Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Cozinha de sedução

949008_52486529.jpe

 

Cozinhar e Seduzir são artes deliciosas que envolvem a cabeça, o corpo e o coração. Os bons amantes são inspirados pela paixão, tal como são os grandes chefes de cozinha. A cozinha de sedução, definida pela utilização de receitas de fácil preparação, permite que o cozinheiro passe menos tempo na cozinha e mais tempo envolvido no amor. Explorando comidas que puxam pela sensualidade, sabor, cheiro e toque, vai estimular o apetite sexual do seu parceiro. Escolha pratos que saciem mas que não enfartem e façam o seu parceiro ficar com água na boca.

 

Comidas sedutoras fazem-nos sentir mais enérgicos, promovendo uma sensação de bem estar e aumento do vigor. Por coincidência, as comidas consideradas afrodisíacas são aquelas que têm vibrações refrescantes, evocações visuais, e aromas e nutrientes necessários para melhorar o desempenho sexual. Muitas pessoas questionam se os afrodisíacos resultam mesmo. Nem todos estão provados cientificamente, mas lembre-se que a imaginação pode ir longe na arte da sedução, e servir estas comidas sensuais com um ambiente provocante leva qualquer amante ao êxtase.

 

Para além disso, servir uma refeição sedutora com um forte sentido de humor e num ambiente de harmonia vai provocar a melhor recompensa. Seja curiosa e experimente coisas novas. Use uma venda de olhos, vista-se, dispa-se, não vista nada… pois aparecer nua com a sobremesa faz com que tudo se mova na direção certa. Por último, use a empatia quando cozinhar para o seu parceiro, seja sensível às suas preferências culinárias e alergias. Nada pode estragar mais o ambiente como ele dizer que "detesta ostras", ou um caso de urticária.

Apetite sexual

 

Tenho 18 anos e já iniciei a minha vida sexual há algum tempo com o meu parceiro. O que se passa é que não tenho apetite sexual. Ele por vezes queixa-se, mas eu não tenho culpa de não me apetecer. Gostaria de saber se algo de errado se passa comigo, uma vez que ainda sou muito nova. Agradeço que a publicação desta mensagem seja feita sem qualquer nome identificativo.

 

 

Cara leitora,

é ainda bastante jovem e por isso está ainda numa fase de descoberta sexual. Aconselho que converse com o seu parceiro e que em conjunto explorem com mais calma e atenção todas as suas áreas erógenas. Dessa forma tanto a leitora como o seu namorado vão descobrir o que lhe dá prazer, o que vai ajudar a aumentar o seu desejo sexual. Aconselho também que a leitora experimente a masturbação em privado, e que depois partilhe com o seu namorado o que aprendeu.

“Não tenho vontade de fazer amor…”

 
“Estou casada há já alguns anos e o meu apetite sexual tem vindo a diminuir drasticamente. Às vezes penso que é por trabalhar demais e chegar a casa cansada.”
 
Manuela, Lisboa
Cara Leitora,
 
A diminuição do apetite sexual é bastante comum entre casais após alguns anos de casamento. Existem três factores que contribuem para este fenómeno, sendo estes a fadiga, monotonia, e a toma de medicamentos. O cansaço resultante de um estilo de vida acelerado, em que os casais têm de gerir trabalho, filho, e romance, pode causar diminuição do desejo sexual tanto em homens como em mulheres. A monotonia a nível sexual também causa diminuição do desejo sexual, uma vez que passados alguns anos de relacionamento a relação sexual não traz nada de novo. Outro factor que causa diminuição do desejo sexual é o consumo de medicamentos tais como antidepressivos ou ansiolíticos. Para tentar mudar esta situação que tanto a está a preocupar, o melhor será evitar alguns factores como o stress, o consumo de tabaco e bebidas alcoólicas, verificar a medicação que está a tomar, praticar exercício físico, e tentar diversificar as vossas práticas sexuais para quebrar a rotina. 

A minha mulher está deprimida e não tem apetite sexual!

Somos um casal jovem, eu de 28 e a minha esposa de 26 anos, casados há 4 anos. A minha esposa, devido ao acompanhamento da doença do seu pai e ao seu posterior falecimento, ficou deprimida.  Foi mal acompanhada no início da doença e já anda a tomar anti-depressivos há cerca de 2 anos. Devido à medicação não tem apetite sexual, o que a deixa ainda pior, apesar de eu compreender a situação ela sente-se mal com isso. Gostávamos de saber se existe "algo" (medicação, ocupação, etc.) que nos possa ajudar, ou onde
poderemos encontrar ajuda.

