Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Estou com um atraso de 3 dias…”

“Tenho 16 anos e estou muito preocupada porque perdi a virgindade há 3 meses com o meu namorado, temos tido relações sexuais muito frequentemente e desta vez já estou com um atraso de 3 dias. Isto assusta-me porque, apesar de usarmos sempre preservativo, a minha menstruação nunca atrasou antes. Apesar de usar preservativo pode existir o risco de gravidez? Estou assustada porque somos ainda muito novos para ser pais.”

 Tatiana, Setúbal

 

Cara leitora,

Os métodos contraceptivos cumprem o seu papel se forem bem utilizados. Os sinais de que um preservativo não foi bem utilizado são: ficar dentro da vagina/ânus, estar rasgado depois de retirado, ter ar lá dentro depois de colocado… Um atraso de 3 dias não é ainda razão para se preocuparem com uma gravidez indesejada, pode ser devido a muitas razões, mas se continuar façam um teste de gravidez numa farmácia e planeiem ir juntos a uma consulta de planeamento familiar. Há outros métodos contraceptivos que podem deixar-vos mais descansados para gozarem a vossa vida sexual (por exemplo a pílula, o anel vaginal, os adesivos, etc.). Mesmo assim, a utilização adicional do preservativo é desejável, pois é o único a prevenir as infecções sexualmente transmissíveis, para além da gravidez.

“É preciso dizer-lhe que sou virgem?”

 “Considero-me virgem porque, apesar de já ter feito e de me terem feito sexo oral, nunca tive relações sexuais com penetração. Este facto não me faz sentir vergonha nem orgulho, acho natural, mas tenho dúvidas se devo contar a um futuro parceiro que ainda sou virgem, uma vez que tenho 32 anos. Tenho receio que isso lhe cause estranheza ou desconforto, mas também não me parece bem esconder informação. Como devo proceder?”

Diana, Guimarães

 

Cara leitora,

Embora essa decisão seja apenas sua, porque não é obrigada a falar sobre algo que prefere guardar para si e embora, como refere, não haja nada de estranho nem errado em não ter tido relações sexuais com penetração, é sempre melhor partir de uma base de honestidade com um parceiro amoroso e/ou sexual. Existem alguns aspetos físicos decorrentes do facto de não ter tido esse tipo de experiência sexual que beneficiam com o facto de um parceiro saber que ainda é virgem. Desse modo, ele poderá ser mais cuidadoso na penetração, pois é provável que sinta dores nas primeiras vezes, investindo mais nos preliminares de forma a que esteja mais lubrificada e ajudando-a a descontrair. Pode, também, explorar primeiro a penetração com dedos, introduzindo progressivamente mais dedos para que a vagina se vá habituando, antes de passar à penetração com o pénis. Sugiro-lhe que, ao conhecer uma pessoa com quem sente realmente vontade de ter essa experiência, aborde o assunto de forma sincera, mas descontraída. Comecem por falar sobre experiências passadas, faça-lhe perguntas e seja honesta. Quando encontrar a pessoa certa, verá que tudo tende a fluir de forma natural.

“Não me sinto à vontade com o meu pénis…”

Worried Couple Stock Footage ~ Royalty Free Stock Videos | Pond5

 “Tenho 30 anos e sou um pouco complexado em relação ao meu pénis, pois acho que este é muito grande. A minha namorada já se queixou que lhe dói quando a penetro, e isso deixa-me ainda mais constrangido. Como posso fazer para não a aleijar?”

Filipe, Guarda

  

Caro Leitor,

O segredo para que a sua namorada não sinta dores durante a penetração é que ela esteja bem lubrificada e descontraída. Dediquem mais tempo aos preliminares e assegure-se que ela está completamente relaxada e excitada antes de a penetrar. O uso de lubrificantes pode também tornar a penetração mais fácil e menos dolorosa. Procurem novas posições, pois a profundidade da penetração varia de acordo com a posição escolhida. Mostre à sua namorada que se preocupa com o seu bem-estar e deixe que ela comande a ação, para evitar magoá-la.

“Ainda não conseguimos ter relações sexuais…”

Premium Vector | Young couple on autumn natural landscape hills, trees,  flying birds, natural landscape in a trendy flat cute style. horizontal  vector“Tenho 19 anos e comecei este ano a namorar com um colega da faculdade. No entanto, sou virgem e ainda não conseguimos ter relações sexuais. Tentámos por duas vezes mas tivemos de parar porque eu sentia muitas dores, a minha vagina é muito apertada. Fui ao médico e não tenho infeções nem nenhum problema de saúde. Agora estou com muito medo de o perder porque estamos separados, só no final de Dezembro voltamos a estar juntos. Ele diz que me ama e que espera, mas não quero perdê-lo…”

Ana, Mértola

 

