Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Rapidinhas

Fotolia_67774782_Subscription_Monthly_M.jpg

 

Sexo oral para a mulher

Porque o amor é dar e receber, peça ao seu parceiro que ofereça um mimo especial. Uma dica: "esqueça-se" da revista aberta nesta página em cima da mesa e deixe que ele a veja quando estiver sozinho. Se não resultar, experimente sussurrar-lhe ao ouvido, com voz quente "quero sentir a tua língua em mim… agora!" ou, numa abordagem menos direta, diga-lhe que adora os beijos dele, e que gostava ainda mais de os sentir noutra parte do seu corpo. Oriente-o e partam à descoberta deste momento tão íntimo e que vos irá dar tanto prazer.

 

Para a levar ao sétimo céu…

* Faça-lhe cunnilingus, é a técnica utilizada nas mulheres. O homem deve começar por acariciar e beijar o corpo a partir da boca e no sentido descendente, ou estando deitado por baixo da mulher e começando por beijar, lamber e cheirar as suas pernas e interior das coxas, usando as mãos para acariciar o exterior das coxas.

* Movimente as mãos ao longo da virilha e acaricie gentilmente os pelos púbicos. As coxas começarão a abrir-se ainda mais com a excitação, revelando os lábios interiores e exteriores da vagina.

* Afaste os grandes lábios e descubra o clítoris, mova suavemente a língua para a frente e para trás, para dentro e à volta da área. Chupe a ponta do clítoris delicadamente.

* Insira um dedo dentro da vagina, depois lubrificando a área do clítoris com saliva, continue a lamber. Varie a velocidade.

 

Beijo à "francesa"

Peça ao seu mais-que-tudo que repita "em baixo" exatamente o mesmo que faz com a sua boca…

"Gelado do amor"

Peça-lhe que imagine que está a comer um cornetto e que a sua língua reproduza os mesmos movimentos de quando está a lamber o fundo do cone de bolacha…

Espasmos de prazer

Quer seja ao lamber, quer seja ao chupar, as diferenças de intensidade e de ritmo provocam espasmos de prazer.

Quente e frio

Soprar ar quente, afastar-se da entrada da vagina e soprar ar frio.

Intenso

Com a língua, entra e sai da vagina ou da parte interior dos lábios, "penetrando-a".

“O que é a ejaculação retardada?”

“Já tenho ouvido falar sobre a ejaculação precoce e estou mais ou menos esclarecido sobre o tema. No entanto, sei que também existe a ejaculação retardada, e gostava que me explicasse o que é…”
 
Sérgio - Coimbra
 
Caro Leitor,
A ejaculação retardada é o oposto da ejaculação precoce, a qual se manifesta com menos frequência. Como tal, os homens têm dificuldade em atingir o orgasmo por uma série de causas, que podem ser físicas ou psicológicas. Se o homem estiver sob o efeito de bebidas alcoólicas, drogas ou medicamentos, estas situações podem ocorrer, pelo simples facto destes produtos retardarem os reflexos. Outra das causas possíveis é o homem retardar deliberadamente a ejaculação, na esperança de que a parceira atinja o orgasmo ao mesmo tempo. Por fim, as preocupações que o homem possa sentir no momento da relação sexual também dificultam, consequentemente, a própria erecção e a respectiva ejaculação. Não existe nada mais sensato, em qualquer caso, do que uma boa comunicação entre parceiros para poderem ultrapassar todos os obstáculos que possam surgir.
 

Rainha do Chocolate: A Diva suprema afrodisíaca.

O chocolate é a diva da comida de todo o mundo e um grande afrodisíaco.

Quimicamente, e culinariamente, o chocolate é das comidas mais mágicas do mundo. O chocolate
tem sido visto como a “comida dos deuses”, usado como dinheiro, valorizado na medicina; e mais que tudo, considerado como um poderoso afrodisíaco.

Nenhum outro alimento parece tão misterioso nem tem um efeito químico tão poderoso para o
cérebro e corpo.

Não só os químicos neuroactivos do chocolate o faz sentir bem, a perfeita combinação do doce e da gordura encontradas no chocolate (um bombom de chocolate tem 50 % de açúcar e 50% de gordura) estimulam os pontos de prazer e a produção de endorfinas no cérebro. Os hidratos de carbono encontrados num bombom de chocolate também aumentam os níveis de seretonina, um químico descoberto no cérebro que eleva e estabiliza o estado de humor.

