Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Uma noite ardente

Beautiful-Couple--Man-and-Women--11.jpg

 

Planeie a sua noite de sedução começando pelo menos duas horas antes da chegada do seu parceiro. Prepare um menu delicioso, selecione a sua música favorita, ponha a mesa, e relaxe. Apague as luzes e acenda muitas velas. Crie uma iluminação exótica, adornando as lâmpadas com tecidos. A lareira acesa aquece as emoções no inverno, assim como uma brisa balançando as cortinas numa noite quente de verão encanta o ambiente. Prepare uma mesa elegante com um arranjo floral para criar um ambiente romântico.

 

Mas não se limite! Um sofá com almofadas macias e uma mesa baixa com um buffet de entradas afrodisíacas pode ser confortavelmente sensual. Ou, melhor ainda, salte da mesa de jantar para o quarto de dormir, preparando uma mesa revestida com pétalas de rosa na sua cama, de forma a poder explorar os prazeres da comida. Renda-se à magia dos aromas usando velas aromáticas de baunilha (relaxante), ou canela (hilariante) ou abóbora (estimulante). O cheiro da culinária também excita.

 

Alho cozinhado, pimenta, cebola, especiarias… um quarto com aromas evoca excitação sensual. O que beber com o seu menu sedutor? Pode preparar cocktails e bebidas exóticas, mas não exagere no álcool pois o álcool provoca desejo, mas prejudica o desempenho sexual.

Sexo na gravidez

113593471.jpg

 

Depois da gravidez, a mulher está com a atenção mais voltada para o bebé e o sexo acaba por ficar de lado. As novas responsabilidades, a adaptação à rotina, um bebé que precisa da mãe para tudo, as condicionantes, físicas, psicológicas e as hormonas que diminuem a libido, tudo contribui para que a vida sexual do casal sofra.

 

O sonho
Os pais sabem que a sua vida vai mudar após a chegada do seu novo filho, mas muitos deles esperam que a vida seja "cheia de alegria" e "cheia de emoção", com o bebé a deliciá-los com as suas gracinhas.


A realidade
Após a chegada de uma criança e sem saberem os parceiros entram num período de alto risco da sua vida amorosa, em termos de conflito de relacionamento e insatisfação. Uma vez que a realidade da paternidade não era como tinham esperado ou idealizado, os pais podem sentir-se oprimidos e dececionados.

 

A relação muda o seu foco para o bebé, e não para o casal, e parceiros que já foram antes amantes, melhores amigos e confidentes, já não têm tempo para si. Muitos parceiros relatam mudanças negativas na sua relação sexual depois de terem um bebé. A frequência da relação sexual diminui em quase todos os casais nos primeiros meses de paternidade, após ter diminuído para metade durante o final da gravidez (Cowan&Cowan, 2000).

 

No entanto, alguns casais dizem que, apesar da frequência do sexo ter diminuído, o sexo é muito bom quando o voltam a praticar.

 

O que provoca estas mudanças?

Discrepâncias no desejo, mudanças na identidade e papéis, diferentes pontos de vista sobre a sexualidade e a paternidade, mudanças físicas durante a gravidez, complicações no parto, stresse, privação de sono, conflitos no relacionamento. Tudo pode desempenhar um papel importante na vida amorosa do casal.

 

Para além das mudanças internas, os papéis dos parceiros também mudam em muitos aspetos uma vez que os parceiros se tornam pais. A divisão do trabalho em cuidar do bebé, as tarefas domésticas, a preparação de refeições, e trabalhar fora de casa. Todas estas alterações afetam os sentimentos do casal sobre si mesmo, sobre os seus parceiros e sobre a sua relação global (Cowan&Cowan, 1992).


