Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Ela gosta que eu a penetre quando está vestida!”

 

“A minha namorada é muito imaginativa a nível sexual, e lembrou-se de termos relações sexuais vestidos. O problema é que agora ela só quer que eu a penetre quando estamos vestidos …”

 

José, Vila Nova de Gaia

 

Caro leitor,

a satisfação mútua de fantasias é geralmente uma coisa positiva. No entanto, por vezes é difícil perceber quando deixa de ser fantasia e começa a ser um fetiche, sem o qual o homem ou a mulher não se conseguem excitar, o que parece ser o caso da sua namorada. Fale com ela acerca deste assunto, tentem chegar a um meio-termo, talvez fazer amor vestidos apenas algumas vezes em vez de sempre, passando noutras alturas a realizar algumas das suas fantasias. Atinjam um entendimento em que os dois possam desfrutar das maravilhas do sexo.

  

“Sonho fazer amor com duas mulheres!”

 

“Sou lésbica e estou a viver com a minha namorada há dois meses. Amamo-nos muito e damo-nos bem a todos os níveis, mas eu tenho uma fantasia antiga que gostaria de concretizar, e que é fazer amor com duas mulheres ao mesmo tempo. Gostaria de falar com ela e propor-lhe pôr a minha fantasia em prática, mas tenho algum medo da sua reacção, não quero que interprete a minha vontade como falta de amor por ela. O que devo fazer?”
Rita, Amadora
 
Cara Leitora,
Ter fantasias é algo perfeitamente normal e legítimo. Porém, se envolve outras pessoas é importante ter-se cuidado na forma como se expõem, principalmente quando a proposta é mais ousada do que o habitual. Antes de tomar qualquer atitude é importante que vá abordando a sua namorada sobre a hipótese de haver mais uma pessoa a partilhar a vossa intimidade. Vá sentindo a sensibilidade da sua parceira para que possa saber aquilo com o que pode contar.
Apesar de serem, muitas vezes, divertidas, as fantasias nem sempre causam o mesmo impacto em todas as pessoas. Assim sendo, se a sua namorada não for muito receptiva a esta ideia não reaja mal, tente compreender que não é fácil este tipo de exposição. Contudo, se ela concordar com este tipo de fantasia vivam da melhor forma o momento e deixem a imaginação fluir.

“Desde a histerectomia a minha mulher só pensa em sexo”

 

“A minha mulher fez uma histerectomia há alguns meses atrás e desde então ela não pensa noutra coisa senão sexo. Será que eu já não a consigo satisfazer como antes?”
 
                                                                                                                   Diogo, Évora
 
 
 
Caro leitor
A histerectomia é uma cirurgia na qual o útero e ovários são retirados o que, como imagina, pode afectar a mulher a vários níveis. Algumas mulheres ficam bastante deprimidas sentindo-se menos femininas ou sedutoras do que antes, enquanto que outras mulheres se sentem mais desinibidas e descontraídas a nível sexual, o que parece ser o caso da sua mulher. Para algumas mulheres a cirurgia é um sinónimo de alívio, ou seja, a cirurgia elimina a possibilidade de uma gravidez indesejada e de problemas mais graves como cancro do útero ou dos ovários. Talvez a sua mulher estivesse excessivamente envolvida com problemas de saúde antes da cirurgia fazendo com que o seu interesse em sexo fosse mais reduzido, e agora, uma vez resolvidos esses problemas, ela se sinta descontraída para aproveitar os prazeres do sexo. Celebrem o vosso amor e fortaleçam a vossa relação vivendo uma segunda lua-de-mel.
 

“Perdi o desejo sexual com a maternidade!”

 

 

 “Sempre me dei bem com o meu marido a nível sexual, mas desde que fui mãe, há uns meses, já não tenho vontade de fazer amor com ele… amo o meu marido, mas sinto que o meu desejo sexual diminuiu bastante. Não sei se se trata apenas de uma fase, a verdade é que tenho medo que o meu marido acabe por procurar outras mulheres…”

 

Sónia, Estoril

 

Cara leitora,

por melhor que seja a vida sexual de um casal, o nascimento de uma criança é sempre um período de desorganização a nível sexual. Alterações hormonais, depressão pós-parto ou cansaço são muitas vezes associados a diminuição de desejo, mas estas não são as únicas razões. Deixar de ter relações depois de ter um filho é bastante comum para vários casais. É perfeitamente seguro ter relações após o nascimento do bebé, desde que a mulher se sinta fisicamente preparada para tal. Aconselho-a a tentar criar novos cenários e fantasias, passe uns dias fora com o seu marido…isto poderá ajudá-la a aumentar a libido novamente.