“Não tenho lubrificação suficiente para ter relações sexuais”

“Sou casada há 5 anos e a melhor coisa que tenho na vida é a relação que tenho com o meu marido. Ultimamente tenho tido problemas sérios no trabalho e acho que se estão a transbordar também para casa. Chego cansada, não me apetece conversar com ele e quando tentamos fazer amor não tenho lubrificação suficiente. O que se passa comigo? Não quero perder a melhor coisa que tenho e começo a ficar assustada.”

 

Sara, Amadora

 

Cara leitora,

 

Como descreve que tem problemas sérios no trabalho é natural que estes se reflictam no seu estado de humor em casa igualmente e na sua maneira de viver as relações sexuais. Se forem passageiros, tente ter paciência e dar tempo ao tempo para que passem. Se previr que se manterão por muito tempo, então deve encontrar modos saudáveis para si de lidar com eles, de os aceitar e de conseguir abstrair-se deles (pelo menos em casa e noutros contextos), ou mesmo de considerar a procura e mudança de trabalho.

 

A lubrificação vaginal é um sinal de excitação, mas pode sofrer influências do modo como se sente, pelo que pode experimentar utilizar lubrificantes líquidos, em pomadas, comprados em sex-shops, farmácias ou mesmo supermercados. Não a ter ou perdê-la não significa que não esteja a gozar a relação sexual e deve comunicar com o parceiro se desejar uma fase mais longa de preliminares. Comuniquem sobre as coisas que a preocupam, mas dedique-lhes um tempo limitado (por exemplo, meia hora diária depois de chegar do trabalho e não mais do que isso), para que consiga aproveitar o tempo e recuperar as suas forças no seu tempo livre.

Boa sorte!

“Não quero ficar impotente!”

 

“Tenho tido algumas dificuldades em manter a erecção quando estou a fazer amor com a minha mulher. Estamos casados há 20 anos, será por isso?”

 

António, Santarém

 

Caro Leitor,

A dificuldade em manter a erecção por si só não significa que esteja a ficar impotente. As explicações para que tal aconteça podem ter origem em vários factores, sendo os mais frequentes o cansaço, o stress, a monotonia, problemas de saúde como os de coração ou diabetes, e os efeitos secundários de medicamentos. Aconselho-o a consultar um médico para determinar a causa da dificuldade em ter erecções. Não faça do sucedido um bicho-de-sete-cabeças, peça o apoio da sua esposa nesta fase difícil da sua vida. É também normal que, passados alguns anos de casados, as coisas comecem a esfriar resultando em falta de desejo sexual, o que faz com que a erecção não aconteça. Deste modo, cabe a si e à sua esposa fazer os possíveis para que o sexo não deixe de ser novidade. Como deve calcular, com o avançar da idade poderá tornar-se mais difícil para si ter uma erecção, mas isso não é regra geral sinónimo de impotência. 

“A minha esposa não faz sexo oral porque não gosta do sabor”

“Gostava que a minha mulher praticasse sexo oral comigo, mas ela raramente o faz porque diz ficar enojada com o sabor. Existe alguma solução para esta situação?”

Guilherme,
Condeixa-a-Nova

 

Caro leitor,

Existe uma solução bastante simples para resolver esse problema. Se a razão para a sua esposa não praticar sexo oral é apenas porque não gosta do sabor, então experimente utilizar lubrificantes com sabores. Existem vários no mercado que não danificam os preservativos, podendo escolher entre um variado leque de sabores como banana, morango ou chocolate. Escolha aquele que mais lhe agradar, ou pergunte à sua esposa qual deles ela prefere, e surpreenda-a utilizando-o da próxima vez que fizerem amor. Se quiser, pode também sugerir à sua esposa que o utilize em si e verá que a sensação é bastante agradável. Desta forma vai trazer variedade e divertimento à vossa relação, pois os lubrificantes, além de terem um gosto agradável, provocam uma erecção mais rápida no homem e ajudam na penetração. Use a imaginação e faça a sua esposa delirar! 

 

“Fantasia filmar cenas de sexo!”

