Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Clítoris inchado”

Tenho 18 anos e cada vez que eu e o meu namorado curtimos ele toca-me no clítoris, mas eu nunca atinjo o orgasmo, o problema é que passados alguns dias este ainda está inchado e dói-me. O que será que devo fazer?

 

Margarida, Alcácer
do Sal

 

Cara leitora,

Quando as mulheres estão sexualmente excitadas dá-se um aumento da circulação sanguínea na zona genital, e algumas mulheres atingem o orgasmo e outras não. No seu caso, a leitora fica excitada mas acaba por não atingir o orgasmo, o que se deve à sua pouca idade e inexperiência sexual. Por isso não se preocupe pois uma vez que conheça melhor o seu corpo, vai ver que se tornará mais fácil sentir prazer sexual. Quanto ao inchaço do seu clítoris este deve ser devido a um excesso de estimulação por parte do seu namorado, por isso fale com ele para que a estimule de forma mais gentil e durante menos tempo. Experimente também utilizar um gel lubrificante durante a masturbação mutua, ou experimente guiar a mão do seu namorado, para que ele saiba onde e de que forma a deve tocar sem causar desconforto.

 

“Veia varicosa no pénis”

“Boa tarde, tenho detectado uma veia saliente no meu pénis, fiz uma pesquisa para tentar esclarecer o que pode ser e estou com receio de que seja uma veia varicosa e que isso afecte a minha fertilidade. Existe a possibilidade de se tratar de uma veia nefasta para a saúde, pelo seu tamanho?”

 

João, Évora

 

Caro leitor,

A varicocele, que designa a formação de varizes na região do escroto e perto dos testículos, é uma condição bastante comum, que afecta cerca de 10 a 15 % dos homens, e que normalmente se destaca mais no testículo esquerdo do que no direito. A varicocele acontece na maior parte das vezes por
mau funcionamento das válvulas testiculares, e embora possa provocar desconforto à partida não comporta consequências mais graves para a saúde. Para fazer um diagnóstico é essencial fazer exames, e caso se confirme pode ser tratada através do uso de roupa interior específica que alivie a pressão. Ainda que não seja uma consequência directa, a varicocele pode afectar a fertilidade porque pode diminuir o número de espermatozóides e provocar alterações na forma e na movimentação dos mesmos, porque a veia varicosa pode exercer uma pressão maior que também aumenta a temperatura no mesmo. É fundamental que consulte o seu médico ou um urologista para poder avaliar e tratar o seu caso. A remoção cirúrgica da varicocele melhora os níveis e o funcionamento do esperma em 70 % dos casos.

 

“Sou muito criativa!”

“Tenho uma relação feliz já há 2 anos. Adoro experimentar coisas novas e mudar de posição sexual quando faço amor com o meu companheiro, mas ele às vezes queixa-se que tenho demasiada imaginação. Será que estou realmente obcecada por posições sexuais?”

Rita, Viana do Castelo

 

Cara leitora

É muito difícil definir o que é considerado “normal” dentro da vida sexual, pois depende de cada pessoa. A sexualidade não se limita ao acto sexual em si, é também todas as sensações, pensamentos, sentimentos, gostos e cheiros que se vivem e que variam de indivíduo para indivíduo, fazendo com que cada um de nós seja único! Na minha opinião, tudo é normal desde que seja entre adultos, seja consensual e não cause danos físicos ou emocionais. Parece-me que a leitora está muito mais confortável com a sua sexualidade do que o seu companheiro. Converse com ele abertamente acerca desse assunto e explique-lhe que a monotonia só estraga as relações!

“Ele não gosta do seu próprio pénis”

“Já disse várias vezes ao meu namorado que a forma do seu pénis não interfere na minha satisfação sexual e não tenho queixas a apontar, mas ele está sempre a dizer que tem o pénis muito fino e que gostaria de o alterar.”

Maria, Vila Nova de Gaia

 

Cara Leitora,

Pelo que me parece a leitora tem uma relação bastante franca com o seu namorado e não têm pudor em discutir qualquer assunto da vossa relação, o que por si só é bastante positivo.