Ambos os parceiros têm que fazer grandes ajustes nas suas vidas de um momento para o outro, em que os dois são forçados a isso, e acabam por ter menos oportunidades para estarem juntos. Os parceiros muitas vezes descobrem que têm valores diferentes, necessidades e expectativas de como as coisas deveriam ser, depois da chegada do bebé. A divisão de tarefas é a questão mais propensa a causar conflitos durante os primeiros dois anos após a chegada de um bebé.

 

O que pode ser feito?
É Importante educar os casais sobre as mudanças que ocorrem durante a gravidez e após o parto e como elas podem afetar a sexualidade dos casais. É importante esclarecer que, embora após 6 semanas, possa ser "seguro" ter relações sexuais, as mulheres podem não estar "prontas" para iniciar a atividade sexual. Por isso é essencial:
. Ajudar os casais a mudarem algumas rotinas sexuais com defeito.
. Discutir os impactos da nova parentalidade/parto poderá ter em ambos os parceiros e na sua relação.
. Encorajar os casais a planear "tempos sozinhos" (providenciar amas, etc.).
. Encorajar os casais a planear "o tempo de sono" para reduzir a privação de sono comum nos primeiros tempos.
. Ajudar os casais a expandir a sua perceção da sexualidade e a promover atividades que aumentam a intimidade sem pressão para o coito.
. Ajudá-los a incluir abraços, beijos, masturbação mútua, etc. como alternativas ao coito.
. Importante fazer referências para ajudar a tratar condições físicas que podem tornar o sexo doloroso (obstetrícia e ginecologia, fisioterapia, etc. ...)
. Tratamento da depressão em homens e mulheres com medicação que tem efeitos colaterais baixos.
. Tratar problemas de relacionamento no casal.

Auge sexual aos 30?

18-mulher.jpg

 

"Tenho 34 anos e tenho notado que o meu desejo sexual aumentou nos últimos anos. Será que é por ter chegado aos 30?"

Simone - Alenquer

 

Cara leitora,

No estudo realizado por Albert Kinsey nos anos 70 nos Estados Unidos, as mulheres têm mais orgasmos depois de chegar aos trinta anos do que em qualquer outra idade. Este fenómeno pode dever-se a vários fatores, tais como uma maior descontracção com a sua própria sexualidade e mais conhecimento acerca do seu corpo e do que lhe dá prazer. Geralmente as mulheres depois de chegar aos 30 anos de idade têm mais experiência sexual, sabem melhor como dar prazer ao seu corpo e como comunicar ao parceiro aquilo que gostariam que ele fizesse. Desta forma, os orgasmos tornam-se mais previsíveis e frequentes, causando maior interesse sexual por parte da mulher, e maior prazer sexual resulta em maior desejo sexual.

Carícias e malícias: doces torturas

903685.jpg

 

Um objeto tão inofensivo quanto uma pluma pode tornar-se, se usado por uma mão maliciosa e certeira, num torturante objeto de forte carga erótica. Saiba como dar um uso diferente a objetos que usa no seu dia a dia, como a gravata, o lenço de seda e uma pluma ou pena.

 

Na obra 'As Cinquenta Sombras de Grey', Christian Grey usa a sua gravata para prender os pulsos de Anastasia, deixando-a a arder de desejo e ansiedade em relação ao que ele lhe vai fazer a seguir.

 

De facto, quando um homem chega a casa e cumprimenta a sua parceira com um demorado beijo na boca, se ao mesmo tempo desapertar a gravata que teve vestida durante todo o dia e, com um gesto firme, a usar para imobilizar os pulsos da parceira, facilmente despertará nela arrepios de prazer.

 

O facto de combinar um acessório de vestuário que esteve à vista de todos com um ato tão secreto e privado entre o casal pode ser poderosamente estimulante. Não tem, de todo, de ser o homem a prender a mulher. Ela própria pode sub-repticiamente tirar-lhe a gravata e usá-la para atar os pulsos dele atrás das suas costas, por exemplo. Pode, também, usar um lenço de seda que ela própria tenha posto durante o dia para lhe prender as mãos ou, em alternativa, para vendá-lo. O toque da seda ou do cetim evoca cenários luxuriosos, sensuais e estimulantes, deslizando suavemente sobre a pele.

