Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Sou insaciável…”

 

“Tenho 30 anos e estou casada há seis meses com o homem que amo. Iniciei a minha vida sexual muito jovem e sempre gostei de sexo. A verdade é que não consigo deixar passar um dia sem fazer amor com o meu marido… será que isso pode fazer mal à saúde?”
 
Alexandra
 
Cara leitora,
Desde que ambos sejam saudáveis, e façam consultas médicas de rotina frequentemente para se certificarem de que está tudo bem, em princípio não tem com que se preocupar. Não existe nenhuma regra que determine qual a frequência com que um casal deve ter relações sexuais, e geralmente os casais mais jovens fazem amor com muita frequência. Desde que estejam de acordo no que diz respeito ao número de vezes que têm relações sexuais por semana, não existe nenhum problema em fazê-lo todos os dias!

É normal gostar muito de sexo aos 40 anos?

canstockphoto4679714.jpg

 

Tenho 40 anos e gosto muito de sexo. Penso mais do que faço. Gostaria de saber se há alguma indicação ou estudo sobre a quantidade de relações por mês num casal pela minha idade. Será normal de três em três meses? Outro dia, quando estava a iniciar, durante os preliminares, quando beijava e tocava, ejaculei em poucos segundos. Terei algum problema? Fiquei de rastos, apesar da compreensão da minha mulher.
Bento Aguiar - Maia

 

Caro leitor,

De uma forma geral casais entre os 20 e 50 anos de idade têm relações sexuais em média entre 1 e 3 vezes por semana, com estudos diferentes indicando valores diferentes. É difícil determinar o que é muito ou pouco sexo entre um casal, pois cada caso é um caso, e cada casal tem a sua frequência ideal, ou seja, o que é considerado normal e satisfatório para si, pode não o ser para outro casal e vice-versa. Dessa forma, se tanto você como a sua esposa estão satisfeitos em ter relações sexuais de 3 em 3 meses, então, não existe nenhum motivo para preocupação. No entanto, uma vez que não tem relações sexuais com bastante frequência vai ter o problema da ejaculação precoce, ou seja a sua sensibilidade vai estar bastante elevada e por isso vai ejacular mais cedo do que deseja. Por isso aconselho que tente ter relações sexuais com um pouco mais de frequência se deseja resolver o problema da ejaculação precoce, ou tente masturbar-se com mais frequência, e dessa forma não vai estar tão excitado quando tiver relações com a sua esposa.

“Gostava de aprender o que é a técnica Karezza…”

“Tenho 32 anos e considero-me um homem sexualmente activo e interessado em novas experiências. Ouvi falar sobre a técnica Karezza e gostava de aprender a utilizá-la na prática.”

João Pedro, Sintra

Caro leitor,

A técnica “Karezza” não é difícil de aprender nem de pôr em prática e consiste em fazer amor de uma forma doce, na qual o afecto, a ligação e o relaxamento são os principais objectivos, e não o orgasmo em si. A própria palavra, “Karezza”, deriva de uma palavra italiana que significa carícia. Relaciona-se com o contacto da pele, as carícias, a posição de “conchinha” e eventual relação sexual, suave. Deriva de uma prática Taoísta chamada cultivação mútua, pois consiste em dedicar-se ao parceiro. Os praticantes desta técnica são de opinião que o bom sexo não é aquele que chega ao orgasmo, mas antes o que promove sentimentos de ligação e de relaxamento. Enquanto que o orgasmo deixa o organismo exausto, os adeptos da Karezza dizem que se sentem com mais energia porque as carícias sexuais sem orgasmo elevam os níveis de dopamina e ocitocina, proporcionando sensações de prazer, proximidade e paz. Uma vez que estes efeitos demoram mais a desaparecer do que após o orgasmo as variações de humor também se fazem sentir menos. Os praticantes desta técnica também defendem que ajuda a curar disfunções sexuais e a atenuar as dores menstruais,
mas advertem que só deve ser posta em prática por pessoas que estão efectivamente apaixonadas, pois se assim não for as carícias não terão o afecto que as torna tão compensatórias. Para iniciar esta prática, pode começar por dedicar mais tempo às carícias com a sua parceira, sem que as entenda como preliminares mas sim como objectivo em si mesmas. Poderá ter surpresas muito agradáveis!

 

Pág. 3/3