Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Serei infértil?”

“Sou casado e temos tentado engravidar mas nao conseguimos, por isso eu gostaria de fazer um teste de infertilidade masculina, mas não sei como fazê-lo. ”
Simão, Fundão
Caro Leitor,
A infertilidade masculina resultar do facto de o homem não ejacular, não produzir a quantidade necessária de espermatozóides quando ejacula, ou de os espermatozóides não se movimentarem da forma adequada para que se dê a penetração do óvulo. O exame que é feito com maior regularidade para testar a infertilidade masculina é o chamado espermograma, onde o objectivo principal é analisar o sémen. Através deste exame é possível medir a quantidade, a mobilidade e o formato dos espermatozóides, contudo deve ser complementado por outros exames. Porém, o teste não deve ser feito apenas por um membro do casal, é importante que ambos façam os testes necessários de modo a averiguar de onde podem advir os problemas.
 

Tema de hoje: Ejaculação Precoce

 

 
 
 
 
 
 
Tenho 30 anos e sempre me confrontei com um problema de ejaculação precoce. Na grande maioria das vezes não consigo aguentar 2 minutos sem ejacular. Será um problema psicológico ou de hiper-sensibilidade?
 
Francisco
 
Caro Francisco,
 
Os problemas sexuais só podem ser diagnosticados por uma equipa de sexólogos e médicos, para que se avaliem os factores presentes em cada caso. Pense em recorrer a uma consulta presencial - as nossas podem ser marcadas em 21 318 25 91 e são em lisboa.
A ejaculação precoce é uma perturbação que se caracteriza pela ejaculação com uma estimulação sexual mínima, que surge antes, durante ou pouco depois da penetração e antes que a pessoa o deseje.
Há factores a ter em conta que afectam a fase da excitação, como por exemplo, a idade, a novidade ou a situação do parceiro/a sexual e a actividade sexual recente.
A (in)satisfação percepcionada pelo próprio é importante nesta avaliação, mas seja realista na sua apreciação do tempo de ejaculação: uma relação sexual de penetração não dura tanto como se diz. Um estudo recente (da equipa de Eric Corty da Universidade de Penn State, que saiu no Journal of Sexual Medicine) refere que uma relação sexual ideal dura entre 3 e 13 minutos. Claro que se se sente insatisfeito com o tempo que dura a sua ejaculação, tem razões para procurar ajuda.
Experimente um produto retardante em pomada, que pode ser comprado numa sex-shop, para colocar na glande e fazê-lo perder um pouco a sensibilidade peniana (este produto deve ser utilizado em pequenas quantidades e o homem deve colocar um preservativo após a sua aplicação). Pode também colocar um preservativo e tentar a masturbação com ele, antes de o colocar na relação sexual (pode inibi-lo e assim tem tempo de treinar sozinho até se sentir à vontade).
 
Se estas sugestões não funcionarem, tente a técnica dos terapeutas sexuais – o “squeeze” – que consiste em parar a estimulação sexual e apertar a base ou freio do pénis com três dedos (polegar, indicador e dedo médio) antes da ejaculação e por 3 a 4 segundos, o que parará a ejaculação e causara uma redução da erecção. Continue a estimulação e excitação mútua para voltar a recuperar a erecção. Esta técnica deve ser repetida 3 vezes ate permitir a ejaculação. E normal que nas primeiras vezes não seja bem sucedido em conseguir parar a estimulação antes de ejacular, mas deve continuar a tentar. Demora em média 3 semanas, fazendo o exercício 3 ou 4 vezes por dia até que se notem os resultados. Esta técnica pode parecer difícil de executar, pelo que a ajuda de um técnico especializado em sexologia pode ser útil. Não deve ter medo de recuperar a erecção, como refere, pois esse medo em antecipação é que o deve estar a impedir de a recuperar.
É ter tranquilidade e não ser observador da sua relação, mas estar presente a sentir todo o prazer possível. Pode ainda masturbar-se até atingir o orgasmo e a ejaculação umas horas antes da relação sexual (ou na própria relação sexual), para que na próxima penetração o tempo desta seja mais duradouro.
Tente abstrair-se de problemas, relaxar, não partir logo para a penetração mas demorar nas carícias, sentir o corpo da outra pessoa e o prazer e satisfação que lhe pode oferecer, descobrir as suas zonas erógenas preferidas…
Apesar destas sugestões úteis, penso que deveria consultar um especialista, que lhe esclareça esta questão e lhe dê um apoio presencial, pois pode prevenir que este problema continue e o faça sentir-se cada vez pior consigo próprio e nas suas relações sexuais. Não tenha vergonha, a ejaculação precoce ou prematura é muito frequente em homens de muitas idades e tem tratamento.

