Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Vida de casal: não tenho vontade de fazer amor!

6783398-couple-wallpaper.jpg

 

A rotina é, sem dúvida, um dos maiores inimigos de qualquer relacionamento. Enquanto que nos primeiros tempos da paixão todo o tempo que passavam juntos parecia pouco e qualquer toque ou olhar desencadeava um incêndio que os levava para os braços um do outro, com o tempo e a habituação a excitação da novidade apaga-se. Se a isso juntarmos as exigências do dia a dia, as discussões a respeito de quem lava a louça ou vai buscar os filhos à escola e as pressões a que cada um dos dois é submetido no local de trabalho, é fácil de compreender porque é que a vida sexual se torna um problema silencioso para tantos casais.

 

Passamos mais tempo a trabalhar e a responder aos desafios e exigências profissionais do que a sós com quem amamos. Por outro lado, qualquer pessoa, por mais apaixonada que esteja, precisa de ter tempo para si e para sentir saudades do seu mais-que-tudo. Aquilo de que muitas vezes não nos damos conta, no entanto, é que ao afastarmo-nos no dia a dia isso cria um fosso também na nossa vida sexual, afastando-nos.

 

Por outro lado, é fundamental ter presente que se perder o contato com a sua própria sexualidade isso irá necessariamente afastá-la do seu par. Limitar-se a cumprir as suas obrigações enquanto mãe e profissional, esquecendo-se que também é mulher, com desejos e vontades, faz com que essa parte do seu ser e da sua vida vá ficando entorpecida. A partir daí, muitas mulheres deixam de sentir prazer na relação sexual, porque não se permitem desfrutar dela com relaxamento e descontração, passando a evitar o seu parceiro. A anorgasmia, uma disfunção de que já falámos, pode surgir então e impedir a mulher de ter orgasmos, ou dificultando-os. Como tal, isto faz com que a mulher ainda tenha maior tendência para evitar a relação sexual, pois sabe que não lhe será fácil chegar ao orgasmo, tornando o sexo algo penoso.

 

Mais vale prevenir…
A melhor forma de combater a falta de desejo no casal é aprender a evitá-la. Para tal, integre certos princípios na dinâmica da relação e faça deles hábitos saudáveis, para o bem da relação.

“ O meu namorado não me satisfaz!”

 

“ Namoro há um ano e há pouco mais de 3 meses iniciei a vida sexual com o meu namorado, acontece que ele não me satisfaz como eu gostava… Como hei-de fazer para que ele perceba isso sem o magoar? Apesar de ele não me satisfazer na cama eu amo-o muito!”

 

 

 

Cara Leitora:

Se não disser ao seu namorado aquilo que gosta que ele lhe faça, ele provavelmente nunca o irá perceber, e continuará na ilusão de que tem desempenhado o seu papel na perfeição. Também pode adoptar outra estratégia que é fazer-lhe a ele o que gostaria que ele lhe fizesse a si. Fazer comentários durante o acto sexual também pode resultar. Verbalize as suas preferências e reforce os comportamentos que quer que ele continue a ter dizendo-lhe o quão bem ele os faz. Faça sugestões de uma forma sedutora, não tenha medo nem receio de falar com o seu namorado acerca de sexo, mas faça-o de uma forma calma, sem lhe dar ordens ou fazendo-o sentir-se um fracasso. O diálogo aberto e sem tabus é fundamental entre um casal.

 

“Onde estão os limites saudáveis na prática Sado-masoquista?”

“Tenho muita curiosidade em experimentar o Sado-masoquismo, pois sempre me fascinou e atraiu. No entanto, tenho algum receio de perder o controlo da situação, e cresci com a ideia de que este tipo de práticas são erradas e doentias. Onde é que se definem os limites para o que está certo ou errado?”

