Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Devo tomar a vacina da Hepatite?

 

Tenho uma amiga que me disse que uma vez que eu sou sexualmente activa devo  tomar a vacina contra a Hepatite, é verdade?

Alda

Cara Leitora,

A vacina da Hepatite é recomendada aos recém-nascidos, crianças entre os 11 e 12 anos que não tenham sido vacinadas em bebés, e adultos que pertencem a grupos de risco – aqueles que mudam frequentemente de parceiro sexual e os que estão em contacto directo com drogas, ou que trabalhem em hospitais. A vacinação é importante, pois é uma forma de prevenção e protecção. Como todas as infecções sexualmente transmissíveis, a Hepatite pode ser propagada através do contacto sexual ou através de sangue contaminado. Este vírus pode ser diagnosticado através da análise ao sangue que detecta anticorpos específicos da Hepatite. Acredite na fiabilidade da vacinação, pois a prevenção é importante para ter uma postura mais tranquila.

Como prevenir o cancro da próstata?

cancro próstata.jpg

Tenho 55 anos e o meu pai faleceu há alguns anos devido a um cancro na próstata, por isso gostaria de saber como se pode diagnosticar esta doença, e como posso evitá-la. 

Leandro

 Caro leitor,

Para prevenir esta doença, é importante que, a partir dos quarenta e cinco anos, todos os homens consultem um médico e façam o exame do toque rectal, ou seja, um exame no qual o medico examina através do tacto o tamanho da próstata. Caso o médico encontre algo de anormal, é essencial que se faça uma ecografia transrectal com biopsia prostática. Através das partículas retiradas para a biopsia é possível a realização de um exame de análise de patologia, de modo a avaliar o estado do tumor, pois é necessário averiguar se o tumor está apenas restringido à próstata ou se alastrou para outros órgãos periféricos, tais como a bexiga, vesículas seminais ou recto. Os sintomas mais frequentes neste tipo de doença são a extrema dificuldade em urinar, pouca pressão ao urinar, sensação de não esvaziar a bexiga por completo após urinar e, em alguns casos, sangue na urina. Tal como em muitas doenças, a melhor forma de a evitar é a através da prevenção. Quanto mais cedo o cancro for diagnosticado melhores as probabilidades de cura.

Sexo na gravidez

sexo na gravidez.jpg

Estou grávida de 5 meses e desde que soubemos que eu estou grávida temos evitado fazer amor. O médico diz que não faz mal, mas nós temos receio.

 Maria

Cara Leitora,

Pelo que parece já tiveram um parecer médico que não colocou qualquer entrave às relações sexuais, por isso tranquilize-se. Se a gravidez estiver a decorrer dentro da normalidade não existe qualquer problema em ter relações sexuais. Obviamente, o acto sexual deve ser interrompido caso ocorram perdas de sangue, dores abdominais ou outros sintomas e aí devem solicitar de imediato a intervenção médica. Tanto o leitor como a sua esposa devem agir com tranquilidade e se as dúvidas persistirem não hesitem em conversar com o vosso médico assistente. O facto de estar grávida não quer dizer que não possa viver a sua sexualidade de forma plena e satisfatória.

“O tabaco provoca mesmo impotência, ou é só um mito?”

 Sadness May Be Strongest Emotional Trigger for Smoking

“Sei que fumar faz mal ao organismo, mas continuo a fumar bastante. Li nos maços de tabaco que fumar causa impotência. Será mesmo verdade?”

 João Maria, Tomar

 

Caro leitor,

Como sabe, o tabaco não causa apenas lesões a nível sexual, mas também em outras vertentes, pois existem milhares de pessoas que morrem diariamente vítimas do cancro do pulmão. A partir deste exemplo é possível verificar os efeitos nefastos que o tabaco pode causar. 

O tabaco provoca problemas a nível respiratório, que podem causar problemas sanguíneos, e para que a ereção aconteça é necessário que haja um bom fluxo sanguíneo no pénis. Assim, quando existem problemas de circulação, esse fluxo não vai ser suficiente, o que causa a incapacidade de ter uma ereção. Portanto, o tabaco associado à má circulação pode provocar alguns problemas de saúde, entre os quais a impotência e infertilidade.