Uma vez que falou com o seu namorado em relação ao vosso desempenho sexual e que a dimensão do pénis em nada interfere na satisfação e na vossa cumplicidade sexual, talvez seja agora o momento de propor-lhe novas estratégias de cariz sexual que o façam ver a vida sexual como algo mais estimulante e inovador fazendo com que ele aumente a sua autoestima e ficando assim para segundo plano a dimensão e formato do pénis.

Apesar de eu não recomendar, caso o seu namorado queira efetivamente alterar o tamanho do pénis, hoje em dia existem cirurgias que solucionam este problema. Porém, eu sou apologista da descoberta de emoções e sensações através de novas aventuras sexuais e de uma boa estimulação efetuada pelo casal, pois as cirurgias ao pénis podem causar danos nos nervos e piorar a situação em vez de a melhor.

É possível engravidar sem ter coito?

Eu e a minha namorada praticamos sexo oral e masturbação mútua com bastante frequência. Gostaríamos de saber se apesar de nunca ter havido penetração é possível ela engravidar.

Luís

 

Caro Luís,

A probabilidade de a sua namorada engravidar sem que haja penetração vaginal é muito pequena, mas nem por isso deve ser ignorada. Se após o sexo oral ou a masturbação o seu esperma entrar em contacto com a vulva da sua namorada durante o seu período fértil, os seus espermatozóides podem viajar até aos óvulos resultando numa gravidez. A sua namorada também pode engravidar sem que
haja a penetração se o seu sémen tocar a sua mão, e depois o Luís tocar os genitais da sua namorada depois de ejacular. Por isso, apesar de situações nas quais se verifica uma gravidez sem que tenha havido o coito são raras, elas acontecem, por isso sejam cuidadosos.

 

“Pus um implante e não páro de sangrar….”

“Coloquei um implante contracetivo há cerca de um mês e, desde então, tenho tido algum sangramento todos os dias, como se nunca mais tivesse deixado de estar com o período… é normal isto suceder?”

Beatriz, Coimbra

 

Cara leitora,

Ter irregularidades no fluxo menstrual é um dos possíveis efeitos secundários causados pelo uso do implante contracetivo. Estas irregularidades tanto podem ser perdas ocasionais de sangue, sangramento contínuo, ou amenorreia, a total ausência de menstruação. De um modo geral, o sangramento acaba por regularizar ao longo do tempo, mas aconselho-a a reportar esta situação ao médico que lhe colocou o implante, para que possam avaliar em conjunto a sua situação e dar-lhe o devido encaminhamento. Apesar de poder haver efeitos secundários, o implante contracetivo é uma boa maneira de evitar problemas causados pelo esquecimento da toma da pílula, por exemplo.

“Não consigo ter orgasmos com o meu namorado…”

O que significa “a couple of”? - inFlux Blog

“Tenho 32 anos e uma vida sexual ativa, mas não consigo ter orgasmos quando tenho relações sexuais com o meu namorado, embora ele me excite e atraia. Sempre tive dificuldade, mesmo com outros parceiros, e já tive vários…”

Lídia, Braga

 

Cara leitora,

Muitas mulheres têm dificuldade em ter orgasmos durante a penetração, embora tenham prazer e sintam excitação. De um modo geral, para uma boa parte das mulheres, a estimulação do clítoris provoca mais facilmente um orgasmo, já que o clítoris contem entre 6000 a 8000 terminações nervosas, o que faz com que proporcione maiores sensações de prazer. As paredes vaginais, pelo contrário, contêm poucas terminações nervosas, o que faz com que seja mais difícil ter um orgasmo através da penetração, embora isso varie de mulher para mulher. Experimente outro tipo de posição sexual, como por exemplo ficando por cima, e outros toques e carícias que ajudem a estimular o clítoris, dediquem mais tempo aos preliminares e “conduza” o seu namorado no sentido que lhe estiver a proporcionar maior prazer. Usem lubrificante e experimentem utilizar brinquedos sexuais, como vibradores para estimular o clítoris, por exemplo. Importa também saber se consegue ter orgasmos através da masturbação. É aconselhável, também, que consulte um especialista que possa avaliar individualmente o seu caso.

“Preservativos de poliuretano ou de látex?”

