Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Sou virgem e a masturbação causa-me dores!”

 

Quando tento masturbar-me tenho muitas dores e não consigo atingir o orgasmo, e por isso aos 24 anos sou ainda virgem. Será que alguma vez vou ser capaz de ter relações sexuais sem dor?”

 

Marco, Almada

Caro leitor,

Por vezes, homens que não são circuncidados têm problemas durante as relações sexuais e masturbação devido à pele que cobre a cabeça do pénis não retrair completamente durante o coito e a masturbação, o que pode ser bastante doloroso. Dessa forma, uma questão importante é se o leitor foi circuncidado ou não, ou seja, se o leitor tem a pele que cobre a cabeça do pénis intacta ou se esta foi removida quando o leitor era bebé. Se o leitor não é circuncidado, experimente tentar retrair a pele da cabeça do pénis e veja se isso lhe causa dores. Se for esse o seu caso, o leitor pode necessitar de fazer uma cirurgia rápida na qual essa pele é cortada, permitindo que a cabeça do pénis fique exposta. Essa cirurgia é bastante simples de efetuar e não acarreta quaisquer riscos. No entanto, consulte um médico pois apenas este lhe poderá dar um diagnóstico mais preciso.

 

Será que ele pode ter cancro nos testículos?

 

O meu namorado tem 37 anos de idade e o seu testículo direito está inchado e dói-lhe imenso quando lhe toco, e não sei porquê. Será que ele tem um problema grave como cancro testicular?

Liliana, Linda-a-Velha

 

Cara leitora,

De facto os sintomas que descreve são geralmente sinónimo de algum problema a nível testicular, mas não significa obrigatoriamente que se trate de cancro testicular. É importante que o seu namorado marque uma consulta com o um médico de forma a que este lhe possa fazer um exame físico detalhado. Geralmente o cancro testicular manifesta-se através de um inchaço dos testículos, na maioria das vezes não acompanhado de dor. Este tipo de cancro é relativamente raro, mas vale sempre a pena avaliar a causa da dor. Pode dar-se o caso de o seu namorado ter feito uma lesão do testículo resultante de pancada ou alguma atividade física, por isso é importante que ele consulte o seu médico para que este lhe possa indicar o diagnóstico e tratamento mais indicados para o caso dele.

 

Duas relações

Tenho 39 anos sou casada há 20 anos só conheço meu marido na cama, mas há 3 meses comecei a relacionar-me com outro homem, não  relações sexuais com ele por não ter coragem, mas ele excita-me muito. Os actos sexuais com o meu marido aumentaram algumas vezes e são bem prazeirosos, mas desde há um mês tenho sentido leves dores na virilha, pequenas cólicas e estou constantemente excitada. O que podem ser estas sensações que estou sentindo?
Rosário
Cara Rosário,
Parece que a possibilidade de traição lhe trouxe um novo fôlego à relação com o seu marido – tal acontece em bastantes relações estáveis e de longa duração. Como aumentou a frequência das relações na sua vida sexual as dores na virilha podem ser do exercício físico associado. As cólicas e excitação podem ser do seu nervosismo e das emoções de estar a viver esta experiência de estar entre duas relações muito diferentes – uma de compromisso e outra pontual, que pode ser sentida como mais apaixonante, visto que não se conhecem bem e não têm a intimidade de uma relação estável.
A sensação de excitação pode ser também devida à sua idade e à aproximação da menopausa, mas tal terá de ser melhor investigado por um médico.

“Os nervos aumentam as dores?”


 

“Tenho 21 anos e iniciei há um mês a minha vida sexual, infelizmente até agora só senti dores durante a penetração, e mesmo quando eu e o meu namorado tentamos aumentar os preliminares não sinto qualquer tipo de prazer, tudo é uma impressão incomodativa e desconfortável. Será que estou a confundir o que sinto, não estarei descontraída o suficiente para me abstrair de tudo à minha volta? A minha médica, amigas e a própria mãe dizem-me que só preciso de me acalmar e que isto é mais nervos que outra coisa. Como ultrapassar este problema?”

 

 

Rita, Cascais

 

Cara leitora,

Parece que o seu problema se relaciona realmente com os nervos que sente durante o acto sexual, que fazem com que não consiga sentir prazer. Embora já tenha consultado uma médica aconselho que o faça novamente se as dores continuarem, pois pode dar-se o caso de ter alguma infecção que pode causar desconforto durante a penetração. Se verificar que não é esse o caso, experimente utilizar um gel lubrificante durante o acto sexual, pois este faz com que sinta maior prazer durante a penetração. Tente também pedir ao seu namorado que a penetre aos poucos e de forma gentil, ou seja, sem colocar o pénis todo na vagina de uma vez e, à medida que ele for introduzindo o pénis, procure controlar a profundidade e velocidade da penetração, ao mesmo tempo que contrai e relaxa os músculos da vagina durante este exercício. Desta forma vai sentir maior controlo durante a penetração e vai acabar por descontrair e por sua vez sentir mais prazer.