Cara leitora,

A dificuldade que tem tido em ter relações sexuais relaciona-se, pelo que descreve, no seu receio e na pressão que coloca sobre si própria em ter um bom desempenho. A relação sexual não garante um romance feliz, embora seja uma parte fundamental do mesmo. A cumplicidade, a confiança e o diálogo são essenciais para construir uma relação, e se estes existirem de forma sólida o seu relacionamento aguentará não só o afastamento como todo o tempo que tiver de esperar até sentir-se pronta. A resposta sexual do seu corpo, “fechando-se”, pode estar relacionada com o medo que sente e a pressão em não desiludir o seu companheiro. Assim, aproveite este tempo em que estão afastados para incrementar a confiança entre vós, estimulando a vossa relação sexual mesmo que não se possam ver. Explorem as vossas fantasias, converse pelo telefone e através da Internet, escreva-lhe cartas e envie-lhe bilhetes picantes, para manter acesa a chama da paixão. Dediquem o máximo de tempo possível a conhecerem-se melhor, para que quando voltarem a estar juntos possa sentir-se mais segura na relação e, dessa forma, relaxar e saborear o momento, sem pressão.

 

“Dores nos testículos”

“Até há uns meses atrás tudo corria bem com o meu funcionamento sexual, certo dia aleijei-me no testículo esquerdo e na altura senti uma grande dor. Passou, mas mais tarde voltou a doer. Estas dores são muito fortes e aparecem frequentemente durante o dia. Alguns dias depois, quando estava a masturbar-me reparei que a ereção não era muito forte, não fiquei muito preocupado, o pior foi quando cheguei ao orgasmo e ejaculei reparei que a quantidade de esperma era bastante reduzida. Cerca de 2 dias depois, queria-me masturbar, não conseguia de nenhuma maneira obter uma ereção. Pensei recorrer a um médico mas resolvi esperar. Passou-se cerca de uma semana e já conseguia dificilmente obter uma ereção mas quando ejaculava não saia nada.
Passados quase 4 meses voltou quase tudo ao normal. Consigo obter uma ereção apesar de parecer que não conseguir ter uma ereção completa ou não tão forte como era, e quando ejaculo sinto uma sensação esquisita que não existia antes e que não sei bem explicar.
Com isto não sei se se passará algo de errado e se deveria consultar um médico. Não sei se o urologista é o indicado.


Mauro, Leiria

 

Caro leitor,

Penso que deve consultar um médico, seja urologista diretamente, seja um recomendado pelo seu médico de família. Só ele lhe poderá fazer um diagnóstico diferencial e determinar se o seu problema é fisiológico ou psicológico. Da minha parte, penso que a dor que sentiu pode ter desenvolvido em si um medo exagerado de sofrer consequências ao nível sexual e, como tal, entrou num ciclo vicioso de observação atenta do seu pénis e da resposta sexual que ele fazia, a um ponto que a sua atenção deixou de estar focada no prazer sexual, mas sim na performance, no seu desempenho. Este ciclo faz com que o próprio corpo não responda da melhor maneira, pois sente-se avaliado, observado e daí que sinta ereções menos fortes e sensações esquisitas na ejaculação. Esclareça com o médico se ficou com sequelas no testículo ou no aparelho reprodutor e tente não ser observador de si próprio.

O meu clitóris fica inchado…

“Tenho 18 anos e um problema: quando o meu namorado me masturba com a mão eu nunca tenho um orgasmo e, depois disso, o meu clitóris fica inchado durante cerca de 3 dias, diminuindo a pouco e pouco. Além de ser desconfortável isto deixa-me preocupada, pois sempre que toco em alguma coisa, como a roupa interior, sinto uma espécie de dor. O que se passa comigo?”

Alexandra, Guimarães

 

Cara leitora,

Quando uma mulher está sexualmente excitada o sangue flui para a área genital fazendo com que fique lubrificada, a vagina alonga-se e o clitóris e os lábios vaginais “incham”. Com a intensificação do prazer algumas mulheres atingem o orgasmo, outras não. Após o orgasmo, os genitais voltam de imediato ao seu estado “normal”. Quando não há um orgasmo, estes efeitos físicos demoram mais tempo a desaparecer. Em relação à situação que descreve, é essencial consultar o seu médico para que ele possa avaliar o seu caso. Também pode ser devido a fricção excessiva durante a masturbação, por isso pode experimentar um tipo de toque diferente e utilizar um lubrificante à base de água. Se já utiliza lubrificante pode tratar-se de alergia aos componentes, por isso deve mudar de marca e de tipo de produto e consultar um médico. O facto de não ter orgasmos faz com que não haja libertação imediata da tensão acumulada com a excitação e, se nunca consegue ter um orgasmo, ou se ainda não teve um orgasmo (não explicita essa situação), esta condição pode criar um estado crónico de congestão pélvica, pelo que deve ser vista pelo médico. Importa também saber se nunca consegue ter um orgasmo, nem mesmo sozinha, através da masturbação, ou se isso só acontece com o seu namorado.

“Só tive o meu primeiro orgasmo ao fim de dois anos!”

 

“Há dois anos que tenho uma vida sexual ativa, mas só recentemente tive o meu primeiro orgasmo, e nem sequer estava a ter relações sexuais. Será que há alguma coisa errada comigo?”