 

Estando ele vendado e/ou amarrado, experimente utilizar um divertido objeto que lhe provocará sensações inesquecíveis: a pluma. Embora possa adquirir plumas específicas para este efeito na sex-shop, pode também usar uma pena suave que tenha em casa. Use-a deslizando pelo corpo, tocando-o muito subtilmente. Alterne entre os ombros, desça e suba as costas se ele estiver voltado, os braços, o peito, a barriga, a parte exterior e interior das coxas, as pernas, o pescoço… até chegar à região genital. Faça algumas cócegas mas não abuse demasiado, pois o objetivo do jogo é provocar excitação. Use a pluma como se fosse um pincel, dando pinceladas longas e arrastadas por certas partes do corpo, depois alternando com toques rápidos com a ponta da pluma. Desenhe círculos, oitos, linhas verticais e horizontais. Escreva, desenhando a letra a letra com movimentos da pluma uma palavra no corpo dele, e obrigue-o a adivinhar qual é. A pluma é um excelente acessório para usar nos preliminares. Quando a excitação estiver ao rubro, pode passar a outras brincadeiras, como o sexo oral, a masturbação ou o coito.

Virgindade: a primeira vez

Young_Couple_In_Love_1920X1200_Wallpaper_6640.jpg

 

Iniciar a vida sexual é uma escolha individual. E essa decisão deve ser pensada e tomada com maturidade. A primeira relação sexual gera muitas dúvidas: vai doer? Vai sangrar? É o momento certo? Não existe uma altura certa para estar preparado para iniciar a vida sexual. A primeira vez é sempre diferente de pessoa para pessoa.

 

A iniciação sexual, para a maioria das pessoas, é uma situação de ansiedade, acompanhada de excitação e medo. Ela pode representar o amor, mas pode, também, ser fonte de sentimentos de frustração e de desilusão. Ninguém esquece a primeira relação sexual, porque normalmente imaginamos uma coisa e criamos muitas expetativas de como vai ser esse momento, o que muitas vezes não corresponde à realidade.

 

Ser virgem significa nunca ter tido um contato sexual, para outros, significa nunca ter tido uma relação com penetração; outros ainda, atribuem o rompimento do hímen à perda da virgindade. Não existe portanto uma definição consensual do que é a virgindade. O significado mais comum atribuído à virgindade tem a ver com a prática sexual, em que existe a penetração do pénis na vagina havendo o rompimento do hímen.

 

Alguns hímenes rompem logo nas primeiras relações sexuais e provocam um sangramento, enquanto outros, por serem mais flexíveis, alargam e não sangram. Mas também se pode dar o caso de uma mulher não ter hímen, ter nascido sem ele.

Não entendo porque devo tomar a pílula todos os dias

atraso-pilula.jpg

 

"Iniciei a minha vida sexual recentemente, e o meu namorado está sempre a perguntar-me se eu tomei a pílula. Não entendo porque é que tenho de tomar a pílula todos os dias se as mulheres só podem engravidar durante 3 ou 4 dias do mês?"

Susana - Cartaxo

 

Cara leitora,

A questão é saber quais são esses dias. É bastante difícil conseguir prever quando esses dias vão acontecer, apesar de se dizer que é no meio do ciclo menstrual, o corpo da mulher é imprevisível sendo muito fácil que haja alterações na ovulação. Aspetos tão simples como a alimentação, stress ou mesmo a intensidade de um orgasmo podem alterar o ciclo ovulatório, daí a necessidade de tomar a pílula todos os dias para que uma gravidez indesejada não aconteça. Pois usar proteção sempre que se é sexualmente ativo é como usar o cinto de segurança que pode parecer desnecessário, mas um dia pode salvar a sua vida!

