Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Gostava de fazer sexo oral a outro homem…”

“Sou um homem heterossexual que sempre gostou de mulheres, mas há pouco tempo tive um sonho erótico muito estranho, em que fazia sexo oral a outro homem, e desde então essa ideia não me tem saído da cabeça! Acho muito estranho e esta ideia tem-me perturbado, pois os homens não me excitam minimamente, mas esta fantasia deixa-me muito excitado! Serei gay?”

 

Sérgio, Lisboa

 

Caro leitor,

As fantasias sexuais permitem conhecer e explorar situações novas e excitantes, que podemos ou não querer por em prática. Muitas pessoas têm fantasias sexuais com atores ou cantores famosos, o que à partida não será fácil de concretizar, mas ainda assim essas fantasias não deixam de lhes provocar sensações agradáveis. Por outro lado, a sensação de quebrar os próprios tabus pode ser extremamente excitante, o que explica essa sua fantasia sem que signifique necessariamente que exista uma tendência homossexual da sua parte. Embora lhe caiba a si decidir se quer ou não por essa fantasia em pratica, saiba que por vezes as fantasias nos dão mais prazer do que pô-las em pratica.

“Tenho pensado em convidar outras mulheres para fazerem amor connosco…”

“Tenho 43 anos e amo a minha mulher, mas apesar disso ultimamente tenho fantasiado com fazer amor com outras mulheres que se juntam a nós. Acho isto estranho, pois eu e a minha mulher temos uma vida sexual fantástica, experimentamos tudo juntos, e por essa razão não compreendo de onde vem esta minha vontade. Não sei se hei de dizer à minha mulher ou não…”

João Paulo, Coimbra

 

Caro leitor,

Para algumas pessoas, em especial para os homens, a ideia de ter relações sexuais com duas ou mais pessoas é extremamente excitante. Por outro lado, quando a vida de casal cai na rotina, convidar uma terceira pessoa pode trazer um vigor renovado à relação, pela excitação da novidade. Assim, não há nada de errado nessa sua fantasia, e o facto de querer partilhá-la com a sua mulher mostra que continua a amá-la, pois quando um casal gosta de partilhar tudo sem tabus isso revela que o amor que existe é forte. Converse com a sua esposa com sinceridade e frontalidade, pois ela poderá estar recetiva a esta ideia. Devem, no entanto, ser cuidadosos com a pessoa que escolherem para se juntar a vós nesta experiência, evitando correr riscos para a vossa saúde, bem como deixar claro que será uma relação meramente sexual, para que a presença de novas pessoas não interfira a nível emocional com a vossa relação.

 

 

“Sexo depois do período?...”

“Eu e o meu namorado tivemos relações sexuais dois dias depois do meu ciclo menstrual. Eu tomo a pílula, e fizemos amor na noite anterior a voltar a tomar. No entanto, estou com algum receio de engravidar. É seguro ter relações sexuais depois do período e antes de recomeçar a pílula?”

 

Nádia, Beja

 

Cara leitora,

Desde que tome a sua pílula de acordo com a prescrição que lhe é aconselhada em princípio não corre riscos de gravidez indesejada. Os componentes químicos das pílulas alteram a produção de estrógeneo e progesterona no seu sangue, evitando a maturação do ovo no ovário, e fazem também com que o óvulo tenha maior dificuldade em fixar-se para ser fertilizado, ao mesmo tempo que promovem a criação de um muco que dificulta a entrada dos espermatozoides no útero. Pela composição das caixas, o número de pílulas é concebido para assegurar que, mesmo nos dias em que não está a tomar, estará protegida de uma gravidez. Contudo, todos os métodos anticoncecionais têm uma taxa de fracasso, que no caso da pílula corresponde a 3%, o que significa que em cada 100 mulheres que tomam a pílula 3 engravidam na mesma. Embora seja pouco provável, existe uma ínfima possibilidade de que isto aconteça. Uma vez que a pílula também não protege da transmissão de doenças, pode considerar usar também preservativo, duplicando a forma de proteção utilizada.

“Quero mostrar-lhe que não sou uma “santinha”!”