 

Diana, Valongo

 

Cara leitora,

O orgasmo feminino não acontece, na maior das vezes, através da penetração, não sendo anormal que tenha experienciado o seu primeiro orgasmo ao fim de dois anos. No entanto, para que tenha uma vida sexual satisfatória e plena é muito importante conhecer bem o seu corpo, o que pode fazer através da masturbação, para saber exatamente que tipo de estimulação lhe proporciona mais prazer e para que seja mais fácil atingir o orgasmo – porque embora não seja obrigatório ter um orgasmo sempre que tem relações sexuais, ele é importante para que se sinta satisfeita a nível sexual. Explore o seu corpo e as suas próprias fantasias, há mulheres que conseguem ter um orgasmo apenas através das suas fantasias, sem qualquer tipo de estimulação física (cerca de 2% das mulheres conseguem ter orgasmos só através da estimulação mental – lembre-se que a mente é a nossa zona mais erógena). Converse com o seu companheiro, se tem par, e explorem também juntos outro tipo de toques e de carícias, investindo mais nos preliminares antes de passar à penetração, proporcionando-lhe mais prazer a si também.

“A minha ereção não acaba!”  

“Preciso de ajuda, pois enquanto muitos homens têm problemas de impotência ou com ejaculação prematura, a minha ereção mantém-se por um tempo quase interminável. Há alturas em que nem consigo atingir o clímax. O que posso fazer?”

Bruno, Santa Iria da Azoia

 

Caro leitor,

Algumas pessoas, homens e mulheres, têm dificuldade em atingir o orgasmo. Concentrar-se no momento, desfrutando das sensações, ajuda a chegar ao clímax. Consegue atingir o orgasmo através da masturbação? É-lhe mais difícil conseguir com uma parceira? Manter uma ereção muito prolongada, com dificuldade em atingir o orgasmo pode ser, por vezes, um efeito secundário de algumas substâncias, como antidepressivos, que podem afetar o desejo sexual ou dificultar a libertação através do orgasmo. Da mesma forma, o consumo de álcool ou de drogas como a cocaína podem ter o mesmo efeito. Pode haver, também, questões psicológicas por detrás desta dificuldade. Sente ansiedade ou receio de não corresponder às expetativas da sua parceira (e às suas)? Sempre teve esta dificuldade, ou houve alturas em que isto não sucedia? Encontrar as respostas a estas questões, de preferência através de um acompanhamento terapêutico individualizado, poderá certamente ajudá-lo a descobrir a causa para o seu problema, o que tornará muito mais fácil resolvê-lo. Alguns homens que tenham défice de atenção ou hiperatividade têm dificuldade em atingir o orgasmo devido à dificuldade que têm em concentrar-se no momento e no ato sexual.

 

Será que ela perdeu a virgindade? 

“Tenho 15 anos e sou virgem. Namoro com uma rapariga de 14 anos que também é, e temos experimentado algumas práticas sexuais. Há umas semanas eu e a minha namorada mantivemos em contacto os nossos sexos sem haver penetração, mas quando a estava a masturbar apercebi-me que havia sangue e parámos, pois pensámos tratar-se do seu período. Ela diz que afinal não foi o período e não sabe o que se passou. Como ela é virgem, será que rompeu o hímen?                                                                                                      Bruno, Évora 

Caro leitor,

uma vez que a sua namorada é virgem, é bem possível que com as carícias resultantes da vossa aventura sexual ela tenha rompido o hímen. O hímen é uma membrana que cobre a entrada da vagina, e algumas mulheres têm hímenes bastante elásticos que não se rompem com tanta facilidade, enquanto que outras mulheres têm hímenes bastante sensíveis que se podem romper sem que haja qualquer tipo de penetração. Algumas mulheres rompem o hímen enquanto praticam ginástica ou equitação, enquanto que outras só o rompem durante o coito. Por isso, não se preocupe pois provavelmente o hímen da sua namorada rompeu-se enquanto o leitor a estava a acariciar. Será aconselhável, de qualquer das formas, que ela conte esta situação ao seu médico ginecologista.

“Será que o meu marido é gay?”

Estou casada há 5 anos e há já 2 anos que eu e o meu marido não temos relações sexuais. Ele não mostra qualquer interesse em mim. Será que ele é gay?

Teresa, Lagos

 Cara Leitora,

De facto algo se passa, mas não deve precipitar-se e assumir que é uma questão de orientação sexual. Muitos factores podem estar por trás da aparente falta de desejo do seu marido. A dificuldade é decifrar a razão sem causar brigas e conflitos no relacionamento. Existem homens que têm falta de desejo sexual devido a depressão ou a medicamentos que estão a tomar, ou devido a terem problemas de ejaculação precoce ou dificuldade em ter uma ereção, e por isso evitam ter relações sexuais com as suas parceiras para evitar o embaraço que sentem. Existem tambem outros homens que têm fetiches, ou amantes, ou mesmo que preferem masturbar-se com a utilização de pornografia em vez de ter relações com as parceiras. Como vê, existem muitos factores em jogo, por isso há que falar com o seu marido e talvez consultar a ajuda de um sexólogo para decifrar este dilema.

Pág. 2/2