Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Quero fazer sexo com duas ou mais mulheres”

 

“Namoro há quatro anos. Ambos gostamos de praticar sexo frequentemente, no entanto, de há uns tempos para cá, não consigo deixar de pensar em fazer sexo com duas ou mais mulheres. Gosto muito da minha namorada e não a quero trair, mas esta minha fantasia não me larga…”

João Carlos, Sesimbra

 

 

Caro Leitor:

A sua fantasia é uma das mais comuns entre os homens… nunca conheci nenhum que não delirasse só de imaginar que isso pudesse acontecer. Se gosta realmente da sua namorada não tenha nenhuma atitude que possa prejudicar a vossa relação. Aborde o assunto com ela (mas com jeitinho! Não vá assustar a rapariga…) se ela concordar, óptimo! No que diz respeito a sexo o importante é que os participantes sejam adultos e consintam com o acto. Mas lembre-se que a realidade pode ser bastante diferente da fantasia, satisfazer uma mulher já dá trabalho, quanto mais duas!

“Não consigo ter erecções como antigamente.”

“Tenho 53 anos e desde que tive um ataque cardíaco não consigo ter erecções como antigamente, o que devo fazer? Será que esta situação vai manter-se para sempre, ou é apenas passageira?”

 

Nuno, Sacavém

 

Caro leitor,

A situação que descreve não é fora do comum, pois uma vez que teve um ataque cardíaco, calculo que deve estar a tomar medicação para o coração, e talvez ate para a tensão alta. Quaisquer problemas de coração, de pressão arterial e diabetes, bem como muito dos medicamentos recomendados para esses problemas de saúde, afectam a capacidade do homem em ter e manter uma erecção. Existem, no entanto, medicamentos que têm menos efeitos secundários, por isso converse com o seu médico acerca desse problemas que tem tido. Saiba que o exercício físico, perder peso, deixar de fumar e uma dieta saudável (rica em amêndoas e vegetais) podem ajudar a melhorar a erecção, por isso aconselho que tente alterar alguns dos seus hábitos alimentares e de estilo de vida, e veja se isso o ajuda.

 

“Tenho incontinência urinária…”


Depois de ter tido o meu filho mais novo, há 5 anos atrás, comecei a perder urina durante as minhas actividades do dia-a-dia. Passei a consultar médicos porque comecei a achar que não era normal e entretanto foi-me diagnosticada incontinência urinária. Será que a minha situação tem solução?”

Liliana, Évora

Cara Leitora,

A perda involuntária de urina, chamada incontinência urinária, é uma condição que atinge muitas mulheres após o parto e que pode ser causada também por efeitos secundários de medicação, problemas neurológicos, doenças da bexiga, problemas na próstata ou uretra, tratamento de tumores e problemas ginecológicos. No seu caso parece estar directamente relacionada com uma lesão causada pelo parto. Assim sendo, é importante que procure a ajuda de um especialista nesta área, pois a incontinência é uma doença que nos dias de hoje tem cura em grande parte dos casos. A incontinência pode ser tratada por via oral com o auxílio de medicamentos, através da intervenção cirúrgica e, também, através de exercícios da musculatura pélvica.

“O que é o fisting?”

“Tenho 19 anos e quando estou com o meu grupo de amigos e a conversa vai parar ao sexo eles às vezes falam de uma coisa chamada “fisting”. Eu não sei o que é e sinto-me posta de parte, mas tenho vergonha de perguntar ou de confessar que não sei. Poder esclarecer-me?”

 

Catarina, Guimarães

 

Cara leitora,

É perfeitamente normal que não esteja a par dessa técnica, pois por ser um tanto “agressiva” fisicamente não é muito falada nem consta dos princípios básicos sobre sexualidade que se ensina nas escolas ou entre pais e filhos. Chama-se fisting ao ato de uma pessoa inserir a mão inteira dentro da vagina ou ânus da outra pessoa, e apesar de algumas pessoas considerarem que este ato lhes traz prazer, ele existe muito cuidado para não causar danos à saúde nem provocar dor. Para realizar esta prática é essencial que exista muita confiança e comunicação entre os parceiros, relaxamento, preparação e, naturalmente, um bom lubrificante. É sempre essencial haver preliminares que relaxem bem o corpo, pois se tal não acontecer poderá ser muito doloroso e pode até haver danificação dos tecidos, que são muito sensíveis nesta parte do corpo.

