Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Falta de apetite sexual”

“Amo o meu marido mas não sou capaz de lhe dizer que não me apetece fazer amor, pois tenho medo que não me compreenda e me deixe. Fazer amor torna-se um sacrifício! O que hei-de fazer?”

 

Soraia, Setúbal

 

Cara Leitora,

A falta de desejo a nível sexual pode ser resultante de problemas emocionais entre o casal, um parto, a amamentação, a menopausa e disfunções sexuais. Esta situação também pode ser provocada por doenças orgânicas, medicação e abuso de substâncias. O stress vivido no dia-a-dia, a rotina do próprio casal, e o cansaço físico e mental agravam ainda mais esta situação. O desinteresse sexual não deve ser confundido com falta de amor, pois este é um sentimento verdadeiro e profundo. Para que não surjam mal entendidos no seu casamento converse com o seu marido e procurem juntos descobrir a causa do seu desinteresse sexual. E, se necessário, consulte um especialista em sexologia, para que este os possa ajudar a respeito do tratamento mais eficaz para si.

“O que são os exercícios Kegel e como funcionam?”

“Bom dia, gostava de saber com mais pormenor como é que se fazem os exercícios Kegel. São apenas para mulheres ou os homens também os podem fazer?”

 

Carina, Barcelos

 

Cara leitora,

Os exercícios Kegel foram desenvolvidos pelo Dr. Arnold Kegel para ajudar as mulheres a recuperar o controlo da bexiga, especialmente depois do parto, fortalecendo os músculos pélvicos. O Dr. Kegel descobriu, também, que os seus exercícios aumentavam a intensidade dos orgasmos, tendo-se tornado especialmente famosos por isso. Embora sejam concebidos para mulheres os homens também podem pô-los em prática, melhorando a sua função urinária. São bastante fáceis e podem ser praticados em qualquer situação. Enquanto está a urinar, se parar de repente o fluxo, estará a trabalhar os músculos pélvicos. Assim, tudo o que tem a fazer é contrair os músculos pélvicos e depois soltá-los, fazendo-o dez vezes de seguida, três vezes por dia (sem ser quando está a urinar, isso apenas serviu para perceber o tipo de movimento que tem de fazer). Vá aumentado gradualmente o número de contrações que faz até que, ao fim de um mês, esteja a fazer séries de 20 contrações, 10 vezes por dia. Deve também introduzir alguma variação nos exercícios, intercalando exercícios simples com outros em que, após contrair os músculos, conta até 3 antes de soltar. Ponha o exercício em prática enquanto vê televisão, quando está no carro à espera que o semáforo mude de cor, etc… faça-o de forma descontraída e natural. Experimente fazer os exercícios enquanto estiver a fazer amor com o seu par, vai ver que isso provoca sensações muito boas tanto em si como no seu parceiro!

 

“Perco a erecção com facilidade…”

 

“A minha mulher não consegue engravidar e eu gostaria de saber se o motivo e que o depois de ejacular o meu pénis não fica erecto. “

 Vasco, Castelo Branco

 

Caro Leitor,

 Adopte uma postura mais tranquila, pois após a ejaculação é normalíssimo não continuar com o pénis erecto, uma vez que os homens têm uma fase após a ejaculação durante a qual não conseguem responder a estímulos sexuais. A esta fase dá-se o nome de período refractário. A duração deste período varia de homem para homem, porém será maior quanto mais idade o homem tiver.

 

O facto de a sua esposa não engravidar não está de forma alguma relacionado com a falta de erecção depois da ejaculação, pois uma vez que se dá a ejaculação, a erecção não é necessária para que a gravidez aconteça. Para que possam esclarecer qualquer dúvida, consultem um médico especializado, pois ele será a pessoa indicada para diagnosticar as causas dessa dificuldade em engravidar. Todavia, enquanto não consultam um médico, mantenham-se
descontraídos, porque a tensão em que ambos se encontram, causada pelo desejo de ser pais, pode ser uma das causas que dificultam a gravidez.  

"O stress mata o prazer?"