 

“Apaixonei-me pelo ex-marido dela!”

 

“Sou casado há dois anos e descobri recentemente que gosto de homens. Há dois meses que mantenho um relacionamento secreto com um homem, e não sei como esconder por mais tempo, pois a minha mulher já se mostra muito desconfiada. Mas para além do medo que tenho de assumir o outro lado da minha sexualidade, o caso ainda se torna mais complicado porque o homem com quem estou envolvido já foi casado com a minha esposa… Perante isto, o que hei-de fazer?”
 
Sandro, Lisboa
 
Caro Leitor,
Antes de mais, é importante que defina realmente que tipo de sentimentos nutre por esse homem, se é uma boa amizade em que se sente cúmplice, ou se sente mesmo um sentimento mais profundo. A vossa relação é ainda bastante recente, por isso não se precipite e não tome decisões das quais se pode vir a arrepender mais tarde. Tente ter um pensamento coerente para que possa definir os seus sentimentos e tomar a decisão mais acertada.
Caso chegue à conclusão de que realmente ama esse senhor, tente conversar com a sua esposa para que possa esclarecer de uma vez por todas esta questão. Talvez ela não reaja da melhor forma à circunstância, mas não deve desistir de contar tudo o que se passa, pois ela sentir-se-á enganada se vier a descobrir mais tarde. Como referi, o pior poderá ser o primeiro impacto e, ainda para mais, sendo com a pessoa que é.
Desta forma, após ter a certeza dos seus sentimentos, deve enfrentar o diálogo de modo a acabar com uma vida dúbia.

"A minha mulher engordou e já não me apetece fazer amor com ela!"

 "Tenho 42 anos e estou casado há 10, e sempre amei a minha esposa, que é cinco anos mais velha que eu. Com o tempo ela foi-se desleixando com o seu aspecto físico e engordou 15 quilos. Ela ultimamente mostra-se preocupada com o seu aspecto e tem tentado perder peso, algumas vezes resulta mas passado um tempo engorda novamente. Não sei o que devo fazer, pois não me sinto atraído por ela quando ela engorda."

 

Jorge, Lisboa

 

 

 

 

Caro leitor,

essa é uma situação complicada, pois não se pode mudar o corpo de uma pessoa de um momento para outro, principalmente depois de uma certa idade… mas também não se pode obrigar ninguém a sentir desejo sexual quando ele não existe. O metabolismo do homem e da mulher sofre alterações com a idade, o que faz com que as pessoas engordem. Lembre-se que a sua esposa está, certamente, tão aborrecida com essa situação como você. É bastante frustrante tentar emagrecer e não conseguir, o que afecta bastante a auto-estima de uma pessoa. Tente conversar com ela de forma carinhosa, tentem "os dois" passar a caminhar juntos de manhã, ou fazer exercício no ginásio. Alterem a vossa alimentação, passando a consumir comida mais saudável, é importante que o leitor participe no processo, para que isso seja um projecto vosso e não uma imposição sua. É bastante importante que a sua esposa sinta que a ama e que a está a apoiar nesta fase.

“Ela queixa-se que não lhe faço sexo oral!”

 

 “Estou casado há dois anos e desde o tempo de namoro eu e a minha mulher já fizemos quase de tudo a nível sexual. No entanto, ela tem-se queixado que eu não lhe faço sexo oral tantas vezes quantas ela gostava. A verdade é que esta prática a mim não me agrada particularmente. Será que o tenho de fazer apesar de não gostar?...”

 

Paulo, Setúbal

 

Caro leitor,

se isso é algo tão importante para a sua esposa, tente identificar o que é que não gosta no acto em si… pois existem várias maneiras de tornar o sexo oral mais divertido (tanto para o homem como para a mulher). No entanto, se não gosta mesmo de fazer sexo oral, e não encontra forma de o tornar mais agradável para si, não o faça contrariado, explique à sua esposa que não gosta de o fazer e tente praticar outro tipo de preliminares e jogos eróticos. Seja mais ousado e diversifique as suas práticas sexuais.