Apetite sexual

 

Tenho 18 anos e já iniciei a minha vida sexual há algum tempo com o meu parceiro. O que se passa é que não tenho apetite sexual. Ele por vezes queixa-se, mas eu não tenho culpa de não me apetecer. Gostaria de saber se algo de errado se passa comigo, uma vez que ainda sou muito nova. Agradeço que a publicação desta mensagem seja feita sem qualquer nome identificativo.

 

 

Cara leitora,

é ainda bastante jovem e por isso está ainda numa fase de descoberta sexual. Aconselho que converse com o seu parceiro e que em conjunto explorem com mais calma e atenção todas as suas áreas erógenas. Dessa forma tanto a leitora como o seu namorado vão descobrir o que lhe dá prazer, o que vai ajudar a aumentar o seu desejo sexual. Aconselho também que a leitora experimente a masturbação em privado, e que depois partilhe com o seu namorado o que aprendeu.

“Tenho sonhos húmidos!”

“Tenho 18 anos e por vezes acordo molhado, depois de ter sonhos eróticos. Serei tarado?”

Ângelo, Miraflores

 

Caro Leitor,

 Não fique preocupado, pois o que se passa consigo é absolutamente normal na sua idade e está relacionado com o desenvolvimento hormonal. É comum no universo masculino a ocorrência de orgasmos durante o sono, podendo estar ou não directamente relacionada com perspectivações sexuais, pois as ejaculações nocturnas podem surgir de forma involuntária.

Os sonhos molhados dão-se quando as glândulas sexuais começam a produzir esperma e este se acumula nos testículos. Tal com os outros sonhos não é possível controlá-los e a sua frequência varia de indivíduo para indivíduo, sendo bastantes comuns durante a adolescência. Neste sentido, tranquilize-se e viva a sua sexualidade com naturalidade, pois estes sonhos fazem parte do seu crescimento.

Disfunções sexuais

how_to_help_him_cope_with_erectile_dysfunction_ed.

 

Não existem dúvidas, o seu prazer sexual pode ser afetado por diversas disfunções sexuais, que podem causar dor ou algum sofrimento psicológico.

Muitas mulheres, passam uma vida inteira a pensar que o seu desempenho na intimidade é fraco ou diferente, mas aquilo que não entendem é que as suas respostas aos estímulos sexuais podem não ser mais melhores, simplesmente porque sofrem de um problema físico ou psicológico, que pode ser perfeitamente tratado.

Vaginismo, dispareunia, anorgasmia ou desejo sexual hipoativo são alguns dos problemas que se podem manifestar na mulher. Para resolvê-los basta que procure a resolução para eles, junto de algum terapeuta sexual ou do seu ginecologista.

 

Os mais usuais:

Desejo sexual hipoativo (falta de prazer no ato sexual): Não existe ou diminui o desejo e as fantasias sexuais.

Aversão sexual (fobia no ato sexual): Existem sentimentos de repulsa pelo parceiro, na intimidade, acompanhados de alguma ansiedade e medo.

Transtorno de excitação (frigidez): Existe uma capacidade quase permanente de manter a lubrificação vaginal até ao final do ato sexual. A mulher tem também falta de excitação.

