Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“O que é um 69?”

“O meu namorado quer variar as nossas actividades sexuais e quer praticar um 69. Eu acho que isso é tipo sexo oral, é verdade?”

 

 

Cara leitora:

Esse termo designa duas pessoas a fazerem sexo oral ao mesmo tempo uma à outra. Quando duas pessoas praticam esta actividade em ficam de cabeça para os pés um do outro, pode parecer o numero 69. Aproveite esta oportunidade de dar e receber prazer ao mesmo tempo.

 

Sexo oral

 

O Clítoris é talvez o ponto mais sensível no corpo da mulher. Quando um homem aprende a preencher a sua amante desta forma é provável que a sua satisfação aumente tanto como a dela.
A chave para tirar completo proveito da sensibilidade do clítoris dela é o uso controlado da língua, lábios, dentes e dedos. A mulher sentirá imediatamente as mais pequenas mudanças de pressão, velocidade, movimento e direcção.
Qualquer que seja a técnica com que se inicie, convém sentir a reacção da mulher – incluindo a resposta do clítoris – o que ela gosta e o que não gosta. Por exemplo, durante o sexo oral, se uma mulher gosta do que o parceiro está a fazer, a sua pélvis e coxas relaxarão e ela oferecer-se-à mais à sua boca. Se ela sentir desconforto – provavelmente de pressão a mais – ela recuará ou tentará empurrar a sua cabeça para trás. Neste caso, o homem deverá suavizar o toque. Se o clítoris dela aumentar, é porque gosta do que lhe está a fazer. Se ela se retrair é porque não gosta.
 
É importante o homem praticar nos seus próprios dedos para experimentar as diferentes técnicas. Deve usar os lábios e, por vezes, os dentes (suavemente!) para segurar o dedo de forma que fique firme enquanto a língua lhe toca. Logo que a pressão crescente dos seus lábios e dentes provoque uma sensação na ponta do dedo, pode fazer o mesmo no clítoris dela. Se a mulher preferir pouca ou nenhuma pressão dos lábios e dentes, o homem deve experimentar tocar com a língua no dedo sem pressão adicional dos lábios e dentes.
 
Os movimentos da sua boca e lábios podem ser em círculos, em oito, em toques para cima e para baixo, para a esquerda e para a direita… A ajuda dos dedos pode ser preciosa para abrir os lábios e melhor chegar ao clítoris, para massajar a região púbica, para penetrar a vagina (à entrada é onde há mais terminações nervosas), para estimular o ânus.
 
Baseado no livro de Kim Cattrall e Mark Levinson, "Satisfação – A Arte do Orgasmo Feminino", ASA Editores, 2007
 

“Tenho muita dificuldade em ficar lubrificada!”

“Tenho 50 anos e sou casada há 25. A minha vida sexual continua a ser activa, mas de há algum tempo para cá demoro muito tempo a lubrificar, parece que a minha vagina perdeu a elasticidade…”

 

Sandra, Porto

 

Cara Leitora,

 

Com o evoluir da idade ocorrem inúmeras alterações no nosso organismo, e também se dão alterações a nível físico no domínio da sexualidade, por isso não se preocupe porque se trata de uma questão perfeitamente normal. A partir dos 40 anos de idade ocorrem algumas alterações, lentas e progressivas, no corpo dos homens e das mulheres que podem afectar a sexualidade. A vagina diminui de tamanho, torna-se mais estreita e perde elasticidade, a lubrificação da vagina torna-se mais lenta e surge em menor quantidade, há uma diminuição da intensidade e da frequência das contracções da zona pélvica durante o acto sexual. Mas todas estas alterações não significam que não exista desejo, nem que não pode continuar a viver a sua sexualidade de uma forma perfeitamente normal. Pelo contrário, a dois poderão encontrar um ponto de equilíbrio e novas formas de obter prazer, como por exemplo a utilização de um gel lubrificante durante o acto sexual, o que vai tornar a penetração bastante mais confortável.

Kama Sutra - Posições

A Posição do Caranguejo

 

Nesta posição muito agradável, que contrai a vagina ao redor do pénis, a mulher encolhe as

pernas e descansa as coxas no estômago dele, como um caranguejo retrai as pinças. O

homem arremete de joelhos.

 

A diversão é uma parte importante das primeiras fases de qualquer relacionamento, e o

sexual não é uma exceção. Quando temos um comportamento divertido, como, por exemplo,

assumindo posições como essa, aprendemos muito uns sobre os outros.

Não consigo calcular a data da menstruação!


“O período veio-me há pouco tempo e ainda não consigo prever a data da próxima menstruação. O corpo transmite-nos sinais de que a menstruação vai chegar?”

 

 

Luciana, Braga

 

 

Cara Leitora,

Quando o ciclo menstrual é regular é fácil reconhecer os sinais que indicam em que altura virá a próxima menstruação. Cada pessoa é um caso, por isso os sinais podem variar de pessoa para pessoa, contudo existem alguns sinais comuns aos quais pode estar atenta, como por exemplo o aumento de peso devido ao facto de o nosso corpo acumular uma maior retenção de água. Alterações de apetite e de humor são outros sinais caracterizadores que a menstruação se está a aproximar. Estes factores, aliados a uma modificação da pele e do coro cabeludo, podem ajudar a saber quando o dia se aproxima. Todavia, a melhor maneira de poder controlar o dia em que lhe vem a menstruação é anotar num bloco de notas a que dia de cada mês ele vem. Deste modo será muito mais fácil ter uma ideia do dia, porque se for regular, o período virá aproximadamente no mesmo dia que no mês anterior.

