Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Atreva-se

Banho

 

Banhar-se um ao outro, ou tomar um duche juntos não só é higiénico e refrescante como também dá disposição para o amor.

A banheira ou o chuveiro podem ser locais excitantes para fazer amor (cuidado para não escorregar), ou um prelúdio para a cama.

 

 

“Gostaria de saber o que são afrodisíacos.”

“Eu e os meus amigos por vezes falamos de sexo, e eles falam muito sobre afrodisíacos. Como não sei bem o que são, fico calado e não comento nada. Será que me pode explicar o que são e para que servem os afrodisíacos?”

Márcio, Lousada

Caro leitor,

Os afrodisíacos são um dos elementos mais utilizados para estimular a vida sexual ou para despertar o interesse sexual. Estes são agentes químicos ou naturais que impulsionam o desejo sexual. Dentro dos afrodisíacos podem incluir-se alimentos e cheiros e o seu objectivo é estimular o apetite sexual, manter ou prolongar a excitação. Em termos alimentares a aparência, o gosto e as cores dos alimentos são indispensáveis para produzir o efeito desejado. Dentro dos alimentos considerados afrodisíacos encontram-se os morangos, o pepino, a pimenta, a canela, as ostras e também o álcool se ingerido em pequenas doses, visto que é um desinibidor de comportamentos. Alguns aromas provocados por incensos, velas, perfumes ou loções, tais como o cheiro da abóbora ou do mentol, também exercem uma grande influência no estímulo do apetite sexual. Existem do mesmo modo agentes químicos, prescritos por especialistas, que despertam e intensificam a vida sexual, estimulando a erecção. Porém, neste último caso é importante ter em conta os efeitos secundários quer ao nível cardíaco quer ao nível da erecção dolorosa e prolongada sem qualquer estímulo sexual.

 

"A pílula afecta os orgasmos?"

 

"Vou começar a tomar a pílula e gostava que me esclarecesse a respeito de uma dúvida que tenho quanto à sua interferência nos orgasmos. Enquanto algumas amigas me dizem que torna os orgasmos mais fáceis, outras dizem-me que os dificulta. Afinal, quem tem razão?"

 

Susana, Loures

 

 

 

Cara leitora,

 

Os efeitos da pílula não são iguais para todas as pessoas, até porque variam de acordo com a pílula tomada. Assim, a divergência de opiniões que as suas amigas tem relaciona-se não só com o facto de serem pessoas diferentes como também, certamente, com a diferença entre as pílulas que tomam. As pílulas, sejam de que tipo forem, enganam o organismo fazendo-o "crer" que engravidou, para que desta forma não liberte um óvulo. Contudo, as respostas sexuais do nosso organismo estão fortemente ligadas aos nossos níveis hormonais e seja qual for a pílula tomada ela pode diminuir a libido em algumas mulheres. Contudo, tenha em conta que os orgasmos resultam da combinação de fatores físicos e psicológicos, e que poderá contornar os eventuais efeitos da pílula aumentando o tempo de preliminares ou estimulando manualmente o clítoris durante a relação sexual. Há mulheres que têm maiores dificuldades em atingir o orgasmo, mesmo sem tomarem a pílula. É essencial aprender aquilo que despoleta o seu prazer para que, mesmo tomando a pílula, não sofra com os seus eventuais efeitos nocivos.

 

Tenho orgasmos a toda a hora!

 

Tenho um enorme problema que é o facto de ter orgasmos a toda a hora, sem que me possa controlar, o que as vezes é bastante doloroso e embaraçante!

 

Filipa, Caminha

 

Cara leitora,

O orgasmo é uma libertação da tensão sexual, no entanto existem mulheres que têm orgasmos a toda a hora, tal como a leitora descreve, sem que estejam sexualmente excitadas. Este fenómeno é chamado de Síndroma de Excitação Sexual Permanente, e foi apenas recentemente identificado como sendo uma doença. Os sintomas mais comuns deste síndroma são: manifestação de sinais físicos de excitação sexual que dura durante um longo período de tempo sem que haja estimulação sexual, orgasmos frequentes, e excitação física que persiste independentemente da obtenção do orgasmo. Se a leitora acha que tem este problema aconselho-a a perder a vergonha e a consultar um médico ginecologista e um medico neurologista para que estes a possam ajudar a resolver o problema.

Pág. 3/3