Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Gostava de aprender o que é a técnica Karezza…”

“Tenho 32 anos e considero-me um homem sexualmente activo e interessado em novas experiências. Ouvi falar sobre a técnica Karezza e gostava de aprender a utilizá-la na prática.”

João Pedro, Sintra

Caro leitor,

A técnica “Karezza” não é difícil de aprender nem de pôr em prática e consiste em fazer amor de uma forma doce, na qual o afecto, a ligação e o relaxamento são os principais objectivos, e não o orgasmo em si. A própria palavra, “Karezza”, deriva de uma palavra italiana que significa carícia. Relaciona-se com o contacto da pele, as carícias, a posição de “conchinha” e eventual relação sexual, suave. Deriva de uma prática Taoísta chamada cultivação mútua, pois consiste em dedicar-se ao parceiro. Os praticantes desta técnica são de opinião que o bom sexo não é aquele que chega ao orgasmo, mas antes o que promove sentimentos de ligação e de relaxamento. Enquanto que o orgasmo deixa o organismo exausto, os adeptos da Karezza dizem que se sentem com mais energia porque as carícias sexuais sem orgasmo elevam os níveis de dopamina e ocitocina, proporcionando sensações de prazer, proximidade e paz. Uma vez que estes efeitos demoram mais a desaparecer do que após o orgasmo as variações de humor também se fazem sentir menos. Os praticantes desta técnica também defendem que ajuda a curar disfunções sexuais e a atenuar as dores menstruais,
mas advertem que só deve ser posta em prática por pessoas que estão efectivamente apaixonadas, pois se assim não for as carícias não terão o afecto que as torna tão compensatórias. Para iniciar esta prática, pode começar por dedicar mais tempo às carícias com a sua parceira, sem que as entenda como preliminares mas sim como objectivo em si mesmas. Poderá ter surpresas muito agradáveis!

 

"Gosto muito de sexo"

Tenho 40 anos e gosto muito de sexo. Penso mais do que faço. Gostaria de saber
se há alguma indicação ou estudo sobre a quantidade de relações por mês num casal
pela minha idade. Será normal de três em três meses?

Outro dia, quando estava a iniciar, durante os preliminares, quando beijava e
tocava, ejaculei em poucos segundos. Terei algum problema? Fiquei de rastos, apesar da compreensão da minha mulher.

Cumprimentos

 

 

Caro Leitor,

De uma forma geral casais entre os 20 e 50 anos de idade têm relações sexuais em média entre 1 e 3 vezes por semana, com estudos diferentes indicando valores diferentes. É difícil determinar o que é muito ou pouco sexo entre um casal, pois cada caso é um caso, e cada casal tem a sua frequência ideal, ou seja, o que é considerado normal e satisfatório para si, pode não o ser para outro casal e vice-versa. Dessa forma, se tanto você como a sua esposa estão satisfeitos em ter relações sexuais de 3 em 3 meses, então, não existe nenhum motivo para preocupação. No entanto, uma vez que não tem relações sexuais com bastante frequência vai ter o problema da ejaculação precoce, ou seja a sua sensibilidade vai estar bastante elevada e por isso vai ejacular mais cedo do que deseja. Por isso aconselho que tente ter relações sexuais com um pouco mais de frequência se deseja resolver o problema da ejaculação precoce, ou tente masturbar-se com mais frequência, e dessa forma não vai estar tão excitado quando tiver relações com a sua esposa.

“O meu marido nunca quer ter relações comigo.”

“Engordei bastante depois de ter tido o meu filho e sinto-me bastante mal por causa disso, pois era uma mulher atraente e normalmente chamava as atenções, cheguei a ganhar um concurso de modelos quando era mais jovem. Para piorar ainda mais a situação, noto que o meu marido perdeu o interesse sexual em mim, nunca me procura e quando eu quero fazer amor ele esquiva-se. O que devo fazer?”

 

Joana, Braga

 

Cara leitora,

Parece que o peso que ganhou a incomoda bastante, e imagino que apesar de dizer que o seu marido não tem interesse em si sexualmente, que você também não se deve sentir muito atraente ou sexy. Por isso, terá de decidir primeiro o que quer fazer para melhorar a sua auto-estima, pode tentar perder algum desse peso pois parece que isso a iria fazer mais feliz, e pode entretanto tentar vestir-se de forma que se sinta mais bonita e atraente, mesmo com o peso que tem, pois existem muitas mulheres que têm excesso de peso e nem por isso deixam de ser sexy e bonitas. Quanto ao seu marido, converse com ele acerca do que tem estado a sentir, pois pode ser que algo diferente se esteja a passar com ele e que faça com que ele tenha esta atitude em relação a si. Lembre-se que ter um bebé em casa muda muito a rotina e a vida do casal, e o seu marido pode estar também a sentir-se perdido em relação ao papel que tem na família e na sua relação consigo, ou apenas cansado com o acréscimo de tarefas que o cuidado de um bebé implica.