Tenho o fetiche de ser amarrada…

 

Tenho 29 anos e um dos meus fetiches é ser amarrada pelo meu namorado enquanto fazemos amor. No entanto, tenho vergonha de o dizer ao meu namorado, pois não sei o que ele vai pensar…”

 

Cláudia, Porto

 

Cara Leitora,

A sua fantasia não é nada fora do comum, por isso, a melhor forma de fazer com que o seu namorado realize a sua fantasia é falar com ele de forma directa. Ter fantasias sexuais e realizá-las com o parceiro pode ser bastante excitante e rejuvenescedor para a relação. Por isso, não tenha receio, pois converse com o seu namorado, aproveite para lhe perguntar se ele tem algumas fantasia que ele queira realizar, e se elas forem do seu agrado, ofereça-se para as realizar. Um relacionamento sexual saudável é composto de uma combinação de dar e receber prazer, aposte nisso.

Disfunção Erétil

De todos os problemas sexuais que os homens enfrentam, a disfunção erétil é a mais comum, e inclui vários problemas, desde a capacidade de manter a ereção por um curto período até conseguir obtê-la de todo. É muito normal que os homens passem por isto em algum período das suas vidas.

Uma das causas mais comuns da disfunção erétil é uma condição na qual embora o sangue aflua ao pénis da forma habitual durante a ereção, volta de novo para trás e o pénis fica flácido. Isto acontece devido ao sistema de bloqueio, que normalmente mantém o sangue dentro do pénis, deixar de funcionar convenientemente. Este problema pode ser ultrapassado utilizando um anel concebido medicamente que encaixa à volta da base do pénis.

Os problemas de ereção podem ter uma origem psicológica. Por exemplo, se estiver preocupado com o seu desempenho sexual, ou com sentimentos de inadequação, culpa, ou ressentimento, estes podem manifestar-se como uma incapacidade de ter ou manter a ereção. Esta forma pode ser muito fácil de diagnosticar porque será capaz de ter uma ereção por vezes, mas não com uma parceira. A terapia sexual é geralmente a melhor forma de tratamento deste problema.

 

 

“Quais os efeitos dos afrodisíacos?

 

 

“As minhas amigas falam muito sobre afrodisíacos e os poderes que têm, mas gostaria de perceber melhor quais são os seus efeitos.”

Rita, Montemor-o-Novo

 

 

 

Cara leitora,

Os afrodisíacos são produtos que, quando ingeridos, têm como finalidade o estímulo e aumento de desejo sexual e têm de facto efeitos práticos. São agentes químicos ou naturais e podemos encontrá-los em vários alimentos. Por ser uma técnica utilizada há séculos e por variados povos, é utilizada uma grande selecção de condimentos, aromas e incensos para estimular o apetite sexual. Os alimentos e condimentos afrodisíacos mais comuns são a pimenta, o morango, a canela e as ostras. Com estes e outros ingredientes podemos preparar receitas que despertam os sentidos e aumentam o prazer e o desejo sexual. Também existem agentes químicos, prescritos por especialistas, que despertam a vida sexual, ajudando na obtenção da erecção. Porém, há que ter cuidado ao ingerir este tipo de produtos afrodisíacos pois alguns, quando em excesso, podem causar efeitos secundários muito perigosos. 

“Posso por lubrificante no preservativo?”

“Tenho algumas dificuldades a por o preservativo, e já pensei em usar lubrificante para que se torne mais fácil. No entanto, gostava de saber se ao usar lubrificante por dentro do preservativo não corro o risco de este escorregar com maior facilidade, saindo do pénis. Obrigado pela ajuda que me possa dar.”

 

Paulo, Sintra

Caro leitor,

Com preservativos de látex ou poliuretano usar um pouco de lubrificante facilita a colocação do preservativo e pode até aumentar as sensações na glande do pénis, mas tenha em conta que basta umas poucas gotas de lubrificante, pois se usar demasiado isso fará com que o preservativo escorregue facilmente. No caso de usar preservativos de látex, deverá usar lubrificante à base de água, pois os lubrificantes oleosos danificam o látex. Poderá, também por o lubrificante diretamente no pénis, colocando de seguida o preservativo.

 

Desvende a arte da masturbação

o-ORGASM-facebook.jpg

 


Existe um número infindável de técnicas que pode e deve usar enquanto se masturba. Acima de tudo, a regra básica é deixar-se levar pelas suas próprias sensações, com uma mente liberta de receios ou tabus.

 

Masturbação a dois

Praticar a masturbação a dois é uma das melhores formas de revitalizar a relação, aumentando a cumplicidade e estimulando a união. No entanto, pode ser difícil partilhar algo tão íntimo com outra pessoa. Libertar-se desse receio é também uma excitante forma de quebrar tabus e de se superar a si própria.

