Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

"A impotência tem cura?"

 

"O meu marido anda com problemas na vida dele, o que o tem afectado como homem. Eu acho que o stress o está a tornar impotente, há cura?..."


Cara Leitora:

Vários são os motivos que podem afectar o desempenho sexual do homem, quer sejam factores emocionais, físicos, ou mesmo ambos. Recomendo-lhe que vá a um médico urologista para realizar alguns exames e medir os níveis de testosterona do seu marido. Se estes valores forem normais então terão de procurar outras possíveis causas para o problema. O seu marido está a tomar alguma medicação? tem diabetes? problemas de tensão ou coração? Estas são algumas das causas mais comuns de impotência. Quanto a saber se a impotência tem cura, com o desenvolvimento da medicina, cada vez mais existem soluções de todo o tipo, por isso esteja descansada. Comecem por identificar possíveis causas físicas ou medicas para o problema, se estas forem excluídas então trata-se de algo do foro psicológico, talvez stress, ansiedade, ou mesmo problemas matrimoniais. Dê ao seu companheiro o apoio de que ele necessita e verá que tudo irá correr pelo melhor.

Será que entrei na Andropausa?

“Tenho 58 anos e ultimamente tenho notado diferenças a nível emocional e sexual, e por isso me pergunto se estarei a entrar na andropausa?

 

José, Tavira

 

Caro Leitor,

 

Da mesma forma que a menopausa provoca alterações no corpo e no comportamento das mulheres, a andropausa manifesta-se nos homens provocando oscilações a nível físico e psicológico. Na andropausa, os homens podem observar mudanças a nível do desempenho sexual, bem como algumas alterações físicas e psicológicas. A andropausa define-se pela diminuição do nível de testosterona no homem, resultando no enfraquecimento do desejo sexual, bem como na dificuldade em manter a erecção. Outros sintomas que podem ser resultantes da andropausa são a diminuição do nível de energia física e a depressão. Convém referir que esta não é uma regra básica, pois cada homem é um caso. Porém, se achar necessário aconselho-o a dissipar as suas dúvidas junto de um especialista.

 

"A impotência tem cura?"

"Tenho 43 anos e estou casada há 10. Sempre tivemos uma relação satisfatória a nível sexual, mas ultimamente o meu marido anda com problemas na vida dele, o que tem afectado o seu desempenho na intimidade. Eu acho que o stress o está a tornar impotente, há cura para esta situação? Como posso ajudá-lo?"

Conceição, Matosinhos

Cara Leitora,

São vários os motivos que podem afectar o desempenho sexual do homem, quer sejam factores emocionais, físicos, ou ambos. Recomendo-lhe que aconselhe o seu marido a ir a um médico urologista para realizar alguns exames e medir os níveis de testosterona. Se estes valores forem normais então terão de procurar outras possíveis causas para o problema.
O seu marido está a tomar alguma medicação? Sofre de diabetes, problemas de hipertensão arterial ou coração? Estas são algumas das causas mais comuns de impotência. Quanto a saber se a impotência tem cura, com o desenvolvimento da Medicina, existem cada vez mais soluções de todo o tipo, por isso esteja descansada. Comecem por identificar possíveis causas físicas ou médicas para o problema, se estas forem excluídas então trata-se de algo do foro psicológico, talvez stress, ansiedade, ou mesmo problemas matrimoniais. Dê ao seu companheiro o apoio de que ele necessita e verá que tudo irá correr pelo melhor.

Menopausa

menstrual-cycle-menopause.jpg

 

A menopausa marca o fim da fertilidade da mulher e ocorre, geralmente, entre os 45 e os 55 anos de idade. Durante a fase de preparação para a menopausa – perimenopausa, os níveis de estrogéneo oscilam e a ovulação torna-se inconstante. Nesta fase a mulher pode ter menstruação nalguns meses, seguindo-se de um período de ausência de vários meses. Devido às alterações hormonais que ocorrem durante a menopausa a mulher pode começar a experimentar variadíssimos sintomas, tais como afrontamentos e suores noturnos, ansiedade, irritabilidade, alterações de humor e tendência para a depressão, esquecimento, dificuldade de concentração, dores nas articulações, fadiga, secura da pele, cabelo, olhos e boca. A oscilação dos níveis das hormonas pode provocar também dificuldades físicas e emocionais durante as relações sexuais.

 

Alívio e tratamento

Alguns métodos de autoajuda, bem como os Tratamentos de Substituição Hormonal (TSH), podem ajudar a restabelecer os níveis de estrogéneo e aliviar os sintomas físicos.

O TSH alivia os sintomas da menopausa, previne a atrofia genital e as mudanças ao nível do corpo. Pensa-se que este tratamento pode ajudar a proteger de doenças como o cancro e a osteoporose, mas no entanto há médicos que acreditam que este tipo de tratamento pode acelerar o desenvolvimento de quistos. Os TSH podem ser prescritos em forma de comprimidos, adesivos e implantes. Os cremes de estrogéneos podem ser aplicados na vulva e na vagina. A hormona testosterona pode ser receitada para ajudar a recuperar a libido.

 

 Se a menopausa está a afetar a sua vida sexual, alguns dos métodos que se seguem podem ajudá-la:

 1 – Para ficar bem lubrificada, não ignore os preliminares e, caso seja necessário, use um bom lubrificante.

2- A uretra e a vagina podem ficar menos almofadadas após a menopausa e os movimentos durante o acto sexual podem provocar dor e irritação. Se tem tendência para sofrer infecções urinárias, esvazie a bexiga após o ato sexual.