 

Vanessa, Lagos

 

Cara leitora,

No sado-masoquismo é estabelecido um acordo com base no domínio e na submissão. Um dos parceiros assume de antemão o papel de dominador, sendo que o outro aceita antecipadamente submeter-se às vontades e às ordens do primeiro. O mútuo consentimento é o principal limite, e deve ser estabelecido por todos os intervenientes antes de ser iniciada a relação. O sado-masoquismo é normal, desde que todos os seus praticantes o façam de livre vontade e tenham prazer neste tipo de prática, que envolve dor física, desconforto e intensidade, cujo limite é o sinal para parar dado pelo sumbmisso. O sado-masoquismo mistura o prazer com a dor, sendo que os  seus praticantes sentem prazer através desta. O mútuo consentimento é aquilo que torna o Sado-masoquismo “normal” e que o distingue do abuso físico. A confiança desempenha um papel fulcral no Sado-masoquismo, e antes de iniciar a “sessão” os intervenientes têm de discutir aquilo de que gostam e o que estão dispostos a fazer. É habitual haver uma “palavra de segurança”, que não deve estar relacionada com aquilo que estão a fazer, e que é usada quando um dos intervenientes quer parar. Devido ao tipo de interacção que o Sado-masoquismo implica palavras como “não” ou “pára” não são usadas como palavras de segurança, pois podem ser recorrentemente utilizadas. Palavras completamente dissociadas do contexto, como “prata”, “manteiga”, etc. são preferíveis. Se não está segura acerca dos seus próprios limites pessoais, procure fantasiar acerca das cenas. Se nas suas fantasias algo lhe causa impressão, provavelmente também não se sentirá confortável ao pôr isso em prática.

“Tenho tido dificuldade em ficar lubrificada”

 

“Tenho 38 anos estou casada há 10 anos. Nunca tivemos problemas a nível sexual mas ultimamente tenho tido dificuldade em ficar lubrificada. Será que passado todos estes anos estou a ficar seca?”

 

Margarida, Cacém

 

Cara leitora

Existem varias explicações para o seu problema. Pode dar-se o caso de ter uma infecção vaginal que causa desconforto durante a penetração e logo dificuldade na lubrificação. Pode também dar-se o caso de estar a tomar algum medicamento que diminua o desejo sexual fazendo com que tenha mais dificuldade em excitar-se sexualmente, e atingir a lubrificação necessária para a penetração. Outra possibilidade é a leitora estar em fase de pré-menopausa. Apesar da maioria das mulheres atingirem a menopausa em idades mais avançadas, existem excepções nas quais mulheres entram em fase de pré-menopausa por volta dos 35 ou 36 anos de idade. Se esse for o seu caso a dificuldade em ficar lubrificada é devida a níveis irregulares de estrogenio, que nem sempre são acompanhados por ausência de menstruação. Aconselho-a a consultar um médico para descobrir qual a causa da sua dificuldade em ficar lubrificada, mas entretanto utilize lubrificante o que tornará a penetração bastante mais confortável.

 

 

 

“Começámos a nossa vida sexual e estamos com medo!”

 

 “Eu e a minha namorada iniciámos a nossa vida sexual há pouco tempo e tivemos relações 3 vezes. Na penúltima aconteceu que, após fazermos amor, reparei que o preservativo se encontrava a meio do pénis, algo que me deixou assustado, embora não tenha ejaculado nele. A minha namorada acha que tem o período atrasado, ela nunca tomou a pílula e agora tem os seios com algumas dores e anda com dores nos rins há 2 dias. Ela nota que tem a barriga mais inchada como o habitual. Estamos bastante preocupados com este atraso menstrual dela… será que é normal este atraso? O que acha que poderá ser?

 

Josué, Almada

 

Caro leitor,

Não lhe posso garantir o que poderá ser esse atraso na menstruação. É aconselhável que vão juntos a uma consulta de planeamento familiar, onde possam escolher uma contracepção mais eficaz, que não apenas o preservativo, e onde esclareçam esta e outras dúvidas. O facto de o preservativo se ter deslocado durante a penetração pode significar que é demasiado grande (confirme que tipo está a usar) ou que perdeu ligeiramente a erecção, o que é perfeitamente normal.

O seguimento ginecológico das mulheres com vida sexual activa é essencial e o acompanhamento do casal pode melhorar em muito as vossas actividades sexuais e o prazer que podem tirar delas em segurança.

