Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Há riscos associados à laqueação das trompas?”

Before Falling In Love With An Emotional Girl With An Anxious Mind, Know  This

 

 

“Tenho 36 anos e não quero engravidar, já tenho um filho e não pretendo voltar a ser mãe. Há algum problema em fazer laqueação das trompas? Quais são os efeitos secundários? Será que vou ter desequilíbrios hormonais?”

 

Joana, Massamá

 

Cara leitora,

A laqueação das trompas é uma forma permanente de evitar uma gravidez e consiste em cortar, unir ou bloquear as trompas de Falópio – dois pequenos tubos que transportam o óvulo dos ovários até ao útero durante a ovulação. Há várias formas de proceder a esta intervenção cirúrgica, que é feita de acordo com aquilo que o médico considerar mais adequado ao seu caso. Estudos recentes apontam para o facto de este procedimento não provocar desequilíbrios hormonais significativos, mas é irreversível, pelo que deve sempre ter em conta que não poderá voltar a engravidar (é possível fazer uma cirurgia para voltar a engravidar, mas esta é bastante delicada e pode não assegurar uma gravidez). A laqueação de trompas não interfere com os níveis hormonais e, por isso, não provoca alterações no ciclo menstrual nem antecipa a menopausa. Os efeitos secundários são, essencialmente, os mesmos que estão implicados em qualquer intervenção cirúrgica: pode haver danos acidentais dos tecidos ou órgãos próximos, reações negativas à anestesia ou à medicação prescrita, infeções e dores.

Por outro lado, embora a laqueação de trompas apresente 99% de eficácia na prevenção de uma gravidez, aumenta o risco de uma gravidez ectópica, a qual acontece quando o óvulo é fertilizado e se desenvolve na trompa de Falópio. Essa situação põe em risco a vida da mulher e do feto, necessitando de intervenção imediata. Por fim, importa lembrar que a laqueação de trompas não protege contra infeções sexualmente transmissíveis, pelo que não substitui o uso de preservativo.