 

Para partilhar a masturbação com o seu par é importante entender o que lhe provoca o orgasmo. Muitas pessoas têm um estilo de masturbação desde a adolescência e mantêm-no. Não sendo necessariamente negativo, isso faz com que não descubram outras potencialidades. De um modo geral, a maior parte dos orgasmos são provocados através da pressão e da tensão provocadas na masturbação. No entanto, este tipo de orgasmos proporciona um nível de prazer consideravelmente baixo e também não é fácil de ser partilhado com o parceiro, porque se passa tudo a um nível muito interno, dependendo da tensão dos músculos e da pressão sobre a zona genital. Existem também orgasmos provocados pelo relaxamento ou uma variação combinada de todos os outros.

 

Masturbação por pressão

Muitas mulheres chegam ao orgasmo ao friccionarem o clítoris sobre qualquer objeto, seja o braço de um sofá, uma almofada, um boneco de peluche. Este tipo de masturbação dispensa o uso das mãos, sendo que algumas mulheres limitam-se a cruzar as pernas, fechando-as com força e massajando a região genital através da pressão por elas exercida. Colocar-se sobre uma almofada ou qualquer outro objeto que lhe ofereça esse tipo de pressão, sendo mais ou menos rígido, à frente do seu companheiro, mesmo vestida, pode ser extremamente provocador e excitante para ambos.

 

Masturbação por tensão

Ao conjugar a estimulação genital com alguma tensão muscular a libertação trazida pelo orgasmo é maior e este é mais intenso. Neste caso, os músculos das pernas e das nádegas contraem-se com força, apertando enquanto o resto do corpo se mantém rígido. Enquanto sustem a respiração, exerce maior pressão sobre o clítoris apertando os músculos, o que proporciona com relativa facilidade um orgasmo silencioso, que alivia a tensão numa rápida descarga. Este tipo de orgasmos pode acontecer mesmo enquanto se pratica ginástica, como por exemplo ao subir a uma corda, pois todo o corpo está em tensão. Embora estes orgasmos rápidos sejam dos mais comuns, devem ser vistos como a fast food – saciam a fome mas não alimentam plenamente.

 

Masturbação por relaxamento

Este tipo de masturbação é ideal para ser praticada a dois, até porque não é fácil relaxar completamente e estimular ao mesmo tempo a área genital. Assim, é essencial que se deixe pura e simplesmente descontrair, relaxando todos os músculos, como se fosse a Bela Adormecida, enquanto o seu par a masturba com a mão dele, deslizando suavemente os dedos pelos seus lábios vaginais, brincando com o seu clítoris. Deixe-se ir, simplesmente, sem pressas. Este tipo de contacto íntimo é extremamente erótico para ambos, estimulando a cumplicidade do casal.

 

Masturbação combinada

Usa os princípios subjacentes às três formas de obter prazer que foram anteriormente descritas. Assim, neste caso usa-se a tensão e o relaxamento em simultâneo com a estimulação direta do clítoris ou a penetração vaginal, usando os dedos ou um vibrador. Assim, deve contrair os músculos vaginais e libertá-los de seguida, repetindo algumas vezes. Use então um vibrador que deve introduzir devagar na vagina, enquanto continua a contrair e relaxar os músculos vaginais. Com os dedos estimule o clítoris (este tipo de masturbação pode e deve ser feita a dois), continuando a trabalhar os músculos vaginais, inspirando com força quando contrai e expirando profundamente quando liberta os músculos. Ao conjugar todos estes fatores obterá orgasmos mais intensos e mais profundos. Pode também fazer você a estimulação do clítoris enquanto o seu companheiro "se encarrega" da penetração vaginal, com os dedos ou um vibrador. Este tipo de masturbação cria o ambiente adequado para a relação sexual, pois proporciona à mulher orgasmos intensos e libertadores.

“Onde é que fica o ponto G?”

“Costumo ter relações com a minha namorada todos os dias, mas ela diz-me que nunca conseguiu atingir o orgasmo. Ouvi dizer que existe um sítio na vagina que se chama ponto G e que se eu lá tocar, ela tem orgasmos. Onde fica o ponto G?...”

 

 

Caro leitor:

O ponto G situa-se nas paredes da vagina, e é uma zona particularmente sensível que pode fazer qualquer mulher perder o controle. Trata-se de uma pequena aglomeração de terminações nervosas e glândulas no interior da vagina. Quando esse local é estimulado, as mulheres alcançam um grau de excitação muito alto e intenso. A localização exacta não é conhecida, afirmando alguns especialistas que ele só é perceptível quando estimulado. A melhor maneira de o descobrir é colocar por baixo do traseiro da sua companheira uma almofada, estando ela deitada de barriga para baixo sob a cama ou deixe a sua parceira ficar por cima. Para conseguir proporcionar o orgasmo à sua companheira, aconselho-o a conversar com ela sobre o que lhe dá mais prazer e depois faça-o. Se relaxar e descontrair, verá que ele surgirá naturalmente.

Pág. 1/3