 

Sexo em grupo: quando três não é demais

MAT-1_0017.jpg

 

Embora uma relação seja, em termos convencionais, vivida entre duas pessoas, muitos casais optam pela introdução de outras pessoas na sua vida sexual como forma de escapar à rotina e de fortalecer os laços de um relacionamento. Desde as ménages a trois, aos swings, ao poliamor e às orgias, conheça formas de relacionamento alternativas que podem salvar um relacionamento.

 

Por contraditório que possa parecer, por vezes a introdução de uma ou mais pessoas num relacionamento faz com que duas pessoas que se amam se mantenham juntas e ainda mais unidas. De acordo com a personalidade individual de cada um, há pessoas para quem a monogamia é castradora ou limitadora, tendo dificuldade em serem fiéis, ou precisando de estímulos novos para quebrar a rotina, arrefecendo quando estes deixam de existir. Assim, o envolvimento sexual com outra pessoa acaba por fazer com que valorize mais a cumplicidade única que tem com o companheiro, trazendo de volta a união do casal. Para evitar uma traição, e também para criar uma nova dinâmica de envolvimento sexual, muitos casais acordam aceitar outras pessoas na relação.

 

Ménage a trois ou sexo a três
Os chamados "ménage a trois" acontecem quando três pessoas estão envolvidas no ato sexual e tanto podem ser realizados por um casal que "convida" uma terceira pessoa a juntar-se, como por três pessoas que não têm qualquer relacionamento amoroso umas com as outras, desfrutando apenas do prazer do sexo a três.

 

Mas o que torna esta prática tão excitante? O facto de criar uma nova dinâmica, em que as três pessoas se proporcionam prazer umas às outras, ou duas de cada vez proporcionam prazer a uma terceira, ou uma pessoa dá prazer a duas ao mesmo tempo, abre as portas para um novo território de luxúria e prazer, amplificando as fantasias. Fazer sexo com duas mulheres ao mesmo tempo é uma das fantasias masculinas mais comuns, mas também há homens que gostam de ter relações em simultâneo com um homem e uma mulher, permitindo-se nesse jogo experiências homossexuais que não definem no entanto a sua orientação sexual, pois não exprimem uma preferência, mas sim uma aventura partilhada.

 

Por outro lado, ver o companheiro ou a companheira a ter relações com outra pessoa, a ser desejado e até de certa forma "disputado" por outra pessoa, pode ser extremamente erótico. Também há mulheres que fantasiam com o facto de serem penetradas por dois homens em simultâneo ou de terem relações sexuais com um homem e com outra mulher, obtendo assim os prazeres diferenciados que são proporcionados por um tipo de envolvimento e por outro. Nestas situações é muito importante definir os limites, para que não haja espaço para o ciúme, e estar disposto a partilhar o parceiro com outra pessoa, mesmo que seja por breves horas, a um nível sexual, sem envolvimento afetivo.

 

Swing ou troca de casais
Para alguns casais a experiência de fazer sexo a três não é por si só satisfatória ou atrativa, optando por uma outra dinâmica de grupo, na qual os dois membros do casal têm relações sexuais com outras pessoas, também elas membros de um outro casal. Podem estar os quatro juntos num mesmo espaço, ou não, mas neste caso é essencial que as quatro pessoas envolvidas sejam parte de um casal, havendo assim uma troca.

 

As pessoas que se dedicam a este tipo de pratica chamam-se "swingers", existindo bares e sites de encontros onde podem conhecer outros casais disponíveis para o fazer. Existe um conhecimento prévio, onde uma vez mais as fronteiras são definidas e as regras são acordadas. Também neste caso não deve haver um envolvimento emocional, embora esse risco exista sempre, e deve haver a disponibilidade psíquica e emocional para "partilhar" o corpo do parceiro com outra pessoa, sendo que neste caso também pode haver outro tipo de dinâmicas: para além de a mulher de cada casal ficar com o homem do outro casal, também podem ficar os dois homens a ver as mulheres envolverem-se uma com a outra, ou vice-versa, ou interagirem os quatro em simultâneo.

