difícil dar-lhe uma resposta satisfatória. Não sei se o insucesso que sentem é por não conseguir a penetração, pelas dores de a sua vagina se contrair ou se não chegam a fazer penetração, pelo seu medo. Há disfunções sexuais femininas – o vaginismo e a dispareunia – que têm tratamento sexológico e que não permitem a penetração, tal como o descreve. No entanto, tal diagnóstico terá de ser feito numa consulta de ginecologia ou de sexologia. Não tenha vergonha de recorrer a uma e terá mais respostas.
Até o fazer, explore com o seu namorado outras formas de relações sexuais: as carícias e massagens, até que se sinta muito à vontade e relaxada. Se tentar a penetração sentindo-se bem consigo mesma e na intimidade com ele poderá conseguir alguns resultados. Usem lubrificante, comprado em farmácias ou sexshops e peça ao seu namorado que a penetre aos poucos e de forma gentil, ou seja, sem colocar o pénis todo na vagina de uma vez. À medida que ele for introduzindo o pénis controle a profundidade e a velocidade da penetração, deve também contrair e relaxar os músculos da vagina durante este exercício. Desta forma irá sentir mais controle durante a penetração e vai acabar por descontrair e por sua vez sentir mais prazer. Aconselho também que explore o seu corpo através da masturbação, para que possa descobrir como gosta de ser tocada e o que lhe da prazer, pois o primeiro passo para sentir prazer com um parceiro e ser capaz de o fazer sozinha.
Apesar destes conselhos, deve consultar um técnico de saúde que a guiará nesta descoberta da sexualidade, que nos pode surpreender de muitas maneiras. Não tenha medos, proteja a sua saúde sexual, faça planeamento familiar para não ter preocupações com gravidezes indesejadas e divirta-se com ele a descobrir o prazer!

"Não tenho prazer com ela!"

 

“Tenho um relacionamento recente com uma rapariga de quem gosto muito e com quem me identifico, mas ela não me consegue excitar e não tenho prazer nenhum quando temos relações sexuais. O que hei-de fazer para não a ferir?
Sandro
Caro Leitor,
A comunicação verbal é muito importante em qualquer relação, se não houver diálogo, como é que ambos poderão saber o que se passa efectivamente com cada um, e encontrar a melhor forma de ultrapassar os diversos problemas que possam surgir, tal como aquele que descreve? Se o leitor não lhe disser o que lhe dá prazer, como poderá ela mudar? Tente ter uma conversa e abordar este assunto de uma forma subtil e, depois de iniciada a conversa, tente encaminhá-la no sentido que pretende. Quando ela fizer alguma coisa que o satisfaça sexualmente, demonstre-o através de gestos ou de carinhos para que ela possa perceber bem a mensagem que lhe está a transmitir, se ao contrário ela fizer algum gesto que não lhe agrade e que não o satisfaça sexualmente, comunique isso à sua namorada de forma carinhosa demonstrando como prefere que ela lhe toque.

“Não me sinto à vontade com o meu pénis…”

 

“Tenho 30 anos e sou um pouco complexado em relação ao meu pénis, pois acho que este é muito grande. A minha namorada já se queixou que lhe dói quando a penetro, e isso deixa-me ainda mais constrangido. Como posso fazer para não a aleijar?”
Fábio, Guimarães
Caro Leitor,
O segredo para que a sua namorada não sinta dores durante a penetração é que ela esteja bem lubrificada e descontraída. Dediquem mais tempo aos preliminares e assegure-se que ela está completamente relaxada e excitada antes de a penetrar. O uso de lubrificantes pode também tornar a penetração mais fácil e menos dolorosa. Procurem novas posições, pois a profundidade da penetração varia de acordo com a posição escolhida. Mostre à sua namorada que se preocupa com o seu bem-estar e deixe que ela comande a acção, para evitar magoá-la.

“Sangrei muito depois de ter relações.”

 

“Tenho 60 anos e há alguns anos que não tinha relações sexuais. Quando finalmente as tive sangrei muito, porque será que isto aconteceu?”
Teresa, Vila Franca de Xira
Cara leitora,

Devido à sua idade o seu corpo sofreu várias alterações depois da menopausa, uma delas foi a diminuição da lubrificação durante o coito. Uma vez que a leitora passou vários anos sem ter relações sexuais, a sua vagina não tinha a mesma a elasticidade de antes, e isso em conjunto com a diminuição da lubrificação causou dores e possíveis lesões durante o coito. Por isso, é importante que consulte um médico e que utilize um gel lubrificante da próxima vez que tiver relações sexuais.

“ O meu namorado é muito controlador!”

 

“O meu namorado tem uma personalidade muito forte e acaba por ser bastante controlador, o que me incomoda. O que posso fazer para que ele mude? Amo-o e não queria terminar esta relação…”
Carla, Abrantes
Cara Leitora,
Para que uma relação decorra de forma harmoniosa e tranquila é importante que ambos estejam conscientes que existem limites que devem ser tidos em conta. Há que respeitar o espaço e a privacidade alheia, pois uma relação deve ser vista como um todo onde os actos de partilha e compreensão são fundamentais. Neste sentido, deve conversar com o seu namorado e mostrar-lhe que se sente profundamente magoada com as suas atitudes. Não hesite em apostar pela via do diálogo para resolver esta situação.

“Ele não me satisfaz!”

 

“Tenho 25 anos e comecei a namorar com um rapaz 6 anos mais novo, que me adora. O problema é que embora ele procure agradar-me a nível sexual eu sou a primeira namorada dele, e não consigo sentir prazer total. Como devo proceder para que a nossa relação sexual melhore?”
Clara
Cara Leitora,
Converse com o seu namorado e, de uma forma delicada, dê-lhe a entender que necessitam de se conhecer melhor a nível sexual para que possam proporcionar momentos de prazer e satisfação um ao outro. Experimentem fazer o jogo de descoberta do corpo, de forma a conhecerem os pontos sensíveis de cada um, essa será uma óptima forma de ultrapassar os vossos obstáculos e ficarem a conhecer melhor as zonas erógenas de ambos. Ajude-o a conhecer melhor o seu corpo através do diálogo e demonstração daquilo que deseja que ele lhe faça. Estipulem tempos durante os quais cada um tem que fazer um levantamento dos pontos que mais estímulo produz no outro. Poderá então, nesta altura, fazer ver ao seu namorado qual é o tipo, a duração e a pressão das carícias que mais a excita. Toda esta aprendizagem é benéfica para ambos e, assim, podem ter mais prazer sexual com o avançar do tempo.