Em Portugal, muitos centros de saúde têm estas consultas gratuitas, anónimas e têm métodos contraceptivos acessíveis para todos. Reflictam com os técnicos de saúde da equipa quais são melhores para vocês utilizarem: adesivos, implante, anel vaginal…sem esquecer que o preservativo é o único que protege igualmente das infecções sexualmente transmissíveis e das gravidezes indesejadas, pelo que dá segurança dupla.

Por fim, não se esqueçam que ter atrasos na menstruação pode ser normal e não se estar grávida pode ser apenas uma fase mais ansiosa ou sinal de outras situações ginecológicas. Uma consulta presencial irá esclarecer melhor estas questões.

 

“Orgasmos em sintonia”

“Tenho uma namorada há 6 meses e tem acontecido uma coisa que nunca antes se tinha passado comigo. Acontece, com muita frequência, termos orgasmos em simultâneo! Obviamente que isso nos deixa felizes e satisfeitos, mas não deixa de ser curioso porque nunca me tinha acontecido nada parecido. Seremos um casal estranho? Porque será que isto sucede?”

 

Sérgio, Seixal

 

Caro leitor,

Embora não sejam impossíveis, os orgasmos em sintonia, em que ambos os parceiros atingem o orgasmo exatamente no mesmo momento, são raros e contribuem para uma forte partilha e união. Existem casais em que ambos têm orgasmos coincidentes com frequência, outros em que de vez em quando isso sucede e outros em que tal nunca acontece, mas isso não implica que haja uma maior ou menos cumplicidade ou compatibilidade no casal. O facto de ver o parceiro cada vez mais excitado, com respiração ofegante e a atingir o clímax pode provocar uma excitação que leva ao próprio orgasmo. Se encontrou uma namorada com quem tem essa experiência, aproveite-a em pleno! Desfrutem em pleno dos vossos orgasmos, quer estes sucedam em simultâneo ou não, pois não há limites nem regras para o prazer.

(In)submissão

focus2-xlarge.jpg

 

Quem não deseja ser a companheira perfeita, a amante inesquecível, a sedutora a que o companheiro não resiste? No mais íntimo de cada ser humano há a necessidade de ser desejado, apreciado, de despertar atração e luxúria. Por vezes caímos na ideia errada de que, se fizermos tudo o que o outro deseja, seremos amados. Ser submissa não é o mesmo que ser uma boa amante, bem pelo contrário! Contudo, há quem se encontre a si próprio no prazer de se submeter a outrem, num jogo de domínio e submissão.

 

As exigências do dia a dia fazem com que muitas vezes nos esqueçamos que, para além de mães, filhas, funcionárias, chefes, somos, acima de tudo, mulheres. É comum à nossa identidade a sensibilidade, a sutil delicadeza, a capacidade de entrega e devoção, a força para derrubar todos os obstáculos, a resistência e resiliência e, também, a capacidade inata de seduzir e derreter o coração mais empedernido. O poder de sedução faz parte da mais profunda natureza feminina.

 

Algumas mulheres, contudo, negligenciam essa aptidão por duvidarem dela, sendo incapazes de se verem a si próprias como sedutoras ou atraentes. Para ser uma boa amante, comece por se ver a si própria como tal. Esqueça os tabus que lhe incutiram, perca os receios de ser "desavergonhada" ou de adotar comportamentos pouco próprios para uma boa esposa.

 

Entre quatro paredes, tudo é permitido entre duas pessoas que se amam e se respeitam. Fazer todas as vontades e ceder a qualquer capricho de outrem não garante a conquista do seu coração: bem pelo contrário, os homens (e as mulheres) amam pessoas com personalidade forte, que se apreciam a si próprias.

 

Quando estamos no território do BDSM, contudo, as regras alteram-se. Se existem pessoas que sentem prazer em dominar, outras há que encontram a sua maior satisfação em serem dominadas, submetidas a outrem. Os submissos devotam uma total lealdade ao seu dominador ou dominadora, servindo-o/a em tudo o que lhes é pedido, dentro dos limites que foram previamente definidos pelo contrato assinado entre ambos, que faz parte do protocolo das relações BDSM.