Penetração Lésbica

Sou lésbica e eu e minha namorada fizemos amor pela primeira vez, mas ela nunca tinha feito, embora eu já. No momento em que estávamos fazendo ela sentia uma certa dor, sem eu ter penetrado nada, só sentia dor quando eu acariciava com mais intensidade, e no outro dia, ela ficou toda dolorida, uma dor que parecia ter batido em algum lugar, como quando a gente bate e fica roxo, era uma dor assim. Eu também fiquei dorida, mas foi devido ao esforço.
Eduarda
 
Cara Eduarda,
 
Sem saber que práticas sexuais fizeram é-me difícil responder à sua questão. Não sei se a penetração que descreve terá sido feita com o dedo, um vibrador, a mão…
Podem ter de fazer mais preliminares (beijos, carícias, massagens,…) antes de iniciarem a penetração, para que haja lubrificação vaginal suficiente e não doa no momento nem mais tarde. Há lubrificantes artificiais que podem ser comprados em sexshops, farmácias ou em alguns supermercados e que vos podem ajudar: com efeitos de aquecimento, de água, de silicone – podem usá-los para massagens e para ajudar à penetração.
Por outro lado, pode ter acontecido que haja uma infecção vaginal e por isso o prurido e dores que descreve, com alteração da cor. Consultem um médico ginecologista, para que faça uma observação cuidada, pois podem mesmo infectar-se uma à outra durante as relações.
Tenham a atenção de procurar um/a ginecologista que conheça questões de mulheres lésbicas, informem-se junto de associações de direitos de lésbicas, gays ou bissexuais, para que encontrem um profissional adequado e que compreenda bem a vossa relação.

“Tenho muitas dores”

 

“Tenho 21 anos já tenho uma relação estável há um ano, mas nunca consegui que ele me penetrasse, porque tenho muitas dores na penetração e isso diminui o meu prazer. No final só sinto dores - o que eu devo fazer?”

Teresa, Mafra

 

Cara leitora,

Como refere que nunca conseguiu a penetração tem de consultar um médico ginecologista ou terapeuta sexual, para avaliar as causas – podem ser fisiológicas ou psicológicas ou mesmo ambas, mas apenas uma consulta poderá avaliar a possibilidade de ter uma perturbação sexual feminina, como a dispareunia ou o vaginismo.

Entretanto, nas suas relações sexuais, deve tentar relaxar e entregar-se a carinhos e festas durante um tempo substancial (a lubrificação depende do prazer que sente antes de iniciar a penetração). Não vou definir-lhe um tempo limitado, mas sugiro-lhe um mínimo de meia hora, antes de tentarem a penetração ou sequer de pensarem nisso (podem até nem chegar a concretizá-la mas procurar o prazer na mesma!). Isto irá diminuir a pressão para a penetração que parece sentir.

Experimente utilizar um lubrificante adicional nas suas penetrações, para perceber se será uma mulher que lubrifica pouco e isso que lhe dificulta a penetração.

Tente pedir ao seu namorado que a penetre aos poucos e de forma gentil, ou seja, sem colocar o pénis todo na vagina de uma vez, e à medida que ele for introduzindo o pénis deve controlar a profundidade e velocidade da penetração, deve também contrair e relaxar os músculos da vagina durante este exercício. Desta forma vai sentir mais controlo durante a penetração e vai acabar por descontrair e por sua vez sentir mais prazer. Aconselho também que explore o seu corpo através da masturbação, para que possa descobrir como gosta de ser tocada e o que lhe dá prazer, pois o primeiro passo para sentir prazer com um parceiro é ser capaz de o fazer sozinha. 

“Depois de fazer amor fico com os seios doridos…”


“Iniciei a minha vida sexual há dois meses e são raras as vezes que não fico com enormes dores nos seios. É normal que isso aconteça?


Catarina, Mealhada

Cara Leitora,

Os seios são sem dúvida uma das partes do corpo da mulher que são mais sensíveis ao toque. Por isso, durante o acto sexual deve-se ter o especial cuidado para não cair em exageros e não magoá-los, pois posteriormente o desconforto é evidente.

No início da actividade sexual alguns casais levados pelo desejo de atingir a relação sexual e o orgasmo perfeito e aliado à inexperiência, podem ocorrer alguns excessos o que pode realmente causar dor, e parece ter sido isso o que aconteceu convosco.

Neste sentido, é importante que haja uma maior comunicação entre si e o seu namorado para que saibam o que provoca prazer de um forma eficaz e aquilo que se traduz posteriormente em desconforto. Cabe-lhe a si definir limites para que tudo possa correr de uma forma indolor.

“Os nervos aumentam as dores?”