“Eu e o meu namorado estamos numa fase de nos darmos mais intimamente antes de termos relações sexuais... mas ele acha que eu sou muito tímida, e quer que os preliminares sejam mais sensuais. Por isso gostaria que me desse algumas ideias, do que posso fazer para lhe demonstrar que não sou a “santinha” que ele pensa, embora ainda não esteja muito à vontade pois ainda não fizemos amor…”

Marta, Gondomar

Cara leitora,

Devo felicitá-la pela vossa decisão de quererem conhecer-se melhor antes de terem relações sexuais, pois esse período de descoberta entre o casal é bastante importante para a construção de uma base forte para a vossa relação. Muitas vezes os casais, ao terem muita pressa em iniciar a sua atividade sexual, acabam por não ter oportunidade para explorar o corpo do parceiro de forma detalhada. Desta forma, o conselho que lhe posso dar é que não tenha receio de ser você mesma, não tenha receio de dizer o que gosta e o que não gosta, de sussurrar palavras picantes ao ouvido do seu namorado, de pedir que ele lhe faça carícias, de sugerir novas práticas e carícias. Experimente fazerem massagens um ao outro, tomarem um banho juntos, vendar os olhos do seu namorado e explorar os vossos sentidos com comidas afrodisíacas, enfim, não tenha receio de ser imaginativa.

“A minha filha já está a explorar o corpo…”

“Tenho uma filha de 23 meses que descobriu a sexualidade muito cedo. Se não me engano, a partir dos 12 meses notei que sempre que a deitava de barriga para baixo para dormir, ela, ainda acordada, empurrava a pélvis para baixo as vezes fazendo algum esforço, e fica tão concentrada nesta tarefa até o corpo dela vibrar num espasmo. Logo a seguir ela chora, eu fico meio desesperada para a fazer desistir mas ela não vai entender… Não sei o que fazer porque há dias em que ela o faz várias vezes, o que me aconselha?

 Carla, Santarém

Cara leitora,

É normal que as crianças tenham curiosidade em explorar o seu corpo desde uma idade bastante precoce. A grande maioria dos bebés começam a estimular os seus genitais por volta dos 12 meses de idade, e por vezes até mais cedo, por isso o que se está a passar com a sua filha, apesar de ser desconfortável para si, faz parte do desenvolvimento normal das crianças. Uma vez que ela é tão novinha concordo consigo que ela não vai compreender as explicações que lhe possa dar quando pretende que ela extinga essa comportamento, por isso aconselho-a a deixá-la fazê-lo, principalmente se ela o faz no berço antes de adormecer. Assim que ela seja mais crescida pode tentar conversar com ela e explicar que esse tipo de comportamento deve ser feito em privado e que ela deve contar-lhe se algum adulto ou criança tentar partilhar esta atividade com ela.

 

“A vagina dela é muito grande!”

“Tenho a impressão que a vagina da minha namorada é muito grande, e quando acabamos de fazer amor ainda se nota mais. Será normal?”

 

Clemente, Porto

 

Caro Leitor,

A vagina é constituída por músculos que conseguem dilatar de forma a permitir a penetracao sem dor, por isso com a penetração é perfeitamente normal que a vagina fique dilatada. Com o orgasmo, o interior da vagina, perto do colo do útero, dilata de forma a formar uma bolsa para receber o sémen, mas alguns minutos após terminada a relação sexual a vagina volta ao tamanho normal. A maleabilidade é uma das características que define o corpo das mulheres, pois a vagina é um músculo com bastante elasticidade e flexibilidade, e é importante que assim seja para que possa suportar a dimensão do pénis durante o ato sexual bem como permitir que a mulher dê à luz. Desfrute tranquilamente da sua vida sexual e não dê tanta importância a características físicas, ainda para mais quando estão dentro dos padrões normais.

“Como posso ser mais atraente para os homens?”

“Tenho 52 anos e estou na pós-menopausa, mas continuo a ser mulher e a querer ser desejada pelo meu parceiro. Como posso sentir-me mais atraente e manter-me sexualmente ativa?

Lília, Odivelas

 

Cara Leitora,

A menopausa é uma fase na vida da mulher na qual o seu corpo sofre alterações, nomeadamente ao nível hormonal. A maioria das mulheres tem atrofia vaginal e redução da lubrificação vaginal durante este período da sua vida, por isso é recomendado que utilizem um lubrificante (à base de água). Apesar de a menopausa ter alguns sintomas por vezes desagradáveis, a fase de pós-menopausa pode trazer benefícios para a sua sexualidade. Muitas mulheres sentem-se mais livres para viver a sua sexualidade de forma desinibida, uma vez que não têm de se preocupar com uma gravidez indesejada. É nesta fase que muitas mulheres se libertam de preconceitos e inibições que lhes foram incutidas e passam a apreciar mais os momentos de intimidade com o parceiro. Tente manter-se ativa, tome cálcio para que não tenha problemas nos ossos, tente ter uma alimentação cuidada, de modo a evitar alguns problemas de saúde, e inove na sua relação sexual comunicando com o seu parceiro e fazendo-lhe algumas surpresas que dinamizem a relação.