 
"Sou um homem ainda jovem, tenho 39 anos e sou um comercial bem sucedido. Sempre tive mulheres à minha volta, porque sou charmoso, mas cada vez tenho maiores dificuldades a nível de desempenho sexual. Estou preocupado, e quero saber se a razão para este problema será o stress em que vivo…”
Jaime
 
 
Caro Leitor,
O estilo de vida acelerado em que se vive hoje em dia despoleta nos indivíduos diversas reacções, entre as quais, constrangimentos no que diz respeito ao seu desempenho sexual. De modo a verificar as causas que justificam a mudança gradual do seu desempenho sexual, deverá recorrer à ajuda de um urologista para que possa saber os seus níveis de testosterona. Caso os níveis estejam normais, possivelmente, essa sua dificuldade em ter uma vida sexual saudável e activa deve-se a um problema de ordem psicológica. No seu caso, o facto de ter uma vida social bastante agitada pode contribuir para essa incapacidade. No entanto, é muito importante que consulte o seu médico assistente para que passe de hipóteses a causas concretas para essa dificuldade no desempenho sexual que o leva a pensar na possibilidade de ficar impotente. Caso não sejam encontradas quaisquer razões físicas para isso, trata-se de um problema psicológico causado pelo stress ou ansiedade que o afectam fisicamente. Tente levar um estilo de vida mais moderado, pois neste momento o stress com certeza não é o seu melhor aliado.
 

Laqueação das Trompas

Tenho 44 anos tomo a pilula, nunca tive filhos, nem penso ter. Gostaria de saber onde posso fazer laqueação trompas e se é aconselhavel?
Matilde
 
Cara Matilde,
Uma operação definitiva como a laqueação das trompas tem de ser bem reflectida com o seu médico ou ginecologista. Marque uma consulta de planeamento familiar para perceber melhor as vantagens e desvantagens dos métodos contraceptivos que utiliza e que pensa vir a utilizar.
Não tenho informação sobre há quanto tempo faz contracepção hormonal, mas se não fuma e não tem histórias de problemas cardio-vasculares na sua família pode continuar a fazê-la sem contra-indicações. Talvez queira experimentar um novo tipo: o anel vaginal, o implante (que dura vários anos), o adesivo.
Mesmo com a sua idade, em que uma gravidez poderia colocar a sua vida em perigo, não é costume recorrer-se aos métodos irreversíveis, quando não se tem filhos. No entanto, se ainda assim for essa a sua decisão, depois de se esclarecer bem sobre as outras possibilidades de contracepção (há ainda o dispositivo intra-uterino, os preservativos feminino e masculino, etc.), um médico poderá fazer-lhe a operação.
Note ainda que a vasectomia (feita ao homem) é uma operação mais fácil de realizar medicamente e menos dolorosa, pelo que pode ainda optar se tiver uma relação estável por ser o seu parceiro a recorrer ao método irreversível.
Não se esqueça que o preservativo é o único método que a protege da gravidez indesejada e também das infecções sexualmente transmissíveis.

Será que ela é frígida?

 

“Tenho notado que a minha esposa inventa cada vez mais desculpas para não fazermos amor. A verdade é que somos casados há já seis anos e nunca tivemos uma vida sexual muito activa, por isso gostaria de saber se ela sofre de frigidez.
César, Coimbra
 
Caro Leitor,
É normal que o desejo sexual da mulher diminua devido a diversas condicionantes físicas e psicológicas, por exemplo o nascimento de filhos, o stress causado pelo trabalho ou a entrada na menopausa. A frigidez é uma disfunção sexual que afecta as mulheres, fazendo com não sintam prazer durante o acto sexual e, consequentemente, não consigam atingir o orgasmo. Em termos práticos, tanto as mulheres que sofrem de frigidez como as que sofrem de falta de desejo sexual raramente procuram o parceiro, e quando este as procura a tendência é para rejeitá-lo. Esta situação causa constrangimentos e tensão no ambiente familiar, pois o facto de a esposa não estar muito receptiva a participar do acto sexual muitas vezes pode gerar incompreensão por parte do marido. Aconselho a que fale abertamente com a sua esposa, pois através do diálogo e da compreensão esta situação pode ser ultrapassada.