“Tenho 21 anos e iniciei a minha vida sexual recentemente. Sempre sonhei com este momento e imaginei que ia ser mágico e inesquecível. No entanto, está a ser muito doloroso, porque só sinto dores! Mesmo quando eu e o meu namorado tentamos aumentar os preliminares não sinto qualquer tipo de prazer, tudo é uma impressão incomodativa e desconfortável. Será que estou a confundir o que sinto, não estarei descontraída o suficiente para me abstrair de tudo à minha volta? A minha médica, amigas e a própria mãe dizem-me que só preciso de me acalmar e que isto é mais nervos que outra coisa. Como ultrapassar este problema?”
Rita, Cascais
Cara leitora,
Parece que o seu problema se relaciona realmente com os nervos que sente durante o acto sexual, que fazem com que não consiga sentir prazer. Embora já tenha consultado uma médica aconselho que o faça novamente se as dores continuarem, pois pode dar-se o caso de ter alguma infecção que pode causar desconforto durante a penetração. Se verificar que não é esse o caso, experimente utilizar um gel lubrificante durante o acto sexual, pois este faz com que sinta maior prazer durante a penetração. Tente também pedir ao seu namorado que a penetre aos poucos e de forma gentil, ou seja, sem colocar o pénis todo na vagina de uma vez e, à medida que ele for introduzindo o pénis, procure controlar a profundidade e velocidade da penetração, ao mesmo tempo que contrai e relaxa os músculos da vagina durante este exercício. Desta forma vai sentir maior controlo durante a penetração e vai acabar por descontrair e por sua vez sentir mais prazer. Aconselho também que explore o seu corpo através da masturbação, para que possa descobrir como gosta de ser tocada e o que lhe dá prazer, pois o primeiro passo para sentir prazer com um parceiro é ser capaz de o fazer sozinha. Boa Sorte!!!

Tema de hoje: Dores na relação sexual

 

Estou a escrever porque estou a ficar preocupada, pois já tentei ter inúmeras vezes ter relações sexuais e as dores são tão fortes que não conseguimos. O meu namorado diz que é normal isso acontecer, que eu fico muito nervosa mas começo a sentir-me mal com isto. No ano passado fui à ginecologista e ela garantiu-me que estava tudo bem e que não tenho qualquer problema mas confesso que começo a sentir-me mal.
Susana
Cara Susana,
Pela sua descrição não posso saber ao certo a causa das dores. Poderá ser por uma lubrificação fraca, que acontece em muitas mulheres e pode ser resolvida com lubrificantes artificiais; poderá tratar-se de alguma infecção vaginal, pois deve ir à sua médica ginecologista cada 6 meses e fazer alguns exames que despistem possíveis bactérias ou vírus; poderá ainda ser uma perturbação sexual feminina, como a dispareunia ou vaginismo (não sei ao certo se sentirá contracções da vagina). Por enquanto podem explorar outras formas de ter relações sexuais, não só através da penetração… Explorem as massagens, as carícias, a masturbação mútua, o sexo oral, os brinquedos eróticos… Usem a vossa imaginação para reinventarem a vossa sexualidade sem limites!
Para tentar reolver as dores no sexo, compre lubrificante numa sexshop ou numa farmácia e peça ao seu namorado que a penetre aos poucos e de forma gentil, ou seja, sem colocar o pénis todo na vagina de uma vez, e à medida que ele for introduzindo o pénis deve controlar a profundidade e velocidade da penetração, deve também contrair e relaxar os músculos da vagina durante este exercício. Desta forma vai sentir mais controle durante a penetração e vai acabar por descontrair e por sua vez sentir mais prazer. Tenha pensamentos positivos, imagine-se em lugares de sonho, crie uma fantasia e partilhem-na (a encenação de uma cena que a relaxe, por exemplo), não se deixe levar pela ansiedade.
Aconselho também que explore o seu corpo através da masturbação, para que possa descobrir como gosta de ser tocada e o que lhe dá prazer, pois o primeiro passo para sentir prazer com um parceiro é ser capaz de o fazer sozinha.

“Tenho muitas dores…“

“Há um ano que iniciei a minha vida sexual, mas ainda sinto muitas dores quando faço amor. Gostava de saber o porquê destas dores.”
Nicole, Carcavelos
Cara Leitora,
Uma vez que iniciou a sua vida sexual há um ano e ainda sente dores durante o acto sexual, a primeira atitude a tomar é ir uma consulta de ginecologia. O que se verifica é que algumas mulheres têm dores durante as relações sexuais devido a problemas variados, tais como obstipação crónica, fibromas, endometriose, hemorróidas, processos inflamatórios e infecções na região pélvica. Também há mulheres que têm dores pelo acto da penetração, por insuficiência de lubrificação, por infecções causadas por fungos, bactérias ou vírus, em consequência de alguma doença que tenha sido transmitida sexualmente, ou ainda por reacção alérgica a componentes dos preservativos usados durante o coito. Cada mulher é um caso isolado, por isso é importante que consulte um médico ginecologista para tentar identificar a causa das dores que sente durante a relação sexual.