Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“As mulheres sentem dores nos ovários quando não atingem o orgasmo?”

“Tenho uma questão que gostava que me esclarecesse: da mesma forma como os testículos de um homem podem doer quando está sob tensão sexual mas depois não consegue atingir o orgasmo, será que se passa o mesmo com os ovários de uma mulher?”

António, Coimbra

Caro leitor,

De facto quando um homem está sexualmente excitado mas não ejacula pode sentir uma espécie de picadas dolorosas nos testículos. No caso das mulheres, é mais provável sentir um ardor forte nos lábios vaginais, no clítoris e na entrada da vagina. Isto sucede porque quando os homens ou as mulheres ficam sexualmente excitados as artérias bombeiam o sangue para a região genital, enquanto as veias nessa zona se apertam para manter o sangue lá. No caso dos homens, isto faz com que o pénis fique ereto e com que os testículos aumentem de tamanho, enquanto no caso das mulheres os lábios vaginais, a vagina e o clítoris incham e ficam mais lubrificados, assim como o peito e os mamilos também aumentam ligeiramente de tamanho, ficando muito mais sensíveis. O batimento cardíaco, a respiração e a tensão muscular intensificam-se à medida que a excitação sexual aumenta, conduzindo ao orgasmo. Quando um homem tem um orgasmo e ejacula, o sémen é expelido vigorosamente, assim como quando a mulher tem um orgasmo o útero e os músculos pélvicos se contraem em ondas rítmicas, ejaculando fluido vaginal. Após o orgasmo, o corpo quer do homem quer da mulher retoma rapidamente para um estado relaxado, em que as artérias e as veias retomam o seu tamanho e funcionamento normal, fazendo com que o sangue que afluiu àquela zona se disperse, aliviando a tensão criada. Quando não há um orgasmo, isto não acontece, o que faz com que o sangue demore muito mais tempo a dispersar-se, e a pressão que continua a ser exercida durante mais tempo na zona genital pode ser um tanto dolorosa. A masturbação que conduz ao orgasmo ou um duche podem ajudar a atenuar estes sintomas, fazendo-os desaparecer.

“O clítoris dela é muito pequeno!”

231,139 Surprised Man Stock Photos, Pictures & Royalty-Free Images - iStock

“A minha namorada tem um clítoris que me parece muito pequeno comparativamente com o de namoradas anteriores que tive, e a verdade é que ela não atinge o orgasmo durante a relação sexual. Gostava de saber se há algum tipo de correção que possa ser feita para que ela tenha mais prazer, expondo mais o clítoris.”

Tiago, Queluz

 

Caro leitor,

O tamanho do clítoris é uma variação anatómica que muda de mulher para mulher e não condiciona o prazer ou o número de orgasmos que uma mulher pode ter. O capuz do clítoris protege-o da estimulação excessiva, pelo que removê-lo ou afastá-lo não é uma solução a ter em conta, pois como o clítoris possui uma elevada concentração de nervos é extremamente sensível. Não ter orgasmos durante a penetração também não é algo que seja incomum, pois muitas mulheres precisam de outro tipo de estimulação para os terem. Procurem juntos outras formas de ela ter prazer, como através da estimulação oral, e investindo mais tempo nos preliminares para que ela esteja mais excitada e possa mais facilmente ter um orgasmo.

“O impulso sexual de um homem diminui com a idade?”

Becoming A More Confident Man | Paul McGregor

“Tenho quase 30 anos e estou algo apreensivo com uma questão. Sempre fui muito ativo sexualmente, pelo que me preocupa a ideia que o impulso sexual de um homem possa diminuir com o avançar da idade. Isso é possível? Se sim, há algo que eu possa fazer para evitá-lo?”