“Eu e o meu namorado temos uma relação muito boa, mas ele tem insistido em filmar as nossas relações. Não sei se o devo fazer pois tenho receio que ele mostre o filme a alguns dos seus amigos.

Ana, Bragança

Cara Leitora,

 

Para que este tipo de fantasias decorra da melhor forma é importante que exista confiança e, essencialmente, cumplicidade entre o par. Se de facto, existe a possibilidade de que a vossa intimidade seja partilhada com terceiros, seja prudente na decisão que tomar, pois não vá a cassete acabar na internet. Fale abertamente com o seu namorado e fale-lhe dos seus receios, e se necessário Peça para ele assinar um “contrato” no qual ele se compromete a não mostrar as filmagens a ninguém, dessa forma poderá reduzir as probabilidades de ele vir a mostrar a cassete a terceiros, pois sabe que pode ser penalizado por isso. Se mesmo assim, não ficar convencida, lembro-lhe que existem outras brincadeiras que podem estimular o prazer e trabalhar a sua sensualidade.

 

A sexualidade na adolescência

canstockphoto1782340.jpg

 

Para os pais que têm filhos numa fase de grandes mudanças, como é a adolescência, há que deixar os tabus para trás e abrir a mente.

 

Em primeiro lugar, tenha em atenção que, embora não se deva considerar a melhor amiga do seu filho ou da sua filha, é em si que eles devem apoiar-se para esclarecer muitas das suas dúvidas, bem como resolver alguns problemas.

 

Se nunca se mostrar disponível para o diálogo, então será nos amigos da mesma idade, que sabem tanto quanto eles sobre o assunto, que estes irão procurar informação sobre sexo, ou outros assuntos, que pouco ou nada se sentem à vontade para partilhar consigo.

 

Como muitos pais não se preparam para o início da vida sexual dos seus filhos adolescentes, estes acabam por se colocar em situações de risco, tais como: gravidez prematura, contacto com doenças sexualmente transmissíveis ou experiências sexuais desagradáveis. E não falamos apenas de países subdesenvolvidos!

 

Tenha em conta que não é pelo facto de falar com o seu filho sobre sexo que este iniciará a sua vida a este nível levianamente. E para que isso não suceda explique-lhe que o sexo é algo bom e natural, mas tem um momento certo para acontecer, que temos que estar psicologicamente e fisicamente preparados.

 

E se dúvidas houver, os especialistas dizem que meninos e meninas devem receber o mesmo tipo de orientações. Não podem existir preconceitos. O ideal é que seja o pai a dialogar com os filhos e a mãe a esclarecer as filhas.

“Sexo na gravidez!?”

 

 

“Estou grávida de 5 meses e desde que soubemos que eu estou grávida temos evitado fazer amor. O médico diz que não faz mal, mas nós temos receio.”
 
Teresa, Portimão
 
 
Cara Leitora,
 
Pelo que parece já tiveram um parecer médico que não colocou qualquer entrave às relações sexuais, por isso tranquilize-se. Se a gravidez estiver a decorrer dentro da normalidade não existe qualquer problema em ter relações sexuais. Obviamente, o acto sexual deve ser interrompido caso ocorram perdas de sangue, dores abdominais ou outros sintomas e aí devem solicitar de imediato a intervenção médica. Tanto o leitor como a sua esposa devem agir com tranquilidade e se as dúvidas persistirem não hesitem em conversar com o vosso médico assistente. O facto de estar grávida não quer dizer que não possa viver a sua sexualidade de forma plena e satisfatória.

 

Tema de hoje: Fantasias

 

 

 

“O meu namorado já me fez uma vez sexo oral, o que me deixou completamente excitada, e gostava que ele o repetisse, mas cada vez que lhe peço para o fazer diz-me que não. Porque será que ele tem tanta aversão ao sexo oral?”
Carla, Bragança
 
 
Cara Leitora,
Os homens são bastante diferentes entre si, tendo preferências sexuais também diferentes. Sexo oral é algo que requer bastante confiança e cumplicidade entre parceiros. O mais indicado a fazer na sua situação é perguntar ao seu namorado o que é que ele não gostou da vez que o fizeram, e tentar evitar que isso volte a acontecer. Não deverá obrigá-lo, mas deve dizer-lhe que poderá parar assim que o desejar.
 

Pág. 1/3