Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“A vagina dá mais prazer que o clítoris?”

“Noutro dia eu e as minhas amigas estávamos a falar sobre a nossa vida sexual e uma delas disse que sente mais prazer quando o namorado lhe toca na vagina sente mais prazer do que com a estimulação do clítoris. É possível? Pensava que o prazer da mulher se concentrava no clítoris…”

 

Susana, Barcelos

 

Cara leitora,

Embora as sensações que produzem sejam diferentes, tanto o clítoris como a vagina propiciam prazer à mulher. Cada mulher é um ser humano único, e que vive o prazer de forma diferente e única também. O que dá muito prazer a uma mulher pode não provocar qualquer sensação a outra. Por essa razão, conhecer bem o próprio corpo é essencial para poder descobrir aquilo que lhe dá prazer a si e para que, dessa forma, o possa transmitir ao seu companheiro. Em primeiro lugar, há que compreender a diferença entre o prazer e a sensibilidade. Embora existam muitas áreas sensíveis ao longo do corpo, não quer dizer que todas elas proporcionem prazer. As zonas erógenas, que o provocam, estão associadas a terminações nervosas. O clítoris contém inúmeras terminações nervosas, provocando intensas sensações de prazer quando é estimulado. Embora seja menos comum, há muitas mulheres que também sentem muito prazer pela estimulação da vagina, pois também contém muitas terminações nervosas. A estimulação da vagina e do clítoris em simultâneo pode provocar inesperadas ondas de prazer!

“Sinto dores no clítoris…”

“De há algum tempo para cá noto que depois de fazer amor sinto dores e comichão muito forte no clítoris, e de cada vez que o meu namorado me toca, ao de leve que seja, temos logo de parar. Por vezes até o roçar da roupa interior me causa desconforto. Gostava de saber se isto é normal e como posso resolver o problema, pois está a interferir com a minha vida sexual.”

 

Tânia, Santarém

 

Cara leitora,

De facto, quando o clítoris está bem qualquer toque nesta área pode trazer um enorme prazer mas se, pelo contrário, se passa algo de errado com esta zona os toques podem ser extremamente dolorosos, por ser tão sensível. O clítoris compõe-se por três partes, a “cabeça”, que consiste numa pequena bolinha eréctil, localizada mesmo acima da abertura da uretra e por baixo do osso púbico, que pode ser visível consoante a anatomia da mulher e o seu estado de excitação, uma parte que se estreita e que vai dessa “cabeça” até ao interior do corpo, onde recebe os sinais nervosos que provocam a excitação, e um tecido que cobre a zona, nos lábios superiores, e que protege o clítoris, produzindo um fluido lubrificante quando a mulher está excitada. Quando esse fluido se acumula em excesso torna-se num líquido branco leitoso, que se não for removido através da lavagem pode “endurecer” em pequenos grânulos, os quais por sua vez provocam irritação na pele sensível envolvente, provocando dor mesmo apenas com o contacto da roupa. Embora a higiene depois de fazer amor possa resolver o problema, certas mulheres têm o canal que liga o clítoris ao interior do corpo mais estreito, dificultando a lavagem, pelo que pode experimentar submergir esta zona durante alguns minutos, usando o bidé, e mover a pele cuidadosamente, afastando os tecidos, lavando com cuidado com um produto aconselhado pelo ginecologista.

 

“Ela está quase… mas nunca consegue chegar lá!”

 

“Tenho 20 anos e gosto muito da minha namorada, com que namoro há já dois anos. Começámos a ter relações sexuais seis meses depois de nos envolvermos pois éramos ambos virgens e quisemos esperar, mas desde o início da relação que praticámos sexo oral um no outro. Contudo, a minha namorada nunca consegue chegar ao orgasmo. Parece que está quase… mas não consegue, como se algo a impedisse. Já tentámos várias técnicas e posições, mas mesmo quando se masturba ela também não consegue. Há algo que possamos fazer?”

 

Carlos, Porto

Caro leitor,

Cada mulher precisa do seu tempo, sensibilidade e paciência para explorar o seu corpo e visto que a sua namorada era virgem estão ainda a fazer ambos a descoberta da vossa maneira de viver a sexualidade. Há mulheres que se encontram numa fase pré-orgásmica, quando ainda não experimentaram um orgasmo nem na relação sexual nem através da masturbação, podendo ser anorgásmicas quando não chegam a consegui-lo. Apesar de não alcançarem o orgasmo, outros aspetos da relação sexual podem proporcionar-lhes prazer, sendo essencial que se sintam bem ao desfrutarem do sexo e da intimidade com o parceiro. É também muito importante que ter um orgasmo não se torne uma pressão, pois essa sim pode minar o prazer. Relaxar e focar-se naquilo que a faz sentir-se bem, no que lhe dá prazer e lhe provoca sensações positivas é o ponto de partida, sendo que algumas mulheres que têm dificuldade em ter um orgasmo conseguem-no através do uso de um vibrador, usando lubrificante, perto do clítoris. Sem pressas nem pressão, dediquem mais tempo a explorar o corpo dela, a dois e ela sozinha, e o mais provável será acabar por conseguir “chegar lá”. Se mesmo assim não aconteça, o acompanhamento de um terapeuta irá ajudá-la. 

Existem vantagens na circuncisão feminina?

topic.jpg

 

"Eu sou circuncidado e gostava que me esclarecesse acerca da circuncisão feminina. Não entendo porque a fazem nem que implicações pode ter na saúde da mulher. Existe alguma vantagem para a mulher em ser circuncidada?"

Paulo – Barreiro

 

Caro leitor,

A circuncisão nas mulheres é praticada por questões culturais ou religiosas, mas não tem qualquer razão médica para ser praticada. Esta é uma prática cruel que tem por objetivo privar as mulheres de prazer sexual, pois implica a remoção do clítoris e do capuz clitoriano, o que além de ter graves consequências a nível sexual pode também causar hemorragias graves e infeções, podendo mesmo provocar a morte da mulher circuncidada. Estas práticas tiveram início em África e na Arábia e foram efetuadas com o principal objetivo de reduzir o desejo sexual das mulheres, fazendo com que elas não tivessem a pretensão de procurar outros homens que não fossem os respetivos maridos, e que não se masturbassem, por ser algo considerado impuro. Apesar de ser uma prática considerada por muitos como bárbara, infelizmente é ainda efetuada em inúmeros países, apesar de, em muitos deles, já existir informação sobre os riscos que as mulheres correm.

 

“A masturbação causa-me dores!”

 

“Muitas vezes, ao masturbar-me, sinto muitas dores, principalmente quando fricciono o clítoris. É normal?”

 

Carolina, Setúbal

 


Cara leitora,

Os órgãos sexuais são bastante delicados e quando tocados de forma excessiva ou incorrecta podem causar dor. Por isso, o que o seu corpo lhe está a dizer é que deve mudar a forma, a frequência ou intensidade com que se masturba. É importante que conheça melhor o seu corpo para que não tenha que recorrer à fricção do clítoris com tanta força, o que tanto a magoa e que tanto desconforto traz. Comece da estaca zero e explore as zonas que são mais sensíveis ao toque e que lhe proporcionam a excitação e a produção de lubrificação necessárias para facilitar o acto sexual, quer seja através da masturbação ou não. Experimente utilizar um lubrificante durante a masturbação, pois este diminui a fricção. Porém, caso continue a sentir dores, recomendo que procure um ginecologista e lhe apresente os seus problemas. Desta forma, será mais fácil dissipar as suas dúvidas.