“Nunca chego ao orgasmo… porquê?”

“Tenho 29 anos e namoro há 6 com um rapaz por quem estou apaixonada. Tenho muito prazer ao fazer amor com o meu namorado, fico muito excitada, lubrificada, mas nunca atinjo o orgasmo. Porque será que isto acontece?”

 

Ana, Lisboa

 

Cara leitora,

Existem mulheres que têm uma chamada disfunção orgásmica, ou seja, sentem a excitação e lubrificação durante o ato sexual mas não chegam a conseguir atingir o orgasmo. Em certos casos esta situação é causada pelo facto de estarem a tomar medicamentos para a depressão ou ansiedade, e se assim for devem pedir ao médico que lhes receite um medicamento que não seja um inibidor seletivo da recaptação da serotonina (ISRS ou SSRI) tal como o Wellbrutin (Bubroprion). Aconselho, também, que pratique regularmente a masturbação, pois dessa forma vai poder explorar melhor o seu corpo o que lhe permitirá descobrir o que mais gosta. Pode também experimentar a utilização de um vibrador na zona do clítoris, o que ajuda a levar ao orgasmo em poucos minutos. Boa sorte e divirta-se.

“Não consigo penetrá-la…”

Tenho 49 anos e sempre fui um homem sexualmente activo. De há uns tempos para cá, contudo, tenho muitas dificuldades em conseguir uma erecção que possibilite a penetração. Sinto que a minha esposa está a afastar-se cada vez mais de mim e temo que ela me deixe.”

 

Álvaro, Massamá

 

Caro Leitor,

 

Antes de mais deixe-me lembrá-lo que a falta de erecção, ou incapacidade para atingir e/ou manter uma erecção adequada para uma actividade sexual satisfatória, não é uma situação rara, mas um problema que afecta milhões de homens, logo não deve ser algo que o envergonhe. Trata-se pois de uma disfunção que atinge ambos os elementos do casal, é extremamente importante estes comunicarem abertamente durante este período, potencialmente muito difícil. Vários factores podem causar dificuldade em atingir e manter a erecção em homens, tais como diabetes, depressão, problemas de coração, hipertensão, consumo excessivo de tabaco ou álcool, bem como quaisquer medicamentos associados a estas condições. Consulte o seu médico e tente identificar se existem algumas causas orgânicas para o seu problema. Se possível, deve também tentar discutir o modo como esta situação pode ter mudado a relação do casal, perspectivando uma caminhada de mãos dadas rumo ao diagnóstico e consequente terapia. Por isso não se afaste da sua esposa, mas também não a deixe afastar-se, fale abertamente com ela e faça desta situação um momento único de partilha de emoções e sentimentos, reforçando assim o que vos une.

“Sonho fazer amor com duas mulheres…”

 

“Amo a minha namorada, mas apesar de ter uma relação sexual feliz com ela mantenho uma fantasia antiga que é fazer amor com duas mulheres ao mesmo tempo. Gostaria de falar com ela sobre isso, mas não sei como abordar o assunto, pois não quero que pense que já não me satisfaz. ”
Luís, Sintra
Caro Leitor,
Ter fantasias é algo perfeitamente comum, mas quando estas envolvem outras pessoas é importante ter cuidado na forma como se aborda o assunto com o parceiro. Vá sondando a sua namorada para que possa saber a opinião dela sobre o assunto. Antes de tomar qualquer atitude, é importante que vá abordando a sua namorada sobre a hipótese de haver mais uma pessoa a partilhar a vossa intimidade. Apesar de parecerem divertidas nem sempre as fantasias causam o mesmo impacto quando concretizadas. Assim sendo, se a sua namorada não for muito receptiva a esta ideia não reaja mal, tente compreender que não é fácil este tipo de exposição. Contudo, se ela concordar com este tipo de fantasia vivam da melhor forma o momento e deixem a imaginação fluir.

Pág. 3/3