Preservativo – o método mais eficaz para evitar a SIDA | Farmácias  Portuguesas“Pessoalmente prefiro usar preservativos de poliuretano, porque são mais finos e permitem-me sentir um contacto mais próximo, mas gostava de saber se em termos de eficácia são equiparados aos de látex.”

 

Jonas, Lisboa

 

Caro leitor,

De acordo com estudos efetuados a eficácia dos preservativos de poliuretano é equiparada à dos preservativos de látex, quer seja em termos de proteção contra infeções sexualmente transmissíveis quer para prevenir uma gravidez indesejada. O poliuretano é um plástico mais forte que o látex mas que tem menor elasticidade, razão pela qual estes preservativos têm um prazo menor de validade, já que têm maior propensão para se rasgarem. Ainda assim, o seu nível de eficácia é semelhante, pelo que a escolha recai sobre a preferência de cada pessoa e aquilo que considera mais confortável, para além de haver pessoas que são alérgicas ao látex. Os preservativos de poliuretano, sendo mais finos, transmitem mais facilmente o calor, o que faz com que haja pessoas que os preferem, por proporcionarem maior sensação de contacto físico. Existem, ainda, preservativos de poliisopreno, que oferecem uma boa sensação de proximidade com a pele, sendo mais finos que os de látex e tendo maior elasticidade que os de poliuretano.

“Posso guardar os preservativos na carteira?”

Saiba porque nunca deve guardar preservativos na carteira ou no bolso

“Sempre me habituei a ter alguns preservativos na carteira, por precaução. No entanto, um amigo reparou nisso e alertou-me para o facto de que não é seguro guardá-los ali porque podem estragar-se. É verdade?”

 

Luís, Vila Verde

 

 

Caro leitor,

Ter a consciência de que deve praticar sexo seguro é muito importante e, nesse sentido, ter sempre alguns preservativos consigo é uma boa forma de garantir que está preparado para qualquer situação – ainda que, uma vez que vivemos num contexto de pandemia, deverá ter cuidados redobrados e evitar contactos de risco. O seu amigo tem razão, já que na carteira os preservativos estão expostos à pressão provocada pelas moedas, notas e cartões, pelo aumento de temperatura quando coloca a carteira no bolso e, dependendo do material e da robustez da mesma, esses danos podem comprometer TOTALMENTE a sua eficácia. Pode haver fissuras mínimas, não detetáveis a olho nu, por exemplo. Opte por adquirir uma carteira rígida especificamente para os preservativos (como algumas carteiras para transporter a mascara, por exemplo – MAS NÃO OS MISTURE COM A MÁSCARA!) e use-a apenas para esse efeito. Quanto mais sólido e resistente for o material do recipiente onde os guarda, melhor, e tenha em atenção para que seja um material que evite o aquecimento. Evite levar consigo mais preservativos do que o necessário, e guarde-os sempre num lugar seco e fresco, quando estiver em casa. Troque-os com regularidade.

“O meu namorado não consegue ejacular…”

Couple hugging, woman looking worried – Stockphoto

“Apesar de amar o meu namorado e de termos uma vida sexual com grande cumplicidade, ele sente prazer, mas nunca consegue ejacular. Ele diz que sempre foi assim com outras parceiras, mas eu gostava de saber se é possível ajudá-lo, e como fazê-lo.”

 

Susana, Covilhã

 

Cara leitora,

É aconselhável que o seu namorado consulte um médico especialista, se ainda não o fez, pois a situação que descreve pode dever-se a fatores fisiológicos que precisam de ser identificados para poderem ser tratados. Importa também saber até que ponto o seu parceiro se sente desconfortável com a situação e quer mudá-la, pois há pessoas que não sentem necessidade de ter um clímax – e, no caso dos homens, é possível ter orgasmos sem que haja ejaculação. O seu namorado consegue ejacular quando se masturba? Pode haver, também, questões psicológicas que estão a interferir com a sua vida sexual, sendo aconselhável ser acompanhado individualmente por um sexólogo. Aproveite esta situação para falarem, de forma honesta e recetiva, sobre aquilo que cada um prefere na relação sexual e que tipos de expetativas têm.

Pág. 1/4