Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Fiz-lhe sexo anal e ele gostou…"

7 Things Happy Couples Do Every Day - Project Hot Mess

“Eu e o meu namorado gostamos de dar largas à imaginação e experimentamos por em prática as mais loucas fantasias. Aqui há tempos experimentei fazer-lhe sexo anal com um dildo e ele adorou, de tal maneira que a partir daí a verdade é que dou por mim a questionar-me se ele poderá ser gay…"

Clara, Porto

Cara leitora, o facto de ele ter gostado não significa que tenha tendências homossexuais. A maioria dos homens sentiria igual prazer, se tivesse coragem de experimentar. Isto porque, perto da entrada do ânus, está localizada a próstata. Por trás desta encontra-se uma das zonas mais sensíveis do corpo masculino, devido a ter uma rede bastante rica de nervos, que causam um prazer intenso quando estimulados. Infelizmente, para os homens, a estimulação da próstata através da introdução do dedo no ânus não é comum e é muitas vezes associada a práticas homossexuais, o que está errado. Existem muitos casais que praticam esse tipo de estimulação e há muitos homens que, independentemente da sua orientação sexual, deliram com essa prática.

“Será herpes?”

Herpes Labial [+ imagens]: sintomas e tratamento • MD.Saúde

 

“Apareceram-me uma manchas vermelhas no céu da boca e estou com receio que seja herpes. Sou virgem, nunca tive nenhum tipo de relação sexual, mas fiquei com receio de ter contraído o vírus de alguma forma, pois já beijei dois rapazes. Como posso ter a certeza?”

Joana, Montijo

 

Cara leitora,

É essencial consultar o médico e fazer os exames que ele achar convenientes pois nenhum diagnóstico fidedigno pode ser feito se não houver uma consulta presencial. Os sintomas que descreve podem ser causados por uma grande variedade de fatores, e importa conhecê-los e reconhecer o que se passa para poder ser devidamente tratada. O herpes oral pode ser transmitido através do contacto com saliva de uma pessoa infetada, nomeadamente pelo beijo ou pela partilha de objetos, como talheres. As manchas vermelhas que diz ter no céu da boca podem ser indício de herpes se forem sucedidas por uma úlcera branca ou acinzentada que aparece no centro das manchas. No entanto, apenas o médico pode examiná-la e fazer o diagnóstico, pois estas manchas também podem indiciar outro tipo de infeção oral ou serem resultantes de uma ferida que fez no céu da boca ao mastigar um alimento mais duro, por exemplo.

“Não consigo deixar de segui-lo!”

Jelous Woman Stalking Image & Photo (Free Trial) | Bigstock

“O meu ex-namorado terminou comigo há um ano e meio, após quatro anos de namoro. Já tenho outro namorado mas o problema é que continuo a seguir todos os passos do meu ex-namorado e da namorada dele, por mais que tente não consigo evitar! Não sei o que fazer…”

 

Lígia, Coimbra

 

Cara leitora,

Aceitar o fim de uma relação nem sempre é fácil, especialmente quando foi a outra pessoa que decidiu terminar. No entanto, a situação que refere é uma falta de respeito para com o espaço individual do seu ex-namorado, que está no seu direito de refazer a sua vida, para com o seu atual namorado, que está a construir uma relação com uma pessoa que ainda vive presa a outra, e para consigo, que não se permite a si própria seguir em frente. Nesse sentido, para que possa ser feliz e deixar que as outras pessoas também o sejam, é aconselhável consultar um psicólogo, que possa explorar consigo as causas que a fazem continuar a agir dessa forma e, através do acompanhamento terapêutico, ajudá-la a libertar-se dessa situação. Reflita sobre aquilo que não está bem na sua vida, e que a faz continuar ligada a alguém com quem já não tem uma relação. Refere que tem um namorado, mas continua a seguir o seu ex-namorado, o que pode indiciar pouco interesse da sua parte no seu relacionamento atual. Avalie se não terá necessidade de estar sozinha para que, devidamente acompanhada por um terapeuta, possa compreender o que deseja para a sua vida, que lições aprendeu com esta experiência e o que pode realmente fazer para ser feliz, concentrando-se única e exclusivamente em si, e naquilo que pode fazer pelo seu bem-estar e realização. 

“Como posso ter mais prazer e menos dores da primeira vez?”

