Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

(In)submissão

focus2-xlarge.jpg

 

Quem não deseja ser a companheira perfeita, a amante inesquecível, a sedutora a que o companheiro não resiste? No mais íntimo de cada ser humano há a necessidade de ser desejado, apreciado, de despertar atração e luxúria. Por vezes caímos na ideia errada de que, se fizermos tudo o que o outro deseja, seremos amados. Ser submissa não é o mesmo que ser uma boa amante, bem pelo contrário! Contudo, há quem se encontre a si próprio no prazer de se submeter a outrem, num jogo de domínio e submissão.

 

As exigências do dia a dia fazem com que muitas vezes nos esqueçamos que, para além de mães, filhas, funcionárias, chefes, somos, acima de tudo, mulheres. É comum à nossa identidade a sensibilidade, a sutil delicadeza, a capacidade de entrega e devoção, a força para derrubar todos os obstáculos, a resistência e resiliência e, também, a capacidade inata de seduzir e derreter o coração mais empedernido. O poder de sedução faz parte da mais profunda natureza feminina.

 

Algumas mulheres, contudo, negligenciam essa aptidão por duvidarem dela, sendo incapazes de se verem a si próprias como sedutoras ou atraentes. Para ser uma boa amante, comece por se ver a si própria como tal. Esqueça os tabus que lhe incutiram, perca os receios de ser "desavergonhada" ou de adotar comportamentos pouco próprios para uma boa esposa.

 

Entre quatro paredes, tudo é permitido entre duas pessoas que se amam e se respeitam. Fazer todas as vontades e ceder a qualquer capricho de outrem não garante a conquista do seu coração: bem pelo contrário, os homens (e as mulheres) amam pessoas com personalidade forte, que se apreciam a si próprias.

 

Quando estamos no território do BDSM, contudo, as regras alteram-se. Se existem pessoas que sentem prazer em dominar, outras há que encontram a sua maior satisfação em serem dominadas, submetidas a outrem. Os submissos devotam uma total lealdade ao seu dominador ou dominadora, servindo-o/a em tudo o que lhes é pedido, dentro dos limites que foram previamente definidos pelo contrato assinado entre ambos, que faz parte do protocolo das relações BDSM.

 

Para além dos jogos íntimos, sexuais ou não, o dominador pode determinar como é que o submisso se deve vestir (muitos submissos usam uma coleira com uma argola de metal, que os identifica como sendo aqueles que se submetem) ou aquilo que deve comer, e estas regras lembram ao submisso que o seu papel é obedecer e agir da forma como o dominador entende que ele deve fazer. O prazer que estas práticas podem proporcionar radica nos meandros secretos do nosso cérebro.

 

Por exemplo, uma pessoa a quem no dia a dia é exigido que dite as regras e as ordens que outros têm de cumprir pode achar extremamente libertador o facto de, por sua vez, se encontrar à mercê das ordens de outrem. Pessoas inseguras que precisam de constante aprovação dos outros podem retirar um enorme prazer do facto de se empenharem para cumprirem as ordens que lhes são dadas, sendo depois elogiadas, incentivadas, apreciadas e recompensadas por isso. Existem pessoas, também, que simplesmente se divertem a explorar outros aspetos da sua sexualidade e do seu erotismo, descobrindo mais sobre si próprias neste complexo jogo de "o Dom manda".

Cozinha de sedução

949008_52486529.jpe

 

Cozinhar e Seduzir são artes deliciosas que envolvem a cabeça, o corpo e o coração. Os bons amantes são inspirados pela paixão, tal como são os grandes chefes de cozinha. A cozinha de sedução, definida pela utilização de receitas de fácil preparação, permite que o cozinheiro passe menos tempo na cozinha e mais tempo envolvido no amor. Explorando comidas que puxam pela sensualidade, sabor, cheiro e toque, vai estimular o apetite sexual do seu parceiro. Escolha pratos que saciem mas que não enfartem e façam o seu parceiro ficar com água na boca.

 

Comidas sedutoras fazem-nos sentir mais enérgicos, promovendo uma sensação de bem estar e aumento do vigor. Por coincidência, as comidas consideradas afrodisíacas são aquelas que têm vibrações refrescantes, evocações visuais, e aromas e nutrientes necessários para melhorar o desempenho sexual. Muitas pessoas questionam se os afrodisíacos resultam mesmo. Nem todos estão provados cientificamente, mas lembre-se que a imaginação pode ir longe na arte da sedução, e servir estas comidas sensuais com um ambiente provocante leva qualquer amante ao êxtase.

 

Para além disso, servir uma refeição sedutora com um forte sentido de humor e num ambiente de harmonia vai provocar a melhor recompensa. Seja curiosa e experimente coisas novas. Use uma venda de olhos, vista-se, dispa-se, não vista nada… pois aparecer nua com a sobremesa faz com que tudo se mova na direção certa. Por último, use a empatia quando cozinhar para o seu parceiro, seja sensível às suas preferências culinárias e alergias. Nada pode estragar mais o ambiente como ele dizer que "detesta ostras", ou um caso de urticária.

“Sou amante de uma mulher casada”

 

“Apaixonei-me por uma colega de trabalho e envolvi-me com ela, apesar de saber que ela é casada. Agora não consigo esquecê-la nem terminar com a relação e tenho imensos ciúmes quando ela volta para casa para junto do marido.

Jorge, Cacém

Caro leitor,

 

Viver dividido, constantemente, entre a espada e a parede é difícil. Na verdade gostaria de ter a pessoa que ama inteiramente ao lado, sem ter que partilhá-la com mais ninguém. Porém, é bom que tenha a consciência de que se já tentou mostrar que a desejava ao seu lado de uma forma permanente e ela não mostrou grande interesse em deixar a família para partilhar a vida consigo, será bastante difícil não ficar para segundo plano. Desta forma, cabe-lhe a si refletir no que deseja para a sua vida daqui para a frente, visto que a pessoa que ama não pretende deixar a vida familiar. Pense na sua felicidade e veja se vale a pena estar a investir numa relação em que vai estar sempre em segundo plano. Contudo, aconselho-o a abrir o seu coração mais uma vez e deixe-lhe bem claro que a sua realização passa pelo facto de tê-la ao seu lado e partilharem o mesmo lar.