“Às vezes mais parece que estou a fazer amor sozinho…”

Free Photo | Worried man sitting on bed in the morning, serious thinking  something“Há algum tempo que a minha esposa participa muito pouco na vida sexual. Às vezes mais parece que estou a fazer amor sozinho. Estou a ficar intrigado. Será que ela tem outra pessoa?”

 Mário, Lousã

 

Caro leitor,

Antes de tomar qualquer decisão ou criar qualquer história na sua cabeça é importante que converse sem tabus e preconceitos com a sua esposa, pois a sua mudança de atitude poderá estar associada a algum problema que esteja a atravessar e não partilhou consigo. Neste tipo de situação, o diálogo é imprescindível porque, por vezes, a solução encontra-se ao nosso alcance, mas por falta de compreensão ou ausência de diálogo as situações vão-se agravando sem que as pessoas se apercebam. Assim sendo, seja objetivo e aborde de forma cautelosa a sua esposa, perguntando o que se passa com ela, mostrando interesse com o seu dia-a-dia e, muito importante, sendo bastante carinhoso. Estes gestos são importantes para que ela se sinta acompanhada e amada. Se mesmo depois da sua intervenção, ela se mostrar demasiadamente apática, o melhor será recorrer à ajuda de um médico.

“Tenho medo de ter um cancro nos testículos…”

68,687 Worried Man Photos - Free & Royalty-Free Stock Photos from Dreamstime“Tenho 37 anos de idade, sempre fui saudável e sou sexualmente ativo. No entanto, de há umas semanas para cá noto que meu testículo direito está inchado.  Dói-lhe imenso quando lhe toco, e às vezes até devido ao roçar das calças. Tenho receio de ter um cancro nos testículos, já marquei consulta para o meu médico mas estou bastante ansioso. Pode esclarecer-me se esse sintoma pode indicar algo grave?”

 

Mário, Sesimbra

 

Caro leitor,

os sintomas que descreve são geralmente sinónimo de algum problema a nível testicular, o que não significa obrigatoriamente que se trate de cancro testicular. A consulta com um médico urologista é essencial, de forma a que este lhe possa fazer um exame físico detalhado e presencial. Por norma o cancro testicular manifesta-se através de um inchaço dos testículos, que nem sempre surge acompanhado de dor. Este tipo de cancro é relativamente raro, mas é importante avaliar a causa do inchaço e das dores que sente. Pode dar-se o caso de ter feito uma lesão do testículo resultante de uma pancada ou alguma atividade física, mas terá de aguardar pela consulta médica para que possa conhecer o diagnóstico e tratamento mais indicados para o seu caso.

“Ela fica muito lubrificada!”

“Quando eu e a minha namorada temos relações sexuais ela fica extremamente lubrificada, muito mais do que eu, que me considero uma mulher “normal”, e ela sente-se desconfortável com isso, apesar de não me fazer diferença. Porque é que isto acontece? Será algum problema de saúde?”

 

Luísa, Almada

 

Cara leitora,

A lubrificação vaginal durante o ato sexual é geralmente um sinal de excitação, facilitando a penetração, tanto com um pénis, no caso de uma relação heterossexual, como de um vibrador ou dildo, ou dos dedos, numa relação entre duas mulheres. Não há uma definição de “normal” na medida em que há muitas mulheres que têm uma lubrificação abundante, e muitas outras que libertam menor quantidade de fluxo, havendo também muitas mulheres que não conseguem produzir uma quantidade suficiente de fluxo, necessitando de usar um lubrificante para facilitar a penetração. Para além de variar de mulher para mulher, a quantidade de fluido segregada através da excitação varia também consoante a fase do ciclo menstrual em que a mulher se encontra. Fatores como a dieta, a toma de alguns medicamentos, o stress e possíveis infeções também influenciam a produção e segregação de fluidos vaginais. É importante saber se a sua namorada sempre teve um fluxo assim tão abundante, e se ele vem acompanhado por um odor mais forte do que o habitual, se tem alterações na cor ou na consistência. Deve consultar o seu ginecologista pois um fluxo excecionalmente abundante pode ser indicador de uma infeção vaginal que precisa de ser tratada. Algumas doenças e infeções podem também causar alterações nos fluidos vaginais. Mesmo que esta condição seja apenas uma caraterística dela, sem estar associada a nenhum problema de saúde, o seu ginecologista poderá aconselhá-la sobre os produtos de higiene íntima mais adequados para ela.