 

O poliamor
Para algumas pessoas a monogamia é impraticável, defendendo que é possível amar várias pessoas em simultâneo, ou ter relacionamentos sexuais com mais do que uma pessoa, retirando grande prazer dessa variedade. Porque temos maior afinidade em alguns aspetos com uma pessoa, gostamos mais de outro tipo de atividades com outra, e criamos uma dinâmica diferente com outra, as pessoas que praticam o poliamor vivem relações abertas, em que todos são livres para ter relações com outras pessoas e sabem que em nenhuma delas existe exclusividade. Como em todas estas dinâmicas, é essencial que haja respeito pelos limites previamente definidos, sabendo todos aquilo com que podem contar. As pessoas interessadas no poliamor podem conhecer outras que também o praticam através de sites na internet.

 

As orgias
Os cenários luxuriosos em que várias pessoas reunidas numa mesma sala ou espaço têm livremente relações sexuais.

Brincadeiras de adultos: prazer mudo e cego

dsc_1885.jpg

 

Os adeptos de sexo mais arrojado utilizam alguns acessórios capazes de ferir a sensibilidade dos mais suscetíveis. Contudo, se entendermos o mundo do BDSM como um universo onde não há limites para a imaginação e onde o objetivo é explorar novas potencialidades eróticas, atingindo sensações inigualáveis, e se compreendermos que todas estas práticas decorrem dentro do princípio máximo do "SSC – São, Seguro e Consensual", podemos soltar-nos e permitir-nos brincar com objetos um pouco mais… ousados.

 

Ball Gag

A Ball Gag é uma mordaça, composto por uma bola, de plástico ou metal, que pode ter furos para aumentar a passagem do ar e permitir maior salivação, ou de metal, em cenários mais extremos, que é colocada na boca daquele que está a submeter-se. Essa bola ata-se à cabeça com tiras de couro, possuindo muitas vezes argolas de metal. Pela sua aparência mais pesada inspira medo, obrigando aquele que a usa a sentir a boca cheia, emitindo sons com maior dificuldade e sentindo-se restringido. Não precisa de ir tão longe, mas nas suas brincadeiras com o seu par pode amordaçá-lo com um lenço de seda e provocá-lo para que ele fale, "castigando-o" porque ele obviamente não vai conseguir, ou então deixá-lo a rebentar de prazer através da masturbação ou do sexo oral, sem que ele possa exprimir-se.

 

Vendas

A venda é um dos acessórios mais básicos e eficientes. Ao privar do sentido da visão, aquele que geralmente estamos mais habituados a que nos oriente no espaço, cria uma sensação de maior vulnerabilidade perante aquele que está a submeter, pois não podemos antever os seus gestos nem adivinhar o que nos vai fazer ou em que parte do corpo nos vais tocar… qualquer brincadeira de casal tem muito a ganhar com o uso deste acessório, que o torna muito mais intenso. Ou não se lembra de quando era criança e brincava à "cabra-cega"?

 

Coleiras e trelas

Sim, estes são dos acessórios mais extremos, na medida em que implicam uma necessária subjugação do submisso, com um aspeto de humilhação incluído. Muitos submissos usam uma coleira que os identifica como tal, sendo que há pessoas que gostam de "brincadeiras" em que o dominador(a) coloca uma trela no(a) submisso(a), obrigando-o a passear de gatas ao seu lado ou a comportar-se como um cão. Pela humilhação que provoca não será do agrado de qualquer pessoa, mas aqueles que apreciam esta prática sentem um alívio da pressão quotidiana ao poderem "agir" como um animal, livres da tensão humana. Os que dominam, por seu lado, rejubilam ao ter alguém a rastejar literalmente por eles.