Affectionate young couple kissing in the city - GIOF07009 - Giorgio  Fochesato/Westend61

“Tenho 19 anos e ainda sou virgem, mas namoro há seis meses com um rapaz com quem planeio perder a virgindade. Tenho receio das dores, porque as minhas amigas que já perderam a virgindade relatam experiências dolorosas. Como posso evitar que isso aconteça comigo?”

Joana, Barcelos

 

Cara leitora,

A chamada “primeira vez” pode, de facto, não ser tão idílica como acontece nos filmes, pois a esse momento estão associados nervosismo, ansiedade e falta de à vontade que podem defraudar as expetativas e criar cenários muito diferentes daqueles que antes se idealizaram. Antes de mais, é importante assegurar-se de que quer dar esse passo e fazê-lo em segurança. Deve ir ao médico e pedir ao seu namorado que faça também exames para ter a certeza de que não corre riscos para a sua saúde. Depois, é fundamental usar preservativo, que além de a proteger contra uma gravidez indesejada também a protege de infeções sexualmente transmissíveis. Em relação às dores, não pense antecipadamente que as vai ter, pois quanto mais relaxado o seu corpo estiver menor probabilidade terá de sentir dores. Ter uma boa lubrificação é essencial, e nesse sentido aconselho a que dediquem bastante tempo aos preliminares, explorando toques, carícias, masturbação mútua e sexo oral antes de passarem à penetração. Quanto melhor forem conhecendo o corpo um do outro, reconhecendo aquilo que lhes dá prazer, maiores probabilidades terão de que a relação sexual flua de forma harmoniosa e sem dores. Só devem avançar quando se sentir preparada e quando o seu corpo estiver completamente relaxado e excitado, para que a lubrificação facilite a penetração. Podem usar um lubrificante à base de água e devem avançar gradualmente para que o corpo possa habituar-se, sem movimentos bruscos. A comunicação, verbal e não verbal, é também um ponto chave para que tudo corra bem, por isso não tenha receio de ir dizendo ao seu namorado aquilo que sente e de deixar que o seu corpo se manifeste, para que ele possa compreender de que forma gosta mais de ser tocada, e como podem proporcionar maior prazer um ao outro.

 

“O sexo oral pode danificar a uretra?”

 Couple hugging, woman looking worried - ISF22299 - Image Source/Westend61

"O meu namorado sente dores quando urina e quando ejacula. Nenhum de nós teve outro parceiro sexual e nenhum de nós tem infeções sexualmente transmissíveis. Andámos a pesquisar na Internet e temos receio que ele tenha uma inflamação. Será que o sexo oral pode danificar a uretra?"

 

Vanessa, Guimarães

 

Cara leitora,

pela informação que dá não refere se o seu namorado sente dor sempre que urina ou ejacula, ou apenas de vez em quando. Numa questão desta natureza é fundamental e imperativo que ele seja visto por um médico especialista. É relativamente comum os homens sentirem ardor ou desconforto quando urinam imediatamente após a ejaculação, o que sucede devido à fricção aplicada à uretra durante a masturbação, o sexo anal ou vaginal. No caso do sexo oral esta irritação provocada aos tecidos da uretra é menor, por isso em princípio não terá sido essa a causa do desconforto e dor que refere. Esta dor pode também dever-se a uma infeção ou inflamação da uretra, da próstata ou do epididimo, canal que leva o esperma dentro dos testículos. Tanto as infeções sexualmente transmissíveis como as que se transmitem de outro modo podem afetar todas estas partes do sistema reprodutor. A alergia aos ingredients usados na composição dos preservativos e lubrificantes também pode causar esse desconforto. Por isso, é aconselhável que ele consulte um médico para averiguar o que se está a passar.

“Como posso saber se ela está grávida?”

 Testes de gravidez: quanto tempo é preciso passar para ter a certeza? -  Gravidez - SAPO Lifestyle

“Desconfio que a minha namorada está grávida, mas ela recusa-se a fazer o teste de gravidez e acha que é imaginação minha. Como podemos ter a certeza em relação a uma possível gravidez? Quando surgem os primeiros sintomas?”