Anorgasmia (inibição do orgasmo): Mesmo após um estímulo sexual adequado, a mulher pode não conseguir atingir o orgasmo.

Dispareunia: É a dor genital que a mulher sente durante um ato sexual, desde que não existam outros fatores como nódulos ou infeções.

Vaginismo: Quando existe uma contração permanente dos músculos da vagina que impedem a penetração pelo pénis.

Disfunção sexual devido a uma condição médica: Quando existem outras doenças, como por exemplo a diabetes que fazem com que o desejo sexual diminua.

Disfunção sexual induzida por substâncias: Quando existe diminuição do desejo sexual devido à ingestão de algumas substâncias orgânicas, como por exemplo, antidepressivos.

Fantasias sexuais

0SDhEO7NCFlCTkE-7brE8NiU_.jpg

 

Há alguns anos atrás este assunto era um tabu na nossa sociedade. Não quer dizer que muitos homens e mulheres não tivessem inúmeras fantasias sexuais, mas na verdade, estes pensamentos libidinosos eram considerados pecado e, na maior parte das vezes, jamais eram revelados e poucas vezes concretizados.

 

Hoje em dia, a mente está mais aberta a estas situações e, a verdade é que, muitas vezes, a realização destas fantasias pode salvar casamentos, que desta forma conseguem fugir à rotina.

 

A fantasia sexual é descrita como um desejo que um determinado indivíduo tem, de fazer algo diferente do habitual a nível sexual, que só de imaginar lhe dá um enorme prazer. É claro que existem algumas fantasias que são condenáveis, porém outras podem tornar a nossa intimidade cada vez mais saudável.

 

As fantasias sexuais mais comuns entre os homens revelam-se na vontade que estes têm de fazer amor com uma enfermeira, uma professora ou uma empregada doméstica.

 

No caso das mulheres, elas fantasiam com homens de farda e também com um professor, por exemplo. Os ambientes onde se possa ter uma relação sexual com alguém, são também muito fantasiados, sendo que locais perigosos, onde haja hipótese de se ser apanhado, são os mais usuais. Falamos, por exemplo, de elevadores, em piscinas ou dentro do carro.

 

Não se envergonhe de realizar as suas fantasias sexuais, desde que não se coloque em perigos reais e não prejudique ninguém.

“Como se coloca um preservativo correctamente?”


“Sou virgem, e gostava de ter sexo pela primeira vez. Se usar o preservativo estou protegida? Como devo colocar o preservativo para evitar engravidar?“

 

Liliana, Madeira

Cara leitora,

O preservativo tem a vantagem de a proteger de uma gravidez mas também de infecções sexualmente transmissíveis. Este deve ser colocado da seguinte forma:

1) Verifique antes do encontro o estado da embalagem, a data de validade e se tem certificado de qualidade de Comunidade Europeia, que garante que está em boas condições;

2) Quando o homem tiver uma erecção satisfatória e antes de qualquer contacto genital, abra a embalagem exterior do preservativo, sem utilizar os dentes, tesouras, unhas ou algo afiado (pode empurrar o preservativo para um dos lados da embalagem);

3) Com três dedos (polegar, indicador e médio) agarrem a ponta/recipiente do preservativo, para haver espaço para onde o esperma sair – pode ser feito pelo homem ou pela mulher;

4) Coloque o preservativo no pénis, enquanto este está erecto;

4) Logo depois de ejacular, retire o preservativo a partir da base do pénis, sem permitir que saia algum sémen para a zona genital vaginal, dê um nó, embrulhe em papel e deite num caixote do lixo. 

Dicas Sexuais

 "Rode a língua à volta da cabeça e de seguida chupe rapidamente a haste para cima e para baixo. Brinque com a saliência na parte de dentro do lingam, e varie a duração e a força das lambidelas para um prazer máximo."

 

(Segredos do Sexo, Michelle Pauli)

 

 

Pág. 3/3