 

Francisco, Braga

 

Caro leitor,

Infelizmente, a maioria das medicações para a depressão, apesar de ajudarem com os sintomas da mesma, acabam por diminuir o desejo sexual. No entanto, existem vários tipos de medicação diferentes no mercado, e cada pessoa reage de forma diferente a cada um deles, por isso há que encontrar o medicamento e a dose mais adequados para o caso da sua esposa. Medicamentos como o Prozac ou Zoloft, apesar de serem bastante eficazes no combate aos sintomas da depressão, são também conhecidos por causarem uma maior diminuição do desejo sexual do que um medicamento como o Wellbritin, que é o anti depressivo no mercado com menos efeitos a este nível. Aconselho a que a sua mulher consulte um psiquiatra, e não um médico de família, para que este possa avaliar qual a medicação mais adequada para o seu caso. Sejam claros a respeito da vossa preocupação com os efeitos que esta possa ter a nível sexual e peçam ao médico que receite um medicamento que provoque menos efeitos secundários a este nível. Aconselho também a que a sua esposa pratique exercício físico, apanhe sol, e durma bem, pois estes são factores que contribuem para o aumento do desejo sexual.

“O apetite sexual aumenta com a menstruação?”

 

“Tenho reparado que nos dias em que estou com o período sinto maior vontade de fazer amor. Será que existe uma explicação científica para isto, ou é apenas impressão minha?"

 

Mariana, Castelo Branco

 

Cara leitora,

 

Ocorrem várias alterações hormonais no corpo da mulher durante o mês. Cada mulher tem um ciclo de desejo sexual diferente. O facto de sentir maior vontade de fazer amor durante a menstruação é frequente nas mulheres, isto porque durante essa fase não existe o risco de uma gravidez indesejada, o que faz aumentar a libido de muitas mulheres. Se não lhe incomoda fazer amor durante esse período nem a si nem ao seu companheiro, aproveite e dê largas à imaginação. Contudo, devem tomar as devidas precauções, usando sempre um preservativo, pois apesar de as probabilidades de uma gravidez serem muito pequenas, mais vale prevenir do que remediar.

 

 

 

“Não me apetece fazer sexo!”

“Sempre me dei bem com a minha esposa a nível sexual, mas desde que ela teve o nosso filho, há uns meses, já não tenho vontade de fazer amor com ela…”

António, Monte da Caparica

 

Caro leitor,

por melhor que seja a vida sexual de um casal, o nascimento de uma criança é sempre um período de desorganização a nível sexual. Alterações hormonais, depressão pós-parto ou cansaço são muitas vezes associados a diminuição de desejo, mas estas não são as únicas razões. Deixar de ter relações depois de ter um filho é bastante comum para vários casais. É perfeitamente seguro ter relações após o nascimento do bebé, desde que a mulher se sinta fisicamente preparada para tal. Aconselho-o a tentar criar novos cenários e fantasias, passe uns dias fora com a sua esposa…isto irá ajudá-lo a aumentar a libido.

“Estou a atravessar a menopausa e o sexo é doloroso”

“Tenho 45 anos e estou casada há 20. A nossa vida sexual sempre foi satisfatória, mas desde que entrei na menopausa sinto menos apetite sexual, e quando tenho relações com o meu marido sofro muito com as dores. É normal?”

Teresa, Viana do Castelo

 

Cara Leitora,

O que está a sentir é algo bastante comum. Durante a menopausa o seu corpo passa por várias alterações hormonais que podem causar redução do desejo sexual e da lubrificação vaginal, daí o motivo do seu desconforto. Sugiro-lhe que consulte o seu ginecologista para averiguar melhor o seu caso e ter a certeza de que tudo está bem a nível físico. Depois consulte um endocrinologista que seja especializado em questões relacionadas com a menopausa, pois hoje em dia existem vários tratamentos para reduzir os seus efeitos. Mas se se decidir por algum tratamento informe-se muito bem dos efeitos secundários da medicação antes de tomar qualquer decisão. Entretanto use lubrificante durante as relações sexuais para evitar o desconforto.

 

“Será boa ideia fazer um strip?”

Vi na televisão uma rapariga que por gosto começou a fazer striptease e adorou. Por isso, lembrei-me se não seria boa ideia fazer striptease para o meu marido, pra apimentar a nossa relação. O que acha?”