“Há mais de um ano que não tenho orgasmos…”

“Tenho 48 anos e vivo sozinho. Há mais de um ano que não tenho orgasmos, e nunca tive um sonho molhado. Uma vez que não tenho ejaculações com regularidade tenho infeções da próstata e do trato urinário com alguma frequência. Gostava de saber se é comum isto acontecer, e se o facto de não libertar o sémen não traz problemas maiores de saúde para o meu futuro.”

 

Carlos, Bragança

 

Caro leitor

A excitação nem sempre conduz a um aumento do fluxo ou à necessidade de libertação através da ejaculação. No entanto, uma vez que sofre de infeções regulares deve ser visto por um médico especialista, se é que tal ainda não acontece. Sendo um individuo saudável não é comum passar tanto tempo de abstinência sexual, sendo que chegar à excitação sem culminar num orgasmo pode causar-lhe desconforto e dores, acarretando problemas de saúde tais como as infeções que menciona. Não precisa de ter uma companheira para praticar a masturbação, que permitirá ao seu corpo libertar-se de qualquer tensão acumulada.

Sofro muito com as dores do período!

sindrome-pré-menstrual.jpg

Tenho 21 anos e sofro imenso com as dores do período, chegando mesmo a ficar desesperada. Por vezes, fico tão mal disposta que nem sequer consigo ir às aulas.  Como posso ultrapassar este problema?

 Tânia

Cara Leitora,

De forma a evitar a perda excessiva de sangue durante o período da menstruação o útero contrai e liberta prostaglandina que é a substância que provoca a dor. Associadas à dor, principalmente no baixo-ventre e barriga, encontram-se sintomas como o enjoo, diarreia, vómito, enxaquecas, vertigens e cansaço. De forma a minorar a dor menstrual, existem comprimidos para as dores que podem ser tomados logo no início do ciclo. A pílula também pode ser recomendada, principalmente quando existe descontrolo hormonal. Os medicamentos apenas servem para atenuar as dores, não tratam o problema de uma vez por todas. Sendo assim, é aconselhável que solicite a ajuda do seu médico ginecologista para que possa ajudá-la a ter uma melhor qualidade de vida durante a menstruação.

Não me entendo com a minha filha mais velha!

pai-tentando-falar-com-a-filha-370x247.jpg

Sou divorciado e tenho duas filhas a viver comigo, mas a mais velha tem dado comigo em doido… Ela tem 17 anos e está no liceu, ultimamente quando sai com os amigos não volta para casa ou então volta embriagada. Tenho medo que ela ande com más companhias e que isso interfira com a escola.

Manuel

Caro leitor,

Nunca ninguém disse que educar filhos era tarefa fácil, principalmente adolescentes. Essa é uma fase de descoberta e de mudanças na vida de qualquer jovem, sendo normal que ela se sinta desorientada e acabe por fazer coisas que não deve. Esta é uma fase em que os jovens precisam de bastante supervisão por parte da família, pois sem orientação é muito provável que se deixem influenciar por más companhias. Converse com a sua filha explicando-lhe os perigos associados aos comportamentos que ela tem tido ultimamente. Faça perguntas sobre os amigos com quem ela costuma andar e sobre os lugares que frequentam.

Não tenha medo de se intrometer na vida da sua filha, pois por mais que resmungue e amue, ela vai acabar por ouvi-lo.  

Pequenas fissuras no pénis

Desde há cerca de 6/8 meses que, sempre que tenho relações  com a minha companheira, a mesma desde há 3 anos, aparecem algumas pequenas fissuras na parte exterior do pénis, na parte superior da pele que cobre a glande. Durante a relação e à medida que o esforço e a elasticidade do pénis aumenta a pele parece rasgar. Já apliquei algumas pomadas  de que não me lembro o nome e passa.
Se tiver relações com preservativo continua tudo bem. A pomada que referi a minha companheira também aplica com uma espécie de seringa para introduzir na vagina. Não percebo o que se passa. Será um problema de acidez? Ela fez recentemente um papanicolau e estava tudo bem. O que me aconselha?


Obrigado e cumprimentos,


Tiberio
 
 
 
 
Caro Tibério,
 
Recomendo-lhe que marque uma consulta num urologista ou num andrologista, ambos especialistas em problemas sexuais masculinos e do sistema reprodutivo. Pode pedir ao seu médico de família (mostrando-lhe igualmente o que se passa) uma recomendação para consultas públicas ou marcar em consultórios privados.
Não tenha vergonha de pedir ajuda por ser uma questão sexual, muitos homens e mulheres necessitam e devemos mesmo fazer um seguimento de prevenção.
No seu caso, como descreve que as pomadas têm funcionado, recomendo-lhe que as leve consigo à consulta para o médico perceber a sua acção.
Por email, não lhe posso ser muito mais útil, apenas de referir que é positivo que o papanicolau da sua companheira tenha dado resultados negativos e que devem manter o uso do preservativo até verem esclarecidas as suas dúvidas. Assim, poderão aproveitar as relações sexuais e entregar-se ao prazer sem ter dores nem aumentar algum problema que possa existir.