 

Para além dos jogos íntimos, sexuais ou não, o dominador pode determinar como é que o submisso se deve vestir (muitos submissos usam uma coleira com uma argola de metal, que os identifica como sendo aqueles que se submetem) ou aquilo que deve comer, e estas regras lembram ao submisso que o seu papel é obedecer e agir da forma como o dominador entende que ele deve fazer. O prazer que estas práticas podem proporcionar radica nos meandros secretos do nosso cérebro.

 

Por exemplo, uma pessoa a quem no dia a dia é exigido que dite as regras e as ordens que outros têm de cumprir pode achar extremamente libertador o facto de, por sua vez, se encontrar à mercê das ordens de outrem. Pessoas inseguras que precisam de constante aprovação dos outros podem retirar um enorme prazer do facto de se empenharem para cumprirem as ordens que lhes são dadas, sendo depois elogiadas, incentivadas, apreciadas e recompensadas por isso. Existem pessoas, também, que simplesmente se divertem a explorar outros aspetos da sua sexualidade e do seu erotismo, descobrindo mais sobre si próprias neste complexo jogo de "o Dom manda".

Relaxamento Erótico

Para o relaxamento erótico, massaje o seu parceiro com uma loção corporal de óleos de aromaterapia. O toque relaxante, o massajar firme pressionando os dedos sobre a pele são formas fantásticas e sexys de relaxamento. Mas, lembre-se, não se deixe entusiasmar demasiado, esta
apenas a caminho da melhor parte.

 

 

PARA UMA SENSAÇÃO ADICIONAL, DEIXE O ÓLEO NO FRIGURIFICO POR UMA NOITE ANTES DE O USAR, APOS TE-LO ESPALHADO PELA PELE SENTIRA UM ARREPIO SÚBITO QUE PROVOCARA DE IMEDIATO UM FORMIGUEIRO NOS SEUS SENTIDOS, DESPERTANDO UMA SENSAÇÃO FÍSICA EXITANTE- E AINDA NEM SEQUER DEU UM BEIJO!

“Tenho 18 anos e perco a erecção!”

 

 

Tenho 18 anos, e estou a tentar começar uma vida sexualmente activa com a minha namorada. O problema é que perco completamente a erecção durante os preliminares, não conseguindo recuperá-la. Tentámos por duas vezes, e eu perdi sempre a erecção. O que posso fazer?

Francisco, Tomar

 

Caro leitor,

Dada a sua idade, acredito que a causa destas dificuldades tenham causas psicológicas – o leitor parece ter entrado num ciclo vicioso, depois de uma experiência que correu mal, começou a sentir ansiedade de antecipação e a ficar preocupado com isso, o que influencia muito as relações sexuais seguintes, de modo negativo. É muito normal que a primeira vez que tente fique preocupado se vai conseguir, se vai agradar à sua namorada, só o nervosismo de ser a primeira é suficiente para que surjam dificuldades. Mas não diga que não consegue recuperar a erecção, pois se a estimulação continuar e mantiver um espírito positivo, dizendo a si mesmo que é normal perder-se uma erecção, outras se seguirão certamente.

Provavelmente, quando chega a hora de tentar a penetração, o seu corpo e mente estão num modo que não é sexual mas ansiogénico, mergulhados em preocupações e a sentir muito menos o prazer. É muito importante que perceba este ciclo vicioso e o consiga cortar: relaxe, não desista de ter relações sexuais só porque perdeu aquela erecção, pois se continuar a estimulação outras se seguirão certamente; ganhe confiança com a sua parceira sexual, para que ela seja paciente e o faça se sinta à vontade; treine a colocação e utilização do preservativo na masturbação; experimente comprar anéis penianos numa sex-shop, que o podem ajudar ligeiramente a aguentar o afluxo de sangue no pénis…

Se estas sugestões não resolverem o problema recorra a consulta de planeamento familiar ou de sexologia, para que não sofra o efeito de bola de neve e veja este problema aumentar e instalar-se na sua vida sexual. 

Ervas Afrodisíacas

tesoura ervas.jpg

 

Estas plantas têm um aroma intenso e penetrante. Devido às suas caraterísticas picantes e estimulantes, umas mais que outras, quando ingeridas produziam uma sensação nova mas agradável de euforia que induzia o desejo amoroso. Por essa razão foram consideradas afrodisíacas e proibidas noutros tempos.