 

O que são mulheres frígidas?

Gostaria de saber o que significa quando as pessoas dizem que uma mulher é frígida...

Catarina, Açores


Cara leitora,

O termo “frígida” é geralmente utilizado por homens para descrever mulheres que não atingem o orgasmo através do coito, ou mulheres que não estão interessadas em ter relações sexuais. Os homens que utilizam esse termo fazem-no a partir do pressuposto de que essas mulheres são frias ou geladas sexualmente. Esse não é no entanto um termo utilizado por psicólogos ou terapeutas sexuais, por ter uma conotação tão negativa. Devo dizer que na minha opinião não existem mulheres frígidas, apenas mulheres que não conhecem o seu próprio corpo, e homens e mulheres que não conhecem o corpo da sua parceira.

“O que é o Ponto G?”

 

 

 

“Saber o que é o ponto G é uma curiosidade que me tem acompanhado, mas por vergonha nunca perguntei a ninguém. Explique-me, por favor, o que significa o ponto G.”

 

Helena, Barcarena

 

 

Cara Leitora,

O Ponto-G tem causado bastante alarido na comunidade científica nos últimos anos. Alguns investigadores como a Professora Beverly Whipple dos Estados Unidos defendem fervorosamente a sua existência enquanto que outros ainda têm dúvidas.

O Ponto-G é descrito pela Prof. Whipple como sendo uma pequena aglomeração de terminações nervosas e glândulas no interior da vagina que, quando estimulado, pode fazer a mulher alcançar um grau de excitação extremamente intenso capaz de provocar o que os autores definem como “orgasmos uterinos”.

O Ponto-G situa-se na parede superior da vagina e é uma zona particularmente sensível que pode fazer com que mulher atinja o auge da excitação. Desta forma, para que se consiga atingir este ponto e proporcionar este tipo de orgasmo, deve-se estimular o interior da vagina.

Porém, a melhor forma de atingir o orgasmo e de uma forma intensa é adoptando uma posição relaxada e tranquila e saber concretamente quais os seus verdadeiros pontos de prazer. A preocupação exagerada pode ser o ponto de partida para a frustração, por isso o melhor é não estar tão preocupada em encontrar o Ponto G.

 

 

“O que é o priapismo?”

“Aqui há tempos vi escrita numa revista a palavra priapismo, e percebi que se tratava de uma
disfunção do pénis. Intrigou-me, mas já questionei os meus amigos e eles também
nunca tinham ouvido falar. De que se trata? Qualquer pessoa pode sofrer com
essa doença?”

Luís, Covilhã

Caro
leitor,

De um modo geral, o priapismo consiste numa erecção prolongada e dolorosa, que pode durar desde várias horas até alguns dias. Ao contrário do que se possa pensar, este estado não está associado a pensamentos ou a desejo sexual, ainda que a palavra derive etimologicamente do nome do deus grego da fertilidade masculina, Priapo. No processo normal de erecção o sangue segue até ao pénis e, geralmente após um orgasmo, “desce” do pénis sem que tal cause desconforto ou dor. Quando existe um problema de priapismo, o sangue não consegue “sair” do pénis como deveria, porque tem pouco espaço para circular dentro do pénis, estagnando e perdendo oxigénio. Embora o priapismo possa acontecer sem que haja uma razão evidente para tal, existem alguns tratamentos que podem potenciar essa doença. A injecção directa no pénis, usada para tratar a disfunção eréctil, pode induzir
ao priapismo, especialmente se for injectado mais do que um medicamento. Alguns anti-depressivos também podem induzir ao priapismo, o mesmo acontecendo com doenças do sangue, como anemia, leucemia, embora tal seja sempre variável de pessoa para pessoa, e nem sempre aconteça. O priapismo pode levar à impotência se não for tratado a tempo. Alguns homens optam por tratar o priapismo através de medicamentação a ajude a contrair os vasos sanguíneos, para diminuir a
quantidade de sangue no pénis. Existe, também, a possibilidade de realizar uma cirurgia, mas todos estes tratamentos são avaliados pelo médico em função do caso específico.

“O coito interrompido é seguro?”

 

 

A minha namorada e eu tivemos relações recentemente pela primeira vez e praticámos o coito interrompido, mas não sabemos se essa forma de contracepção é a mais segura.

Simão, Guimarães

 

Caro leitor,

 

Realmente não se pode dizer que essa seja uma forma de contracepção segura, pois cada vez que se dá o contacto entre o pénis e a vagina sem que haja qualquer tipo de barreira entre os dois, e sem que a mulher esteja a tomar qualquer tipo de contraceptivo hormonal, existe sempre a possibilidade de esta ficar grávida. Durante o coito e antes de o homem ejacular este liberta pequenas quantidades de fluido que contêm sémen e que são suficientes para engravidar a parceira, por isso se o leitor não deseja que a sua namorada engravide aconselho-o a marcar uma consulta de planeamento familiar para decidir qual o tipo de contraceptivo mais indicado para si e para a sua namorada.

 

Pág. 3/3