“Será que é possível reconhecerem que sou homossexual?” 

“Sou homossexual há algum tempo, nunca escondi isso de ninguém, no entanto, há algum tempo coloca-se uma questão que não tem saído da minha cabeça: Será possível ao olharem para mim descobrirem que sou homossexual?” Nuno, Espinho 

Caro Leitor,

A maioria das pessoas nunca pensa que as pessoas que conhecem podem ser homossexuais, assumindo logo à partida que todas as pessoas são heterossexuais. Além disso, as pessoas pensam que têm uma imagem nítida e claramente definida de como é a aparência dos homossexuais, acham que todos os homossexuais são efeminados. Trata-se de uma opinião generalizada, mas que não corresponde de todo à realidade. A maioria dos homossexuais tem a mesma aparência e agem tal e qual como as pessoas heterossexuais. As pessoas com “maneirismos”, os ditos “efeminados” são uma minoria entre os homossexuais, por isso não se preocupe com essa questão. Se este é um factor que o incomoda assim tanto, experimente perguntar a opinião sincera de alguns dos seus amigos mais próximos, pois as pessoas que o conhecem bem poderão responder à sua pergunta. No entanto, é importante concentrar-se em si, no seu sentir e na forma saudável como vive a sua orientação sexual, tentando retirar dessa opção o maior prazer e gratificação possível, tendo em vista o equilíbrio emocional.

“Não a deixo chegar ao orgasmo!”

 “Sempre tive uma vida sexual muito activa, mas de há algum tempo para cá durante o acto sexual com a minha companheira ejaculo precocemente, impedindo-a de atingir o orgasmo. Sinto que isso está a prejudicar a relação mas não sei como proceder, pois não sou capaz de evitar que isso aconteça.” Marco, Funchal Caro Leitor,Em primeiro lugar deixe-me felicitá-lo pela coragem e pela identificação da situação que está a vivenciar, o que só irá facilitar a rápida resolução da mesma e um adequado diagnóstico.É importante perceber o que mudou na sua vida, o que o torna agora incapaz de exercer um controlo eficaz sobre o tempo de obtenção do orgasmo e assim impedir a vivência a dois dos momentos de prazer. Este aspecto é fundamental para o diagnóstico adequado dado que esta situação poderá ser apenas decorrente de um período, mais ou menos difícil, que está a viver e que condiciona o seu desempenho sexual. Se assim o for, a solução passa pela procura da causa da ansiedade, que o impede de dar o seu melhor durante o acto sexual. Mas se tal assim não for, seria aconselhável consultar um especialista para lhe transmitir alguma confiança e ajudá-lo nesta tarefa. No entanto, lembre-se que se trata de uma situação muito frequente entre casais, para a qual já existe tratamento, tais como a técnica Squeeze na qual o leitor deve fazer uma pausa quando sentir que está prestes a ejacular e deve apertar a base do pénis com o dedo polegar e indicador durante 5 segundos antes de recomeçar a relação sexual. 

“Estou com um atraso de 3 dias…”

“Tenho 16 anos e estou muito preocupada porque perdi a virgindade há 3 meses com o meu namorado, temos tido relações sexuais muito frequentemente e desta vez já estou com um atraso de 3 dias. Isto assusta-me porque, apesar de usarmos sempre preservativo, a minha menstruação nunca atrasou antes. Apesar de usar preservativo pode existir o risco de gravidez? Estou assustada porque somos ainda muito novos para ser pais.”

 Tatiana, Setúbal

 

Cara leitora,

Os métodos contraceptivos cumprem o seu papel se forem bem utilizados. Os sinais de que um preservativo não foi bem utilizado são: ficar dentro da vagina/ânus, estar rasgado depois de retirado, ter ar lá dentro depois de colocado… Um atraso de 3 dias não é ainda razão para se preocuparem com uma gravidez indesejada, pode ser devido a muitas razões, mas se continuar façam um teste de gravidez numa farmácia e planeiem ir juntos a uma consulta de planeamento familiar. Há outros métodos contraceptivos que podem deixar-vos mais descansados para gozarem a vossa vida sexual (por exemplo a pílula, o anel vaginal, os adesivos, etc.). Mesmo assim, a utilização adicional do preservativo é desejável, pois é o único a prevenir as infecções sexualmente transmissíveis, para além da gravidez.

Pág. 1/3