 

Valter, Almada

 

Caro leitor,

É muito importante advertir a sua namorada para a importância de detetar uma gravidez o mais cedo possível, para que possa ser acompanhada pelo médico e garantir o máximo de segurança tanto para ela como para um possível bebé. Nesse sentido, ela deve fazer um teste de gravidez se o seu período já está em falta e consultar o médico para que possa ser acompanhada. Muitas mulheres notam os primeiros sintomas logo ao fim de poucas semanas, e estes geralmente manifestam-se como fadiga excessiva, náuseas e até mesmo vómitos, dores de cabeça, mudanças de humor, obstipação, dores mamárias, desejo súbito de certas comidas, ou aversão inexplicável por outras, enjoos perante cheiros que antes lhe eram agradáveis. Algumas mulheres podem ter algum fluxo menstrual, antes do tempo, outras podem chegar a ter febre. Convença a sua namorada a fazer um teste de gravidez o quanto antes, pois é fundamental que, caso esteja grávida receba o acompanhamento médico devido.

“Devemos esperar que a infeção passe?”

"A minha namorada foi ao médico e foi-lhe diagnosticada uma infeção urinária. Está a tomar a medicação devida, mas gostávamos de saber se existe algum risco em continuarmos a ter relações sexuais enquanto ela não estiver restabelecida."

Pedro, Corroios

 

Caro leitor,

As infeções urinárias provocam ardor e desconforto vaginal, o que por si só pode fazer com que a sua namorada não sinta vontade de ter relações sexuais enquanto continua a ter esses sintomas. Muitos médicos desaconselham a prática sexual enquanto se tem um infeção urinária, e até duas semanas após o desaparecimento dos sintomas. Uma vez que o ato sexual pode causar dor por pressionar a uretra ou a bexiga que estão inflamadas, apenas a sua namorada poderá dizer-lhe quando se sente preparada para retomar a vossa vida sexual normal. No caso de a infeção urinária ter sido provocada por uma infeção sexualmente transmissível, como a clamídia, por exemplo, existe ainda o risco de ela o contagiar, e nesse sentido é importante que tenham ainda maiores cuidados, usando preservativo quando retomarem as relações sexuais, caso não o costumem usar. Nesta fase em que a sua namorada se encontra com este problema de saúde, dêem largas à imaginação e explorem outras formas de retirarem prazer, como beijos e carícias, massagens e outro tipo de contacto íntimo que não envolva a penetração ou a fricção na área que neste momento está a ser tratada.

“Como funciona o orgasmo masculino?”

“Gostava que me esclarecesse em relação aos orgasmos masculinos. Um homem tem um orgasmo quando ejacula? Ou é antes? Sou pouco experiente e gostava de agradar mais ao meu namorado.”

 Vanessa, Coimbra

 

Cara leitora,

É natural e muito saudável que procure conhecer melhor o sexo oposto e que esteja empenhada em dar mais prazer ao seu namorado. Lembre-se que a comunicação é fundamental e não deve ser negligenciada: não tenha medo de dizer aquilo de que mais gosta, a forma como gosta de ser tocada, e pergunte o mesmo ao seu namorado. Dediquem bastante tempo a explorar o corpo um do outro, invistam nos preliminares e no conhecimento, pois eles vão ajudar-vos a ter mais prazer. Em relação à sua questão, o orgasmo é apenas uma parte do ciclo de resposta sexual de um homem. A primeira fase é a de excitação, que despoleta reações físicas que originam a ereção, fazendo também com que os testículos aumentem de tamanho e se elevem. A segunda fase, chamada “plateau”, intensifica as manifestações da primeira fase, podendo também ser libertado líquido pré-ejaculatório. Este líquido equilibra o pH da uretra para que o esperma possa “sobreviver” durante a ejaculação. É muito importante que se use preservativo mesmo nesta fase, porque este líquido pré-ejaculatório pode trazer vírus que o homem tenha ou mesmo sémen de ejaculações anteriores. A terceira fase consiste no orgasmo e na ejaculação, que são duas ocorrências distintas, embora sejam normalmente consideradas como uma só. Um homem pode ter um orgasmo sem ejacular, e pode ejacular sem ter um orgasmo. O orgasmo masculino define-se como a resposta do cérebro e corpo à ejaculação, mesmo que esta não ocorra, representa o clímax de sensações. Pode ser mais ou menos duradouro. Há um livro chamado “O Homem multi-orgásmico” que descreve o processo no qual homens podem ter múltiplos orgasmos com apenas uma ejaculação. A última fase da resposta sexual masculina define-se como o “período refratário”, no qual o sangue começa a fluir para fora do pénis e a ereção se vai perdendo. Os músculos relaxam e muitos homens sentem uma certa fadiga – daí que muitas mulheres se queixem de que eles se viram para o lado e adormecem!