 

“Desde que fiquei grávida, os meus orgasmos são mais intensos”

“Estou grávida de 4 meses e, desde há algum tempo, tenho vindo a sentir que os meus orgasmos são cada vez mais intensos. Que motivo é que poderá levar a eu sentir orgasmos tão fortes?”

Maria, Porto

 

 

Cara Leitora,

Durante a gravidez, o organismo feminino sofre alterações hormonais que podem provocar um aumento do afluxo de sangue na região pélvica havendo, deste modo, um maior congestionamento da vagina e da vulva, tornando-as muito mais sensíveis que o habitual. Este aumento de tensão nos órgãos genitais pode-se verificar a partir do quarto mês de gestação. Muitas mulheres chegam mesmo a sentir orgasmos múltiplos pela primeira vez, ou orgasmos mais intensos, tudo isto devido à maior sensibilidade provocada pelo maior afluxo de sangue na zona genital. Mas, embora possam sentir uma intensidade maior, muitas vezes sentem-se desconfortáveis e, até mesmo insatisfeitas, porque o descongestionamento que supostamente deveria existir depois do orgasmo não é conseguido devido à gravidez.

 

“A minha filha parece ser lésbica…O que posso fazer?”

“A minha filha tem 10 anos e preocupa-me muito. Na escola ela brincava mais com brincadeiras de meninos e dá-se mais com rapazes. Recentemente só fala de uma amiga, com uma paixão que até parece apaixonada…Será que ela é lésbica? É possível detetar-se assim tão cedo?

Carla, Lagos

 

Cara Leitora,

Não é obrigatório que todas as raparigas gostem de brincar às bonecas – as raparigas já conquistaram o direito de ter mais comportamentos “masculinos”, de serem maria-rapaz sem serem discriminadas. Como a sua filha é muito nova é precoce falar-se de homossexualidade. Deixe-a desenvolver-se e ajude-a a aceitar-se tal como é, mesmo que se sinta diferente das outras meninas em algumas características. Dê-lhe tempo para descobrir a sua sexualidade, ao seu ritmo. Ser ou não ser homossexual no futuro não define aquilo que ela será como pessoa, mas sim apenas indica por quem se apaixonará e eventualmente apontará para algumas dificuldades sociais, por vivermos numa sociedade pouco aberta, em alguns contextos, às relações não heterossexuais. Não se preocupe e apoie a sua filha a gostar de si mesma tal como é, e a ser forte para enfrentar os desafios sociais com que se pode deparar ao longo da sua vida. Não deixe de abordar com naturalidade as questões sobre relações entre pessoas do mesmo sexo, mostrando-lhe que elas existem, e que são tão saudáveis como as relações entre pessoas do sexo oposto, sem a pressionar com questões de identidade.

“Vou continuar a conseguir satisfazer a minha esposa?”

«Tenho 55 anos e a minha mulher tem 44 anos e uma possível gravidez, nesta fase, será de risco, por isso o meu médico sugeriu que eu fizesse uma vasectomia, pois também não desejávamos que ela fosse sujeita a uma intervenção mais dolorosa. Será que depois de fazer uma vasectomia conseguirei ter ereções e satisfazer a minha esposa como atualmente?»

 

Manuel, Lisboa

 

Caro Leitor,

A vasectomia é uma cirurgia para a esterilidade planeada que não significa que vá ficar impotente. A vasectomia é, de facto, uma pequena cirurgia, que demora cerca de 20 a 30 minutos e é feita com anestesia local, para que não haja dor. Nesse momento, executam-se dois pequenos cortes no escroto de forma a cortar o canal, conhecido como canal deferente, de cada um dos lados, e ata-se as extremidades. Muitos indivíduos do sexo masculino optam por este tipo de cirurgia para que a parceira não seja submetida a uma operação muito maior, chamada esterilização feminina. Isto significa que, embora os espermatozoides continuem a ser produzidos nos testículos, já não conseguem percorrer o caminho até ao pénis. No entanto, não se verifica nenhuma alteração no desempenho/ performance sexual, nem tão pouco a perda do desejo sexual. Qualquer indivíduo que seja submetido a uma vasectomia continua a ter ejaculação, tal como antes e inclusivamente, o sémen parece exatamente igual.

Pág. 1/3