Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Não sou capaz de chegar ao orgasmo…”

 

 “Tenho 21 anos e desde os 16 que iniciei a minha vida sexual. Já tive 3 parceiros e actualmente estou com o mesmo parceiro há mais de 5 anos.

O que acontece é que nunca consegui atingir o orgasmo, primeiro pensámos que era por ainda ser inexperiente, mas passado tanto tempo e de tentarmos tantas posições, contactos, e novas maneiras de prazer, confesso que estou muito preocupada, uma vez que quando estou quase a atingir o orgasmo, sinto uma dor que me dá vontade de parar, e essa situação acaba por me frustrar a mim e ao meu marido, já não sei o que fazer...”


Ana, Matosinhos

 

Cara leitora,

 

É importante saber se conseguiu atingir o orgasmo com outros parceiros antes do seu actual. E sozinha, na masturbação? Não tenha vergonha de descobrir como prefere a estimulação na sua intimidade pessoal – tal é essencial para a descobrir numa relação íntima posteriormente. Apenas neste sentido a experiência é importante: o orgasmo feminino é aprendido, encenado num contexto de erotismo e romantismo, muitas vezes diferente do masculino.

Não tenha vergonha de pedir ao seu parceiro para a ajudar nesta encenação: faça jantares à luz da vela, banhos de imersão com aromas de que goste, conversas apaixonadas sobre o vosso amor…qualquer coisa que a estimule a sentir-se à vontade, apaixonada e liberta de preconceitos com a sua sexualidade.

As experiências que fez (de posições, contactos, etc.) podem falhar o objectivo do orgasmo por estar a pensar demasiado nele. A atenção focada no que está a acontecer pode influenciar que a sua resposta sexual seja interrompida e desviada do prazer, para focar essa preocupação de não estar a sentir a satisfação do orgasmo. Isto é um ciclo vicioso que deve tentar contrariar através de pensamentos positivos, fantasias sexuais que lhe agradem, pensar no prazer do que está a sentir sem racionalizar demasiado. Este ciclo é ainda reforçado pela ansiedade de antecipação e pela frustração que vos afasta depois do sexo, em vez de se aproximarem.

Note bem que a maioria das mulheres atinge o orgasmo mais facilmente com outras estimulações sexuais, sem penetração vaginal. As carícias no clítoris, o sexo oral, a masturbação recíproca são modos que pode explorar na sua relação e que têm bons resultados.

A terapia sexual pode ser adequada para si e o seu parceiro, poderão explorar mais sugestões que vos agradem e evoluir juntos na descoberta da vossa sexualidade.

 

Nunca tive problemas com a erecção, porém ...

Preciso da sua ajuda... Nunca tive problemas com a erecção, porém este sábado saí com a pessoa com quem estou há 3 meses e não consegui fazer sexo. E o que mais me deixou sem resposta é que eu já tive relação com ela. O que devo fazer?

 

Meu caro,

 

Os problemas sexuais podem surgir de repente por factores de uma situação pontual, momentânea, ou por factores pessoais – como refere ter saído, pode ter tido essas dificuldades por ter bebido álcool, estar cansado de trabalhar, ou mesmo ter uma preocupação a atormentá-lo. Tente não entrar num ciclo vicioso, pois quando sente que uma experiência corre mal, pode começar a sentir ansiedade de antecipação e ficar preocupado com isso, o que influencia muito a próxima relação sexual, de modo negativo.

Um homem não tem de querer e desejar relações sexuais a toda a hora: pode estar bem com a sua parceria, mas não lhe apetecer naquele momento e, por isso, o seu cérebro e o seu corpo não responderem aos estímulos de prazer.

Tente abstrair-se de problemas e não pensar nessa única vez em que não correu como gostaria, relaxar, não partir logo para a penetração mas demorar-se nas carícias, em sentir o corpo da outra pessoa e o prazer e satisfação que lhe pode oferecer, em descobrir as suas zonas erógenas preferidas…

Se o problema persistir, pense em consultar um médico especialista ou um sexólogo/a, para que não deixe esta pequena dificuldade crescer em bola de neve na sua vida.

 

blow-job1.jpg

 

 

Não atinjo o orgasmo!

orgasmo-femminile.jpg

 

"Quando tenho relações sexuais com o meu namorado fico muito excitada, mas não consigo atingir o clímax; no entanto, quando estou sozinha consigo atingi-lo. Esta situação trará algum problema à minha saúde?"