Pedro, Bragança

Caro leitor,

Felizmente nem tudo o que é bom acaba. O desejo e o impulso sexual no homem e na mulher diminui gradualmente com a idade, mas a testosterona, a hormona que controla o impulso sexual no homem, nunca deixa inteiramente de ser produzida. Alguns homens de 70 e 80 anos continuam a ter uma libido ativa mesmo com níveis diminuídos de testosterona. Para além da idade, a libido pode ser afetada, em qualquer momento da vida, por fatores como o stress, a fadiga, preocupações com o trabalho, efeitos secundários dos medicamentos, insatisfação com a relação ou falta de interesse pela parceira, entre outras. A vida sexual do homem vai sofrendo alterações mesmo que o desejo se mantenha. Enquanto que aos 20 é menos frequente terem sonhos molhados e masturbarem-se menos, no final dos 20 e aos 30 podem notar que o pénis não fica tão ereto como costumava e que precisam de maior estimulação para terem uma ereção. Aos 40, 50, pode precisar de estimulação direta para ter uma ereção, que pode não ser tão plena como era habitualmente, tendo também maior facilidade em perdê-la. O ângulo de ereção também pode variar ao longo do tempo, bem como a força da ejaculação. Aos 50, 70 anos torna-se mais difícil conseguir que a excitação leve à ereção, levando também mais tempo a ejacular. É importante lembrar que estas mudanças fazem parte do processo de envelhecimento natural do corpo e que não acontecerão todas de uma vez, do mesmo modo como convém não esquecer que cada pessoa tem o seu ritmo próprio, pelo que deve desfrutar da sua sexualidade em pleno e sem ansiedade.

“Preciso de ajuda para ter orgasmos!”

Sad Woman Sitting On Couch Alone At Home Stock Photo - Download Image Now -  iStock“Tenho 22 anos e apesar de já ter iniciado a minha vida sexual, tenho dificuldades em conseguir atingir o orgasmo, pelo que gostava que me ajudasse nesse sentido. O que posso fazer para ter orgasmos mais facilmente enquanto estou a fazer amor com o meu namorado?”

Cátia, Caneças

Cara leitora,

O orgasmo é o ponto em que toda a tensão que o corpo vai acumulando é subitamente libertada sob a forma de uma série de contrações musculares involuntárias e que proporcionam prazer, e que se podem sentir na vagina, no útero e no reto. Pressionar e massajar o clítoris conduz a essa tensão e a inúmeras sensações de estremecimento e de preenchimento pélvico. Há muitas mulheres que têm dificuldade em alcançar o orgasmo, quer seja sozinhas quer com um parceiro. A vergonha em tocar o próprio corpo, a falta de conhecimento do mesmo e medos desconhecidos são apenas alguns dos fatores que dificultam esta libertação física, cuja componente psicológica é também muito importante. Os orgasmos podem ter intensidades diferentes, conforme a mulher, o momento, o tipo de estimulação, o parceiro, etc. Para conseguir ter um orgasmo mais facilmente, evite concentrar-se mais nos pensamentos do que nas sensações, pois é fácil distrair-se com ideias que a afastam do seu propósito, como por pensar se está a agir corretamente, pensar no que o parceiro pode estar a pensar ou se está impaciente, aborrecendo-se consigo mesma e desistindo dos estímulos que está a receber. Não deve também alimentar o receio de não conseguir ter um orgasmo ou de pedir mais do seu parceiro, pois dessa forma estará a criar uma pressão mental que tornará mais difícil a libertação. Os sentimentos de culpa a respeito do sexo, ou pensar que se devia concentrar mais no seu parceiro, são também prejudiciais, bem como querer acelerar o processo. Dê mais tempo a si própria e deixe-se apenas guiar pelas sensações e pelo seu próprio prazer, deixando-se ir, e verá como se tornará mais fácil.

Como é que se usam as barreiras dentais?

Pin on Lesbian love

Sou lésbica e gostava de fazer sexo seguro. Já ouvi falar nas barreiras dentais e já li sobre sugestões como abrir um preservativo ou usar película aderente, porém nunca encontrei nenhuma explicação concreta sobre como usá-las, como colocá-las de forma correta e como superar a falta de contato direto, ou como usar os dedos para fazer a penetração com a barreira, por exemplo. Pode esclarecer-me?