3 – Pratique exercício, mantendo o seu corpo em forma. Coma alimentos que nutram a pele e o cabelo. Pode usar suplementos alimentares.

4 – A medicina alternativa, a homeopatia, a naturopatia e a medicina chinesa têm à disposição tratamentos para as mulheres na fase da menopausa.

5 – Não perca a auto-estima e cuide da sua imagem.

Sinto muita vontade de fazer amor logo no primeiro encontro

b89a33d04f12d920_shutterstock_205027045.xxxlarge_2

 

"Sou um jovem de 21 anos um pouco assanhado, e por isso se calhar tenho mais vontade do que os outros de fazer amor. Mas o problema é que isso acontece logo na primeira vez que saio com uma rapariga. Tenho medo que elas pensem que sou um tarado, que o que quero delas é somente isso! Quando sentir vontade como será que devo proceder para saber se elas não vão ficar assustadas."

Jorge - Maia

 

Caro leitor,

O que sente é algo muito normal na sua idade, pois os seus níveis de testosterona estão no pique, o seu corpo está cheio de vitalidade e está a explorar uma faceta da sua vida bastante agradável. O estranho seria se você se queixasse de falta de vontade..!!!! Mas também tem de aprender a assentar os pés na terra e a controlar um pouco essa sua vontade. Uma possibilidade é masturbar-se mais frequentemente, e principalmente antes de sair com alguma rapariga, dessa forma a sua capacidade de julgamento não estará "nublada" devido a um desejo sexual incontrolável. Para perceber se a rapariga que está consigo também tem vontade de fazer amor consigo, primeiro espere, para ver se a situação se proporciona naturalmente, sem forçar nada. Se esta até se mostrar recetiva não avance antes de lhe perguntar se ela se sente confortável com o que estão a pensar fazer assegurando-a de que parará se ela, assim o desejar, parecerá muito delicado o que deixará a rapariga mais segura das suas intenções.

Sexualidade feminina

94192_Papel-de-Parede-Garota-Deitada--94192_1680x1

 

Orgasmo feminino

Algumas mulheres só conseguem atingir o orgasmo com a prática da masturbação. Estudos norte-americanos indicam que apenas 29% das mulheres atingem o clímax durante a relação sexual, mas 82% o atingem com a prática da masturbação.

 

Falta de desejo sexual

O desejo sexual hipoativo pode ser causado por vários fatores tais como o stress, cansaço, estados depressivos ou de ansiedade. Os medicamentos tomados para a depressão e estados de ansiedade podem também ser responsáveis pela redução do desejo sexual feminino. Há casos em que os baixos níveis de testosterona podem causar falta de desejo sexual nas mulheres. A terapia sexual para casais ajuda homens e mulheres a encontrar formas de obter prazer. O viagra é apenas recomendado para os homens com dificuldade erétil, e não produz qualquer efeito nas mulheres. O viacreme é uma substância que as mulheres podem usar para estimular os órgãos genitais, no entanto esta não garante a obtenção do orgasmo.

 

Anorgasmia

Esta carateriza-se pela dificuldade ou incapacidade para atingir o orgasmo, e é bastante comum entre as mulheres, mesmo em casos nos quais a mulher sente desejo sexual e não tem dificuldade em sentir-se fisicamente excitada. Esta situação pode causar bastante frustração tanto na mulher como no parceiro. É recomendável alterar a medicação caso a mulher esteja a tomar qualquer tipo de medicamentos, e recorrer à prática de masturbação por parte da mulher de forma a que esta se sinta mais em sintonia com o seu corpo.

 

Vaginismo

Condição na qual a vagina entra em espasmo muscular durante a penetração do pénis, tornando o ato sexual doloroso. Para atenuar esta situação pode usar-se medicação para tranquilizar a mulher durante o ato sexual de forma a ajudar a reduzir a tensão muscular. Existe também uma Técnica de Terapia Sexual, na qual a mulher é encorajada a introduzir, suavemente, "cilindros de treino" de tamanhos diferentes na vagina de forma gradual. Ao habituar-se à presença destes objetos, a mulher começa a aliviar a tensão que sentia anteriormente.

 

Dispareunia

Esta verifica-se quando a mulher sente dores bastante fortes durante a penetração, fazendo com que a relação sexual seja dolorosa e descomfortável. Muitas mulheres acabam por evitar ter relações devido à ansiedade antecipada da dor que vão sentir durante o coito. Existem investigadores norte-americanos que defendem a existência de um gene responsável pela manifestação deste problema em mulheres, mas é necessário que haja ainda mais investigação feita a este respeito. O tratamento deste problema pode passar por medicação ou por cirurgia.

 

Secura vaginal

A menopausa marca o fim da fertilidade da mulher e ocorre, geralmente, entre os 45 e os 55 anos de idade. Durante a fase de preparação para a menopausa – perimenopausa, os níveis de estrogéneo oscilam e a ovulação torna-se inconstante. Nesta fase a mulher pode ter menstruação nalguns meses, seguindo-se de um período de ausência de vários meses. Os baixos níveis de estrogéneo na fase da menopausa e pós-menopausa podem fazer com que os lábios vaginais e a vulva sofram um enrugamento e secura e, mesmo que a mulher esteja excitada, não se dê uma lubrificação adequada. Neste caso, a mulher deve usar um gel lubrificante antes da relação sexual. Alguns médicos recomendam o Tratamento de Substituição Hormonal através de um creme de estrogéneo, comprimidos, ou adesivos que podem ajudar a aliviar os efeitos da menopausa.