 

“Tenho medo de ser penetrada…”

“Tenho 31 anos, e nunca tive uma vida sexual muito ativa. Na minha última relação, apesar de amar o meu companheiro, não conseguia satisfazê-lo porque tinha muito medo de ser penetrada. Sinto muitas dores, mas acho que é um problema psicológico, porque não consigo relaxar. Isto está-me a prejudicar bastante, iniciei recentemente um relacionamento mas parece que tenho trauma de ter relações, envolvo-me bastante e tenho desejo de continuar mas de repente (parece que se passa algo) páro e o meu companheiro não entende porque faço isso. Acho que é um problema que não consigo resolver!

Teresa, Guimarães

Cara leitora,

O seu caso pode tratar-se de uma perturbação sexual feminina, mas tal diagnóstico só pode ser feito numa consulta presencial e com avaliação fisiológica médica e sexológica. Existem duas perturbações sexuais femininas da dor: o vaginismo e a dispareunia. Estes problemas acontecem a muitas mulheres, e não deve deixar de tentar viver a sua sexualidade por isto lhe acontecer nem sentir-se culpada. Deve procurar ajuda especializada para esclarecer se as suas dificuldades são psicológicas ou fisiológicas e refletir sobre um tratamento adequado. Entretanto pode explorar com o seu novo companheiro outras formas de ter relações sexuais, não só através da penetração… Explorem as massagens, as carícias, a masturbação mútua (pode começar sozinha para descobrir como gosta de ser tocada e o que lhe dá mais prazer), o sexo oral, os brinquedos eróticos… Usem a vossa imaginação para reinventarem a vossa sexualidade sem limites!

O meu namorado não quer usar preservativos!

"Tenho 24 anos e iniciei recentemente um relacionamento com um rapaz de 30 anos. Ainda não tivemos relações sexuais, mas ele diz que não quer usar preservativos, e por isso não sei o que fazer, pois tenho receio de apanhar uma doença sexualmente transmissível."

Susana - Coimbra

 

Cara leitora,

Realmente essa é uma situação delicada, e acho que, dadas as circunstâncias, faz bem em esperar para ter relações sexuais com o seu novo namorado. Como a comunicação é a base de uma boa relação, tem de procurar frases e argumentos que o levem a compreender o seu lado nesta questão. A resistência de alguns homens em utilizar o preservativo pode ser grande, pelo que cabe a si defenderem a sua saúde sexual e encontrarem um compromisso que faça sentirem-se ambos seguros na relação sexual. Por vezes é apenas a falta de hábito dos homens que os leva a sentirem-se "apertados", "desconfortáveis" e até mesmo com menos excitação. Tente mostrar-lhe um lado divertido deste método, colocando-o de modos originais, mostrando-lhe como pode fazer aguentar mais tempo de penetração, o que pode até melhorar o sexo para os dois… Se ele continuar a rejeitar o uso do preservativo, sugira que ambos façam testes médicos antes de ter relações. Se ele se recusar, então cabe-lhe a si decidir se quer continuar o namoro com ele ou não, pense bem, pois você é dona do seu próprio corpo.

“Posso retomar a vida sexual?”

Após um aborto espontâneo de seis semanas quanto tempo se deve esperar para iniciar novamente a vida sexual, ou seja, começar a ter relações sexuais?

 Marta Martins

 

Cara leitora,

 

O tempo que deve esperar até recomeçar a ter relações sexuais vai depender de como se sente, ou seja, se tiver quaisquer tipo de dores ou corrimento
sanguíneo resultante do aborto espontâneo, nesse caso, não deve recomeçar a ter relações sexuais. No entanto, se se sentir bem fisicamente e o seu médico ginecologista lhe disser que está tudo bem consigo a nível físico, aí então pode recomeçar a sua vida sexual uma ou duas semanas após o sucedido sem problemas.

Pág. 1/3