Maria, Amarante

Cara Leitora,

 Surpreender é sempre uma boa fórmula para revitalizar qualquer relação. Neste sentido essa sua vontade em aprender a fazer striptease pode ser um bom elixir para dar um outro ânimo à sua vida conjugal. Desta forma, o uso da sua sensualidade poderá surpreender pela positiva o seu companheiro. Através de um comportamento irreverente e criativo poderá levar o seu marido ao delírio. Imagine a alegria dele ao ver a sua esposa a oferecer-lhe um show repleto de sensualidade. Apesar das dificuldades iniciais não se acanhe. O melhor será preparar tudo pormenorizadamente e não dispensar os pequenos detalhes que farão a diferença. Abra os cordões à bolsa e compre uma lingerie sexy, com um ar atrevido e de preferência com ligas. Não se esqueça dos sapatos altos, mas confortáveis para dançar. É muito importante ter em atenção à música escolhida para criar o ambiente perfeito. Basta colocar a imaginação a funcionar para conseguir proporcionar uma noite inesquecível ao seu marido. Poderá recriar inúmeras cenas fantasiando o que quiser.  Porém, tenha em conta que tudo o que é demais enjoa. Por isso, delicie o seu marido de vez em quando com um espetáculo de strip, mas procure as novidades das sex shops para continuar a sua vida sexual e quebrar a rotina do dia-a-dia.

 

"O meu marido engordou e não me apetece fazer amor com ele"

 

"Estou casada há 20 anos, e de há algum para cá o meu marido desleixou-se com o seu aspecto físico e tem engordado. Ele ultimamente tem tentado perder peso, algumas vezes resulta mas passado um tempo engorda novamente. Não sei o que devo fazer, pois não me sinto atraída por ele quando ele engorda."

 

Miriam, Guarda

 

Cara leitora,

essa é uma situação complicada, pois não se pode mudar o corpo de uma pessoa de um momento para outro, principalmente depois de uma certa idade… mas também não se pode obrigar ninguém a sentir desejo sexual quando ele não existe. O metabolismo do homem e da mulher sofre alterações com a idade, o que faz com que as pessoas engordem. Lembre-se que o seu marido está, certamente, tão aborrecido com essa situação como você. É bastante frustrante tentar emagrecer e não conseguir, o que afecta bastante a auto-estima de uma pessoa. Tente conversar com ele de forma carinhosa, tentem "os dois" passar a caminhar juntos de manhã, ou fazer exercício no ginásio. Alterem a vossa alimentação, passando a consumir comida mais saudável, é importante que a leitora participe do processo, para que isso seja um projecto vosso e não uma imposição sua. É bastante importante que o seu marido sinta que o ama e que o está a apoiar nesta fase.

“O que se passa comigo?”

 

Há 2 anos namoro com um rapaz e há 8 meses tivemos relações sexuais pela primeira vez. Correu bem e com muita cautela, fui ao medico antes, receitou-me exames e orientou-me sobre as sensações que possivelmente iria ter... Eu já tomava anticoncepcional desde os meus 14 anos, porque a minha menstruação tem um fluxo muito forte. O meu namorado entretanto fez uma cirurgia e passamos mais de dezoito dias sem ter relações e quando o médico dele o permitiu de novo,  eu não sinto vontade nenhuma, nenhum desejo. Quando tentei forçar senti muitas dores e continuo a sentir e sinto que a minha vagina está com um odor diferente, com muito corrimento.

É normal eu sentir essa falta de interesse por ele? Gosto de beijar, abraçar, mas quando passa para a parte mais quente peço que pare e tenho vontade de chorar. Tenho medo que seja alguma infecção!”

Marta, Leiria

 

  

 

Cara leitora,

 

O seu caso apresenta tantas coisas que deve mesmo falar abertamente com o seu médico para melhor o esclarecer. O facto de fazer contracepção é positivo, para ficar descansada quanto a possíveis gravidezes indesejadas, mas não a protege de contrair infecções sexualmente transmissíveis e isso pode ainda preocupá-la.

 

Não sei como reagiu às suas primeiras relações sexuais, se gostou, se se sentiu confortável, como ficaram depois. Não sei a causa da cirurgia do seu namorado e se pode relacionar-se com a sua falta de desejo. Também não sei se a vossa relação sofreu alguma mudança nesses dias em que não tiveram relações. Qualquer um destes factores pode influenciar o seu desejo sexual e a sua vontade de ter sexo.

 

Reflicta um pouco, sozinha ou acompanhada, sobre o que poderá estar a ter impacto nos seus sentimentos em relação à sexualidade.

 

No que toca a dores, odores e corrimento tem mesmo de fazer um diagnóstico presencial com um médico, pois pode ter desenvolvido apenas algumas bactérias vaginais (a vagina como mucosa tem uma flora vaginal que pode desequilibrar-se e dar tais sintomas), como pode ter sido infectada com uma infecção sexualmente transmissível e estar a reagir negativamente ao sexo por lhe causar dores.