Carolina, Lisboa

 

Cara leitora,

As barreiras dentais, criadas originalmente para ajudar os dentistas durante uma intervenção cirúrgica, são de facto um bom método de praticar sexo seguro entre mulheres. Servem especialmente no sexo oral, criando uma barreira que impede a transmissão de vírus e bactérias. Para a posicionar corretamente, pode usar um lubrificante à base de água (os lubrificantes com base de óleo podem danificar o látex), que aumente a aderência da barreira à vulva ou ao ânus, de forma a que não se desloque e dessa forma impeça o contacto com os fluidos. Pode pedir à pessoa a quem está a fazer sexo oral que a mantenha no sítio com os dedos, o que pode tornar-se uma brincadeira divertida para ambas. Relativamente à penetração, as barreiras dentais destinam-se apenas ao sexo oral. Pode usar em alternativa um preservativo ou pode experimentar criar uma barreira utilizando uma luva de látex. Tenha sempre cuidado, no entanto, para que não haja buracos nem fissuras na parte que vai utilizar, para que a proteção não seja comprometida. Use cada barreira apenas de um lado e somente numa parte do corpo, passá-la do ânus para a vulva pode causar infeções.

“Ele magoa-me o peito!” 

“O meu marido quando está verdadeiramente excitado aperta-me o peito, o que me magoa bastante. O que devo fazer? Tenho medo que ele não me entenda se eu me queixar…” 

Susana, Évora 

Cara Leitora, 

Há certos pontos do corpo tanto dos homens como das mulheres que são muito sensíveis. Assim, a forma como se proporciona o toque é bastante importante porque, muitas vezes, dá-se o caso de se magoar o parceiro sem ter a noção disso. Assim sendo, não perca tempo e alerte o seu marido para esse facto. Possivelmente, com os estímulos e o impulso sexual ele nem sequer tem a noção da força que utiliza para apertar os seus seios. Não receie falar, pois quanto mais adiar essa conversa mais dores e desconforto irá sentir porque o seu marido age com naturalidade, sem se aperceber do incómodo que lhe está a causar.Os seios para muitas mulheres funcionam como um óptimo local para proporcionar o estímulo sexual e conduzir à excitação. Porém, há um facto extremamente importante que é saber acarinhar sem magoar. Se por acaso, lhe agrada ser estimulada através do toque nos seios converse com o seu marido para que ele modere a força.Existe sempre um ponto de equilíbrio e adoptando uma postura sincera poderá resolver esta questão.

“Ele não me estimula o suficiente”

 “Tenho uma relação estável há 3 anos, mas a nível sexual não nos damos tão bem quanto eu gostaria. Tenho muitas dificuldades em atingir o orgasmo com o meu namorado. Acho que ele não me estimula o suficiente, pois sinto mais prazer com a masturbação.” 

Ivone, Setúbal 

Cara Leitora, 

Pelo que o seu discurso transparece, o que existe entre vocês é precisamente falta de comunicação e de diálogo. Se a leitora consegue alcançar o clímax sozinha recorrendo à masturbação, isso quer dizer que consegue atingir o orgasmo se for bem estimulada.Neste sentido, enquanto casal devem ver o processo sexual como uma aprendizagem, onde cada um deve dar a conhecer ao parceiro os seus pontos mais sensíveis e que servem como porta à satisfação. Não se iniba e mostre ao seu namorado os pontos que devem ser devidamente estimulados. Se não mostrar ao seu namorado onde, de facto, reside a sua sensibilidade, provavelmente terá que recorrer muito mais vezes à masturbação para atingir o prazer que deseja.Talvez esse problema possa ser resolvido rapidamente com uma pequena conversa, onde entendam que a sexualidade é algo em que é importante dar e receber e é imprescindível ter o conhecimento do corpo do parceiro. Esta envolvência e cumplicidade são importantes para o bem-estar sexual do casal. 

“Tenho sonhos eróticos muito hardcore!” 

“Não sei porque é que isto acontece, mas há mais ou menos uns 8 meses que tenho sonhos eróticos com o meu marido, extremamente selvagens, em posições e locais que nunca experimentámos. A sensação é óptima e até gostaria de os viver na realidade, mas temo que o meu marido me ache uma depravada.” 