  

 

“Sou muito novo para ser pai!”

 

“Tenho 18 anos e amo a minha namorada. No entanto, sempre que fazemos amor fico perturbado depois, porque tenho muito medo que ela engravide. Quero tirar um curso superior e um filho viria mudar a minha vida por completo. Usamos sempre preservativo e estou sempre a perguntar-lhe se ela não se esqueceu de tomar a pílula. No entanto, quero saber se mesmo assim ela pode engravidar.”
 
Pedro, Massamá
 
Caro leitor,
Compreendo o medo que sente, pois afinal é um jovem cheio de planos para o futuro, e é salutar que seja uma pessoa responsável e consciente da responsabilidade que é ter um filho. No entanto, parece-me ser, tal como a sua namorada, bastante cuidadoso, o que faz com que as probabilidades de ela vir a engravidar sejam muito baixas. Uma vez que ela esteja a tomar a pílula de forma correcta e que também utilizem o preservativo tendo sempre cuidado na altura da colocação e remoção do mesmo, então tente relaxar. Com estes dois métodos de contracepção é pouco provável engravidar, por isso não deve ter motivo para se preocupar tanto.

“A quimioterapia tira o desejo sexual?”

 

 

“Infelizmente foi-me recentemente diagnosticado um cancro na próstata e por isso comecei a fazer quimioterapia. Gostaria de saber se existe alguma relação entre este tratamento e a perda de desejo sexual.” 
Paulo, Porto
 
Caro Leitor,
Alguns estudos têm demonstrado que este tipo de tratamento a que tem sido submetido, quimioterapia, de facto interfere no desempenho sexual, tanto de homens como de mulheres porque, para além de ter repercussões ao nível físico, também deixa sequelas psicológicas, provocando alterações ao nível da auto-estima, do grau de sociabilidade e da imagem corporal. Por outro lado, alguns homens sofrem imenso com os efeitos secundários do tratamento, sentindo-se cansados e maldispostos, o que dificulta a erecção e diminui, naturalmente, a vontade de ter relações sexuais.
Assim sendo, é normal que o seu desejo sexual tenha diminuído, pois esta doença provoca oscilações físicas, psicológicas e emocionais. Nem sempre é fácil deparar-se com este tipo de situação, uma vez que para muitos homens a sua masculinidade e virilidade é provada pelo bom desempenho sexual e quando isso não acontece o nível de frustração é elevada. Aconselhe-o a viver com naturalidade e encare estas dificuldades como situações normais no decorrer no tratamento e das consequências inerentes a ele.
 

 

“O meu namorado tem horror ao tema casamento”

 

 "Tenho 28 anos e namoro há 7. Gosto bastante do meu namorado, mas ele evita sempre falar em casamento, o que me deixa bastante incomodada e confusa pois já estou a entrar numa fase da minha vida em que quero construir família. O que devo fazer?"
Ana, Porto
 
Cara leitora
Compreendo a sua frustração, mas acredite que isso não acontece só consigo, muitas mulheres se queixam do mesmo. O homem por natureza é um caçador, precisa de sentir que ainda pode caçar, mesmo que opte por não o fazer devido a um compromisso. Por esse motivo o casamento pode tornar-se bastante assustador para alguns homens. Para eles, casar significa deixar de caçar, ou seja, tomam consciência que nunca mais vão dormir com outra mulher, e muitos homens não se sentem preparados para isso. Talvez seja esse o caso do seu namorado, pois parece bastante óbvio que ele não tem a intenção de se casar tão cedo, pois se tivesse, após 7 anos de namoro ele já a teria pedido em casamento. Avalie a relação e faça o que for melhor para si, pois se procura alguém com quem partilhar a sua vida e iniciar uma família, parece-me que não está com a pessoa certa. Tenha uma conversa franca com ele, diga-lhe como se sente, e pergunte-lhe directamente se ele tem a intenção de se casar consigo ou não e veja o que ele tem a dizer sobre o assunto!
 

Pág. 1/3