Rute – Portimão

 

Cara leitora,

Já pensou que a inibição referente ao seu namorado poderá estar a interferir com a dificuldade em atingir o clímax? Uma mulher pode ficar muito excitada e não atingir orgasmo, sem que isto traga problemas de saúde. O que acontece é que sente uma sensação de tensão ou congestão dos órgãos genitais, que pode ser incómoda, devido ao afluxo de sangue que é maior nessa região. Quando o orgasmo não é atingido, essa congestão pode levar algum tempo a desvanecer-se embora não traga nenhum tipo de problema de saúde. Poderá, eventualmente, sentir-se frustrada, devido à dificuldade em atingir o orgasmo estando mesmo muito excitada. Relativamente ao seu namorado, provavelmente, o que sente é vergonha e preocupação das reacções que possa demonstrar quando atingir o clímax. Não tenha medo do possível descontrolo, já que numa relação sexual ambos têm de aprender a demonstrar e a aceitar os comportamentos e os efeitos dos atos sexuais. Talvez uma conversa com o seu namorado sobre esta situação possa ajudar bastante no seu caso pois, possivelmente, ele poderá ter outro tipo de receios que ainda não tenha tido abertura para falar, também, por medo da sua reacção. Troquem informações sobre estes aspetos que podem, evidentemente, ser ultrapassados e estarem a declinar a vossa relação sexual sem razão.

A Menopausa

bodychanges2.jpg

 

Com o aparecimento da menopausa, que acontece entre os 45 e os 55 anos, a mulher deixa de ser fértil. A perimenopausa é a fase que a precede, e nela o corpo da mulher começa a sofrer transformações tais como a oscilação dos níveis de estrogéneo e a irregularidade da ovulação, que faz com que a menstruação deixe de aparecer em alguns meses. As alterações hormonais que caraterizam este período refletem-se em diversos sintomas físicos, tais como afrontamentos e suores nocturnos, fadiga, dores nas articulações, e secura da pele, cabelo, olhos e boca. Por outro lado, há mulheres que também experimentam alterações de humor, que provocam ansiedade, irritabilidade, e tendência para a depressão. O esquecimento e a dificuldade de concentração são também caraterísticos. É possível que devido à oscilação dos níveis hormonais a mulher também sinta dificuldades físicas e emocionais durante as relações sexuais.

 

“Ela diz que o meu pénis é pequeno”

“Depois de ter casado a minha mulher confessou-me que acha o meu pénis pequeno. O que devo fazer para tornar o sexo melhor?…”

 

 

Caro leitor:

Aqui ficam algumas dicas para melhorar as vossas relações sexuais. Estimule mais a sua esposa com preliminares e jogos eróticos, só depois a penetre. Prefira posições de penetração profunda, experimente ter relações sexuais mantendo a pernas da sua mulher fechadas. Pergunte directamente à sua esposa o que ela gosta mais a nível sexual.

Tema de hoje: Problemas conjugais

 

Exma. Professora Helena Juergens,

 

Tenho 54 anos e o meu marido 66. Há 15 anos que me esforço para levar o meu marido a fazer amor. Amo-o e desejo-o, mas ele esquiva-se com um terno beijo e o assunto morre por ali. Portanto há 15 anos que sofro com esta rejeição. Que me aconselha e o que tem para me dizer? Grata pela atenção, cumprimentos sinceros.

 

Margarida

 

Cara Margarida,

 

Sem saber mais a respeito do seu marido e da sua relação é difícil de determinar a causa do comportamento do seu marido. Algumas questões que deve colocar são as seguintes: Houve alguma mudança na vossa relação há 15 anos atrás? Algum problema de saúde ou deficiência? Infidelidade? Problemas conjugais? Todos estes factores podem influenciar o desejo sexual de um indivíduo. Uma vez que a leitora gostaria de compreender o porquê da sua situação aconselho que tenha uma conversa franca com o seu marido e que tente descobrir o que está por detrás do seu comportamento. Tente ter essa conversa de forma positive e sem acusações ou insultos, pois estes apenas vão piorar a situação.

Tenho feridas no pénis

Gostava que me pudesse ajudar, sou um rapaz sexualmente activo e apareceram-me duas pequenas feridas na membrana do pénis e gostava de saber o que poderá ser. Outra questão, a minha namorada tem sentindo um ardor ao urinar bem como uma dor insuportável na uretra/clítoris, que lhe
dói ao andar.

 

Obrigado,

Agradecia uma resposta.

 

 

Caro Tiago,

Os sintomas que descreve parecem indicar que tanto o Tiago como a sua namorada tem uma Infecção Sexualmente Transmissível, dessa forma convém que o Tiago consulte um urologista
e que a sua namorada consulte um ginecologista. Até que ambos o façam e ambos recebam tratamento adequado, não devem ter relações sexuais, incluindo penetração, sexo anal ou oral, pois podem continuar a passar a infecção um ou outro repetidamente.