Maria, Sacavém

 Cara Leitora,Por vezes, quando a vida sexual é rotineira e, consequentemente, pouco gratificante, os sonhos servem como um escape positivo em que as fantasias proporcionam o que não se tem na realidade. Neste sentido, os sonhos eróticos funcionam como uma compensação das fragilidades existentes na vida sexual mesmo na simples troca de afectos. Um aspecto positivo é o facto de ter sonhos eróticos com o seu marido, o que significa que ainda o acha atraente e sexy. Se pretende transpor esses sonhos para a realidade, cabe-lhe a si avaliar a abordagem que deve fazer ao seu marido para que não seja mal interpretada e para que ele perceba que a sua intenção é apenas sair da rotina e dar algum estímulo à vossa sexualidade.  É importante que a vossa relação se baseie na confiança e no respeito que têm um pelo outro. Comecem por implementar pequenas mudanças para que o impacto não seja grande e aos poucos comecem a ousar. Converse com o seu marido e juntos poderão iniciar uma nova fase na vossa vida sexual.

“Será que é possível reconhecerem que sou homossexual?” 

“Sou homossexual há algum tempo, nunca escondi isso de ninguém, no entanto, há algum tempo coloca-se uma questão que não tem saído da minha cabeça: Será possível ao olharem para mim descobrirem que sou homossexual?” Nuno, Espinho 

Caro Leitor,

A maioria das pessoas nunca pensa que as pessoas que conhecem podem ser homossexuais, assumindo logo à partida que todas as pessoas são heterossexuais. Além disso, as pessoas pensam que têm uma imagem nítida e claramente definida de como é a aparência dos homossexuais, acham que todos os homossexuais são efeminados. Trata-se de uma opinião generalizada, mas que não corresponde de todo à realidade. A maioria dos homossexuais tem a mesma aparência e agem tal e qual como as pessoas heterossexuais. As pessoas com “maneirismos”, os ditos “efeminados” são uma minoria entre os homossexuais, por isso não se preocupe com essa questão. Se este é um factor que o incomoda assim tanto, experimente perguntar a opinião sincera de alguns dos seus amigos mais próximos, pois as pessoas que o conhecem bem poderão responder à sua pergunta. No entanto, é importante concentrar-se em si, no seu sentir e na forma saudável como vive a sua orientação sexual, tentando retirar dessa opção o maior prazer e gratificação possível, tendo em vista o equilíbrio emocional.

“Não a deixo chegar ao orgasmo!”

 “Sempre tive uma vida sexual muito activa, mas de há algum tempo para cá durante o acto sexual com a minha companheira ejaculo precocemente, impedindo-a de atingir o orgasmo. Sinto que isso está a prejudicar a relação mas não sei como proceder, pois não sou capaz de evitar que isso aconteça.” Marco, Funchal Caro Leitor,Em primeiro lugar deixe-me felicitá-lo pela coragem e pela identificação da situação que está a vivenciar, o que só irá facilitar a rápida resolução da mesma e um adequado diagnóstico.É importante perceber o que mudou na sua vida, o que o torna agora incapaz de exercer um controlo eficaz sobre o tempo de obtenção do orgasmo e assim impedir a vivência a dois dos momentos de prazer. Este aspecto é fundamental para o diagnóstico adequado dado que esta situação poderá ser apenas decorrente de um período, mais ou menos difícil, que está a viver e que condiciona o seu desempenho sexual. Se assim o for, a solução passa pela procura da causa da ansiedade, que o impede de dar o seu melhor durante o acto sexual. Mas se tal assim não for, seria aconselhável consultar um especialista para lhe transmitir alguma confiança e ajudá-lo nesta tarefa. No entanto, lembre-se que se trata de uma situação muito frequente entre casais, para a qual já existe tratamento, tais como a técnica Squeeze na qual o leitor deve fazer uma pausa quando sentir que está prestes a ejacular e deve apertar a base do pénis com o dedo polegar e indicador durante 5 segundos antes de recomeçar a relação sexual. 

Pág. 1/2