 

Hoje em dia a sua utilização é comum e essencial para a cozinha de todas as regiões do mundo e as suas propriedades afrodisíacas, muitas por sugestão, já não assustam mas até agradam. No campo ou num jardim perfumam o ar com os seus aromas profundos. Adicionadas aos cozinhados e saladas ativam o sabor dos ingredientes e tornam os pratos mais interessantes e exóticos. Em chás, infusões, banhos e óleos as suas propriedades terapêuticas e estimulantes são libertadas proporcionando uma sensação de bem estar físico.

 

Açafrão - Especiaria estimulante utilizada em pó de cor amarela ou vermelha. Na Ásia é empregada para tingir tecidos. Adiciona-se ao arroz e ao marisco para dar uma cor amarela e um sabor delicioso.

 

Alfazema – planta de aroma muito agradável, afrodisíaca cujas sementes são utilizadas para perfumes e sabonetes. As sementes adicionadas à sopa realçam o seu sabor, mas devem ser retiradas antes de servir.

 

Anis – Tem um sabor forte e interessante. Quem não gosta, não gosta mesmo. As sementes são utilizadas para xaropes, bolos e licores. O licor de anis era utilizado para estimular sexualmente.

 

Baunilha – o extrato de baunilha serve para bolos, gelados, café e chocolate. Tem um sabor e cheiro doce e quente e há quem goste de perfumar o corpo ou a roupa com a sua essência.

 

Canela – Ligeiramente picante e agradável, a canela é utilizada em pó ou em pau para doces, cafés, chás e no caril. Chá de canela é bom para as dores de menstruação.

 

Cravinho – Especiaria perfumada e picante que alivia a dor e é utilizada na Ásia e América do Sul para dar um toque mais exótico aos cozinhados.

 

Gengibre – Raiz de sabor forte e perfumado que induzia amantes. Pode ser consumida em pó nos bolos e cozinhados exóticos. Em chá ou mesmo fresco, como na cozinha japonesa, serve como digestivo.

 

Hortelã – planta silvestre de sabor fresco a menta ótimo para bebidas e chás e para temperar carnes e sopas. Nalguns países árabes e do Norte de África serve-se num chá açucarado. Na idade média servia para estimular cavalos.

 

Louro – uma ou duas folhas acrescenta um sabor mais interessante aos pratos de carne, em particular borrego. Para os Romanos o louro era considerado um símbolo de virilidade e os soldados usavam-no em coroas.

 

Manjericão – Com um aroma suave e delicioso as folhas podem se utilizadas em saladas, especialmente com tomate. Existem cultos muito antigos relacionados à paixão e fertilidade e ainda hoje em Portugal existe a tradição das raparigas solteiras porem um manjerico (que tem folhas mais pequenas) à janela no dia de Santo António.

 

Orégão – Perfumado e intenso é ingrediente essencial na cozinha mediterrânica pois intensifica o sabor de carnes e legumes. Tem características sensuais especialmente quando misturada com a água do banho.

 

Pimenta – estimulante natural, que aquece e provoca ligeira euforia. Acrescenta sabor e picante a quase todos os pratos e quando cheirado dá comichão no nariz e vontade de espirrar.

 

Salsa – fresca de sabor e cheiro, pode-se comer fresca ou adicionar a cozinhados de carnes ou alguns legumes juntamente com alho. Combina muito bem com cogumelos. Tem umas folhas suaves que são ideais para cócegas e carícias. Antigamente era associada a bruxarias.

 

Salva – as folhas são utilizadas para temperar carnes de sabor forte. Fresco ou seco tem um cheiro e sabor intenso e interessante. Na Grécia antiga acreditavam que um chá de salva aumentava a fertilidade. As suas folhas secas penduradas afastam insetos.

 

Tomilho – um ótimo tempero para carnes e para o azeite. Tem um cheirinho fresco e estimulante mas é ligeiramente amargo de sabor. Também se pode beber em chá e é bom para a tosse.