“Não tenho lubrificação suficiente para ter relações sexuais”

“Sou casada há 5 anos e a melhor coisa que tenho na vida é a relação que tenho com o meu marido. Ultimamente tenho tido problemas sérios no trabalho e acho que se estão a transbordar também para casa. Chego cansada, não me apetece conversar com ele e quando tentamos fazer amor não tenho lubrificação suficiente. O que se passa comigo? Não quero perder a melhor coisa que tenho e começo a ficar assustada.”

 

Sara, Amadora

 

Cara leitora,

 

Como descreve que tem problemas sérios no trabalho é natural que estes se reflictam no seu estado de humor em casa igualmente e na sua maneira de viver as relações sexuais. Se forem passageiros, tente ter paciência e dar tempo ao tempo para que passem. Se previr que se manterão por muito tempo, então deve encontrar modos saudáveis para si de lidar com eles, de os aceitar e de conseguir abstrair-se deles (pelo menos em casa e noutros contextos), ou mesmo de considerar a procura e mudança de trabalho.

 

A lubrificação vaginal é um sinal de excitação, mas pode sofrer influências do modo como se sente, pelo que pode experimentar utilizar lubrificantes líquidos, em pomadas, comprados em sex-shops, farmácias ou mesmo supermercados. Não a ter ou perdê-la não significa que não esteja a gozar a relação sexual e deve comunicar com o parceiro se desejar uma fase mais longa de preliminares. Comuniquem sobre as coisas que a preocupam, mas dedique-lhes um tempo limitado (por exemplo, meia hora diária depois de chegar do trabalho e não mais do que isso), para que consiga aproveitar o tempo e recuperar as suas forças no seu tempo livre.

Boa sorte!

Tema de hoje: Ejaculação Retardada

 
Tenho 28 anos e gostaria de saber se é normal no momento das relações sexuais a ejaculação demorar muito a vir. Acontece-me de vez em quando: às vezes ejaculo no momento certo, mas outras vezes demoro muito e minha esposa incomoda-se, pois a vagina dela até perde a lubrificação com a minha demora.
 
Hugo
 
Caro Hugo,
 
O tempo da ejaculação depende de homem para homem e da pessoa com quem está a ter relações sexuais – lento e demorado para uns pode ser curto e rápido para outros. Saiba que uma relação sexual, desde o momento da penetração até à ejaculação e sem contar com os preliminares, dura para a maioria dos casais de 3 a 13 minutos (num estudo recente da Society for Sex Therapy and Research, publicado em Maio no Journal of Sexual Medicine). Conversas públicas muitas vezes criam-nos expectativas irrealistas e podem deixar-nos insatisfeitos com situações perfeitamente normais.
No entanto, se o Hugo e a sua mulher sentem que estão a perder lubrificação durante a relação, podem comprar lubrificante numa sex-shop ou super mercado e juntá-lo à penetração quando necessitarem. Pode ser uma questão de idade, das circunstâncias que a sua mulher se sinta assim, mesmo que mantenha o desejo de continuar a relação sexual.
 
Existe uma perturbação sexual chamada ejaculação retardada, em que o homem sente bastantes dificuldades em ejacular, mas tal deve ser diagnosticado em consultas presenciais e por especialistas em sexologia. 
No entanto, algumas causas desta perturbação podem ser medicamentos que esteja a tomar (como por exemplo alguns anti-depressivos), por isso se for esse o seu caso, consulte o seu médico e explorem a possibilidade de alterar a medicacao ou a sua dose.
 
Por enquanto podem experimentar novas formas de viver a relação sexual: juntar lubrificante (há de vários tipos, que aumentam a circulação sanguínea, líquidos, pomadas, com diferentes aromas…), ter o orgasmo com masturbação em vez da penetração vaginal, sexo oral, e mesmo a utilização de um vibrador para ajudar a estimular e atingir o orgasmo mais rapidamente - falem um com o outro sobre questões que vos preocupem e possam interferir com sentirem o prazer de estar juntos.

Palmadinhas de aniversário

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A minha namorada quer dar-me umas “palmadinhas” de prenda de aniversário, uma por cada ano de vida, mas não sei bem se devo concordar com esse pedido.

 

Luís, Abrantes

 

Caro Leitor,

 

Se o leitor nunca experimentou nenhuma prática de sexo sadomasoquista é natural que se sinta um pouco apreensivo. No entanto a sua namorada só lhe quer dar umas palmadinhas de amor, não o quer espancar ou amarrar à cama com correntes. Converse com a sua namorada e veja o que ela tem em mente, pois pode até ser divertido para si. Se decidir levar avante essa ideia, é importante que ambos comuniquem o quão longe querem ir com essa brincadeira e em que ponto vão decidir parar para que nenhum dos parceiros se deixe levar pelo entusiasmo e acabe por magoar o outro.