 

"A impotência tem cura?"

Resultado de imagem para sad couple

"Tenho 43 anos e estou casada há 10. Sempre tivemos uma relação satisfatória a nível sexual, mas ultimamente o meu marido anda com problemas na vida dele, o que tem afetado o seu desempenho na intimidade. Eu acho que o stress o está a tornar impotente, há cura para esta situação? Como posso ajudá-lo?"

Conceição, Matosinhos

Cara Leitora,

São vários os motivos que podem afetar o desempenho sexual do homem, quer sejam fatores emocionais, físicos, ou ambos. Recomendo-lhe que aconselhe o seu marido a ir a um médico urologista para realizar alguns exames e medir os níveis de testosterona. Se estes valores forem normais então terão de procurar outras possíveis causas para o problema. O seu marido está a tomar alguma medicação? Sofre de diabetes, problemas de hipertensão arterial ou coração? Estas são algumas das causas mais comuns de impotência. Quanto a saber se a impotência tem cura, com o desenvolvimento da Medicina, existem cada vez mais soluções de todo o tipo, por isso esteja descansada. Os homens passam por fases diferentes na sua vida e por isso não significa que a impotência seja definitiva. Comecem por identificar possíveis causas físicas ou médicas para o problema, se estas forem excluídas então trata-se de algo do foro psicológico, talvez stress, ansiedade, ou mesmo problemas matrimoniais. Dê ao seu companheiro o apoio de que ele necessita e verá que tudo irá correr pelo melhor. Aconselho-o a consultar um sexólogo para ajudá-lo a ultrapassar a situação e a encontrar soluções.

“O que se passa comigo?”

“Tenho 19 anos e há 2 anos que namoro com um rapaz. Há 8 meses perdi a virgindade com ele. Correu tudo bem, eu tinha ido ao médico antes, que me mandou fazer alguns exames e que me orientou sobre as sensações que possivelmente iria ter... Eu já tomava anticoncecional desde os meus 14 anos, porque a minha menstruação tem um fluxo muito forte. O meu namorado, entretanto, fez uma cirurgia e tivemos de estar mais de dezoito dias sem ter relações sexuais. Quando o médico dele indicou que era seguro termos relações sexuais eu perdi a vontade, deixei de sentir desejo. Quando tentei forçar senti muitas dores e sinto que a minha vagina está com um odor diferente, com muito corrimento.

É normal eu sentir essa falta de interesse por ele? Gosto de beijar, abraçar, mas quando nos envolvemos mais intimamente peço-lhe que pare e sinto vontade de chorar. Tenho medo que seja alguma infeção!”

Maria, Lamego

  

Cara leitora,

O seu caso apresenta tantos aspetos que deve em primeiro lugar falar abertamente com o seu médico para melhor a esclarecer. O facto de fazer contraceção é positivo para ficar descansada quanto a possíveis gravidezes indesejadas, mas não a protege de contrair infeções sexualmente transmissíveis e isso pode ainda preocupá-la.

Não sei como reagiu às suas primeiras relações sexuais, se gostou, se se sentiu confortável, como ficaram depois. Não sei a causa da cirurgia do seu namorado e se ela pode relacionar-se com a sua falta de desejo. Também não sei se a vossa relação sofreu alguma mudança nesses dias em que não tiveram relações. Qualquer um destes fatores pode influenciar o seu desejo sexual e a sua vontade de ter sexo.

Reflita um pouco, sozinha ou acompanhada, sobre o que poderá estar a ter impacto nos seus sentimentos em relação à sexualidade. Aconselho ainda a que procure a ajuda de um psicólogo ou de um sexólogo para que ele a ajude a fazer um diagnóstico e a lidar com a situação. No que toca a dores, odores e corrimento tem mesmo de fazer um diagnóstico presencial com um médico, pois pode ter desenvolvido algumas bactérias vaginais (a vagina como mucosa tem uma flora vaginal que pode desequilibrar-se e dar tais sintomas), como pode ter sido infetada com uma infeção sexualmente transmissível e estar a reagir negativamente ao sexo por lhe causar dores.

Pág. 1/3