Nunca tive nem quero ter namorado! Serei normal?

lingerie.jpg

 

"Tenho 26 anos e, ao contrário de todas as amigas, nunca tive um namorado. Na verdade, embora também nunca tenha tido uma relação sexual com ninguém, também não sinto qualquer vontade! Tenho um bocado de vergonha de falar sobre isto, pois não sei serei normal!"

 Mónica - Porto

 

Cara leitora,

A sexualidade é uma dimensão importante da nossa vida, mas nem todos nós precisamos de ter uma relação para nos sentirmos realizados. A questão principal é mesmo se se sente feliz tal como está. A intimidade é uma experiência que nos enriquece muito, que nos traz grande felicidade e nos faz evoluir como pessoas; mas pode também ser vivida em relações de amizade, familiares ou outras – não tem obrigatoriamente de passar por namorar ou viver uma relação sexual. É verdade que quanto menos exercitamos a nossa vida sexual, menos temos vontade de ter relações sexuais. Analise se não quer mesmo entrar numa relação íntima ou se as evita por medo de se dar a conhecer, por receio que não gostem de si, por medo de arriscar descobrir esta nova dimensão da sua vida. Não entre numa relação por pressão social ou porque os outros o fazem, mas tente conhecer-se a si mesma, ao seu corpo e ao prazer que pode tirar dele (na masturbação, por exemplo) e arrisque encontrar a melhor maneira de viver a sua vida e a sua sexualidade.

Aposte na nudez para manter acesa a chama do desejo

corpo.jpg

 

A experiência de dois corpos que dormem nus, abraçados, é extremamente íntima e reforça a cumplicidade de qualquer casal. Naquele momento em que o nosso consciente relaxa e nos entregamos ao sono, é especialmente reconfortante dormir com a pele colada ao calor de outro corpo, sentindo a respiração de alguém de quem gostamos de forma especial.

 

Esta partilha é, na verdade, muito mais íntima, sendo por essa razão que as pessoas que apenas procuram sexo casual têm geralmente dificuldade em dormir com a pessoa com quem tiveram relações sexuais, precisamente porque não pretendem um envolvimento emocional.

 

Num relacionamento de casal a experiência de dormir nus é importante para fortalecer os laços de união. No caso de sentir desconforto, usar uma camisa de noite de seda ou uma t-shirt fininha pode ajudar a melhorar este aspeto, mas evite os pijamas quentes que evitam qualquer contacto físico. Acordar e ver o parceiro nu desperta, por si só, também maior desejo e vontade de envolvimento.

 

 

Despir-se para si própria

Aprenda a estar em contato consigo própria e a gostar do seu corpo. Para tal, deverá cuidar dele, como o templo que é. Tenha maior cuidado com a alimentação que faz, descanse o tempo suficiente para poder sentir-se bem, não abuse do consumo de bebidas prejudiciais à sua saúde, como o álcool e o tabaco.

 

Se um copo de vinho ajuda a desinibir-se, quatro ou cinco fazem com que o seu cérebro se confunda e deixe de desfrutar realmente daquilo que está a fazer – e a viver – sendo também prejudicial para o seu próprio desempenho sexual e podendo por em risco a sua saúde.

 

Fazer desporto ajuda a aumentar a libido, pois o culto do corpo faz com que sinta maior apreciação por si própria e por outro lado liberta substancias que a fazem sentir-se mais confiante e positiva.

 

Crie o hábito de se ver nua ao espelho e, também, de andar nua pela casa. Comece por fazê-lo quando está sozinha, até que se torne um hábito, mas mantenha o aquecimento e as condições para se sentir confortável, pois o objetivo desta prática é habituar-se a viver a sua nudez como algo que é natural. Passe, depois, a andar pela casa na presença do seu par tendo apenas uma t-shirt – se for dele, será ainda mais excitante para os dois -, ou a roupa interior, e vá progressivamente habituando-se a estar completamente nua, tal como veio ao mundo.

Pág. 1/4